Hospital Ministro Costa Cavalcanti já está habilitado para fazer até 480 exames rápidos para detectar covid-19

O Hospital Ministro Costa Cavalcanti (HMCC), mantido pela usina de Itaipu, já está habilitado pelo Laboratório Central do Estado (Lacen) a fazer testes rápidos (Real Time – PCR) para detecção da covid-19, com diagnóstico em até duas horas. A resposta da autorização do credenciamento chegou nesta segunda-feira, 30, por volta das 14h30, num momento bastante aguardado pelos organismos de saúde de Foz do Iguaçu e região. Esses exames ajudarão no mapeamento epidemiológico da doença e na tomada de decisões dos municípios da 9ª Regional no enfrentamento da doença.

Já há no HMCC um estoque de 90 kits para exames rápidos, mas a expectativa é de receber nesta semana mais 1.500 dos 4 mil que foram adquiridos, o que depende do fornecedor internacional. Todos os exames só serão feitos mediante encaminhamento da Vigilância Sanitária de Foz e região. Até esta segunda (30), dez casos da doença haviam sido confirmados em Foz do Iguaçu. Outros 112 continuam sendo investigados.

Todos os casos suspeitos de covid-19 dos municípios da 9ª Regional, que compreende, além de Foz, Itaipulândia, Matelândia, Medianeira, Missal, Ramilândia, Santa Terezinha de Itaipu, São Miguel do Iguaçu e Serranópolis do Iguaçu, poderão ser testados pelo HMCC, independentemente do local de entrada, seja por uma unidade de pronto atendimento ou por um hospital público, como o Hospital Municipal Germano Lauck.

Para os laboratórios de Análises Clínicas e, especialmente, de Saúde Única do Centro de Medicina Tropical, foram adquiridos equipamentos de automação e de reagentes para realizar exames diagnósticos, com destaque para o PCR para a covid-19.

Missão de Itaipu

Desde 26 de abril de 2019, quando assumiu a usina de Itaipu, o diretor-geral brasileiro, general Joaquim Silva e Luna, direcionou mais de R$ 700 milhões obtidos com a economia e cortes de convênios e ações sem aderência à missão da usina, para obras estruturantes e demais iniciativas a favor do bem-estar da população da região. Dentro desta lista, só para o HMCC, que também atende pacientes dos SUS, foram destinados mais de R$ 60 milhões.

“Todos os investimentos têm como foco apoiar o desenvolvimento do Oeste do Paraná. Continuamos reforçando todas essas medidas. Agora, mais especificamente na área de saúde, por intermédio do HMCC e do Grupo de Trabalho que monitora a evolução do vírus da região, além das ações de proteção dos empregados da usina”, explicou.

O diretor superintendente do Hospital Ministro Costa Cavalcanti, Fernando Cossa, conclama todos a colaborar. “O ideal é unir todas as instituições de saúde num mesmo esforço em comum para ganhar essa guerra”. E complementa: “Hoje um grande passo foi dado. Essa é uma conquista muito importante pra toda a região”.

Ala exclusiva para coronavírus


Atualmente, o hospital conta uma ala exclusiva para atendimento de pacientes de covid-19, com 27 leitos, 15 só na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) e 12 de semi-intensiva. O HMCC também gerencia um fundo emergencial de aproximadamente R$ 15 milhões voltados para a reestruturação da instituição e ajuda Foz do Iguaçu e municípios vizinhos no enfrentamento à pandemia do novo coronavírus.

Com os testes rápidos (Real Time – PCR) da covid-19 é possível obter o diagnóstico, num primeiro momento, em até três horas. E, com a automação, o tempo pode ser reduzido para até duas horas.

Já se antecipando à crise causada pela covid-19, a Fundação Itaiguapy, que administra o HMCC, fez compras antecipadas de equipamentos de proteção pessoal, de materiais e medicamentos (cloroquina e azitromicina, entre outros), incluindo 35 aparelhos de ventilação mecânica, 50 monitores multiparamétricos e 40 camas hospitalares.

