Sobe para sete o número de mortes por dengue no Paraná

O boletim epidemiológico divulgado nesta terça-feira (28) pela Secretaria de Estado da Saúde registra sete mortes por dengue. São cinco a mais que o informe da semana anterior.

O número de casos confirmados aumentou em 3.264: passou de 7.618 para 10.882 confirmações, um aumento de 42,82% em relação à semana anterior.

São 198 municípios com casos confirmados para a doença. 34 municípios estão em epidemia, 10 a mais que a relação divulgada na semana passada.

Os municípios que passaram a constar desta lista são Jesuítas, Barbosa Ferraz, Iretama, Alto Paraná, Paranapoema, Munhoz de Mello, Lupionópolis, Jacarezinho, Quatro Pontes e Godoy Moreira.

26 cidades estão em situação de alerta. O número também aumentou se comparado ao informe anterior, com 8 municípios a mais. São eles: Fênix, Alto Piquiri, Loanda, São João do Caiuá, São Pedro do Paraná, Santa Inês e Santo Inácio.

O Governo do Paraná desenvolve neste momento várias ações de combate ao mosquito vetor em todas as regiões, coordenadas pelo Comitê Intersetorial de Controle da Dengue. “Todas as secretarias estaduais e órgãos públicos, além de entidades da sociedade civil organizada, participam das atividades de orientação sobre as medidas que visam, principalmente, a eliminação dos criadouros do Aedes aegypti nos domicílios e imóveis públicos e comunitários”, afirmou o secretário Beto Preto.

ÓBITOS – As cinco novas mortes confirmadas nesta semana envolvem idosos, todos portadores de comorbidades, que são doenças crônicas já instaladas e que associadas à dengue agravam o estado de saúde dos pacientes.

“Por isso, reafirmamos os cuidados nesta faixa etária e nossa atuação, nesta semana, envolve exatamente a capacitação para manejo clínico de pacientes”, afirmou o secretário. Segundo ele, nesta terça-feira a secretaria segue programação de orientações a profissionais com foco assistencial, junto à 17ª Regional de Londrina, com a participação de cerca de 300 profissionais.

Na quarta-feira, a mesma capacitação será em Maringá; na quinta, em Paranavaí, e na sexta, em Campo Mourão. “Nosso objetivo é que os profissionais das unidades de saúde estejam sempre preparados para o diagnóstico e atendimento ágil e eficaz”, acrescentou.

De acordo com o boletim, quatro mortes são casos autóctones, contraídos na cidade de residência: mais um caso foi em Nova Cantu; uma mulher de 71 anos, com pneumonia e artrite reumatoide (óbito em 03/01/2020); um caso em Itaguajé, uma mulher de 89 anos, portadora de hipertensão arterial (óbito em 09/01/2020); um caso em Colorado; onde morreu um homem de 80 anos e cardiopata (óbito em 26/12/2019), e um caso em Florestópolis, um homem de 72 anos (23/12/2019).

Um outro caso importado foi confirmado: de uma moradora do município de Rondon; a mulher de 66 anos adquiriu dengue quando viajou para Itajubi, no interior paulista e era portadora de hipertensão arterial e diabetes (óbito em 12/01/2020).

Paraná tem 2.494 vagas de emprego em todas as regiões

A retomada da geração de emprego e renda ganhou força com o aumento na colocação de trabalhadores com carteira assinada pelas 216 Agências do Trabalhador do Paraná. Somente em agosto, 6.500 pessoas tiveram a carteira assinada, representando um índice 20% a mais que no mês de julho, quando foram empregadas 5.695, considerado também um índice bastante positivo. 

Atualmente estão sendo disponibilizadas no Paraná 2.494 vagas. Os maiores números de vagas são para auxiliar de linha de produção (1.525); alimentador de linha de produção (88); ajudante de carga e descarga de mercadoria (75).

Em Curitiba são 523 vagas disponíveis. As ocupações com maior número de vagas são as seguintes: operador de telemarketing ativo e receptivo (120); empacotador, a mão (44); operador de telemarketing ativo (42).

“Mesmo com a pandemia do coronavírus nossas Agências do Trabalhador continuaram disponibilizando vagas pela internet”, ressalta o secretário da Justiça, Família e Trabalho do Paraná, Ney Leprevost. “Com a reabertura das Agências, os atendimentos presenciais continuaram sendo feitos com horários agendados e respeitando todas as normas exigidas pelas autoridades sanitárias”, explica. “Em todo o momento da pandemia, ofertamos diversas oportunidades de emprego e continuamos firmes para que possamos aos poucos retomar aquele bom momento que vivíamos antes da crise na geração de empregos e renda no Estado.”

