Projeto do novo Inter 2 vai priorizar a acessibilidade

Nesta quinta-feira (13/2), a arquiteta Lauramaria Pedraza, do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID), esteve no Departamento dos Direitos da Pessoa com Deficiência (PcD) para falar sobre os Cadernos de Viagem. Durante uma semana, técnicas do BID e do departamento da Prefeitura acompanharam pessoas com mobilidade reduzida que utilizam a linha de ônibus Inter 2 em seus trajetos de rotina, para relatar as dificuldades encontradas e sugerir possíveis melhorias.

Ilustração: IPPUC

O resultado da pesquisa forneceu dados para os Cadernos de Viagem, instrumento de orientação que faz parte do programa de intervenções do BID no projeto do novo Inter 2, para a modernização da Rede Integrada de Transporte (RIT). Os resultados deste levantamento serão encaminhados também como subsídios ao Plano Setorial de Mobilidade, em desenvolvimento pelo município.

“Curitiba é uma cidade sustentável, acessível e com este projeto tem uma grande oportunidade de ser ainda mais inclusiva”, disse Lauramaria, que é colombiana e trabalha na divisão de transportes do BID em Washington.

A arquiteta também comparou Curitiba com as outras cidades onde a metodologia foi aplicada. A capital paranaense se destacou na pesquisa porque tem grande respaldo institucional e trabalha a acessibilidade de maneira transversal, envolvendo diversas secretarias municipais.

Avaliação do passageiro

Além da equipe do departamento PcD, estiveram na reunião desta quinta-feira representantes do Ippuc, da Urbs e as pessoas com deficiência e mobilidade reduzida que participaram da pesquisa. Dentre eles, Bruno Passos Schneider, de 24 anos, que tem deficiência intelectual.

Bruno avaliou a viagem do ônibus com a nota 4.6, de um total de 5.0. Para ele, a maior dificuldade no trajeto do Inter 2 são a falta de acessibilidade atitudinal e comunicacional: muitas pessoas não respeitam as prioridades e agem de forma pouco educada. Outra dificuldade encontrada por Bruno foi alcançar as barras de apoio nos ônibus, que são muito altas.

“Esta pesquisa foi muito importante, identificamos algumas questões que foram resolvidas a curto prazo”, disse a diretora do departamento dos Direitos da Pessoa com Deficiência, Denise Moraes.

Inter 2

O projeto do Inter 2 prevê a acessibilidade segura com intervenções no pavimento das calçadas do entorno e em áreas de abrangência de todas as estações, com iluminação e sinalização que facilitem os deslocamentos.

As 12 novas estações no itinerário do Inter 2 terão rampas de acesso e espaço amplo para o deslocamento de cadeirantes.

A evolução do Inter 2 contará com R$ 534 milhões em investimentos – R$ 427,2 milhões em recursos do BID e contrapartida da Prefeitura de R$ 106,8 milhões.

Case em Brasília

Na terça-feira (11/2), a diretora do departamento dos Direitos da PcD, Denise Moraes, esteve em Brasília a convite do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID), para participar da sessão Inclusão e Diversidade nos Transportes.

Denise apresentou os serviços que a Prefeitura oferece à população, falou sobre os tipos de deficiência, a legislação referente ao tema e também sobre a pesquisa realizada pelo BID na cidade.

“Este é o momento da inclusão social, os novos projetos de transporte devem ser pensados em acessibilidade”, disse Denise. “É preciso considerar o desenho universal, tem que ser bom não só para as pessoas com deficiência, mas para todos”, afirmou.

Primeira Feira da Agroindústria acontecerá em dezembro em Curitiba

A Secretaria de Estado da Agricultura e do Abastecimento promove a Agrifamiliar Paraná 2020 – 1ª Feira de Produtos e Serviços da Agricultura Familiar, que acontecerá em Curitiba entre os dias 3 a 6 de dezembro. As pré-inscrições para as agroindústrias interessadas em expor seus produtos encerram 30 em setembro.

