Hospital SUS busca captar R$ 8,7 milhões para projeto que moderniza diagnósticos e tratamentos cardiovasculares

Mais de mil pessoas morrem por dia por doenças cardiovasculares, problemas do coração e de circulação no Brasil. Isso faz com que as doenças cardíacas sejam as causas mais comuns de mortes no país. Segundo dados do Portal de Transparência dos Cartórios de Registro Civil, nos primeiros seis meses de 2022, mais de 56 mil pessoas morreram por derrame e outras 52,4 mil por infarto. E as doenças do coração podem ser ainda mais suscetíveis em idosos, já que a cada duas pessoas com mais de 80 anos, ao menos uma é hipertensa – de acordo com a Sociedade de Cardiologia do Estado de São Paulo. Diante de uma população cada vez mais velha, são necessários procedimentos modernos, rápidos e seguros. 

No caso de um infarto, a identificação da localização exata da obstrução e a realização rápida do procedimento mais adequado podem salvar muitas vidas. O serviço de hemodinâmica é uma estrutura fundamental nesse processo de tratamento de doenças cardiovasculares e neurológicas. “Com o avanço da tecnologia e novas técnicas de tratamento é possível realizar intervenções minimamente invasivas em doenças antes apenas tratadas com cirurgias abertas de grande porte”, explica o cardiologista Rômulo Francisco de Almeida Torres, do Hospital Universitário Cajuru, de Curitiba (PR).

“A agilidade do procedimento e da recuperação impacta diretamente no melhor resultado para a saúde do paciente”, afirma o médico. Dedicados em diagnosticar e tratar doenças de forma certeira, os profissionais da saúde que trabalham na hemodinâmica do hospital paranaense com atendimento 100% SUS reconhecem que o setor é importante, principalmente para o tratamento de pessoas com a idade mais avançada. “Quanto mais idosa a população, mais patologias associadas ao envelhecimento são observadas”, analisa Rômulo.

Investimento em tecnologia

Para oferecer mais segurança aos pacientes idosos com doenças cardíacas, neurológicas e vasculares, um projeto do Hospital Universitário Cajuru deve promover justamente a modernização do setor de hemodinâmica. Com a aquisição de novos equipamentos, a intenção é que 1,2 mil idosos passem a ser beneficiados a cada ano – mas o volume de atendimentos será ainda maior considerando as demais faixas etárias. Para o investimento se tornar realidade, a instituição lança mão de campanhas para captação de R$ 8,7 milhões, a partir do Fundo Municipal dos Direitos da Pessoa Idosa. ”A destinação de valores via percentual de Imposto de Renda devido, seja de pessoa física ou jurídica, é fundamental para darmos sequência ao nosso atendimento humanizado e de qualidade. Dessa forma, o contribuinte consegue escolher onde seu dinheiro será aplicado e tem certeza de que foi em um projeto que realmente beneficia a população”, afirma o diretor-geral do hospital, Juliano Gasparetto.

Além de uma significativa melhoria na assistência, Juliano Gasparetto explica que o novo equipamento e as novas instalações da hemodinâmica irão gerar oportunidades de aprendizado para residentes, estudantes e, também, profissionais que atuam no setor. “Somos uma instituição filantrópica e 100% SUS, atuando com um déficit de cerca de R$ 1,5 milhão ao mês. Por isso, a contribuição da população e de empresas é fundamental para que nosso hospital-escola continue a salvar vidas”, complementa o diretor-geral.

Para mais informações sobre como ajudar o Hospital Universitário Cajuru, o contato pode ser feito pelo telefone (41) 99685-9405 ou pelo e-mail mobilizacao.recursos@hospitalcajuru.com.br.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

4 tipos de olheira e como tratar

Dias cansativos, noites mal dormidas ou simplesmente fatores genético, são vários os motivos para as olheiras e cada uma é identificada por uma característica. Você sabe a causa da sua?

Existem 4 tipos de olheiras e talvez você se identifique com uma delas.

