Paraná se prepara para receber pela primeira vez doses da vacina da Pfizer

O Paraná está preparado para receber as doses da vacina da Pfizer. O Estado conta com nove freezers para armazenamento do imunizante. Sete são de ultrabaixa temperatura (-80ºC), podendo armazenar as doses por até seis meses, e dois são de temperatura de -20ºC, que podem ser utilizados para armazenamento inicial das doses.

A previsão é de que o Ministério da Saúde encaminhe aos estados no início de maio o primeiro lote das vacinas produzidas pela farmacêutica norte-americana Pfizer, em pareceria com a empresa de biotecnologia alemã BioNtech. O governo federal tem um acordo de compra de 100 milhões de imunizantes da fabricante.

O Paraná está preparado para receber as doses da vacina da Pfizer | Foto: Américo Antonio/SESA

A secretaria estadual aguarda informações do Ministério quanto à temperatura em que o imunizante deverá ser enviado para definir estratégicas de recebimento e, para isso, vários cenários estão sendo planejados.

FREZEERS 

Os sete equipamentos de ultrabaixa temperatura são da rede do Centro de Hematologia e Hemoterapia do Paraná (Hemepar). Dois já foram deslocados para o Centro de Medicamentos do Paraná (Cemepar), setor da Secretaria de Estado da Saúde responsável pela logística, armazenamento e distribuição das vacinas contra a Covid-19. Os equipamentos atendiam o Hemepar de Londrina e de Ponta Grossa.

As unidades do Hemepar remanejaram os produtos armazenados nestes equipamentos, como kits para testes de segurança de bolsas de sangue e congelamento de plasma, para outros refrigeradores.

O Hemepar tem ainda outros cinco frezeers de ultrabaixa temperatura em Pato Branco, Umuarama, Campo Mourão, Guarapuava e Cascavel, que podem ser disponibilizados para o Cemepar, compondo parte da logística do armazenamento das vacinas da Pfizer. Eles podem ser deslocados para a Capital.

Os outros dois freezers de temperatura -20ºC são do Cemepar e já são utilizados para armazenamento de vacinas, e a partir da chegada do imunizante da Pfizer podem atender apenas a esta demanda.

PREVISÃO 

A Sesa tem a ainda a previsão de receber outros seis equipamentos do Ministério da Saúde, quatro com capacidade entre 500 a 600 litros e dois com capacidade para 700 a 800 litros.

O Paraná está preparado para receber as doses da vacina da Pfizer | Foto: Américo Antonio/SESA

“É mais um grande esforço e movimentação do Governo do Estado e da Sesa para receber estas doses que representarão uma nova opção e imunização contra a Covid-19. Faremos tudo que estiver ao nosso alcance para agilizar este processo”, disse o secretário estadual da Saúde, Beto Preto.

O Governo do Estado também realiza outras tratativas que envolvem a aquisição de novos equipamentos de ultrabaixa temperatura na continuidade da aplicação das doses. Neste momento existe a possibilidade de compra de 10 frezeers.

VACINAS 

As vacinas da Pfizer serão enviadas pelo Ministério aos estados em caixas térmicas em temperatura a ser informada e, imediatamente, deverão ser transferidas para os frezeers, conforme as orientações técnicas, antes da distribuição. As aplicações da primeira remessa devem ocorrer apenas nas capitais.

“O Paraná está preparado para esta mais esta força-tarefa. É uma operação que contará o profissionalismo de nossas equipes do Cemepar e do Programa Estadual de Imunizações, seguindo as orientações do Programa Nacional de Imunizações, o PNI”, acrescentou o secretário.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde amplia vacinação contra meningite e HPV; entenda o que muda

Saúde amplia vacinação contra meningite e HPV; entenda o que muda. Foto: Pedro Ribas/SMCS

Seguindo determinação do Plano Nacional de Imunização (PNI) do Ministério da Saúde, a Secretaria Municipal da Saúde de Curitiba vai ampliar para mais crianças e adolescentes a vacinação contra meningite e HPV.

A SMS passa a ofertar a vacina meningocócica ACWY temporariamente para adolescentes de 13 e 14 anos completos ainda não vacinados. Até então, o imunizante estava disponível no Calendário Nacional de Vacinação apenas àqueles com 11 e 12 anos completos.

Além disso, o Ministério da Saúde determinou a ampliação permanente da vacinação contra HPV para meninos de 9 e 10 anos. Antes, o imunizante era aplicado somente nos garotos de 11 a 14 anos.

Para as meninas, nada mudou: a vacina contra HPV continua a ser aplicada nas que têm de 9 a 14 anos.

Onde ir

Essas vacinas podem ser recebidas, de segunda a sexta-feira, em 106 unidades de saúde. Os endereços e horários estão no site Imuniza Já Curitiba.

