Paraná é o segundo estado que mais vacinou gestantes e puérperas contra a Covid-19

Os dados nacionais do Vacinômetro do Ministério da Saúde apontam que o Paraná está em segundo lugar em número absoluto de vacinação de gestantes e puérperas no País, com 32.952 doses aplicadas – 31.876 com a primeira dose e 1.076 totalmente imunizadas. O público é considerado prioritário nos planos federal e estadual.

Pernambuco é o estado com maior número geral, com 35.767 doses aplicadas, e na terceira colocação está Minas Gerais, com 31.445. Estados mais populosos, como Bahia e Rio de Janeiro, aparecem em 4º e 11º, respectivamente. O total geral de gestantes e puérperas vacinadas no Brasil até o momento é de 267.179 (primeira dose). 

No Paraná, o Plano Estadual de Vacinação contra a Covid-19 inclui as gestantes e puérperas no grupo prioritário de pessoas com comorbidades entre 18 a 59 anos, com 1.328.677 pessoas. Desse total, 499.995 pessoas com comorbidades e 31.876 grávidas/puérperas tomaram a primeira dose, 40% do estimado.

“Gestantes e puérperas são uma grande preocupação do Governo do Paraná em todos os serviços de atenção e cuidados. Além dos dados globais, o Estado saiu na frente na recomendação para vacinação de gestantes e puérperas até 45 dias após o parto, sem comorbidades, com imunizantes que não contenham vetor viral. Fizemos nossa recomendação dez dias antes da recomendação nacional, o que que acelerou a proteção sobre esse público”, afirmou o secretário de Estado da Saúde, Beto Preto.

Gestantes e puérberas são o 11º grupo prioritário mais vacinado no Paraná até o momento. A maioria têm entre 25 e 29 anos (9.094 doses aplicadas) e 30 e 34 anos (8.548). Curitiba, Londrina, Maringá, Cascavel, Ponta Grossa, Foz do Iguaçu, São José dos Pinhais e Guarapuava lideram entre as cidades.

VACINAÇÃO NESSE PÚBLICO 

O Paraná começou a imunizar gestantes e puérperas em maio, conforme o fim da imunização nos idosos. No dia 13, no entanto, seguindo recomendação federal, o Estado orientou a interrupção temporária da vacinação contra a Covid-19 em gestantes e puérperas sem comorbidades.

Em Nota Técnica, no dia 11 de junho, no entanto, a Secretaria de Estado da Saúde voltou a incluir todas as gestantes e puérperas até 45 dias após o parto, com a presença ou não de comorbidades, no Plano Estadual de Vacinação contra a Covid-19, utilizando vacinas que não contenham vetor viral, ou seja, Sinovac/Butantan (Coronavac) ou Pfizer/BioNTech (Comirnaty), e respeitando a decisão e autonomia da mulher.

O documento considerou o aumento de óbitos maternos por Covid-19 e a necessidade de imunizar este público com velocidade, especialmente pela segurança que a vacinação garante.

Em 2020, segundo a Sesa, ocorreram 80 óbitos maternos totais (67 declarados no Sistema de Informação sobre Mortalidade e 13 em processo final de análise), sendo que 17 desses foram por Covid-19 (21,2%). Neste ano, até 17 de junho, foram 93 óbitos maternos totais (62 declarados no Sistema de Informação sobre Mortalidade e 31 em processo de análise), sendo 63 por Covid-19 (68%).

“Inúmeras são as ações de Atenção e Vigilância em Saúde com o intuito de diminuir estes números. Dentre elas a imunização das gestantes e puérperas contra a Covid-19. O conhecimento e as experiências adquiridas no decorrer da pandemia nos evidenciam que é preciso continuar a destinar doses para esse público”, disse a diretora de Atenção e Vigilância em Saúde da Sesa, Maria Goretti David Lopes.

Neste domingo (20), em reunião extraordinária virtual da Câmara Técnica Assessora de Imunizações e Doenças Transmissíveis, o Ministério da Saúde recomendou a vacinação de gestantes e puérperas contra a Covid-19, mesmo sem comorbidades, com vacinas de vírus inativado (Coronavac) ou Plataforma de RNA (Pfizer), medida que já era adotada no Paraná desde 11 de junho.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Secretaria da Saúde estabelece novas medidas para igrejas e templos religiosos; veja o que muda

A Secretaria da Saúde (Sesa) do Paraná publicou na última sexta-feira (30) as novas orientações sobre o funcionamento de igrejas e templos religiosos. O documento vem sendo atualizado conforme o cenário epidemiológico estadual e os decretos do Governo do Estado.

Com a diminuição no número de casos e ocupação dos leitos hospitalares exclusivos para a Covid-19, a Resolução Sesa nº 705/2021, sobre as igrejas e templos religiosos, aumenta de 35% para 50% a capacidade de público presencial, preservando na íntegra as medidas de distanciamento.

“O que nos baliza sobre a flexibilização das medidas restritivas é o cenário epidemiológico diário de casos da Covid-19 no Paraná. Porém, vale lembrar que os protocolos de prevenção devem permanecer, como distanciamento social, uso de máscaras, lavagem das mãos, uso de álcool gel 70% e a vacinação”, disse o secretário estadual da Saúde, Beto Preto.

O documento mantém a recomendação de prioridade para que as celebrações e cultos aconteçam de forma virtual.

“Enfatizamos que todos os cuidados devem permanecer. Estamos recebendo constantemente do Ministério da Saúde mais doses da vacina contra a Covid-19 e avançando na imunização por idade. Por isso, reforço a necessidade de ficar atento ao chamamento de cada município e a importância em tomar as duas doses da vacina”, disse o secretário.

Na sexta-feira (30) o Governo do Estado também atualizou as medidas restritivas. O novo decreto diminui em uma hora o período de restrição da circulação em espaços e vias públicas, que passa a ser das 24h às 5h – a exceção são as atividades e serviços essenciais. O mesmo vale para a comercialização e o consumo de bebidas alcoólicas em espaços públicos.

O texto também permite a realização de algumas categorias de eventos, desde que respeitadas todas as medidas de prevenção.

Paraná receberá 180.180 vacinas da Pfizer neste sábado, parte do novo lote da semana

O Ministério da Saúde confirmou na tarde desta sexta-feira (30) que enviará ao Paraná 180.180 vacinas Comirnaty, da parceria Pfizer/BioNTech, na madrugada deste sábado (31). Dessa vez, o lote será encaminhado por via terrestre, com previsão de chegada ao Centro de Medicamentos do Paraná (Cemepar) pelas 5 horas. Todas são D1 (primeira dose) e devem começar a ser entregues aos municípios ainda no sábado.

É a primeira parte de um novo pacote com 332.980 imunizantes, 256.580 destinados à aplicação em público inédito (77%). Além das vacinas da Pfizer, serão 152.800 da CoronaVac (Butantan/Sinovac), sendo metade D1 e metade D2, uma vez que o intervalo de aplicação desse imunizante é de apenas 21 dias. Esse segundo lote ainda não tem previsão de chegada.

O Paraná recebeu nesta semana, entre terça e quarta, 649.420 doses. Em 24 horas, todas as D1 foram direcionadas aos municípios, que já retomaram a vacinação. Com a entrega de sábado, serão 829 mil doses recebidas em uma única semana, mas a maior parte destinada à segunda aplicação, com garantia do ciclo vacinal completo.

O Governo do Estado vai imunizar todos os paranaenses adultos com a primeira dose ou dose única até 30 de setembro. A expectativa é de alcançar já no próximo mês 80% desse público. A maioria dos municípios já imuniza a faixa dos 30 anos no Paraná.