Por dia, 12 crianças e adolescentes são abusados sexualmente no Paraná

Somente no primeiro trimestre de 2021 foram registradas 1072 ocorrências de abuso sexual cujas vítimas são crianças e adolescentes.

13/05/2021 | por Jaime S. Martins

A tipificação da ocorrência varia entre estupro de vulnerável, importunação sexual, aliciamento de criança para a prática de ato libidinoso, mas independe da ação, os números são assustadores. No Paraná, somente no primeiro trimestre de 2021 foram registradas 1.072 ocorrências de abuso sexual cujas vítimas são crianças e adolescentes. O que corresponde a quase 12 casos por dia.

Os dados fazem parte do Relatório de Análise Criminal do Centro de Análise, Planejamento e Estatística (CAPE), que é o órgão oficial que regulamenta a parte estatística das Polícias no estado.

O número apresentado é menor, se comparado ao mesmo período de 2020, quando foram registrados 1.210 casos. De acordo com a delegada do Núcleo de Proteção à Criança e ao Adolescente Vítimas de Crimes de Curitiba (Nucria), Ellen Victer, a redução não quer dizer que os casos estejam diminuindo, “mas que seja em fato da subnotificação. O crime continua ocorrendo, porém, os registros não estão sendo feitos. As pessoas não estão se encaminhando até a delegacia para registrar a ocorrência ou fazendo através de denúncia anomia pelo Disque 100 e Disque 181. Em razão disto a gente tem visto esse cenário que não demonstra a total realidade do que está acontecendo no estado do Paraná”, relata.

Para conscientizar ainda mais a população sobre a necessidade de se denunciar esses casos de violência sexual contra crianças e adolescentes e, principalmente, estarem atentas ao comportamento deles para saber identificar o que está ocorrendo, desde o ano de 2013 uma lei estadual instituiu a “Semana Estadual Todos Contra a Pedofilia”. A lei 17637/2013, apresentada na Assembleia Legislativa do Paraná pelo deputado Gilson se Souza (PSC) e o então deputado Paranhos, tem o objetivo de conscientizar a população, através de procedimentos informativos, educativos, palestras, audiências públicas, seminários, conferências ou congressos, a fim de que a sociedade discuta iniciativas de combate ao crime de pedofilia. A Semana é compreendida no período de 13 a 18 de maio.

“Importante essa campanha para que a sociedade abra os olhos para essa realidade, crianças vítimas de pedofilia, abusadas e, normalmente, isso acontece dentro do próprio ambiente familiar”, alertou o deputado Gilson de Souza. “A proposta dessa campanha é a conscientização sobre essa realidade. Fazer também com que os pais estejam atentos a isso, que pode acontecer na sua própria casa, porque o pedófilo é uma pessoa aparentemente normal e que ganha a confiança da criança e não aparenta perigo para elas”, disse.

O deputado relatou ainda que a campanha ajuda a levantar o debate sobre o tema e, principalmente, alertar para que as pessoas denunciem esses crimes. “Objetivo é que as pessoas denunciem. Que elas sejam a voz das crianças que não tem voz”.

A delegada do Nucria também considera importante campanhas como essa, que reforçam a necessidade de se agir preventivamente. “A gente sempre repete que a delegacia atua na parte repressiva, depois que o crime acontece. Nada melhor do que a gente atuar, a sociedade como um todo, de modo preventivo. Toda e qualquer campanha é muito bem-vinda para orientar e prevenir que os crimes aconteçam”.

Outra lei estadual, a 18.798/2016 apresentada na Assembleia pelo deputado Ricardo Arruda (PSL), também reforça o alerta contra a pedofilia. A legislação determina que durante o mês de maio sejam exibidos, nas salas de cinema do estado, um filme publicitário de advertência contra a pedofilia e a prática do abuso e exploração sexual de crianças e adolescentes. Esses filmes deverão mencionar o serviço Disque 181, que é disponibilizado também para o recebimento de denúncias de transgressões aos direitos da criança e do adolescente.

