Estudo sugere que homens são principais transmissores do coronavírus

Pesquisa do Centro de Estudos do Genoma Humano e Células-Tronco, do Instituto de Biologia da Universidade de São Paulo (IB-USP), sugere que os homens podem ser os principais transmissores do novo coronavírus em relação às mulheres. Os resultados do trabalho foram divulgados na plataforma medRxiv, em artigo sem revisão por pares.

No processo de revisão por pares, os revisores podem sugerir que o trabalho seja rejeitado, publicado como está ou enviado de volta aos cientistas para mais experimentos.

Segundo a pesquisa, existem diferenças entre homens e mulheres na suscetibilidade e transmissão de covid-19 entre casais com contato direto sem medidas de proteção. O levantamento epidemiológico foi realizado de julho de 2020 a julho de 2021, incluindo 1.744 casais brasileiros não vacinados contra a covid-19, com pelo menos um dos parceiros infectado e diagnosticado.

Os dados coletados mostraram que os homens foram os primeiros ou únicos infectados na maioria dos casos, incluindo os casais concordantes – quando ambos foram infectados – como nos discordantes, quando um dos parceiros permaneceu assintomático apesar do contato próximo com o infectado. No total, 946 homens foram infectados primeiro em comparação com 660 mulheres.

“Essa constatação corrobora e está em consonância com descobertas feitas em estudos recentes que realizamos, que já indicavam que homens podem transmitir mais o novo coronavírus”, disse Mayana Zatz, professora do IB-USP.

Outro estudo, publicado no início de agosto por pesquisadores de Estudos do Genoma Humano e Células-Tronco na revista Diagnostics, apontou que os homens apresentam uma carga do vírus na saliva cerca de dez vezes maior do que mulheres, particularmente até os 48 anos de idade. A diferença de carga viral não foi detectada em testes com amostras nasofaríngeas, segundo o estudo coordenado pela professora Maria Rita Passos-Bueno.

“Como o vírus é transmitido principalmente por gotículas de saliva, deduzimos que isso explicaria porque os homens transmitem mais vírus do que as mulheres”, disse Mayana.

*Com informações da Agência Fapesp

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Outubro Rosa: Mulheres com câncer de mama passam por expressões emocionais semelhantes às do luto

O 10º mês do ano é marcado como Outubro Rosa, campanha de conscientização das mulheres e sociedade sobre a importância da prevenção e do diagnóstico precoce do câncer de mama e, mais recentemente, também sobre o câncer de colo do útero. Além das questões médicas, é importante que a atenção esteja voltada também para a saúde mental dessas mulheres. Ao lidarem com as incertezas que um diagnóstico de câncer traz, essas pacientes costumam passar por expressões emocionais similares às do luto, que vão desde a negação até a aceitação.

De acordo com Luciene Bandeira, psicóloga e diretora de saúde mental da Conexa, maior player de saúde digital da América Latina, a principal angústia das mulheres que descobrem um câncer de mama é o risco de morte, vivendo algo como um “luto de si mesma”. “Após o diagnóstico, existe a possibilidade de a pessoa ter sentimentos ou expressões emocionais de negação e não aceitação, com possível omissão da família, quando as mulheres lidam de forma próxima com a possibilidade de morte, com dúvidas sobre a eficácia do tratamento ou o risco de uma recidiva. E é muito difícil lidar com todas essas incertezas sozinha. A psicoterapia é o primeiro ponto de autocuidado que um paciente que descobre um câncer precisa ter com a saúde mental, inclusive é indicada pelos médicos. Durante a consulta é importante expor todos os sentimentos, não só relacionados ao câncer, mas também de outras situações enfrentadas durante a vida como um todo”. 

A autoestima em relação à aparência também é uma preocupação dessas mulheres, devido à queda de cabelo e pelos do corpo e à perda da mama e muitas chegam na psicoterapia se sentindo fisicamente incapazes. “O apoio de um psicólogo ajuda no enfrentamento do problema. São estimuladas atitudes para a prática da autoestima e da autocompaixão. É preciso acolher e mostrar que há opções positivas para enfrentar a doença e seu tratamento”, explica Luciene, que também é responsável técnica pela plataforma Psicologia Viva.

