Taxa de óbitos por covid-19 em Curitiba é 9,6 vezes maior entre não-imunizados

A taxa de óbitos por covid-19 em Curitiba no mês de novembro foi quase dez vezes maior entre pessoas que não estavam imunizadas contra o vírus em relação àquelas que receberam as duas doses ou a dose da única da vacina.

Com base nos dados de mortes deste último mês pelo novo coronavírus na cidade, é possível verificar que quem tomou as duas doses ou a dose única do imunizante está mais protegido contra a doença.

Das 48 mortes registradas em novembro, 24 foram de pessoas que não estavam imunizadas (vacinadas com a duas doses ou a dose única há mais de 14 dias), todas com 20 anos ou mais. Considerando que a população imunizada dentro dessa faixa etária até 30/11 era de 1,3 milhão de curitibanos, tem-se uma taxa de 1,8 mortes para cada 100 mil pessoas. Entre os que não tinham completado o esquema vacinal até essa data, a taxa é 9,6 vezes maior, de 17,2 óbitos/100 mil pessoas.

“Esses números comprovam que a cidade fez o certo em investir na vacinação, porque ela de fato salvou vidas. Queremos que os curitibanos que já foram convocados, mas ainda não tomaram a primeira, a segunda ou a dose de reforço compareçam nas nossas Unidades de Saúde e se vacinem”, diz a secretária municipal da Saúde, Márcia Huçulak.

A efetividade do avanço da imunização em Curitiba em relação à  prevenção de mortes é vista não só nos números recentes, mas também a médio prazo: ao longo dos últimos oito meses (entre 1º/3 e 30/11), oito em cada dez óbitos (83%) foram de pessoas que não estavam imunizadas contra a covid-19

Entre as mortes das pessoas que já estavam imunizadas nesse período, 20% tinham completado a imunização há mais de cinco meses, o que enfatiza a necessidade da dose de reforço. “Nenhuma vacina é 100% efetiva. A queda da resposta do imunizante no organismo ao longo do tempo acontece para todas as vacinas. Ainda assim, a imunização contra a covid-19 tem contribuído imensamente para termos saído do momento mais crítico da pandemia”, explica o epidemiologista da Secretaria Municipal da Saúde (SMS) Diego Spinoza.

Redução na circulação do vírus

Com o avanço da cobertura vacinal contra a covid-19 em Curitiba – a cidade ultrapassou 85% da população acima de 12 anos com as duas doses ou a dose única recebida – a vacina também passou a contribuir com a redução da circulação do vírus no município.

“Além de cumprir o papel de proteger individualmente contra os quadros mais graves, agora a vacina tem esse efeito protetor sobre a circulação do vírus”, diz Spinoza. 

A percepção de redução na circulação do novo coronavírus é notável pela diminuição no registro de novos casos: dezembro começou com uma média de e 39 novos casos da covid-19 por dia.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Oficina de pedrarias e Papo de Artesão estão na agenda da semana

Oficinas e Papo de Artesão na agenda da semana.

O Liceu de Ofícios Criativos oferece duas oficinas presenciais gratuitas e um bate-papo on-line com artesãs na próxima semana. As inscrições podem ser feitas clicando aqui.

Como a sede do Liceu de Ofícios Criativos, no São Francisco, está em reforma, as aulas presenciais são feitas no Liceu de Ofícios Curitiba (Rua Monsenhor Celso, 35, Centro), até a conclusão dos reparos.

Instagram que vende

Na terça-feira (9/8), a social media Emilie Nascimento (@emilie.nascimento) mostra como vender mais usando o Instagram em uma oficina presencial. Entre os temas abordados estarão: Por que escolher o Instagram?; Para quem você fala?; Raio-x de um perfil que vende (foto de perfil, nome de usuário, biografia, link, destaques, identidade visual, conteúdo); e Ferramentas que vão te ajudar.

Papo de Artesão

Na quarta-feira (10/8), o encontro virtual é com as artesãs Adriana Metzger, Mônica Mota e Pricila Almeida, no Papo de Artesão (@papodeartesao). Elas mostram que é possível superar medos e perder a timidez com o tema: Superação Digital.

“Um dia vamos olhar para trás e ver o quanto evoluímos e quanto tivemos que nos superar para chegar onde estamos. Durante a pandemia muitas crenças limitantes tiveram que ser removidas e isso é apenas o começo”, declara Adriana.

