A Prefeitura de Curitiba começou a implantar o EstaR Eletrônico, que vai substituir o modelo atual de estacionamento regulamentado na cidade. O novo EstaR vai entrar em vigor em 16 de março, mas haverá um tempo de adaptação para que a população se acostume como o novo sistema, que moderniza o uso das 12.088 vagas disponíveis. Saiba como vai funcionar o EstaR eletrônico e tire suas dúvidas

Foto: Hully Paiva/SMCS

Por que adotar o modelo digital?

O EstaR eletrônico vai modernizar o estacionamento regulamentado na cidade, facilitando a operação para o usuário, que poderá comprar créditos por aplicativos, totens ou em pontos de venda de comércio. A exemplo do que já fizeram cidades como São Paulo e Belo Horizonte, o EstaR deve melhorar e otimizar o uso dessas vagas. A medida era uma reivindicação também de comerciantes da cidade. Com o novo EstaR, a tendência é que a rotatividade de veículos nesses estacionamentos aumente beneficiando o movimento no comércio.

Como vai funcionar?

O motorista poderá baixar no celular um dos aplicativos homologados, e, com apenas alguns toques, comprar os créditos para a utilização. A Urbanização de Curitiba (Urbs) estima que pelo menos oito aplicativos sejam homologados para oferecer o serviço.  Já existem três aplicativos homologados para fazer a venda de créditos: Zul Digital (On Tecnologia de Mobilidade Urbana S.A.), Faz Digital Curitiba (Inova Soluções em Tecnologia e Gestão Ltda.) e Transitabile (Transitabile Sistema de Controle de Vagas Automotivas Ltda.).

O motorista se inscreve na plataforma escolhida, coloca o número da placa, sua localização e o tempo de permanência e faz o pagamento. O limite de permanência continua o mesmo, de duas horas.

Qual o cronograma de implantação?

O sistema eletrônico começa em 16 de março, mas até 10 de maio os antigos cartões de papel irão conviver com a ferramenta eletrônica. A partir de 11 de maio, os cartões antigos não serão mais aceitos e os motoristas terão até 10 de junho para trocá-los por créditos do EstaR Eletrônico.

A troca poderá ser feita na sede da Urbs da Rodoferroviária e nos pontos da empresa nas Ruas da Cidadania.

Vai ser sempre cobrada hora cheia, como no EstaR atual?

A novidade é que no novo modelo os créditos serão fracionados de quinze em quinze minutos. No modelo atual, o motorista paga a hora cheia, mesmo se usar a vaga por período menor. Com o EstaR eletrônico, o usuário que usar menos de uma hora, por exemplo, terá o restante do tempo transformado em créditos para a próxima vez.

Qual o preço?

O preço da hora passa de R$ 2 para R$ 3. Desde 2015, o EstaR não tinha o preço reajustado na cidade. Mas o fracionamento trará economia para o motorista. O preço para 15 minutos é de R$ 0,75. Vale lembrar que um estacionamento privado no Centro cobra, em média, R$ 6 por meia hora e R$ 12 pela hora cheia.

Se eu não tiver celular ou ficar sem bateria, como faço?

Além do celular, o motorista poderá comprar créditos em pontos de venda do comércio credenciados. Estima-se pelo menos 400 pontos de venda – 50 por aplicativo homologado. Hoje são cerca de 150 lotéricas que oferecem bloquinhos de EstaR, ou seja, o motorista terá uma oferta maior de pontos de venda. Além disso, onde não houver comércio nas vias, as empresas de aplicativos deverão instalar totens para compra de créditos.

Como será a fiscalização?

A fiscalização permanece com agentes da Setran, que terão um dispositivo com geolocalização dos carros estacionados em cada área. Com isso, o agente poderá rapidamente saber se o veículo está estacionado irregularmente. A fiscalização se dá pela placa. Quando o prazo do EstaR estiver para vencer, o sistema envia uma mensagem ao motorista, que poderá renovar o tempo de uso, desde que limitado a duas horas. Caso tenha que mudar o carro de área, uma nova compra terá que ser feita.

Como faço a regularização em caso de estacionamento irregular?

Hoje quando estacionam sem o cartão em em áreas onde é exigido o EstaR os usuários são apenas avisados de que estão cometendo uma infração. Eles têm até cinco dias úteis para regularizar a situação, comprando um bloco de cartões. No EstaR Eletrônico, a regularização da infração por estacionamento irregular terá os mesmos cinco dias úteis para ser feita, pelo site da Urbs, e mediante o pagamento de R$ 30. Esse valor não será transformado em crédito.

Posso armazenar créditos?

Assim como funciona com o bloco de cartões do EstaR, os usuários também poderão comprar créditos pelos aplicativos e armazená-los para utilizar quando forem estacionar. Haverá possibilidade de o usuário receber desconto ao adquirir um número maior de créditos. Cada empresa de aplicativo terá sua política de descontos. A Urbs estabeleceu apenas o valor máximo que poderá ser cobrado pela fração de hora do estacionamento. O sistema de pagamento poderá ser por cartão e boleto bancário e os aplicativos também devem oferecer outros modelos de pagamento.

Não sei quais aplicativos credenciados, como faço?

Além das pesquisas nas plataformas Apple e Android, é possível consultar as placas de sinalização do EstaR eletrônico nas vias. Nelas há um QR Code que pode ser lido pelo celular e que mostra quais são os aplicativos credenciados.

As motos vão pagar EstaR?

Por enquanto não. A Urbs estuda usar o modelo no futuro apenas para motos de passeio – as de serviço, com placas vermelhas, devem ser isentas – mas isso só deve ser implantado, por meio de portaria, após a consolidação do EstaR eletrônico para automóveis.

O número de vagas vai aumentar?

A previsão é que no futuro sejam abertas mais 3 mil vagas de estacionamento regulamentado na cidade.