A feira será em frente ao Mercado Municipal de Curitiba. Trata-se de uma iniciativa para aproximar o campo e a cidade, o rural e o urbano, a produção e o consumo.

O evento é promovido em parceria com a Federação dos Trabalhadores Rurais Agricultores Familiares do Estado do Paraná (Fetaep), Prefeitura de Curitiba/Secretaria Municipal de Segurança Alimentar e Nutricional, Instituto de Desenvolvimento Rural do Paraná – Iapar-Emater (IDR-Paraná)  e Agência de Defesa Agropecuária do Paraná (Adapar).

Para efetivar a pré-inscrição, a agroindústria deve ter o registro do estabelecimento no Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, apresentar a DAP (Declaração de Aptidão do Pronaf) ativa e documentos pessoais do responsável pelo estabelecimento. As agroindústrias familiares que manipulam produtos de origem animal precisam estar inscritas no serviço de inspeção sanitária municipal, estadual ou federal.

Aquelas que manipulam produtos de origem vegetal, bebidas e polpas devem ter licença e alvará sanitário emitido pela Secretaria da Saúde e registro no Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Para quem pretendem apresentar produtos como plantas e flores, é necessário preencher o formulário de autorização da Adapar. 

SERVIÇO – A Agrifamiliar acontecerá de 3 e 6  de dezembro. Na quinta e na sexta-feira o horário será das 10h às 20h; no sábado das 9h ás 20 e no domingo das 9h ás 13h.

As pré-inscrições podem ser feitas no núcleo da Seab de Curitiba, no IDR-PR, na Adapar ou diretamente no site da Fetaep (http://www.fetaep.org.br) e deve ser encaminhada para o e-mail agrifamiliar@fetaep.org.br.

Informações AEN.

Polícia cumpre 53 mandados contra o tráfico de drogas em Curitiba e RMC

A Polícia Civil e a Polícia Militar do Paraná estão nas ruas, desde as primeiras horas da manhã desta terça-feira (22), para desmantelar associação criminosa que comanda o tráfico de drogas no Centro e no bairro Cajuru, na capital, e em Pinhais, na Região Metropolitana de Curitiba.

Batizada de Lisboa, a operação visa cumprir 37 mandados de busca e apreensão em endereços relacionados aos alvos e 16 mandados de prisão preventiva contra líderes, gerentes, fornecedores e distribuidores de drogas naquelas regiões. 

Durante as investigações, que duraram cerca de 6 meses, a PCPR e a PMPR observaram que houve pouca ou nenhuma alternância na liderança do bando. É como se a associação criminosa fosse composta por líderes gerais, gerentes operacionais e revendedores finais – conhecidos como “pistas”, esses substituídos com frequência. 

CENTRO – As drogas que abasteciam o tráfico no Centro de Curitiba eram fornecidas por líderes distintos que comandavam o crime em Pinhais e no bairro Cajuru. Nesta região, a PCPR e PMPR cumprem 17 mandados de busca e apreensão e sete mandados de prisão preventiva. 

CAJURU – O gerente operacional que atuava no bairro também distribuía drogas para revendedores finais do município de São José dos Pinhais, na RMC. Seis pessoas são alvos de prisão preventiva e 15 mandados de busca e apreensão serão cumpridos na região. 

PINHAIS – O tráfico era comandado por um indivíduo com antecedentes por tráfico de drogas. Ele foi preso em 2016, com 73 quilos de crack, e estava em liberdade atuando no município e no Centro de Curitiba.  Aqui a PCPR e PMPR miram oito alvos. Três com mandados de prisão preventiva e cinco com mandados de busca e apreensão. 

INVESTIGAÇÕES – No decorrer das investigações foram presas em flagrante 17 pessoas ligadas ao bando, cumpridos quatro mandados de prisão preventiva, uma apreensão de adolescente, apreensão de duas armas de fogo, 173 gramas de cocaína, 2,3 quilos de crack e 4,8 quilos de maconha.

Informações AEN.