Opala Garage Way acontece neste sábado (23) com exposição de carros, música e o melhor das cervejas artesanais

Neste sábado, dia 23 de julho, a Way Beer, principal cervejaria artesanal do Estado do Paraná, vai promover um dia muito especial para os amantes de cervejas artesanais que também são apaixonados por carros antigos. Em uma ação conjunta com a Segantini, preparadora especializada em Opalas na cidade de Curitiba, a cervejaria vai promover o 1° Opala Garage Way, com diversas atrações exclusivas para a data.

Durante o evento, que vai acontecer na fábrica da cervejaria, na cidade de Pinhais, na Região Metropolitana de Curitiba,o público poderá conferir de perto uma exposição única com uma seleção de Opalas, um dos carros mais emblemáticos e cheios de personalidade da história, em diversos modelos, motores, anos e preparações para encher os olhos dos amantes dos autos antigos.

Garantindo a trilha sonora com muito rock ao vivo, o Opala Garage Way vai contar com a apresentação das bandas Rockout e Double Rocker Trio. Não poderiam faltar, também, as opções gastronômicas, que vão ficar por conta do Rock Pizza Roll, Pirô na Batatinha e Bom a Beça Espetinhos, além de dezenas de torneiras servindo os principais rótulos Way Beer. 

O Opala Garage Way será realizado na fábrica da Way Beer (Rua Pérola, 331), na cidade de Pinhais, na região metropolitana de Curitiba, a partir das 14h. A entrada é gratuita, mas a capacidade de público será limitada. Mais informação pelo telefone (41) 3653-8853 ou no perfil oficial da Way Beer no Instagram (@way_beer).

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Nos Resta Ser Feliz

“Nos resta ser feliz” é o título da exposição individual da artista Analize Nicolini (Brasil, 1974) que inaugura no próximo sábado, na Soma Galeria. A curadoria reúne a sua produção mais recente em fotografia, pintura, performance, instalação e vídeo, resultado de uma pesquisa conceitual que se aprofundou no seu vínculo com o programa de mestrado em Humanidades Ambientais na Ca’Foscari, em Veneza. Nessa mostra, Analize explora a linguagem verbal em sua apresentação visual e sonora em discursos que convocam o espectador à uma ação, sempre retornando aos pontos fundamentais que estruturam a sua poética, ligada às relações humanas interpessoais e com o seu entorno. O público é convidado a participar das diversas propostas artísticas ali instauradas, seja por sua qualidade imersiva, seja por poder levar parte de alguns trabalhos consigo, fazendo a mensagem chegar mais longe. 

Deslocar a arte dos espaços museais  e instituições para o cotidiano é um movimento da poética da artista desde o seu site specific Luzes do Leblon (2018 – 2019), projeto em que trouxe para a areia da praia fotografias realizadas ao longo de um ano naquele entorno. Ou, então, o seu ongoing project Ending in Venice (2019 – atual) um happening de colagem de cartazes nas ruas de Veneza que chamavam a atenção para a ideia de respeito e convivência harmoniosa entre as pessoas e a cidade. Ideias e deslocamentos propostos, também, no happening Nas Feridas Que Eu Alcanço (2022), em que a artista, vestindo um catsuit, facekini e capa vermelhos feito de poliamida reciclável com orifícios e feridas, lambeu os seus machucados em praça pública. Com a exposição Nos resta ser feliz, a artista retorna para a SOMA Galeria para mostrar os vestígios e resultados dessas propostas feitas nas ruas, praias e praças ao redor do mundo – não sem antes propor que os seus trabalhos possam retornar para as pessoas, como os cartazes de Ending in Venice que o público é convidado a destacar e levar para casa ou onde quiser. 