Identificação – A delegada Ellen Victer comentou sobre mecanismos que os responsáveis pelas crianças e adolescentes possam identificar quem está passando por essa situação. Segundo ela, que atua no Nucria há mais de dois anos, se verificou como o perfil das vítimas pode chegar aos extremos. “Se uma criança sempre foi muito tímida, introvertida, mais afastada, que não é de brincar, interagir, essa criança começa a se expor muito mais. O contrário também é verdadeiro. As vezes a criança é extrovertida, brincalhona e fica isolada, não quer a presença do suposto agressor”, explicou. “Verifica-se muitas vezes a diminuição no rendimento escolar. Há problemas que você consegue verificar fisicamente por conta de toda a situação que abala o psicológico e isso afeta o estado físico com problemas de estômago, intestino, problema na pele. Tudo isso acontece e conseguimos observar isso na criança, que passa a ser mais agressiva e violenta. Uma mudança de comportamento já sinaliza uma situação que possa estar ocorrendo”, completou.

Para Hellen, o diálogo é o melhor remédio e a forma mais sensata de verificar se está ocorrendo um crime contra uma criança ou adolescente. “Tem que ter um certo cuidado quando se trata de adolescente. Se você proibir, restringir pode causar distanciamento e falta de confiança do adolescente com o representante legal (pai, mãe, avós). É uma questão de diálogo, você mostrar que está tendo atitudes em prol da proteção do adolescente”, afirmou.

Ela alerta ainda que com as crianças o direcionamento tem que ser mais rigoroso. “Eles não têm muita noção por trás da tela do computador, do celular. Uma ingerência maior, mas sempre conversando e orientando na capacidade de entendimento de cada um”.

Agressor – O alerta também vale não só para o virtual, com o uso de computadores e redes sociais. Ele vale também para dentro de casa e nas proximidades. A delegada lembra que muitas vezes, na vida real, o agressor pode ser uma pessoa próxima da vítima, da família da vítima. “A gente sabe que na maioria das vezes o agressor, o abusador é uma pessoa próxima que ganhou a confiança dos familiares, da própria vítima. Nesse sentido tem que observar o comportamento do filho, neto, sobrinho e acreditar sempre no que ele falar”, alertou.

Ela citou como exemplo o caso do menino Henry, do Rio de Janeiro, que morreu em 8 de março. A Polícia carioca indiciou o padrasto e a mãe da criança pelos crimes de homicídio duplamente qualificado e tortura.

“Ele sempre falava, alertava de alguma forma o pai dele, e o pai nunca ia imaginar que estava acontecendo uma situação dessa e meio que não dava ouvido ao filho”, citou. “Se o filho vem relatar uma situação aquele pai, aquela mãe, por mais esdrúxula que seja a situação, tem que acreditar e tentar verificar o que a criança está relatando. Muitas vezes a gente pode não estar diante de um crime, mas a criança pode estar em risco”.

Em casos de crimes sexuais que envolvem a internet, ela cita que o agressor não tem um perfil específico, mas geralmente é homem, com idade entre 50 e 60 anos, que são muito ligados ao computador, são mais introspectivos e que gostam de ficar mais no quarto, sala e sempre mexendo no computador. “Se for estudar na psicologia eles diferenciam vários tipos de agressor, de abusador, mas basicamente é isso. São homens na faixa etária de 50, 60 anos de idade”.

Denúncia – A delegada do Núcleo de Proteção à Criança e ao Adolescente Vítimas de Crimes de Curitiba (Nucria), Ellen Victer, finaliza lembrando os canais de denúncia, que não necessariamente tem que ser uma delegacia especializada em crimes contra a criança e adolescente. “Pode ir presencialmente em qualquer delegacia, pode ser a mais próxima, e registrar um Boletim de Ocorrência. Também tem a possibilidade de fazer uma denúncia anônima por meio do disque 100 e aqui no Paraná a gente tem o Disque 181 que também recebe denúncias”.

Ela cita ainda que o Nucria em Curitiba tem um número de telefone de plantão para orientar as pessoas. O telefone é: 41-3270-3370.

Ouça o Podcast relacionado

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Campanha Vem pra Foz! convida turistas a visitar o Destino Iguaçu

Segunda edição da campanha liderada por Itaipu e parceiros começa a ser veiculada nesta semana. Turismo é um dos pilares da missão da Itaipu Binacional

A partir desta semana, a segunda edição da campanha Vem pra Foz! começa a ser divulgada em vários veículos de comunicação. Baseado no tripé “ver, sentir e viver”, o conceito da campanha é uma construção feita por representantes do Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social de Foz do Iguaçu (Codefoz), dentro de um projeto de retomada da economia da cidade. O projeto tem o turismo como principal atividade econômica da região de Foz do Iguaçu, cidade-sede da usina de Itaipu. O turismo é um dos pilares da missão da binacional.

