Número de assaltos em ônibus de Curitiba caiu 74% desde 2016

O número de assaltos no transporte coletivo de Curitiba caiu 74% desde 2016 em Curitiba. Naquele ano, tinham sido registrados 3.111 assaltos. No ano passado, os casos somaram 794.

Os dados correspondem ao número de boletins de ocorrência registrados pelos cobradores e motoristas e acompanhados pela Urbanização de Curitiba S.A. (Urbs). Os assaltos vêm caindo ano a ano. Em 2017, primeiro ano da gestão do prefeito Rafael Greca, foram 1.678. No ano seguinte, em 2018, 1.115 ocorrências. Somente em relação a 2018, houve queda de 28% nas ocorrências.

Em 2016, a média era de 8,5 assaltos por dia. No ano passado, a média estava em 2,18. Em 2016 foram R$ 490,7 mil  de prejuízo com os assaltos. Em 2019, esse valor somou R$ 120 mil.  

Ações da Guarda Municipal e colocação de novas câmeras de segurança nos ônibus têm contribuído para a queda nos assaltos, segundo o presidente da Urbs, Ogeny Pedro Maia Neto. 

“A Guarda Municipal intensificou as operações no transporte coletivo e além disso, a presença de câmeras de monitoramento nos novos ônibus entregues desde 2017 reforçam a segurança”, disse o presidente da Urbs. 

A frota do transporte coletivo vem sendo renovada desde dezembro de 2017. São 317 ônibus novos, todos equipados com câmeras, número que deve chegar a 450 em 2020.

Cada modelo de veículo tem um número de equipamentos suficiente para registrar toda movimentação do interior dos ônibus.
Nos biarticulados, por exemplo, são 8 câmeras em cada ônibus, e nos modelos comuns, mais curtos, 4 câmeras. As imagens ficam armazenadas no Centro de Controle e Operações da Urbs, à disposição das autoridades.

Patrulha

A Guarda Municipal desenvolve um trabalho específico para inibir diversos tipos de delitos por meio da Patrulha do Transporte Coletivo. Equipes fazem rondas, mantêm presença em estações-tubo e terminais e fazem operações estratégicas que incluem abordagem a pessoas dentro dos ônibus.

Só no ano passado foram reprimidas mais de 70 situações relacionadas à importunação sexual dentro de ônibus, com a condução dos suspeitos à delegacia, após acionamento da vítima ou de testemunhas, pelo telefone de emergência 153 da Guarda Municipal. Junto com repressão a danos, tentativas de invasão e roubos, foram atendidas 983 ocorrências na rede de transporte em 2019.

O cidadão pode contribuir repassando situações de delito no transporte coletivo para a Guarda Municipal, por meio do telefone 153. A ligação é atendida 24 horas por dia por um dos profissionais do Centro de Operações da Guarda Municipal.

Colher informações básicas, como a cor da roupa, óculos ou bonés, ajudam na identificação posterior. A partir da ligação é possível deslocar uma equipe da Guarda Municipal em trabalho de rua que estiver mais próxima do endereço para averiguação de uma situação de delito em flagrante e fazer abordagens a pessoas suspeitas

Principal meio de deslocamento dos cidadãos curitibanos, o sistema de transporte da capital conta atualmente com 254 linhas urbanas operadas por três consórcios de empresas privadas que disponibilizam uma frota operante de 1.231 ônibus. 

As linhas fizeram, em média, 14,1 mil viagens por dia, percorrendo mais de 273 mil quilômetros. Em média, a Rede Integrada de Transporte transporta 1.228.694 passageiros por dia útil.

Primeira Feira da Agroindústria acontecerá em dezembro em Curitiba

A Secretaria de Estado da Agricultura e do Abastecimento promove a Agrifamiliar Paraná 2020 – 1ª Feira de Produtos e Serviços da Agricultura Familiar, que acontecerá em Curitiba entre os dias 3 a 6 de dezembro. As pré-inscrições para as agroindústrias interessadas em expor seus produtos encerram 30 em setembro.