Em seus projetos, Analize sempre apostou na força das palavras e as utiliza como signos tanto visuais, quanto sonoros, mas sempre com a intenção de que elas se façam compreendidas e que atravessem os comportamentos dos seus ouvintes e leitores. Na instalação sonora Lavagem Cerebral ou Uma Pulga Atrás da Orelha? a artista captura sons do cotidiano e deixa as palavras surgirem do seu subconsciente para a oralidade, demonstrando um estado indignado, colérico e imperativo. A tempestuosidade de seu ânimo possui relação com os modos de trabalho e o sofrimento humano e não-humano no aceleramento das práticas neoliberais do capitalismo tardio. Os neons instalados na exposição nos lembram o seguinte: que, aqui, TODOS NOS LAMBEREMOS e, que, afinal, NOS RESTA SER FELIZ, chamando a atenção para práticas de cuidado consigo e com os outros e uma busca pela felicidade, apesar de tudo. Por uma nova ordem mundial, a escultura em forma de moeda confeccionada em prata reciclada, ressignifica os objetos, as lógicas de valor e, como num jogo de cara ou coroa, só nos apresenta uma única possibilidade: práticas econômicas mais sustentáveis e gentis com as pessoas e o planeta. 

SOBRE A ARTISTA 

Analize Nicolini é artista visual, ativista, crítica de arte moderna e contemporânea, curadora independente e consultora para projetos culturais, editoriais, sociais e filantrópicos. “Nos resta ser feliz” é a sua primeira exposição individual em Curitiba, que acontece por uma iniciativa da Soma Galeria, dirigida por Malu Meyer, e da BraSA+, fundada pela artista, especializada em obras baseadas em lentes, mídias digitais e integradas e tecnologias, do Brasil e dos demais países da América do Sul. Os trabalhos também serão mostrados na exposição coletiva Daqui de onde estou (From where I am) que acontece no espaço da WeExhibit em Veneza, junto das artistas: Ana Campanella, Bárbara Oettinger, Guita Soifer e Soiis Rabelo. A exposição inaugura também em agosto, no dia 29. 

Economista de formação e pós-graduada em Marketing, foi co-fundadora da editora Ahom Educação, ganhadora do Prêmio Jabuti na edição de 2012. Atualmente, Analize cursa o programa de Mestrado em Humanidades Ambientais na Università Ca’ Foscari (Veneza) assim como o programa em Práticas Curatoriais Inclusivas: Acessibilidade, Representação e Diversidade promovido pelo NODE Center (Berlim).

Em 2019, fundou a BraSA+, galeria online especializada em obras baseadas em lentes, mídias digitais e integradas e tecnologias, do Brasil e dos demais países da América do Sul. A galeria produz exposições online e on site, e mantém um programa de residências artísticas e curatoriais. 

Produziu e atuou como co-curadora da exposição Anecdotes on Origins, em Veneza, Itália, em 2019. Desenhou as exposições braZil, um retrato de uma nação, de Olaf Heine a ser realizada no Paço Imperial (Rio de Janeiro) e a coletiva “#CONTEÚDO+ do Brasil e da América do Sul (Rio de Janeiro e Los Angeles), ambas aprovadas pelo Ministério da Cultura (PRONAC 190066 e PRONAC 200521, respectivamente). Sua prática curatorial parte da obra de arte e busca transpor os limites do sistema tradicional de exposição, promovendo o encontro obra/espectador, ambos agentes capazes de transformação.

Como artista, realizou a exposição site-specific Luzes do Leblon e publicou o livro homônimo, um tributo aos 100 anos do bairro carioca. Vinte e uma fotografias em grande formato foram expostas na praia do Leblon através de uma ação performativa realizada em maio de 2019. No mesmo ano, participou da exposição coletiva D’água, que inaugurou o Espaço Judith Munk de Fotografia, em Araras, Petrópolis, Rio de Janeiro. Em fevereiro de 2020, realizou em Veneza o Ato I – A Invasão do projeto Ending in Venice.

Analize concentra sua pesquisa na contemporaneidade – e complexidade – dos sentimentos e relações humanas e seus entornos, passando por questões filosóficas existenciais como a inevitabilidade da finitude da vida, até chegar em questões ambientais, antropológicas e sociais no Antropoceno, para responder a pergunta central se a Arte pode ser capaz de transformar comportamentos humanos e curar nossa relação com o meio ambiente e o sofrimento humano e não-humano.

Com sua prática artística dedicada a diversas mídias como néon, fotografia, vídeo e performance, seu trabalho se desdobra em um processo terapêutico de cura e de ativismo por um mundo melhor, práticas capitalistas sustentáveis e melhores relações inter-humanas, e em uma militância pró utopias por uma nova ordem mundial.