Assim como na primeira edição da campanha, divulgada em setembro do ano passado, o Vem pra Foz! incentiva a volta dos turistas ao Destino Iguaçu, um dos mais bonitos de todo o mundo e que foi bastante impactado pela crise provocada pelo novo coronavírus. Antes da pandemia da covid-19, o Parque Nacional do Iguaçu atraía mais de 2 milhões de visitantes por ano.

Em 2019, a unidade bateu recorde de visitação com 2.020.358 pessoas de vários cantos do mundo. No mesmo ano, os atrativos turísticos da Itaipu registraram a marca histórica de 1.028.225 turistas nas margens brasileira e paraguaia da usina.

Crédito: SkyTakes/Árvore Filmes

“Com a flexibilização dos decretos e o aumento da vacinação, a expectativa é que os turistas voltem a viajar. No ano passado saímos na frente como roteiro seguro e agora queremos reforçar não apenas esse conceito, mas valorizar a diversidade de experiências que o Destino Iguaçu oferece”, diz o presidente do Codefoz, Felipe Gonzales.

No fim de semana, o ministro do Turismo, Gilson Machado Neto, visitou Foz do Iguaçu e manifestou apoio à campanha. Segundo ele, a cidade tem “destinos turísticos incríveis e agora liberados para eventos”. “Então, contém com o apoio do Ministério do Turismo.”

Com o mote “Natureza, emoção e muita energia. Várias viagens num só destino”, a ideia da campanha é mostrar que a região tem um grande pacote de atrativos, como as Cataratas do Iguaçu, a Itaipu, o Marco das Três Fronteiras, aliados a shows e diversão para toda as idades, boa hotelaria e estrutura de conforto que inclui compras e gastronomia diversificada em uma região que reúne três fronteiras: Brasil, Paraguai e Argentina. A produção é da agência Gpac com argumentação da Comunicação Social e de Turismo de Itaipu.

“Além de o próprio Complexo Turístico Itaipu (CTI) ser um importante atrativo, a empresa também atua na promoção da atividade turística como forma de estimular o desenvolvimento da região de fronteira”, diz o diretor-geral brasileiro de Itaipu, general João Francisco Ferreira.

A gestão do turismo na Itaipu é feita pela Assessoria de Comunicação Social. A atividade é operacionalizada pelo Parque Tecnológico Itaipu (PTI) – responsável pela gestão dos seis atrativos do CTI (dos quais apenas três operam atualmente, em função das restrições impostas pela pandemia de covid-19).

Primeira visita

A primeira visita oficial à Itaipu aconteceu quando a usina ainda era um imenso canteiro de obras, em 15 de abril de 1976. Na ocasião, foram recepcionados 27 integrantes do Clube de Engenharia do Rio de Janeiro. Desde então, mais de 24 milhões de turistas de todo o mundo já passaram por Itaipu e tiveram a oportunidade de deslumbrar-se com a grandiosidade da hidrelétrica e conhecer os demais atrativos do complexo.

Outra forma de conhecer presencialmente a usina é por meio da visita institucional, operada pela Divisão de Relações Públicas e reservada a instituições de ensino e pesquisa, autoridades e chefes de estado, representantes de empresas e militares. Essa modalidade também está disponível na margem paraguaia.

Obras

Para receber com excelência e garantir que o visitante tenha a melhor experiência possível na Itaipu, os dois principais pontos de parada dos turistas no CTI estão passando por reformas. São eles o Mirante Central e o Mirante do Vertedouro.

Nos dois locais haverá melhoria da acessibilidade, modernização do layout e mais conforto para os turistas. Lojas, praças e espaços de descanso integram os projetos. O término das obras no Mirante do Vertedouro está previsto para setembro deste ano; no Mirante Central, para novembro.

Obras estruturantes

Desde 2019, a Itaipu reestruturou a gestão e reordenou o investimento de recursos em infraestrutura, que têm atraído investidores para a cidade e fomentado a geração de emprego, renda e maior arrecadação para o município. Os aportes somam mais de R$ 2,5 bilhões, em diversas frentes, com a geração de 2,5 mil empregos e a resolução de antigos gargalos estratégicos para o desenvolvimento regional, como a modernização e ampliação do aeroporto e a duplicação da Rodovia das Cataratas, principal corredor turístico de Foz – entre várias outras obras.