OPORTUNIDADES – A supervisora de vendas externa da empresa Stampa Food, Mara De Grandi, conta que logo no mês de maio, quando a pandemia se intensificou no País, teve a sorte de conseguir uma oportunidade de emprego pela Agência do Trabalhador de Curitiba. “Se não fosse a agência eu não iria conseguir emprego neste momento, os profissionais da agência me deram todo o suporte, além de me ajudarem a achar uma vaga adequada ao meu perfil e deu certo, na semana seguinte já estava com a minha carteira assinada”.

Ainda na capital, a auxiliar administrativa da empresa RPF Comercial, Katia de Santana, foi atrás de uma oportunidade na Agência do Trabalhador de Curitiba. “Procurei por telefone a Agência do Trabalhador e fui atendida com agilidade e rapidez. Na mesma semana fui encaminhada para entrevista e, em menos de 10 dias já estava com carteira assinada. Estava passando por um momento complicado. Tinha perdido meu emprego devido a pandemia e já estava começando a passar por algumas necessidades. Só tenho a agradecer”.

A representante da RPF comercial, Gislene Scolaro Portella Castelhano, explicou que ultimamente, devido à pandemia, as contratações só estão sendo realizadas por intermédio da Agência do Trabalhador. “Sempre que temo vagas disponíveis entramos em contato com a Agência do Trabalhador de Curitiba e imediatamente conseguimos ocupar a vaga ofertada”.

TODO O SUPORTE – Olívio de Deus Bandeira é uma pessoa com deficiência e conseguiu, por meio da Agência do Trabalhador de São José dos Pinhais, um novo emprego, na área de serviços gerais na empresa Iguaçu Celulose. “Perdi o emprego no começo da pandemia, mandaram mais de 100 pessoas embora e a consequência disso foi ter acumulado diversas contas. Mas não desisti e fui atrás de novas oportunidades. Uma delas consegui graças a Deus pela Agência do Trabalhador de São José dos Pinhais. Lá na agência os profissionais me deram todo o suporte necessário para que eu encontrasse uma vaga adequada ao meu perfil, pois consegui uma vaga que fosse de acordo com o meu perfil PcD”.

DICA – Olívio foi mais um paranaense que conseguiu emprego num momento de pandemia complicado. “Com certeza sem o apoio da Agência seria bem mais difícil de conseguir alguma vaga. Com isso, minha dica é que procurem sempre as Agências, vejam as informações sempre divulgadas nas redes sociais, e não desistam de ir atrás, o Governo e as prefeituras sempre disponibilizam vagas diárias para a população.

Para o gerente da Agência de São José dos Pinhais, Vilson Marques da Silva, foram momentos complicados, com mais de um mês fechados e mesmo assim conseguimos nos reinventar. “Criamos canais pelo WhatsApp e pelas redes sociais, para poder auxiliar o empregado e o empregador. Com a reabertura das agências criamos condições para que as pessoas pudessem ser bem atendidas no posto, com toda a segurança e precaução. Minimizamos assim os efeitos da pandemia sem abandonar o trabalhador”.

Vilson ainda destaca que hoje em dia a Agência está aumentando recolocação no mercado de trabalho. “O setor com maior oferta de vagas na nossa cidade é na área da indústria, por isso orientamos que o trabalhador nos procure e ocupe as mais de 150 vagas disponíveis”.

INOVAÇÃO – Em Cascavel, município do Oeste do Paraná, a equipe que atua no posto de atendimento da Rede Sine inovou na estratégia para divulgação das vagas. “A pandemia trouxe incertezas e muita instabilidade na economia. Só a partir de junho os empregadores começaram a se adaptar ao novo momento, com aumento de contratações e diminuição nas demissões”, conta a gerente Agência do Trabalhador de Cascavel, Marlene Crivelari.

“Ao tentar preencher as vagas por meio do banco de dados, verificamos que o cadastro estava desatualizado, pois muitos telefones mudaram de donos, e-mails tinham sido desativados. Foi aí que resolvemos ir para a rua, comunicando as pessoas das ofertas de vagas. A estratégia deu certo. Além de uma vaga de emprego, muitos ganharam a oportunidade de mudar de vida”, explica Marlene Crivelari.

BOX
Atendimento presencial só com agendamento

Por conta da pandemia, os atendimentos presenciais nas Agências do Trabalhador só acontecem mediante o agendamento prévio pelo site www.justica.pr.gov.br/trabalho.