*Olheira profunda*

É quando a olheira é funda embaixo dos olhos perdendo o volume habitual. Ela se dá por um fator genético, por isso muitas pessoas desenvolvem desde muito cedo, dando uma impressão de envelhecimento ao rosto.

*Olheira melânica*

São aquelas olheiras mais castanhas e amarronzadas, elas são causadas pelo excesso de melanina na região dos olhos, por fatores hormonais e a exposição ao sol também pode influenciar.

*Olheira vascular*

Apresentam uma coloração mais azul, roxa ou vermelha. Ela ocorre pela dificuldade de circulação sanguínea na área abaixo dos olhos.

*Olheira mista*

Esse tipo de olheira é a mistura de todos os outros tipos mencionados. Juntando vários fatores, no qual a pessoa nem sempre sabe como tratar corretamente.

Independente do tipo da olheira, o fato é que muitas vezes passa-se anos tentando tratá-las com cosméticos e maquiagens que nem sempre dão certo. Esse processo se torna cansativo e pode acabar com a autoestima, não é mesmo?

Por isso, a biomédica Dra. Eliane Pescador da Ane Bello Estética dá a solução para esse problema: o preenchimento com ácido hialurônico. “Esse tratamento é um dos mais eficazes para as olheiras, porque ele vai atuar proporcionando volume, acabando com o contorno escuro aparente, além de hidratar a região”, explica a especialista. Além de preencher, esse ácido também serve como um reforço para hidratação da pele.

Antes do tratamento é aplicado uma anestesia local e o ácido é aplicado com uma agulha fina, mas não tenha medo, pois você não sente nada! O seu efeito é imediato e dura entre 6 a 18 meses podendo ser reaplicado para retoques.

Como os hormônios atuam na saúde feminina?

Conforme envelhecemos, a produção de hormônios diminui e os efeitos colaterais surgem. Como interferem na elasticidade, hidratação e viço da pele, estes são alguns dos primeiros fatores a chamarem a atenção: rugas, olheiras, perda do contorno facial e até mesmo flacidez vaginal. É um processo natural, mas que dependendo da intensidade, pode impactar na autoestima e na saúde das mulheres. A boa notícia é que não precisa ser um momento traumático, é possível envelhecer bem sem deixar de lado o autocuidado.

“O que posso fazer por mim hoje?”, muitas se perguntam. A fisioterapeuta, sexóloga e terapeuta sexual Dra. Cida Dornelles aponta que “o primeiro caminho é buscar profissional especializada, que te ajude a entender em que etapa o seu corpo está”. Por meio de exames específicos e observações detalhadas, tudo feito com escuta acolhedora, você vai poder entender quais são os níveis atuais dos hormônios no seu corpo e de que forma estão interferindo no seu dia a dia. Isso vale para mulheres de todas as idades. Mas qual o passo seguinte?

As escolhas podem seguir alguns objetivos: prevenir sinais precoces de envelhecimento, equilibrar os impactos durante uma mudança significativa (como a menopausa) ou corrigir algumas consequências deixadas pela baixa produção hormonal (após o enfrentamento do câncer de mama, por exemplo). “Nunca é muito cedo ou muito tarde para começar a cuidar de si mesma”, destaca a Dra. Cida. As soluções se dividem entre diversas linhas de tratamentos indolores como o laser íntimo – com múltiplos benefícios para a harmonização e saúde íntima -, e o acompanhamento é feito pela própria profissional em seu espaço, o Toda Linda. Um lugar pronto para cuidar de você… está esperando o quê?

Serviço: Toda Linda

Dra. Cida Dornelles

Sexóloga e Terapeuta  Sexual / Palestrante e Empreendedora

https://www.instagram.com/dra.cidadornelles/

(41)3022-0839 – (41) 99238-1470

Av. Sete de Setembro, 6219, Batel, Curitiba/PR

Em Balneário Camboriú, com parcerias