Para acelerar retomada do turismo, Ministério inclui Foz no projeto Destino Turístico Inteligente

Anúncio foi feito pelo ministro do Turismo, Gilson Machado Neto, neste sábado (10), durante visita à cidade, incluída no projeto após análise do potencial turístico. Foz já tem retomado a visitação e deve ser um dos principais destinos brasileiros pós-pandemia

O ministro do Turismo, Gilson Machado Neto, anunciou neste sábado (10), na Itaipu, a inclusão de Foz do Iguaçu (PR) na lista de municípios do projeto “Destino Turístico Inteligente”, que impulsionará destinos ofertantes de produtos e experiências inovadoras e de qualidade. A medida deve impulsionar ainda mais a retomada do turismo da região, no pós-pandemia, com ações como ampliação da conectividade à internet nos atrativos e a capacitação de funcionários do setor com inglês instrumental, para melhor atendimento de estrangeiros.

A confirmação ocorreu durante visita da autoridade à cidade, um dos destinos mais importantes do País, na fronteira mais movimentada do Brasil, com o Paraguai e a Argentina. O turismo é a principal atividade econômica local, ancorado por atrativos como as Cataratas do Iguaçu e a Itaipu Binacional, entre outros. Foz é a 11ª cidade do País anunciada no projeto e a segunda sem o status de capital. No Sul, apenas Florianópolis (SC) e Curitiba (PR) já tinham sido selecionadas.

“Foz é um dos principais destinos turísticos da América Latina e receberá muitas ações do Ministério do Turismo, como a busca de turistas internacionais, graças à ampliação da pista do aeroporto [obra custeada pela Itaipu], o que permitirá a operação de jatos de grande porte”, disse Machado Neto, durante entrevista concedida na usina de Itaipu. “Vamos trazer os ministérios de Ciência e Tecnologia para otimizar a conectividade aqui. Turismo inteligente é colocar tudo na palma da mão, celular e conectividade, porque sabemos que o maior motor de um case turístico é a rede social”, completou.

Foto: Rubens Fraulini/Itaipu Binacional

Outra ação anunciada pelo ministro é a oferta de inglês instrumental para operadores do setor turístico. A ideia é capacitar profissionais da área com um vocabulário de 300 a 400 palavras na língua inglesa, de forma a permitir melhor atendimento aos estrangeiros na rede hoteleira. A iniciativa teve sucesso em Manaus, segundo o ministério, e deve contar com o apoio do governo do Paraná, Prefeitura e Itaipu. “Brevemente a questão sanitária estará superada nos países das Américas e vamos fazer de Foz do Iguaçu um polo internacional de turismo”, concluiu.

Em Foz, a agenda do ministro começou pela usina, onde ele foi recepcionado pelo diretor-geral brasileiro de Itaipu, general João Francisco Ferreira. A usina é a que mais gerou energia no mundo, com 2,8 bilhões de megawatts-hora (MWh) produzidos desde o início de sua operação, em 1984, e importante atrativo turístico regional.

Depois da hidrelétrica, a autoridade e sua comitiva seguiram para o Parque Tecnológico Itaipu (PTI), também dentro da área da usina. À tarde, o grupo seguiu por outros atrativos, incluindo o Parque Nacional do Iguaçu (PNI), o Parque das Aves e o Marco das Três Fronteiras.

Itaipu preparada

“Estamos trabalhando muito para que o turismo seja retomado da melhor forma possível em Foz do Iguaçu”, disse o diretor-geral brasileiro da Itaipu, general João Francisco Ferreira. “Aproveitamos esse período de menor visitação em função da pandemia para melhorar a infraestrutura de atendimento, com uma série de obras que vão trazer ainda mais conforto e praticidade aos nossos visitantes”, explicou o general. Entre elas, estão as reformas dos mirantes Central e do Vertedouro, duas paradas dos visitantes da usina.

Com as melhorias, o diretor-geral projeta que Itaipu deva se aproximar, cada vez mais, dos números do Parque Nacional do Iguaçu, principal atrativo de Foz. “Além disso, em parceria com diversas entidades e a Prefeitura, estamos desenvolvendo uma série de ações que vão ajudar a impulsionar o setor turístico, como a ampliação do Programa Capacita Foz, que beneficiará diversos trabalhadores, e a campanha Vem pra Foz, de divulgação do destino”, completou general Ferreira. “Juntos ajudaremos o turismo de Foz a se reerguer a patamares até mesmo superiores ao período pré-pandemia.”

