Vacina canadense contra covid19 está sendo testada em Curitiba; saiba como participar

Uma nova vacina contra a covid-19, desenvolvida pela farmacêutica canadense Medicago, em parceria com a britânica GlaxoSmithKline, está em fase 3 de testes no Brasil. Na região de Curitiba, o Hospital do Rocio, em Campo Largo, selecionará 400 voluntários para testar o imunizante, que já teve o ensaio clínico aprovado pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) e pela Comissão Nacional de Ética em Pesquisa (Conep). Estudos também estão sendo realizados em São Paulo, Campinas, Rio de Janeiro e Porto Alegre.

Os interessados em participar do estudo devem morar em Curitiba ou na Região Metropolitana. Os voluntários devem ter 18 anos ou mais e atender a todos os requisitos (veja abaixo como se candidatar).

É preciso ter disponibilidade para comparecer às consultas agendadas, preencher diários sobre sintomas no seu celular — será necessário baixar um aplicativo —, coletar amostras de sangue e atender às ligações e mensagens que serão enviadas pela equipe. No mundo, serão recrutados 30 mil participantes na Europa, na América Latina, além de Estados Unidos e Canadá.

A vacina em teste é desenvolvida com partículas que são semelhantes ao vírus Sars-CoV-2, chamadas de VLPs (do inglês, viral-like particles). Porém, elas não são infecciosas, pois não contêm material genético viral. Essas VLPs foram inseridas na planta Nicotiana benthamiana — usada para produzir a vacina. O estudo vai avaliar se essa semelhança é suficiente para fazer o organismo produzir anticorpos capazes de prevenir a covid-19.

O cadastramento dos interessados não garante a inclusão no estudo, que só será efetivada no dia da primeira consulta, quando todos os critérios de elegibilidade estiverem revisados pela equipe de pesquisa. Os voluntários serão sorteados por um sistema informatizado para tomar a vacina ou placebo (sem o princípio ativo) e, se constatada a eficácia, todos receberão a vacina.

Como participar

Inscrições, informações detalhadas sobre o estudo e critérios: acesse o site svriglobal.com 

 Quem pode participar 

  • Ter 18 anos ou mais
  • Não ter recebido vacina para covid-19
  • Não ter diagnóstico prévio de covid-19
  • Podem ter condições clínicas que aumentam risco de covid-19 mas que não foram cobertas pelo Programa de Vacinação do SUS, como, por exemplo, tabagismo, obesidade leve, alcoolismo e doença psiquiátrica
  • Mulheres em idade fértil devem estar utilizando método anticoncepcional por até um mês após a segunda dose da vacina (duas doses, zero e 21 dias)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Cajuru ganha pista de BMX com padrão internacional

Foi dada a largada para as provas e treinos na nova pista de BMX do Parque Olímpico do Cajuru, o Parque dos Peladeiros, na Regional Cajuru. A inauguração da Pista Municipal de BMX Supercross (bicicross) aconteceu na tarde desta quinta-feira (22/7), com a presença do prefeito Rafael Greca e de atletas da modalidade, que fizeram o reconhecimento da estrutura, com todos os seus obstáculos.  

Inauguração da Pista Municipal de BMX Supercross de Curitiba (bicicross) a nova pista de BMX fica no Parque Olímpico do Cajuru, antigo Parque dos Peladeiros, na Regional Cajuru. Curitiba, 22/07/2021. Foto: Ricardo Marajó/SMCS

Com especificações olímpicas e padrão internacional, a pista é uma das poucas no país com condições de receber competições oficiais. São duas rampas para largadas das categorias Challenge (5 metros de altura) e Championship (8 metros de altura) e 390 metros de obstáculos para as competições.

A obra é uma parceria das secretarias municipais do Meio Ambiente e de Obras Públicas, com financiamento da Caixa Econômica.

“O Cajuru nunca mais será o mesmo”, disse Greca ao lado do vice-prefeito Eduardo Pimentel. “Estou morrendo de inveja dos nossos atletas [que aguardavam a largada], essa pista é orgulho de Curitiba e uma das mais bonitas que o nosso país possui”, completou o prefeito, ao pedir aplausos à secretária do Meio Ambiente, Marilza Oliveira Dias, que idealizou o complexo esportivo.

O secretário do Esporte, Lazer e Juventude, Emilio Trautwein, destacou que já existem campeões da modalidade em Curitiba. “E a ideia é que possamos estimular ainda mais a prática do esporte”, afirmou. 

Inauguração da Pista Municipal de BMX Supercross de Curitiba (bicicross) a nova pista de BMX fica no Parque Olímpico do Cajuru, antigo Parque dos Peladeiros, na Regional Cajuru. Curitiba, 22/07/2021. Foto: Ricardo Marajó/SMCS

Entre os praticantes que deram as primeiras voltas na pista estiveram Fernanda Bueno Cooper, Miguel Silveira Silva, Pedro Henrique Bueno, Matheus Araújo Mascarenhas, Juan Stocco, Pedro Henryque da Silva Alves, Humberto Emanuel Silveira Silva, e Luiz Felipe Valentini, todos com idades entre 11 e 14 anos. 

