Motoristas encerram greve no transporte coletivo de São José dos Pinhais

Motoristas de ônibus encerraram a greve do transporte coletivo de São José dos Pinhais, na Região Metropolitana de Curitiba (RMC). Com isso, o serviço voltou a funcionar normalmente nesta sexta-feira (15).

A retomada aconteceu depois da categoria aceitar uma proposta da Auto Viação Sanjotur em uma assembleia realizada na quinta (14).

Os funcionários não receberam parte do salário que deveria ter caído na conta na última sexta-feira (8).

A empresa fez proposta aos trabalhadores de na segunda-feira (18) pagar 50% e dia 25 de outubro o restante.

A Sanjotur opera mais de dez linhas de ônibus urbanas e rurais.

Informações Banda B

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Rodízio de abastecimento na RMC será de 60 horas por 36 horas a partir de segunda-feira

A Sanepar retoma o rodízio no abastecimento de água de Curitiba e Região Metropolitana de 60 horas de fornecimento de água por até 36 horas de suspensão, a partir de segunda-feira (15). Nesse modelo, a população é abastecida por 24 horas a mais do que na programação anterior. Os bairros serão divididos em quatro grupos, com cerca de 980 mil pessoas em cada.

O anúncio foi feito nesta quinta-feira (11) pelo diretor-presidente da Companhia, Claudio Stabile, durante coletiva de imprensa realizada na sede da empresa, em Curitiba. Ele esteve acompanhado dos diretores de Operações, Sérgio Wippel; de Investimentos, Leura Conte de Oliveira; de Meio Ambiente e Ação Social, Julio Gonchorosky, e de Comunicação e Marketing, Hudson José.

Rodízio volta a ser de 60 horas por 36 horas a partir de segunda-feira – Anúncio foi feito por diretores da Sanepar em coletiva de imprensa na manhã desta quinta-feira – Curitiba, 11/11/2021 – Foto: Sanepar

Além do índice do Sistema de Abastecimento Integrado de Curitiba e Região Metropolitana (SAIC), que chegou a 68,05% nesta quinta, a Sanepar também levou em consideração a conclusão, nesta semana, de obras em Curitiba que ampliam a infraestrutura de reservação e distribuição de água tratada.

São obras que já estavam planejadas, conforme o Plano de Investimentos da Companhia, e que foram concluídas de forma mais rápida justamente por causa do rodízio.

O presidente da Sanepar também informou que, quando o nível das barragens chegar a 80%, o rodízio poderá ser suspenso. A expectativa é que isso ocorra no fim do verão, em março de 2022, uma vez que as previsões meteorológicas indicam chuvas abaixo da média para novembro e dezembro, com elevação das precipitações para janeiro, fevereiro e março.

Atualmente, o déficit de chuvas acumulado durante todo o ano de 2020 até outubro de 2021 é de 680,5 milímetros.

MIRINGUAVA – A diretora de Investimentos da Sanepar, Leura Conte de Oliveira, informou que as obras da Barragem do Miringuava estão suspensas devido à alta umidade do último mês, que praticamente inviabilizou qualquer avanço na construção. Ela explicou que o índice de umidade do solo precisa estar muito baixo nesta fase de construção do maciço, seguindo as regras de segurança de barragens. A expectativa é que a obra seja retomada em março, quando se encerra o período chuvoso.

Sem semicondutores, Volkswagen suspende produção em fábrica de São José dos Pinhais

A Volkswagen suspendeu a produção na fábrica de São José dos Pinhais (PR) por dez dias, a partir da terça-feira, 9. A unidade produz o utilitário-esportivo (SUV) T-Cross e até agora estava sendo privilegiada pelo grupo com os semicondutores que chegavam ao País, mas os estoques acabaram.

Os 2,1 mil trabalhadores dos dois turnos estão em férias coletivas.

Na fábrica de São Bernardo do Campo, no ABC Paulista, 1,5 mil funcionários estão em lay-off (contratos suspensos) desde o início do mês e a dispensa deve ser mantida até março. Nesse período, a linha de produção funciona apenas com um turno.

Segundo o Sindicato dos Metalúrgicos de Curitiba e Região, a fábrica do Paraná só havia parado a produção por falta de componentes durante 10 dias em junho e três dias na semana do feriado de 12 de outubro.

Ao todo, há no momento 6,4 mil trabalhadores da área produtiva de várias montadoras em casa em razão da falta de semicondutores, problema que atinge a indústria automobilística global e que deve se prorrogar até o fim do próximo ano. O número representa 6,3% de toda a mão de obra das fabricantes, hoje em 102,6 mil trabalhadores, incluindo o pessoal administrativo.

Escassez de chip vai seguir até fim de 2022

“Teremos de conviver com esse problema durante todo o ano de 2022”, admitiu, na sexta-feira, o presidente da Volkswagen América Latina, Pablo Di Si. Neste dia, ele anunciou novo plano de investimentos para a região, de R$ 7 bilhões entre 2022 e 2026, valor ser gasto em novos produtos, digitalização e pesquisas e desenvolvimento de etanol para uso em carros híbridos e elétricos.

Em nota divulgada nesta quarta-feira, a Volkswagen informa que, nos últimos meses, e empresa tem trabalhado intensamente, em parceria com a matriz e os fornecedores, para minimizar os efeitos da escassez de semicondutores para a produção em suas fábricas na região. “Entretanto, o cenário atual não demonstra o encaminhamento para uma solução definitiva visando a normalização do fornecimento de chips.”

A Fiat também colocou em lay-off 1,8 funcionários da fábrica de Betim (MG) por três meses a partir de 1º de outubro. Na unidade da General Motors de São José dos Campos (SP) foi adotada a mesma medida para 700 operários, assim como para 300 na planta da Renault em São José dos Pinhais (PR).

Além disso, nas últimas semanas a fabricante francesa abriu um programa de demissão voluntária (PDV) para 250 funcionários. A Honda também ofereceu incentivos para a saída de trabalhadores das plantas de Indaiatuba e Itirapina, ambas em São Paulo, mas não divulgou meta de adesão.