SERVIÇO

SOMA Galeria apresenta de 16/08 a 17/09

A exposição individual Nos Resta Ser Feliz, de Analize Nicolini 

Produção BraSA.Art e SOMA Galeria

Abertura: 13 de agosto, a partir das 14h até meia-noite, na SOMA Galeria 

Com programação de visitas-guiadas às 14h – 15h, 18h30 – 19h30 e 21h – 22h. 

Endereço: Av. Sete de Setembro, 5708

Horário de Visitação: 

Terça a sexta-feira, das 14h às 19h

Sábados das 10h às 19h

Período de exposição: 16/08 a 17/09

LISTA DAS OBRAS

8 obras, 5 inéditas

Audio

Xingamentos, 2022

Escultura (prata reciclada)

Por uma nova ordem mundial, 2022

Neon (puro 100% gás neon)

Aqui todos nos lamberemos, 2022

Aqui nos resta ser feliz, 2021

*Happening. Video e Fotos Performance

Nas Feridas que alcanço, 2022

Impressão à laser em papel reciclado

Ending in Venice, 2019 ongoing

Fotografia fine art photography

Luzes do Leblon, 2018/2019

Pintura 

Ode ao amor sem dono, 2016

Acrílica sobre tela, 80x80cm

Coleção da artista 

FICHA TÉCNICA DA EXPOSIÇÃO

Produção e Curadoria 

Analize Nicolini

Malu Meyer 

Fernanda Andrade

Isadora Mattiolli

Marina Ramos

Oficinas gratuitas fazem parte do Festival Internacional de Videomapping 

Oficinas gratuitas de audiovisual fazem parte da programação do FIV – Festival Internacional de Videomapping de Curitiba, que acontece de 25 a 27 de agosto, no Paço da Liberdade (Praça Generoso Marques – Centro). Com foco na projeção mapeada, tema central do evento, os cursos e palestras vão apresentar conceitos e técnicas iniciais tanto para videomakers quanto para o público em geral.
 
A primeira oficina acontece entre 16 e 19 de agosto, no Sesc Paço da Liberdade. Manolo Fraga, o VJ Iluminous, vai apresentar a história e técnicas de videotecagem e projeção mapeada. As aulas acontecem das 13h às 18h na Sala de Cinema do Paço. São 35 vagas (inscrições devem ser feitas pelo site fivbr.com/oficinas).
 
No último dia do evento (27 de agosto), o VJ Ygor Marotta, do duo VJ Suave, vai promover para adolescentes de 12 a 14 anos um workshop de Tagtool – um aplicativo de desenho e animação colaborativo para iPad que possibilita realizar projeções na fachada de edifícios. Serão abertas quatro turmas para até 12 inscritos cada. O workshop será realizado no Cine Passeio (R. Riachuelo, 410 – Centro). 
 
Outros cursos e palestras, apresentados por nomes de referência em videomapping, passarão por temas como interação entre som e imagem, uso de projeção mapeada em diferentes expressões artísticas e intervenção urbana. Haverá opções presenciais e online. A programação completa, com informações sobre requisitos para as oficinas e formulários de inscrição, será disponibilizada no site do Festival (fivbr.com). 
 
Sobre o FIV
Em sua primeira edição, o FIV – Festival Internacional de Videomapping levará uma extensa programação de projeções mapeadas ao Paço da Liberdade, no centro de Curitiba, entre os dias 25 e 27 de agosto. As projeções são inéditas e foram criadas por artistas audiovisuais de três continentes. Os melhores trabalhos – recebidos por meio de um edital de divulgação, em julho – serão premiados.
 
Além dos espetáculos visuais, o FIV oferece oficinas e masterclasses com artistas conceituados na área do videomapping. O evento tem apoio da Lacta, realização da Labirinto Produções e incentivo do Profice (Programa Estadual de Fomento e Incentivo à Cultura do Paraná), além de apoio cultural do Sesc Paço da Liberdade/Fecomércio e do Cine Passeio/Instituto Curitiba de Arte e Cultura (Icac)/Fundação Cultural de Curitiba.
 
Mais informações
fivbr.com
facebook.com/fivbrasil
instagram.com/fiv_br