Os trabalhadores também têm a opção de buscar vagas cadastradas pelo aplicativo Sine Fácil (disponível gratuitamente para celulares Androide e iOS), ou pelo site empregabrasil.mte.gov.br.

 Empresários e trabalhadores de todo o Paraná que procuram ou ofertam vagas e que estiverem com dificuldade de finalizar o atendimento nas ferramentas digitais, tais como Portal Emprega Brasil, e aplicativos da Carteira de Trabalho Digital, Sine fácil e Paraná Serviços, podem receber o suporte técnico por meio do Chat do Trabalhador, no site da Sejuf. Para acessar o chat, basta entrar no link: www.justica.pr.gov.br/trabalho

Informações AEN.

Paraná vai antecipar campanha contra pólio e multivacinação

O início da Campanha Nacional de Vacinação contra a Poliomielite e Multivacinação no Paraná será antecipada para o dia 28 deste mês, uma semana mais cedo que os demais estados que farão as campanhas de 05 a 30 de outubro.

O anúncio foi feito nesta sexta-feira (18) pela Secretaria de Estado da Saúde, e o objetivo é atualizar a Caderneta de Vacinação da Criança e do Adolescente menores de 15 anos de idade.

“O Paraná está ampliando o período das campanhas para que os pais tenham mais oportunidade de levar os filhos aos locais de vacinação. Antecipamos o início mas seguiremos até o dia 30 de outubro, conforme o calendário nacional”, disse o secretário da Saúde, Beto Preto. “Entendemos que durante a pandemia as ações de imunização devem ser reforçadas, pois as vacinas protegem contra várias doenças e salvam vidas”, acrescentou.

Segundo a diretora de Atenção e Vigilância em Saúde, Maria Goretti David Lopes, serão duas campanhas em uma. “Faremos uma grande ação que envolverá profissionais da Vigilância Epidemiologia e da Atenção Primária”, disse.

De acordo com a diretora, a estratégia visa a atualização da caderneta de vacinação das crianças paranaenses. “Neste período de pandemia, muitos pais deixaram de levar os filhos nos postos, então este é o momento de deixar em dia a situação vacinal”, afirmou.

CAMPANHAS – A Campanha Nacional de Multivacinação oferta vários tipos de vacinas para crianças e adolescentes menores de 15 anos de idade, como BCG, que previne as formas graves de tuberculose;  pentavalente,  que protege contra a difteria, tétano, coqueluche, hepatite B e influenza B;  rotavírus humano, contra a diarreia;  pneumocócica 10 , contra a pneumonia meningite e otite;  meningocócica C e ACWY, que previne contra meningites; tríplice viral, contra sarampo, caxumba e rubéola; vacina contra a varicela; vacina HPV, que previne alguns tipos de câncer em jovens;  vacinas da hepatite A e hepatite B e ainda a vacina contra a febre amarela.

A Campanha Nacional de Vacinação contra a Poliomielite é dirigida a crianças de 12 meses a menores de 5 anos de idade. A população estimada no Paraná é de 583.962 crianças e a meta é atingir o índice de 95% de cobertura vacinal. Esta vacina é oral, com a aplicação de duas gotas em cada criança.

O Paraná não registra casos de pólio desde 1987, e o Brasil desde 1990. Em 1994 o país recebeu da Organização Pan-Americana da Saúde a certificação de área livre de circulação do poliovírus selvagem.

LOGÍSTICA – Até o dia 25, os municípios deverão organizar as estratégias locais de vacinação e para isso contam com o Plano de Vacinação para a Campanha Multivacinação e VOP (Vacinal Oral contra a Poliomielite), elaborado pela Divisão do Programa Estadual de Imunização, além de apoio e orientação da equipe técnica da Secretaria da Saúde.  

A recomendação é para que os municípios organizem as campanhas em ambientes amplos e de fácil acesso e que intensifiquem a divulgação junto à comunidade.

“Antecipamos e ampliamos o período da vacina para facilitar e ida dos pais até os locais estabelecidos em cada cidade”, disse Maria Goretti David Lopes. Segundo ela, os municípios estarão abastecidos com as doses e insumos e a meta é aumentar o índice de cobertura vacinal do Estado, chegando a 90% e 95%, dependendo de cada vacina, como preconiza o Ministério da Saúde.

A antecipação da data foi confirmada após reunião entre diretoria e equipe técnica da Secretaria da Saúde, representantes das 22 regionais de Saúde, representantes do Conselho de Secretários Municipais de Saúde (Cosems) e dos Conselhos Regionais de Secretários Municipais de Saúde (Cresems).