A feira será em frente ao Mercado Municipal de Curitiba. Trata-se de uma iniciativa para aproximar o campo e a cidade, o rural e o urbano, a produção e o consumo.

O evento é promovido em parceria com a Federação dos Trabalhadores Rurais Agricultores Familiares do Estado do Paraná (Fetaep), Prefeitura de Curitiba/Secretaria Municipal de Segurança Alimentar e Nutricional, Instituto de Desenvolvimento Rural do Paraná – Iapar-Emater (IDR-Paraná)  e Agência de Defesa Agropecuária do Paraná (Adapar).

Para efetivar a pré-inscrição, a agroindústria deve ter o registro do estabelecimento no Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, apresentar a DAP (Declaração de Aptidão do Pronaf) ativa e documentos pessoais do responsável pelo estabelecimento. As agroindústrias familiares que manipulam produtos de origem animal precisam estar inscritas no serviço de inspeção sanitária municipal, estadual ou federal.

Aquelas que manipulam produtos de origem vegetal, bebidas e polpas devem ter licença e alvará sanitário emitido pela Secretaria da Saúde e registro no Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Para quem pretendem apresentar produtos como plantas e flores, é necessário preencher o formulário de autorização da Adapar. 

SERVIÇO – A Agrifamiliar acontecerá de 3 e 6  de dezembro. Na quinta e na sexta-feira o horário será das 10h às 20h; no sábado das 9h ás 20 e no domingo das 9h ás 13h.

As pré-inscrições podem ser feitas no núcleo da Seab de Curitiba, no IDR-PR, na Adapar ou diretamente no site da Fetaep (http://www.fetaep.org.br) e deve ser encaminhada para o e-mail agrifamiliar@fetaep.org.br.

Informações AEN.

Polícia cumpre 53 mandados contra o tráfico de drogas em Curitiba e RMC

A Polícia Civil e a Polícia Militar do Paraná estão nas ruas, desde as primeiras horas da manhã desta terça-feira (22), para desmantelar associação criminosa que comanda o tráfico de drogas no Centro e no bairro Cajuru, na capital, e em Pinhais, na Região Metropolitana de Curitiba.

Batizada de Lisboa, a operação visa cumprir 37 mandados de busca e apreensão em endereços relacionados aos alvos e 16 mandados de prisão preventiva contra líderes, gerentes, fornecedores e distribuidores de drogas naquelas regiões. 

Durante as investigações, que duraram cerca de 6 meses, a PCPR e a PMPR observaram que houve pouca ou nenhuma alternância na liderança do bando. É como se a associação criminosa fosse composta por líderes gerais, gerentes operacionais e revendedores finais – conhecidos como “pistas”, esses substituídos com frequência. 

CENTRO – As drogas que abasteciam o tráfico no Centro de Curitiba eram fornecidas por líderes distintos que comandavam o crime em Pinhais e no bairro Cajuru. Nesta região, a PCPR e PMPR cumprem 17 mandados de busca e apreensão e sete mandados de prisão preventiva. 

CAJURU – O gerente operacional que atuava no bairro também distribuía drogas para revendedores finais do município de São José dos Pinhais, na RMC. Seis pessoas são alvos de prisão preventiva e 15 mandados de busca e apreensão serão cumpridos na região. 

PINHAIS – O tráfico era comandado por um indivíduo com antecedentes por tráfico de drogas. Ele foi preso em 2016, com 73 quilos de crack, e estava em liberdade atuando no município e no Centro de Curitiba.  Aqui a PCPR e PMPR miram oito alvos. Três com mandados de prisão preventiva e cinco com mandados de busca e apreensão. 

INVESTIGAÇÕES – No decorrer das investigações foram presas em flagrante 17 pessoas ligadas ao bando, cumpridos quatro mandados de prisão preventiva, uma apreensão de adolescente, apreensão de duas armas de fogo, 173 gramas de cocaína, 2,3 quilos de crack e 4,8 quilos de maconha.

Informações AEN.