Arquivos

JBS vai investir R$ 1,8 bilhão no Paraná e fará maior fábrica de empanados do mundo

Foto: Jonathan Campos/AEN

A JBS, uma das maiores empresas do ramo agroindustrial do Brasil, anunciou nesta sexta-feira (14) investimento de R$ 1,8 bilhão na unidade de Rolândia para a construção da maior fábrica de empanados do mundo. O governador Carlos Massa Ratinho Junior participou da cerimônia de anúncio na planta instalada no município do Norte do Estado. A nova unidade, que já está em fase inicial de construção, ficara anexa à atual. Também será feita a expansão de turno e modernização da unidade de aves da Seara na cidade.

Ratinho Junior destacou a importância de um anúncio tão robusto no Paraná mesmo em um momento de crise causada pela pandemia do novo coronavírus. “O Paraná tem vocação para produzir alimentos e alimentar o mundo, e agora abrigará com muito orgulho a maior fábrica de empanados do planeta”, disse o governador.

“Quando uma empresa consolidada e de porte internacional decide por um investimento bilionário, atesta que o Paraná está no caminho certo. Isso vai ser muito importante na retomada da economia paranaense e na geração de emprego e renda”, acrescentou.

Governador Carlos Massa Ratinho Junior durante visita a JBS – Foto: Ari Dias/AEN

Segundo o governador, a gestão estadual tem foco na viabilização de novos negócios e na valorização da modernização do setor agropecuário no Estado. Essa agenda tem influenciado nos números positivos da geração de empregos e do crescimento da produção industrial.

“Temos reduzido a burocracia, o que atrai mais investimentos e acelera o crescimento da economia. Mas vamos além, tendo um foco especial para a infraestrutura que vai escoar toda essa produção do agronegócio. Estradas de qualidade, ferrovias, um porto moderno, tudo isso influencia diretamente na competitividade do empresário que está no Paraná, e isso chega na ponta, na gôndola, para o consumidor final”, afirmou.

INVESTIMENTO –Com o investimento na unidade, que terá bandeira da Seara, serão gerados cerca de 2,6 mil novos empregos diretos, e também 150 novas parcerias com integrados. Atualmente, a unidade de Rolândia emprega 3.700 colaboradores diretos, além de 390 integrados. A obra de expansão já está sendo realizada, e a expectativa é de conclusão no final de 2022. A expectativa é de alcançar mil toneladas de produção por dia.

Segundo o secretário de Estado da Agricultura e Abastecimento, Norberto Ortigara, o anúncio representa um marco para o agronegócio paranaense. “O impacto é gigantesco para os produtores de proteína animal do Paraná”, ressaltou. “É desafiador ampliar investimentos, principalmente no atual cenário. Mas o Paraná tem capacidade e potencial competitivo, tem selo de qualidade de sanidade animal e um cuidado para garantir que os negócios se desenvolvam de forma sustentável, desde o pequeno produtor até a grande indústria”.

Darlan José Carvalho, diretor de negócios da companhia e responsável pela unidade de Rolândia, disse que o Paraná representa um polo muito importante para a JBS. Ele ressaltou a segurança sanitária da carne produzida no Estado, que tem qualidade reconhecida internacionalmente.

“O Paraná tem uma série de qualidades, com DNA de produção agrícola, referência na produção de grãos e de frango, além de uma excelente mão de obra e logística. Tudo isso faz a diferença na hora de decidirmos onde fazer investimentos”, explicou o diretor. “Pesa também o cuidado do Estado com a sanidade animal, que é um item importante para acessar mercados internacionais”.

Para o prefeito de Rolândia, Ailton Maistro, a expansão da JBS representa um grande ganho para a região. “Somos um município que tem carências na geração de emprego, isso afeta a cidade como um todo, e um empreendimento desse tamanho gera mais do que postos de trabalho, mas movimenta a economia como um todo, a arrecadação de impostos, atrai outros investimentos”, destacou. “Para nós é uma alegria muito grande, e ter uma gestão estadual comprometida com o avanço produtivo do Estado com certeza ajuda Rolândia a se desenvolver também”.

Obras já estão em andamento em Rolândia. Foto: Jonathan Campos/AEN

SANIDADE – Em março de 2021, o Paraná recebeu o parecer favorável do comitê técnico da Organização Mundial de Saúde Animal (OIE) e deu mais um passo para o reconhecimento internacional como área livre de febre aftosa sem vacinação. Essa foi a penúltima etapa de um processo de controle sanitário iniciado há 50 anos e que permitirá um salto na produção e comercialização da cadeia de carnes. A expectativa é que o último passo seja dado neste mês, com o reconhecimento definitivo.

Além disso, o Paraná conquistou a chancela técnica da OIE como zona livre de peste suína clássica independente. Essa classificação retira o Estado de um grupo formado por 14 outros estados e garante vantagens sanitárias aos produtores locais no mercado internacional. Ambas as chancelas técnicas abrem as portas de mercados internacionais para as carnes produzidas no Paraná.

Foto: Jonathan Campos/AEN

“O Paraná buscava essa qualificação há 50 anos, meio século de luta. É um trabalho de muitos técnicos e do setor como um todo. Cerca de 65% do mundo não compra carne do Paraná pela ausência desse reconhecimento. Ou seja, alguns bilhões de dólares entrarão na nossa economia, gerando milhares de novos empregos”, ressaltou Ratinho Junior.

DOAÇÕES – Durante o anúncio dos investimentos, o governador também agradeceu as doações realizadas pela JBS ao Paraná durante a pandemia, como parte do programa Fazer o Bem Faz Bem. Foram doze cidades atendidas com R$ 21 milhões, recurso que possibilitou a aquisição de 858 mil Equipamentos de Proteção Individual (EPIs), 365 respiradores, 497 equipamentos hospitalares e 28 mil cestas básicas para populações mais vulneráveis.

JBS NO PARANÁ – Atualmente, a JBS mantém plantas em Santo Inácio, Jaguapitã, Santa Fé, Jacarezinho, Rolândia, Campo Mourão, Carambeí e Lapa. Somando os Centros de Distribuição, incubatórios e fábricas de ração, a companhia está presente em 14 municípios paranaenses. São 14,2 mil colaboradores e 2 mil produtores integrados no Estado. Com a atuação da companhia também são gerados cerca de 42 mil empregos indiretos no Estado.