Motociclistas são os que mais morrem em acidentes de trânsito em Curitiba

Curitiba registrou 181 mortes no trânsito em 2020. O total foi de 178 acidentes – houve três ocorrências com dois óbitos cada. A principal vítima foi o ocupante de motocicleta – 69 perderam a vida no trânsito, o correspondente a 38,1% de todas as mortes. 

Entre os óbitos aparecem ainda 65 pedestres, 29 ocupantes de automóvel e 15 ciclistas. Uma das vítimas fatais estava em caminhão e outras duas em ônibus. Os dados constam em relatório com a análise do Programa Vida no Trânsito (PVT), coordenado de forma conjunta pelas secretarias municipais da Saúde e de Defesa Social e Trânsito, e divulgado na programação deste Maio Amarelo. 

Apesar da redução de 41,6% nas mortes registradas na capital na última década, no ano passado houve aumento de 7% na comparação com o ano anterior, quando foram 169 mortes.

“Mesmo com menos veículos nas ruas em decorrência da pandemia de covid-19, 2020 infelizmente registrou aumento no total de acidentes fatais e a imprudência pode ter sido um fator decisivo para este resultado”, aponta a superintendente de Trânsito, Rosangela Battistella.

“Este é mais um motivo pelo qual estamos reduzindo o limite de velocidade permitido em diversas ruas da cidade”, acrescenta a superintendente. 

Perfil das vítimas

A observação da distribuição percentual dos óbitos por tipo de acidente corrobora com o apontado sobre tipo de vítima. Entre os acidentes mais ocorridos em 2020 estão o atropelamento, representando 35,4%, e a colisão (entre quaisquer tipos de veículo), 39,2% como tipo de acidente que ocasionou óbitos. 

Na análise dos óbitos por faixa etária e sexo é possível apontar o homem jovem (20 a 29 anos) como a principal vítima fatal. Dos 45 óbitos ocorridos nesta faixa etária em 2020, 42 foram de pessoas do sexo masculino.

“Em 2020, a taxa de mortalidade, que indica o risco de morrer por um agravo, está distribuída de forma semelhante entre algumas faixas etárias do adulto e do idoso”, explica Anna Rosa Ruzyk, integrante da Comissão de Coleta, Análise e Gestão da Informação do PVT. Destacam-se as faixas etárias de 80 anos e mais com uma taxa de 17,6 para 100 mil habitantes, de 20 a 29 anos com 15,3/100 mil hab e de 70 a 79 anos com 12,6/100 mil hab.

Em relação aos dias da semana em que mais ocorreram os acidentes fatais, levando em consideração o número de óbitos, é possível observar o sábado e a terça-feira. Quanto ao horário do dia, destaca-se a noite, principalmente na faixa horária das 18h e das 20h.

Ruas mais seguras

O PVT é a denominação no Brasil do Projeto Road Safety in Ten Countries (“RS-10”). O programa agora entra em sua segunda década, com o objetivo de reduzir em 50% as mortes no trânsito, tendo como parâmetro os dados do último ano. Tem suporte da Organização Panamericana de Saúde (Opas), com o apoio da OMS.

Compõem o Comitê de Análise de Acidentes oficiais do Batalhão de Polícia de Trânsito (BPTran), da Polícia Rodoviária Federal (PRF) e do Batalhão de Polícia Rodoviário (BPRv); engenheiros de trânsito, agentes de educação e fiscalização da Setran, médico do Siate, perito do Instituto de Criminalística, representante da Urbs, representante da Secretaria de Estado da Saúde (PVT Estadual) e técnicos da Secretaria Municipal da Saúde. A partir deste ano contará com apoio da Delegacia de Delitos de Trânsito (Dedetran).

Visão Zero e mobilidade segura

“A promoção da mobilidade segura e sustentável é prioridade para a Prefeitura de Curitiba”, afirma o presidente do Instituto de Pesquisa e Planejamento Urbano de Curitiba (Ippuc), Luiz Fernando Jamur. 

