Plaquê de 2 – Busão Curitiba

Plaquê de 2 - Busão Curitiba

Uma paródia de Plaquê de 100.

Letra:
Contando os plaque de 2, dentro de um inter 2,
Chegou meu tubo, vou pra porta, até depois.
De transporte nois vai bem, no verde interbairros VI,
Pinheirinho, C. Comprido, no Caiua passa também. (2x)
(ó o oilman)

O busão chegou, e nois tá tudo ostentando,
Então como de costume, toca a nave pra Trajano
De som alto, sem o fone, sempre tem os mais caipira
Que vieram lá do Sítio, com destino ao Guaíra,
Da até piripaque do Chaves, nois passa longe dessa raça,
Onde tem tubão tem nois, seja na rua ou na praça.

E esse vermelhão aí, parece ser o mais top,
Tem 5 porta, 200 lugares, só na canaleta roda
Se quiser desembarcar, chega junto vamo além
Nois empurra de verdade, hoje não tem pra ninguém.

Contando os plaque de 2, dentro de um inter 2,
Chegou meu tubo, vou pra porta, até depois.
De transporte nois vai bem, no verde interbairros III,
Bairro alto, Carmo, no Sta. Cândida passa também.

Nois mantem a humildade,
Mas nois nunca fura o tubo
Nois é certo, nois respeita, até lotado nele eu subo.
Curitiba que se preza, tem todo um compromisso,
Mas não venha com simpatia, porque nóis não é bom nisso,
Só comentam e critica, mas nem sabem o que é vina
Muito menos que pra ir pro Barigui, a gente desce no campina.
Então não se assuste não, quando ouvir falar japona,
Curitibano não tem sotaque,
Quem ouve a gente se emociona.

Contando os plaque de 2, dentro de um inter 2,
Chegou meu tubo, vou pra porta, até depois.
De transporte nois vai bem, no verdE interbairros VI,
Pinheirinho, C. Comprido, no Caiua passa também.

Acesse: https://busaocuritiba.com.br

Produção:
Daniel Perim
Busão Curitiba

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Prefeitura de Curitiba abre mais um hospital exclusivo para covid-19

O prefeito Rafael Greca e a secretária municipal da Saúde, Márcia Huçulak, visitaram as instalações da nova unidade antes da chegada dos primeiros pacientes

A Prefeitura de Curitiba ativou, nesta quinta-feira (3), mais um hospital exclusivo para pacientes de covid-19. O hospital Victor Ferreira do Amaral, no bairro Água Verde, tem capacidade para 54 leitos, sendo oito de UTI.

O prefeito Rafael Greca e a secretária municipal da Saúde, Márcia Huçulak, visitaram as instalações da nova unidade antes da chegada dos primeiros pacientes.

“Em menos de 20 dias o nosso governo ativou 187 leitos exclusivos para tratamento da covid, SUS exclusivos para covid, sendo 61 de UTI e 126 de enfermaria”, disse o prefeito Rafael Greca.

O Victor Ferreira do Amaral é o terceiro hospital ativado pela Prefeitura de Curitiba durante a pandemia do novo coronavírus e será gerenciado pela Secretaria Municipal da Saúde por meio de convênio com o Complexo do Hospital de Clínicas do Paraná.

Os outros dois hospitais exclusivos de covid-19 são o Instituto de Medicina e o Vitória.

O prefeito destacou o grande esforço e garantir assistência à população, mas ressaltou a necessidade da colaboração das pessoas em manter os cuidados básicos de segurança.

“De nada serve fazer aglomeração, não serve à sua saúde e não serve à cidade”, disse Greca.

Participaram da visita ao novo hospital, a diretora-geral do Hospital de Clinicas, Claudete Reggiani; o diretor da Fundação Estatal de Saúde (Feas), Sezifredo Paz e o presidente da Urbs, Ogeni Pedro Maia Neto.