Também é papel do psicólogo estimular para que a paciente realize diferentes tipos de atividades para que não perca a esperança na vida, pois apesar de ser um dos cânceres de maior índice de mortalidade em mulheres, quando diagnosticado e tratado na fase inicial da doença, as chances de cura do câncer de mama chegam a até 95%. “Atividade física é importante para a saúde mental desses pacientes quando a condição de saúde permite, mesmo que seja uma caminhada no quintal. Isso ajuda a amenizar o impacto do diagnóstico de câncer”, finaliza a psicóloga. 

Sobre a Conexa   

Player de saúde digital, fundada em 2017, a empresa atualmente oferece soluções voltadas para a saúde integral, como saúde mental, atenção primária, pronto atendimento virtual e até cuidados crônicos para empresas e planos de saúde. Focada em democratizar a saúde de qualidade, conta com renomado board médico formado por Ben-Hur Ferraz Neto, Roberto Botelho, Romeu Domingues e Otávio Gebara. A Conexa cuida de mais de 23 milhões de pacientes com a parceria de 70 mil profissionais de saúde, em mais de 30 especialidades e cinco países. Desde 2020, após aportes, vem consolidando o mercado através de M&As como a aquisição da IMedicina, desenvolvedora de software de médicos, prontuário eletrônico e líder em atração e fidelização de paciente, e integração com a Psicologia Viva, maior empresa de saúde mental da América Latina, em 2021. Esses movimentos a consolidaram como a maior empresa de saúde digital integral da América Latina.

6 dicas essenciais para cuidar da saúde do seu coração

Segundo um estudo da Sociedade Brasileira de Cardiologia, 14 milhões de brasileiros possuem alguma doença cardíaca e cerca de 400 mil morrem anualmente em decorrência dessas enfermidades, o que corresponde a 30% de todas as mortes no país. Somado a isso está o fato da pandemia da Covid-19 ter colaborado para o aumento dos problemas cardíacos, agravando ainda mais a situação e demonstrando que esse deve ser um assunto de extrema relevância.

“A doença cardíaca é altamente prevenível em até 70% dos casos através do cuidado com os hábitos de vida”, afirma o Dr. Denilton da Silva Guedes Oliveira, Médico Cardiologista parceiro da Docway, empresa pioneira em soluções de saúde digital. Pensando em ampliar os conhecimentos sobre prevenção de doenças cardiovasculares, confira seis dicas essenciais que o médico listou para auxiliar no cuidado com o coração. Confira:

Pratique exercícios físicos

Se manter ativo fisicamente, seja com atividades moderadas ou intensas, contribui para a saúde do corpo como um todo, mas especialmente para o sistema cardiovascular. Os exercícios são capazes de melhorar a vasodilatação, aumentar a performance do coração e ajudar no controle da pressão arterial, da glicemia e do colesterol, reduzindo a incidência de doenças cardíacas.

Cuide da sua alimentação

Nas últimas décadas, a indústria alimentar aperfeiçoou o sabor dos alimentos, oferecendo produtos cada vez mais saborosos. Mas como tudo tem um custo, muitos dos aditivos utilizados se mostraram prejudiciais à saúde, como o excesso de sal, gorduras não saudáveis e carboidratos. Para garantir uma alimentação saudável, é imprescindível optar sempre pelo consumo adequado de frutas, verduras e legumes, e evitar produtos muito industrializados.

Beba bastante água

Em média, 70% do corpo humano é composto por água. Por isso a importância de se manter hidratado. A água regula a temperatura do corpo, protege os órgãos vitais e os ajuda a absorver melhor os nutrientes, ajuda nosso metabolismo e ainda protege e hidrata as articulações e células. Por fim, a maior parte das condições médicas se beneficiam desse consumo.

Tenha boas noites de sono

Muitas pessoas sofrem com jornadas de trabalho elevadas e poucas horas de sono, o que contribui para a piora da saúde fisica e mental, além da descompensação de alguns quadros cardiovasculares, como hipertensão arterial. O recomendado é dormir entre 7 a 8 horas por noite, mas o fundamental é ter um sono reparador.

Cuide da sua saúde mental

Sintomas de ansiedade e depressão podem fazer com que os batimentos cardíacos e a pressão arterial aumentem consideravelmente. Por isso, inclua no seu dia a dia momentos de relaxamento e autocuidado.  

Consulte um médico regularmente

Além de cuidar dos hábitos de saúde, é imprescindível consultar regularmente um médico de confiança, a fim de prevenir doenças e/ou diagnosticar problemas precocemente.