Dentro deste contexto, o município tem em curso uma série de projetos e ações para reduzir ao máximo o número de acidentes, com foco no conceito Visão Zero pactuado junto ao Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) e ao New Development Bank (NDB), organismos parceiros da Prefeitura no financiamento dos projetos de transporte, e pela melhoria da qualidade dos deslocamentos nos mais diversos modais por toda a cidade.

“Fazem parte deste processo os projetos de evolução do transporte público, com o Inter 2 e BRTs Norte-Sul, Leste-Oeste e a promoção da intermodalidade como um dos vetores de desenvolvimento, com novas centralidades, calçadas acessíveis – inclusive com vistas à mobilidade de gênero e a ampliação da malha cicloviária”, explica o presidente do Ippuc. 

De acordo com Jamur, é um conjunto de intervenções que envolve todos os órgãos da municipalidade desde o planejamento urbano, pelo Ippuc, obras de pavimentação pela Smop, sinalização e segurança viária, pela Setran, entre outras medidas para a preservação da vida no espaço urbano.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Com 49 mil contratações, Agências do Trabalhador do Paraná lideram ranking nacional no 1º semestre

melhor resultado do emprego para o primeiro semestre desde 2011 foi alcançado com ajuda das Agências do Trabalhador. De acordo com o relatório nacional de desempenho da intermediação de mão de obra da Rede SINE, divulgado pelo Ministério do Trabalho, as unidades do Paraná, vinculadas ao Governo do Estado, lideraram o ranking nacional na categoria trabalhadores efetivamente contratados, com 49.114 novos empregos.

O Estado ficou à frente de Ceará (20.739), São Paulo (13.535) e Mato Grosso do Sul (10.223), com mais do que o dobro dos encaixes efetivos do que o segundo colocado. Os melhores meses foram abril (10.317), março (9.583), maio (8.878) e junho (8.214).

O resultado indica que as Agências do Trabalhador foram responsáveis por 6,5% das 752.694 admissões do primeiro semestre no Paraná e quase 30% das colocações de todo o País (o relatório leva em consideração sistemas estaduais e municipais de encaminhamento para o mercado de trabalho).

“Vemos pelas movimentações nas Agências do Trabalhador de todo o Estado que o clima é de otimismo com a retomada da economia e o avanço da vacinação contra a Covid-19. Há muitas vagas abertas, o que indica crescimento do emprego e mais segurança nos investimentos”, disse o secretário de Estado da Justiça, Família e Trabalho, Ney Leprevost.

O sistema do Paraná, que conta com 216 agências, também foi o que mais encaminhou candidatos a vagas durante os seis primeiros meses do ano. Neste primeiro semestre foram 202.754 pessoas apresentadas às vagas de emprego. Esse indicador mede as pessoas que efetivamente tiveram uma conversa com um potencial empregador.

Agências do Trabalhador do Paraná lideram ranking nacional na oferta, encaminhamento e colocação de profissionais no mercado de trabalho. Foto: Ari Dias/AEN

O Paraná ficou à frente de São Paulo (146.214), Minas Gerais (118.898) e Ceará (63.975). No Sul, bateu Rio Grande do Sul (74.537) e Santa Catarina (48.949). O Estado também representou 15% do total nacional (1.350.384). Os melhores meses foram janeiro (37.246), fevereiro (36.943) e maio (35.605).

Suelen Glinski, chefe do Departamento do Trabalho e Geração de Renda da Secretaria de Justiça, Família e Trabalho, destaca o treinamento e a capacitação contínua do pessoal que recebe os trabalhadores nas agências e postos avançados como um dos fatores. Ela também elencou programas como Emprega Mais Paraná e a criação de postos avançados de atendimento em municípios menores como plataformas que darão continuidade a esse bom momento.

“O Paraná tem um trabalho consolidado na intermediação de empregos e assistimos uma recuperação contínua em 2021, mesmo com as dificuldades da segunda onda da pandemia no começo do ano. Conseguimos manter a agilidade com o atendimento virtual e a confiança do setor produtivo, que aposta nas Agências do Trabalhador para buscar novos funcionários”, disse.