Em julho a Prefeitura também contou com o hospital Irmã Dulce, que antes de virar unidade de estabilização psiquiátrica foi retaguarda de leitos clínicos para liberar vagas de covid-19 no Hospital do Idoso.

O hospital Victor Ferreira do Amaral faz parte do pacote de 174 novos leitos SUS exclusivos que serão ativados pela Prefeitura de Curitiba neste mês de dezembro: são 50 de UTI e 124 de enfermaria.

As novas ativações representam um aumento de 23% na capacidade hospitalar para tratamento da covid-19 em Curitiba, passando 756 leitos em atividade para 880.

Nesse momento de escalada da pandemia, dentro da estratégia da Secretaria Municipal da Saúde de Curitiba duas UPAs da capital tiveram mudanças na rotina de atendimento.

A UPA Boqueirão virou uma unidade de leitos clínicos específica de covid. Já a UPA Fazendinha passou a funcionar como retaguarda, recebendo pacientes não-covid do Hospital do Idoso, liberando vagas de covid.

Segundo a Fiocruz, Curitiba está entre as capitais com tendência de avanço da covid-19

O boletim semanal Infogripe divulgado pela Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) revela que 97,7% das ocorrências de Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG) reportadas no país em 2020 e com exame positivo para alguma infecção viral se deram em decorrência da covid-19. De acordo com os pesquisadores envolvidos no levantamento, os dados divulgados nesta quinta-feira (3) também mostram um avanço da doença.

“O registro de crescimento que vem se observando em todo o território nacional durante o mês de novembro sugere a necessidade de cuidado redobrado ao longo do mês de dezembro. Ações de conscientização e prevenção devem ser tomadas para evitar que as tradicionais aglomerações no comércio e nas celebrações de fim de ano agravem o quadro atual”, alerta o boletim.

O levantamento traz uma análise para as próximas três semanas (curto prazo) e para as próximas seis semanas (longo prazo). Das 27 capitais, 13 registram  sinal moderado ou forte de crescimento na tendência de longo prazo: Campo Grande, Curitiba, Goiânia, Maceió, Palmas , Salvador, Belo Horizonte, Cuiabá, Manaus, Brasília, Rio de Janeiro, São Luís e São Paulo.

Em apenas quatro estados, as tendências de curto e longo prazo apresentam sinal de queda ou estabilização em todas as suas macrorregiões de saúde: Acre, Amapá, Roraima e Sergipe. Essa situação também ocorre no Distrito Federal.

Todas as regiões do país foram classificadas em zona de risco e com ocorrência de casos muito altos na semana epidemiológica entre 22 e 28 de novembro. A íntegra do boletim está disponibilizada no portal da Fiocruz.

Síndrome respiratória

O Infogripe leva em conta as notificações de SRAG registradas no Sivep-gripe, sistema de informação mantido pelo Ministério de Saúde e alimentado por estados e municípios. A nova edição se baseia nos dados inseridos até  segunda-feira (30).

A SRAG é uma complicação respiratória associada muitas vezes ao agravamento de alguma infecção viral. O paciente pode apresentar desconforto respiratório e queda no nível de saturação de oxigênio, entre outros sintomas.

As notificações de SRAG em 2020 aumentaram em decorrência da pandemia do novo coronavírus (covid-19), Sars-CoV-2.

No ano passado, foram reportados 39,4 mil casos. Neste ano, já são 584.176, dos quais 54,8% tiveram resultado laboratorial indicando presença de algum vírus respiratório.

Entre as ocorrências com exame positivo para infecção viral, foram identificados quadros de SRAG associados não apenas ao novo coronavírus (97,7%), como também ao vírus influenza A (0,4%), ao vírus sincicial respiratório (0,4%) e ao vírus influenza b (0,2%). Quando analisados os casos que evoluíram à óbito, 99,3% estão vinculados ao novo coronavírus.

Este ano já são 141.351 mortes por SRAG. Em 2019, foram 3.811.