Inauguração da Pista Municipal de BMX Supercross de Curitiba (bicicross) a nova pista de BMX fica no Parque Olímpico do Cajuru, antigo Parque dos Peladeiros, na Regional Cajuru. Curitiba, 22/07/2021. Foto: Ricardo Marajó/SMCS

Referência esportiva

O complexo esportivo conta, ainda, com campos de futebol de areia, de rua e americano, quadra de futebol de salão, academia ao ar livre, área de treinamento de atletismo, um estádio municipal de beisebol e softbol, pista de caminhada e canchas de voleibol. E já está em tratativas e estudos junto à Secretaria do Meio Ambiente a possibilidade da implantação de uma pista de skate no local, que também terá parede de escalada, centro de lutas e uma pista de pump track (tipo de pista para bicicleta). 

Desde 2017, o parque vem recebendo benfeitorias feitas pela Prefeitura, que transformou o local em um centro de formação esportiva especializada, além de espaço de lazer e atividade física para a população. Em 2018, o complexo passou a contar com o Centro de Iniciação ao Esporte (CIE) Nelson Comel, que colocou no parque uma quadra poliesportiva coberta e pista de atletismo. 
 

Fiocruz: cai média de idade de mortes e de casos de covid-19

A idade média dos casos e das mortes de covid-19 apresentou uma queda quando se compara a semana epidemiológica (SE) 1 (3 a 9 de janeiro) e a 27 (3 a 10 de julho) de 2021, segundo o Boletim Observatório Covid-19, publicado hoje (22) pela  Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz). Nos dados mais recentes, a média de idade das internações está em 53 anos, contra 62,5 na SE 1; as médias de óbitos foram 73 e 65 nas semanas epidemiológicas 1 e 27, respectivamente.

Os dados foram obtidos a partir do Sistema de Informação de Vigilância Epidemiológica da Gripe (SivepGripe)  e, segundo os especialistas, apontam para uma nova fase da epidemia no país. “Convém ressaltar que houve uma inflexão na tendência de declínio. Para os casos, a média de idade das internações já chegou a 52,1 anos. Para os óbitos, a inflexão é mais evidente: a média da idade atingiu 59,4 anos”, disseram os especialistas.

Em comparação com a semana epidemiológica 23 (6 a 12 de junho), houve um aumento de internações entre idosos, que esteve em 27,2% na semana epidemiológica  23 e na 27 subiu para 31,8%. Os dados indicam que na semana epidemiológica 23 foi registrada a menor porcentagem de idosos no número de óbitos (44,8%). Na SE 27, esse percentual subiu para 58,2%. Os dados mostram também redução de internações em leitos de terapia intensiva na faixa etária de 50 a 59 anos e uma interrupção no aumento na faixa de 40 a 49 anos na comparação entre as duas semanas epidemiológicas.

Duas últimas SE

Nas últimas duas semanas epidemiológicas, a trajetória descendente no número de casos de Síndromes Respiratórias Agudas Graves (SRAG) desacelerou. Segundo os cientistas do Observatório Covid 19, nas últimas duas semanas epidemiológicas, o aumento recente ou o registro de estabilidade em alguns estados sugere um quadro a ser monitorado. Nesse período foi registrada uma queda tanto no número de casos novos (-2,1%), quanto no de óbitos (-2,6%), tendência sustentada desde a análise das semanas anteriores. A taxa de letalidade foi mantida em torno de 3%.

Os pesquisadores destacaram a importância do avanço da campanha de imunização para a  melhora nos números da pandemia. “O avanço da vacinação no Brasil tem ocorrido de forma mais lenta do que a desejável. Ainda assim, a melhoria do quadro pandêmico no país é uma consequência direta do aumento no número de imunizados”, disseram os especialistas.

Estados

Não houve aumento das taxas de incidência ou mortalidade em nenhum estado. Houve uma redução expressiva no número de casos de covid-19 no Rio Grande do Norte, em Rondônia e em Alagoas e uma redução no número de óbitos expressiva no Piauí, no Acre, no Pará e em Sergipe. 

As maiores taxas de incidência de covid-19 no período das últimas duas semanas foram observadas nos estados de Roraima, de Mato Grosso e de Santa Catarina. Paraná, Mato Grosso e São Paulo apresentam as maiores taxas de mortalidade. As maiores taxas de letalidade foram registradas no Rio de Janeiro (5,7%), São Paulo (3,4%), Amazonas (3,4%) e Pernambuco (3,1%).

Para os especialistas, as altas taxas de letalidade “revelam falhas no sistema de atenção e vigilância em saúde nesses estados, como a insuficiência de testes diagnósticos, da triagem de infectados e seus contatos, identificação de grupos vulneráveis, bem como a incapacidade de se identificar e tratar adequadamente os casos graves de covid-19”.