O HMCC contratou aproximadamente 80 colaboradores e médicos plantonistas para atuar em setores específicos no tratamento à covid-19, além de uma infectologista e um coordenador de medicina interna dedicados exclusivamente ao combate à doença. Mais de 200 pessoas estão em treinamento, aptas para uma possível crise.

Plano de contingência

O hospital também colocou em vigor um plano de contingência. Foi criado um núcleo de inteligência covid-19, responsável pela elaboração e divulgação de boletins diários internos sobre tratamentos, treinamentos e simulações, em apoio ao HMCC e ao Hospital Municipal Germano Lauck.

O HMCC também abriu um pronto atendimento para queixas respiratórias e criou um bloco exclusivo para internações de pacientes com covid-19, seguindo rigorosamente as indicações técnicas dos melhores centros de referência.

Além disso, o HMCC cedeu para o município equipamentos de proteção individual, máscaras cirúrgicas, luvas e monitores, entre outros. Também fez um convênio com um hotel para hospedagem de profissionais de saúde que atuam na linha de frente do combate à pandemia. Com a reestruturação, o Centro Clínico tem agora dois prontos atendimentos, um para pacientes sem sintomas respiratórios e o outro voltado para os casos de sintomas respiratórios.

Melhores do Brasil

O Hospital Ministro Costa Cavalcanti aparece em décimo oitavo lugar numa lista das 41 melhores unidades hospitalares do Brasil. O ranking, que tem entre outros hospitais o Albert Einstein e o Sírio Libanês, primeiro e segundo lugares respectivamente, foi divulgado no site da revista Newsweek recentemente. O ranqueamento levou em consideração as recomendações de profissionais médicos, entrevistas com pacientes e indicadores-chave de desempenho médico.

Hospital de qualidade

Das mais de seis mil unidades hospitalares existentes no Brasil, somente 342 têm a chancela de Acreditação Hospitalar. O Costa Cavalcanti está entre os 2,95% de instituições brasileiras (177) com Acreditação com Excelência (Nível III).

Sesc PR promove Maratona Solidária e pretende arrecadar mais de 50 toneladas de alimentos

Sesc PR desafia atletas a percorrerem a distância de uma maratona em 13 dias e pretende arrecadar mais de 50 mil quilos de alimentos. Uma prova inédita pela saúde dos paranaenses

A reunião de quase quatro mil atletas em uma única prova, confraternização, abraços ao cruzar a linha de chegada não serão possíveis em 2020. Em virtude disso, a 13ª edição da Maratona Internacional de Foz do Iguaçu Sesc PR foi cancelada, mas nem por isso os atletas ficarão parados. O Sesc PR está organizando uma prova diferente, individual, segura e solidária.

A partir do dia 7 de setembro, os clientes do Sesc PR  poderão acessar o site da instituição e realizar a inscrição para a Maratona Solidária. Para efetivar a inscrição e garantir o kit da prova, os inscritos deverão procurar uma unidade do Sesc no estado e realizar a doação de 10 quilos de alimentos não perecíveis.

O gerente de Esporte e Lazer do Sesc PR, Lucas Chaves, explica que os clientes inscritos serão convidados a correr 40 quilômetros em 13 dias, algo em torno de três quilômetros diariamente, e a registrar o percurso percorrido no aplicativo do Sesc. “A prova começa dia 27 de setembro e, no encerramento do evento, no dia 9 de outubro, vamos promover uma transmissão ao vivo pelas redes sociais para apresentarmos os resultados finais e realizarmos juntos uma corrida estacionária de 2.195 metros, para completarmos a distância oficial de uma maratona: 42.195 metros”, esclarece.