“Vacina é prevenção, é cuidado, é amor. Quem ama, vacina”, diz a secretária municipal da Saúde, Beatriz Battistella.

“Convocamos todos que se enquadram na nova ampliação para irem aos postos se vacinar e melhorarmos, ainda mais, a nossa proteção coletiva contra doenças que podem ser evitadas ou minimizadas”, diz a secretária.

Vacina ACWY

A ampliação da vacina meningocócica ACWY tem como objetivo reduzir o número de portadores da bactéria em nasofaringe. A faixa etária com maior risco de adoecimento são as crianças menores de 1 ano de idade (já contempladas pelo PNI com a vacinação contra meningite), no entanto, os adolescentes e adultos jovens são os principais responsáveis pela manutenção da circulação da doença.

Pesquisas apontam que as vacinas meningocócicas demonstram uma resposta imune mais robusta nos adolescentes, com persistência de anticorpos protetores por um prolongado período. Essas evidências embasaram o PNI a incluir no Calendário Nacional de Imunizações a administração de doses de reforço com as vacinas meningocócicas conjugadas na adolescência.

Vacina HPV

No caso do HPV, a ampliação incluiu meninos de 9 e 10 anos. Com isso, a vacinação passa a ser para qualquer pessoa de 9 a 14 anos de idade, independentemente do sexo.

A vacinação contra o HPV em adolescentes é utilizada por mais de 100 países. Vários deles já possuem estudos de impacto dessa estratégia com resultados positivos na prevenção e redução das doenças ocasionadas pelo vírus, como câncer do colo do útero, vulva, vagina, região anal, pênis e orofaringe.

A vacina que protege contra o papilomavírus humano (HPV) foi incorporada de forma escalonada ao Sistema Único de Saúde (SUS) a partir de 2014. É estimado que o Brasil tenha de 9 a 10 milhões de infectados pelo papilomavírus humano e que, a cada ano, 700 mil casos novos da infecção surjam. Cerca de 105 milhões de pessoas são positivas para o HPV 16 ou 18 no mundo.

Veja a matéria no site da Prefeitura de Curitiba

Saúde prorroga até 30 de setembro a campanha de vacinação contra a pólio

Saúde prorroga até 30 de setembro a campanha de vacinação contra a pólio

Entre as estratégias que resultaram em aumento da cobertura vacinal em Curitiba está a adesão, pela Secretaria Municipal da Saúde (SMS), ao calendário de campanhas nacionais de imunização. A mais recente, da vacinação contra a poliomielite para crianças que ainda não completaram 5 anos, foi prorrogada até 30 de setembro, seguindo a decisão do Ministério da Saúde.

Nesta campanha, além do grupo-alvo, crianças menores de 1 ano serão imunizadas conforme o esquema vacinal primário. 

A campanha nacional também incentiva a atualização das carteiras vacinais de crianças e adolescentes até 15 anos. Curitiba vem ofertando permanentemente a atualização vacinal para todas as faixas etárias em 106 unidades de saúde.

Público-alvo

As crianças de 1 a 4 anos que já receberam três doses da Vacina Inativada Poliomielite (VIP) do esquema de rotina recebem uma dose extra, da Vacina Oral Poliomielite (VOP). É a famosa vacina “da gotinha”.

O Ministério da Saúde ampliou o prazo da campanha nacional com o objetivo de aumentar a cobertura vacinal do esquema de rotina (em Curitiba, de 88,9%) e a cobertura de crianças entre 1 e 4 anos que receberam a dose da VOP (22,2%).

O Brasil não registra casos da doença desde 1989 e mantém o certificado de eliminação da pólio em 1994, mas o vírus continua presente em outros países, aumentando a necessidade de medidas preventivas.

Em julho, um caso da doença foi confirmado em Nova Iorque (EUA). Neste mês, o vírus foi detectado nos esgotos novaiorquino e de Londres (Inglaterra). Clique aqui e saiba mais sobre os riscos da poliomielite.

Locais de vacinação

A SMS aplica todas as vacinas do calendário nacional continuamente em 106 unidades de saúde e para todas as faixas etárias (crianças, adolescentes, adultos e idosos). Há também oferta contínua das vacinas contra gripe (para pessoas com 6 meses de idade ou mais) e contra a covid-19 (aos públicos já convocados – tanto para o esquema vacinal inicial como para doses de reforço).

Confira os locais e horários de vacinação no site Imuniza Já Curitiba.

Consulta vacinas pendentes

Para verificar se há vacinas pendentes, basta acessar o Aplicativo Saúde Já Curitiba (site ou smartphone), clicar na opção “Carteira de Vacinação” e escolher a aba “Pendentes”, que irá mostrar as doses do calendário nacional de vacinação em atraso.
 

Veja a matéria no site da Prefeitura de Curitiba

WP Twitter Auto Publish Powered By : XYZScripts.com