O encontro acontece a partir das 15 horas no canal do Liceu de Ofícios Criativos pelo Youtube.

Decoração em pedraria

Na quinta-feira (11/8), a artesã Ana Nilcen (@brilho_daestrela) ensina a técnica de nós em fio de nylon e tramado de pedras que pode ser usada em vários itens de decoração.

Para participar não é necessário levar nenhum material. A artesã vai explicar como usar a técnica em enfeite de guardanapo, pingente de cortina e móbile.

Para receber por WhatsApp os informativos sobre cursos, novidades e outros conteúdos relacionados, salve o número (41) 3250-7710 no celular e envie a mensagem “EUQUERO”.

Novo endereço

Os cursos acontecem no Liceu de Ofícios Curitiba (Rua Monsenhor Celso, 35, Centro). O espaço oferece convênio com o Estacionamento da Ordem (Rua Treze de Maio, 635), para o período de quatro horas por R$ 10.

Veja a matéria no site da Prefeitura de Curitiba

Projeto Bússola retoma as aulas para meninas do Tatuquara

Projeto Bússola retoma as aulas para meninas do Tatuquara

Meninas do Tatuquara terão a oportunidade de aprender conteúdos de português e matemática brincando. Neste sábado (6/8), serão retomadas as atividades do Projeto Bússola, uma iniciativa da ONG Asec (Associação de Promoção Social Educação e Cultura), que desenvolve atividades de promoção social em trabalhos voluntários para comunidades carentes.

As aulas são desenvolvidas e ministradas por 20 universitárias voluntárias, cursando ou formadas em pedagogia, letras e matemática.

Só para meninas

A atividade é exclusivamente para meninas na faixa etária de 6 a 12 anos e acontecem no Clube da Gente Tatuquara, sempre aos sábados, das 9h às 11h. Há vagas para o segundo semestre. Interessados podem obter informações pelo WhatsApp (41) 99660-5868.

Durante as aulas, são aplicados jogos didáticos, oficinas pedagógicas e artísticas, teatro, música, dança, desenho. O objetivo é ampliar o universo cultural das meninas.

São duas oficinas de 50 minutos, simultâneas, onde as meninas são divididas em dois grupos conforme as idades. Até agora, já passaram pelo Projeto Bússola 60 crianças e atualmente estão inscritas 33 meninas.

Sequelas da pandemia

De acordo com a coordenadora do projeto, Ana Júlia Pereira Kloster, 20 anos, a ideia surgiu durante a pandemia, quando o isolamento aumentou de forma substancial o descompasso entre ensino público e privado.

“O projeto foi pensado com intuito de suprir essa necessidade. Nós já tínhamos feito uma ação no Tatuquara e temos conhecimento que outra ONG tem um trabalho parecido com meninos, então resolvemos fazer este trabalho com as meninas”, explicou Ana Júlia.

Durante o intervalo de 20 minutos entre as oficinas é oferecido um lanche. Durante esse período ocorrem as tutorias, em que as voluntárias ajudam as meninas a estabelecerem metas pessoais e acadêmicas.

Interesse pelos estudos

“Nós percebemos muitos problemas de autoestima, crianças dispersas e como consequência elas enfrentam dificuldades no aprendizado. Procuramos suprir essas lacunas com aulas estimulantes para cativar a atenção e desenvolver o aprendizado”, disse Ana Júlia.

“Mesmo nesse curto período que passamos juntas vemos como faz diferença na vida dessas crianças. A gente recebe relatos de mães que observam o aumento de interesse das crianças pelos estudos. Isso é muito gratificante”, disse.

Transformação das voluntárias

Ana Júlia explicou também que além de ajudar as crianças, a atividade também causa impactos positivos nas voluntárias, porque muitas começam a atividade, mas poucas persistem, por causa da distância, do lanche que tem que ser providenciado, além do preparo do material que demanda tempo.

“Quem persiste acaba tendo uma transformação interior porque está se dedicando aos outros e para isso precisa sair da sua ‘bolha’ e doar um pouco do seu tempo no final de semana”, comentou.

Serviço: Projeto Bússola

Local: Clube da Gente Tatuquara (Rua Evelázio Augusto Bley, 151 – Tatuquara)

Data e hora: aos sábados, das 9h às 11h

Informações: WhatsApp (41) 99660-5868

Veja a matéria no site da Prefeitura de Curitiba