Serviços e comércio respondem por mais de 70% dos passageiros no horário de pico

Um mapeamento inédito da Urbanização de Curitiba (Urbs) realizado nos meses de maio e junho mostra que os setores de serviços e de comércio são os que mais utilizam o transporte coletivo na capital, principalmente no horário de pico.

No período da manhã (7h), o setor de serviços chega a responder por 58% do total de passageiros, seguido pelo comércio (17%), pessoas físicas (15%), indústria (4,4%), serviço público (3,4%) e agronegócio (1%).

No período da noite (17h), os serviços representam 57% do total de passageiros, pessoas físicas (16,7%), comércio (15,8%), indústria (5,4%), serviços públicos (3,4%) e agronegócio (0,9%).

O levantamento, realizado pela equipe técnica da Urbs, cruzou dados do uso do vale-transporte por empregados e a CNAE (Classificação Nacional de Atividades Econômicas) das respectivas empresas para ter um detalhamento sobre o perfil de uso do transporte coletivo na cidade. Os dados podem ser usados para, por exemplo, para regular o funcionamento de horários de funcionamento de determinadas atividades e reduzir o fluxo de passageiros em horários de maior movimento. 

“Com a plataforma de dados, podemos identificar as particularidades do sistema e propor uma nova distribuição dos horários de entrada e saída das empresas. Desta forma, somos capazes de reduzir os picos de utilização do transporte público, além de mitigar o risco de contágio pelo novo coronavírus entre os usuários”, diz Ogeny Pedro Maia Neto, presidente da Urbs.

Para evitar aglomerações durante a pandemia, os ônibus da capital estão, desde a última segunda-feira (15/6), com 50% da lotação.

“Se calibramos também os horários das empresas teremos uma melhora significativa na distribuição dos passageiros ao longo do dia, obedecendo os protocolos de combate à covid -19”, completa.

O mapeamento

A equipe analisou o comportamento de utilização do transporte público de 48 mil empresas por atividade econômica e seus funcionários nos meses de maio até 16 de junho.

No período analisado, as concentrações de pessoas se deram às 6h (com média diária de 12.380 passageiros), 7h (13.303 passageiros) e 17h (14.704 passageiros). Do total de passagens, 72% foram pagas com cartão-transporte. Desse total, 51% são de vale-transporte.

O mapeamento também revelou o perfil do usuário por atividade. No período analisado, destaque para os que trabalham em serviços de teleatendimento (260,4 mil passageiros nos dois meses), atendimento hospitalar (260,3 mil), de operação de cartão de crédito (238,9 mil) e comércio varejista de supermercados (237,8 mil).

Simulação

O levantamento, que usa a ferramenta BI (Business Intelligence), permite fazer simulações para cada segmento e ver seu impacto por horário no transporte público.

A Urbs fez uma simulação, por exemplo, com a mudança de horário de funcionamento de três segmentos que tem grande participação no número de passageiros no sistema. No ensaio, foram alterados os horários do comércio varejista (com exceção de supermercados, minimercados, hipermercados e farmácias, que são considerados essenciais), dos serviços de teleatendimento e de operadoras cartões de débito.

O resultado preliminar prevê uma redução de até 16% no fluxo de passageiros nos horários de pico da manhã e de até 17% no da noite.

“Podemos fazer várias simulações, que serão discutidas com a Secretaria Municipal da Saúde para verificar qual o melhor caminho”, diz Maia Neto.

Prefeitura faz leilão eletrônico de veículos e sucatas

Na terça-feira (30/11), das 9h às 10h30, a Secretaria Municipal de Administração, Gestão de Pessoal e Tecnologia da Informação (SMAP) vai realizar um leilão eletrônico de 49 itens da Prefeitura classificados como veículos e sucatas. Serão leiloados caminhões, ônibus, rolos compactadores, ambulâncias, uma pá carregadeira e um furgão.

Para participar, os interessados deverão fazer o cadastro no Sistema de Registro Cadastral do Município de Curitiba e aceitar os termos de uso do portal de compras da Prefeitura. Os lances serão abertos no site do e-compras.

Quem pretende participar do leilão pode conferir os requisitos para participação de pessoas físicas ou jurídicas através do edital. Em caso de dúvidas, os interessados deverão entrar em contato pelos telefones: 3350-9142, 3350-9077 e 3350-9115.

Os lances mínimos variam de R$ 100 até R$ 15.000, dependendo do item e do estado em que se encontra. Os veículos e sucatas a serem leiloados estão espalhados pelos pátios da Prefeitura, e podem ser vistos pelos interessados,  desde que a visita seja agendada previamente.