EMPREGO NO SEMESTRE 

O Paraná foi o quarto estado brasileiro que mais gerou empregos no primeiro semestre de 2021, com um saldo de 118.316 vagas abertas entre janeiro e junho. É o melhor desempenho do Estado para o período desde 2011, e também a primeira vez que o saldo nos primeiros seis meses do ano ultrapassa a marca de 100 mil vagas formais.

O saldo do semestre se refere à diferença entre as 752.694 admissões e 634.378 desligamentos no período. Já no mês passado, 117.295 pessoas foram contratadas do Paraná, enquanto 101.437 foram demitidas, com saldo de 15.858 postos de trabalho. No acumulado dos últimos 12 meses, o saldo de empregos formais no Estado é de 219.370 vagas.

Confira o relatório completo AQUI.

Greca anuncia investimentos e projetos para a retomada econômica de Curitiba

Na reabertura dos trabalhos da Câmara Municipal, nesta segunda-feira (2), o prefeito Rafael Greca anunciou projetos voltados ao fortalecimento econômico de Curitiba, com investimentos em capacitação profissional e a geração de empregos por intervenções de estruturação urbana, para consolidar a recuperação da cidade no pós-pandemia. A sessão foi realizada de forma híbrida, com parte dos vereadores presentes ao plenário e outra por videoconferência.

“Temos um grande programa de obras em curso que deverá gerar 113 mil empregos na cidade. Vamos criar também uma escola curitibana de Turismo para equipar o mercado de trabalho do setor, usando os espaços da Prefeitura e a antiga Casa Culpi”, disse Greca. 

Na reabertura dos trabalhos da Câmara Municipal, nesta segunda-feira (2/8), o prefeito Rafael Greca anunciou projetos voltados ao fortalecimento econômico de Curitiba. Curitiba, 02/08/2021. Foto: Hully Paiva/SMCS

Outro destaque citado pelo prefeito foi o avanço da Prefeitura no planejamento e em colocar em andamento um grande programa de projetos e obras estruturantes, que deverá ancorar a retomada econômica da cidade nos próximos anos.

“Em um ano marcado pela resistência à pandemia, conseguimos fazer nossa carteira de obras chegar a R$ 2,6 bilhões em projetos em andamento e futuros. As obras do Bairro Novo do Caximba e da Pirâmide Solar e também de evolução do transporte nos eixos Leste-Sul, Leste-Oeste e o Inter 2 vão dinamizar ainda mais a economia da cidade”, reforçou o prefeito.

Na sessão que marcou o retorno ao trabalho do Legislativo estiveram também o vice-prefeito Eduardo Pimentel, o presidente da Câmara Municipal, Tico Kuzma, a primeira-secretária, vereadora Flávia Francischini, e a segunda-secretária, vereadora Professora Josete, o primeiro vice-presidente da Câmara, vereador Alexandre Leprevost, e o terceiro-secretário, vereador Professor Euler.

Greca desejou êxito aos parlamentares nesse novo período legislativo e destacou a manutenção dos cuidados com a pandemia. “2021 é um ano de desafios em que ainda a pandemia nos aflige, embora estejamos em tempos de remissão. Devemos seguir os cuidados com a ciência da epidemiologia e com a Saúde Pública e pautarmos a nossa ação pelo respeito à vida”, frisou.

O prefeito lembrou que Câmara Municipal foi a origem na sua trajetória na vida pública e destacou a relevância da atuação parlamentar e do Executivo para o benefício da cidade e dos seus habitantes. “Minha alegria nesta manhã também diz respeito ao fato de eu estar no meu berço político. Aqui fui feito vereador pela primeira vez que tive um mandato eletivo. Aqui me sinto entre meus pares. Aqui vejo como fundamental a função do vereador na construção da cidade.”

Para o presidente da Câmara, Tico Kuzma, a pandemia trouxe um grande desafio que precisa ser contornado e superado. O vereador citou a aprovação do Plano de Recuperação Econômica e disse que outros importantes projetos de lei foram aprovados para amenizar o impacto da pandemia na saúde da população curitibana. “Alguns projetos foram apreciados e votados em tempo recorde, como para a renovação de contratos de PSS para a enfermeiros. Também para a prevenção e controle da pandemia, aprovamos a cobrança de multas para quem furar a fila da vacinação e a proprietários de imóveis que promoverem festas clandestinas.”