Segundo o diretor superintendente do PTI, general Eduardo Garrido, o período de baixa visitação também tem sido aproveitado para melhorar a capacitação do pessoal do Complexo Turístico Itaipu (CTI), além das obras nos mirantes feitas em parceria com Itaipu. “Sabemos que, passado esse período da pandemia, o turismo de natureza terá muito mais procura. E não só pelos turistas do Brasil, mas do mundo todo”, afirmou Garrido. “Acreditamos que, por isso, Itaipu e seus atrativos, como o Refúgio Biológico e Visita Panorâmica, terão maior procura.”

Garrido lembrou, ainda, que o Programa Vila A Inteligente, que está transformando a Vila A no primeiro bairro inteligente do País, colabora para que Foz entre no projeto do Ministério do Turismo.

“A Organização Mundial do Turismo, órgão da ONU, acabou de nos incluir no Conselho Executivo, pelo fato de estarmos conduzindo muito bem a questão da vacina. Em breve estará superada a questão sanitária nos países das Américas. E nós vamos fazer de Foz do Iguaçu um polo internacional de turismo”, concluiu Machado Neto.

Vantagens

O pedido de inclusão de Foz na lista de Destinos Turísticos Inteligentes e o convite para a visita foram feitos pelo prefeito Chico Brasileiro e o secretário municipal de Turismo e Projetos Estratégicos, Paulo Angeli, na última terça-feira (6). Na ocasião, eles apresentaram a adoção de ações alinhadas às cidades inteligentes. Entre elas, o projeto Vila A Inteligente, uma parceria entre a Itaipu Binacional, o PTI, o Centro Municipal de Inovação e a Agência Brasileira de Desenvolvimento Industrial (ABDI).

“Essa visita é muito importante. O ministro traz para Foz essa parceria do Ministério para que possamos avançar tanto na parte de tecnologia, no turismo de eventos e quanto na estratégia para retomar o turismo internacional para Foz do Iguaçu”, disse o prefeito Chico Brasileiro. “A articulação da Prefeitura e da Secretaria Estadual de Turismo, com apoio da Itaipu, é muito importante para voltarmos a ser um grande destino de estrangeiros”.

O Destino Turístico Inteligente deve estar amparado em cinco pilares – governança, inovação, tecnologia, sustentabilidade e acessibilidade –, além de ofertar produtos, experiências inovadoras e de qualidade.
Segundo o Ministério do Turismo, as cidades envolvidas nas iniciativas desenvolverão uma metodologia brasileira, a partir de experiências da Espanha e Argentina. Estão previstos diagnósticos da situação de cada destino selecionado para implantação de estratégias que considerem as especificidades regionais.

As outras dez cidades que vão participar do projeto para implantação de Destinos Turísticos Inteligentes no país são: Rio Branco (AC) e Palmas (TO) representando a Região Norte; Recife (PE) e Salvador (BA) que integram o Nordeste; Campo Grande (MS) e Brasília (DF), pertencentes ao Centro-Oeste; Florianópolis (SC) e Curitiba (PR), localizadas na Região Sul; e o Rio de Janeiro (RJ) e Angra dos Reis (RJ), na Região Sudeste.

Itaipu e o turismo

O turismo é um dos pilares da missão da Itaipu Binacional. A usina recebeu mais de 24 milhões de visitantes de todo o mundo. O recorde de visitação ocorreu antes da pandemia, em 2019, quando 1.028.225 turistas passaram pelos atrativos da binacional.

Além de o próprio Complexo Turístico Itaipu (CTI) ser um importante atrativo, a empresa também atua na promoção da atividade turística como forma de estimular o desenvolvimento da região de fronteira entre Brasil, Paraguai e Argentina.

A Itaipu também lidera diversas ações para o fortalecimento do setor turístico e a preparação da retomada econômica pós-pandemia. O aporte da empresa em infraestrutura regional, na ordem de R$ 2,5 bilhões, em diversas frentes, tem atraído investimentos e gerado emprego, renda e ampliação da arrecadação municipal.
Entre eles, estão a construção da Ponte da Integração, entre Brasil e Paraguai, a ampliação do aeroporto e a duplicação da Rodovia das Cataratas, principal corredor turístico de Foz – entre várias outras obras. Na próxima semana, a empresa também anunciará a nova edição da campanha Vem pra Foz, para a atração de turistas à cidade, e em breve fará a ampliação do Programa Capacita Foz, voltado a trabalhadores do turismo.