Prefeitura realiza leilão eletrônico de veículos e sucatas. Foto: Divulgação

Os bens deverão ser vistoriados até 17h de sexta-feira (26/11). Para agendar uma visita, é necessário entrar em contato com o gestor do leilão, Marcos Aurélio Guimarães, através do telefone 3350-9975.

Os itens disponíveis resultam da ação da zeladoria municipal nos equipamentos próprios, desenvolvida pelos responsáveis pelo transporte oficial das diversas secretarias, em conjunto com a Diretoria de Gestão do Patrimônio Público e Diretoria de Gestão de Serviços da Smap.

Os arrematantes, as pessoas que vencerem o leilão, terão o prazo de cinco dias úteis para o pagamento dos bens adquiridos, a partir da emissão da guia de recolhimento (GR) que será enviada ao e-mail dos vencedores.

Depois do pagamento, o gestor do leilão vai liberarar os itens vendidos, e o os arrematantes terão o prazo de sete dias após a liberação para retirá-los, com a apresentação da guia de recolhimento quitada.

Mural feito por mulheres deixa a Presidente Faria mais colorida

Curitiba está ganhando uma grande e colorida obra de arte a céu aberto. Dois murais estão sendo pintados na lateral de um prédio comercial na Rua Presidente Faria, ao lado da sede da Guarda Municipal, no Centro. A previsão é de que estejam prontos neste domingo (28/11).

As pinturas fazem parte do projeto Muchas Minas, que coloca em evidência o trabalho de artistas mulheres.

O painel fica no corredor cultural entre o Passeio Público e o Cine Passeio, produzido pela artista espanhola Marina Capdevila, uma das maiores muralistas de grafite do mundo, e a paranaense Cristina Pagnoncelli.

Mural feito por mulheres deixa a Presidente Faria mais colorida. foto: Cido Marques

Juntas as duas obras totalizarão 400 metros de arte e estão sendo produzidas com recursos da Lei de Apoio e Incentivo à Cultura.

Inspirada por sua avó, Marina Capdevila costuma retratar pessoas idosas, inspiração que traz também neste novo trabalho. Ele retrata uma senhora que alegremente almoça uma variedade de iguarias culinárias, cada uma representando uma ou mais culturas que compõem a diversidade da capital paranaense. 

Entre as iguarias que compõe o mural de Marina estão uma fatia de pizza, um prato de sushi, linguiça e cerveja, além de algumas pinhas e uma espiga de milho que representam os povos indígenas. Já os tomates do mural remetem à terra natal da artista, a Espanha.

Com vários trabalhos ao redor do mundo, a última obra da artista foi em Girona, na Catalunha, e representava idosos felizes ao se abraçarem.

Giusy de Luca, criadora do projeto Muchas Minas, diz que a artista catalã pinta algo no qual as pessoas não acreditam muito: a ideia de envelhecer bem e feliz. “Normalmente a gente relaciona a terceira idade com coisas ruins, já ela traz uma outra perspectiva”, diz. 

Cris Pagnoncelli é uma artista e designer conhecida pelo seu trabalho com lettering, uma maneira estilizada de desenhar letras e palavras. O seu mural, que ficará à direita do de Marina, contará com a palavra “coragem”, acompanhada por uma arte ao fundo.

As duas artistas estudaram juntas em Barcelona. “Os dois murais, lado a lado, vão dialogar e contrastar um com o outro, o que será bastante interessante”, relatou Marina.

Para a paranaense, a obra é uma realização. “Era meu sonho ter minha primeira empena solo na cidade onde vivo”, diz Cristina. Anteriormente ela já tinha participado de outras iniciativas do Muchas Minas, como uma arte feita em setembro no muro da escola municipal Caramuru, no bairro Cabral.

Muchas Minas

O projeto foi criado em 2019, um pouco antes da pandemia de covid-19, por Giusy de Luca, da produtora Mucha Tinta. Por causa da pandemia, a pintura dos painéis acabou sendo adiada por dois anos, até que finalmente conseguiu ser realizada, com recursos da Lei de Apoio e Incentivo à Cultura. O projeto destaca artistas urbanas femininas, já que, segundo sua criadora, as mulheres não são valorizadas nessa área. 

Giusy acredita no potencial de Curitiba como um polo turístico de arte urbana. “Gostaríamos de ver em Curitiba como um museu a céu aberto”, disse.