De acordo com Kuzma, a Câmara está preocupada com o momento econômico e tem desde 2017 contribuído com racionalização de recursos e a parceria com o município. “Em 2019, a Câmara Municipal de Curitiba economizou R$ 22 milhões e, ao final de 2020, devolvemos R$ 30 milhões à prefeitura”, disse o presidente da Câmara.

Na opinião do líder do governo na Câmara, vereador Pier Petruzziello, o bom andamento da gestão pública durante a pandemia se deve, em grande parte, à iniciativa do prefeito Rafael Greca. “O prefeito teve a coragem de tomar decisões. Não se omitiu em nenhum momento e fez o necessário para preservar a vida e apoiar a economia de Curitiba. Não posso deixar de registrar os esforços da equipe da Saúde Municipal na organização do plano de vacinação que é exemplo para o país”, ressaltou o vereador.

Entregas

Rafael Greca também enumerou importantes obras entregues pela Prefeitura, entre elas as duas novas estações-tubo da Fagundes Varella, na Linha Verde, que permitiram a entrada em funcionamento do novo Ligeirão Fagundes Varela-Terminal Pinheirinho e terminal do Pinheirinho-Jardim Social.

“Estamos fazendo com que a Linha Verde sirva, efetivamente, para seu mais importante fim, que é o de interligar e melhorar o ir-e-vir das pessoas, permitindo novas linhas de ônibus e dando mais fluidez aos deslocamentos dos veículos de passeio e de carga”, disse Greca.

Entre outras entregas feitas pelo município, Greca citou o novo Terminal Tatuquara, construído do zero, ao lado da Rua da Cidadania e da UPA; a Trincheira da Mário Tourinho, no cruzamento com a Avenida Nossa Senhora da Luz; o programa de pavimentação asfáltica completou neste primeiro semestre 1.034 ruas, incluindo ruas de saibro, o Memorial Paranista, no Parque São Lourenço, a pista de skate na Wenceslau Braz e a da BMX no Parque Peladeiros.

Acolhimento e vacina

No que diz respeito aos serviços de atenção a quem mais precisa, Greca citou o trabalho da Fundação de Ação Social (FAS), principalmente no rigor deste inverno.

“Até agora não perdemos ninguém para o frio. É com orgulho que destaco o trabalho da FAS. Recomendo aos vereadores, sobretudo os de oposição, que leiam a Revista Piauí, que transformou em crônica uma noite de trabalho da FAS no cuidado para que as pessoas não morram de hipotermia”, observou.

Com o frio intenso a Prefeitura reforçou as estruturas de acolhimento da população mais vulnerável, bem como as abordagens às pessoal em situação de rua. Desde o começo do ano, as equipes da FAS fizeram 111.782 abordagens e 20.204 acolhimentos de população de rua.

Greca ressaltou o empenho da cidade na rotina de vacinação. Curitiba já vacinou 1.022.860 habitantes com primeira dose ou dose única. Outras 388.443 pessoas já receberam a segunda dose. “Uma vez que tenhamos imunizantes, podemos vacinar 30 mil pessoas todos os dias. Se o governo federal, em conjunto com o governo estadual, tiver agilidade na entrega dos imunizantes poderemos vacinar 30 mil pessoas por dia. Não temos medo de trabalhar”, disse o prefeito.

O prefeito finalizou a sua fala agradecendo a parceria com o Legislativo para o benefício da cidade e dos cidadãos.  Acompanharam o prefeito na Câmara Municipal o secretário do Governo e presidente do Ippuc, Luiz Fernando Jamur; a secretária da Comunicação, Cinthia Genguini; a procuradora-geral do Município, Vanessa Volpi; o secretário de Finanças, Vitor Puppi; o comandante da Guarda Municipal, Carlos Celso dos Santos Junior; o chefe de gabinete da Prefeitura Cristiano Hotz e o diretor técnico Legislativo da Prefeitura, Rodrigo Ajuz.