De acordo com os organizadores do evento, as inscrições são limitadas a 5.100, com o que se pretende arrecadar mais de 50 mil quilos de alimentos. “Em decorrência do novo cenário,  muitas pessoas perderam seus empregos e estão, até mesmo, passando fome. Resolvemos unir a Maratona Internacional de Foz do Iguaçu com o programa Mesa Brasil do Sesc PR. Juntos vamos percorrer mais de 214 mil quilômetros esperando arrecadar 50 toneladas de alimentos e, com isso, abraçar o Paraná por meio da corrida e das doações realizadas pelos participantes”, destaca Chaves.

O aplicativo do Sesc PR está disponível para download nas Apple Store e Google Play. Os atletas encontrarão no app sugestões de pontos turísticos onde poderão fazer registros fotográficos a serem compartilhados. 

As inscrições podem ser realizadas no site www.sescpr.com.br/ms.

Proteção de dados é o novo código de defesa do consumidor

A proteção de dados pessoais, especialmente na internet, recebeu mais um reforço através do projeto de lei apresentado pelo deputado Luiz Cláudio Romanelli (PSB) é o que destaca a entrevista da TV da Assembleia Legislativa com especialista na área. O deputado propôs a criação do Dia Estadual da Proteção de Dados, a ser celebrado em 28 de janeiro.

Romanelli avalia a importância da preservação dos dados pessoais como uma necessidade fundamental em mantê-los sob sigilo. A proposta do deputado visa conscientizar a população sobre a privacidade nos ambientes físico e virtual, além de incentivar a promoção, de condições e com recursos informativos, educacionais, técnicos e científicos.

“Precisamos aumentar a conscientização da população sobre a importância da proteção dos dados pessoais, promover a divulgação de métodos, meios e boas práticas relacionadas aos temas da privacidade, seja nos ambientes físicos ou virtuais”, esclarece Romanelli.

Relevância –
 A Lei Geral de Proteção de Dados foi pauta no programa Assembleia Entrevista na sexta-feira, 11. Na entrevista, a professora Alessandra Matos explicou como a lei reflete nas relações comerciais e destacou a relevância da proposta do deputado Romanelli.

A lei de proteção de dados já é comparada ao Código de Defesa do Consumidor que completou 30 anos nesta sexta-feira, 11. “É muito louvável esse movimento da Assembleia, porque demonstra a preocupação de quem produz as leis. Ter um dia específico, fará com que as pessoas se lembrem da importância de proteger os seus dados. Além de fazer o cidadão ter consciência da importância de ter sua privacidade protegida”.

A professora acredita que, assim como o código de defesa, a lei geral vai mudar o comportamento do consumidor em relação ao cuidado com seus dados pessoais.

Prazo – A lei geral de proteção de dados, sancionada há dois anos, deveria entrar em vigor em agosto deste ano, o que não aconteceu por conta da pandemia do coronavírus. “Esse prazo foi necessário para que as empresas pudessem se adequar, tamanha a importância desta lei, que no Paraná, terá o dia 28 de janeiro para conscientizar a todos sobre a necessidade e os cuidados de preservar os dados pessoais nas relações virtuais, comerciais ou sociais”, esclarece Romanelli.

O deputado lembra que a legislação brasileira é baseada em uma lei da União Europeia, que promoveu a mudança cultural na população e está muito mais avançada. “É uma legislação que atende ao novo conceito de mercado, onde os dados do usuário são uma forte e valorosa moeda de troca”, aponta.

Desde os dados pessoais cadastrados ao baixar um aplicativo, programa ou arquivo protegido. Além de informações como religião e orientação sexual, há uma série de dados pessoais aos quais o usuário permite, ao concordar com os termos de uso da empresa, sem ao menos ler as condições. Com esses dados em mãos, a empresa passa a obter informações que, no mercado, têm um valor exponencial.

Pela proposta de Romanelli, no dia de proteção aos dados, o governo deverá promover ações que orientem o consumidor sobre a importância de não fornecer informações pessoais na rede. Com a lei de proteção de dados, segundo Romanelli, no campo judicial, daqui para frente, o consumidor lesado poderá ingressar com ações na justiça. “As empresas deverão cuidar de todo o seu sistema de informação para evitar esse tipo de conflito”, disse.