Empresa do Paraná quer atingir 2030 com projeto inovador de digitalização

Apostar em tecnologia leva a aumentos expressivos na produtividade. A grande onda da Indústria 4.0, marcada pelo uso de inovações, como a robótica, a inteligência artificial (IA) e a nanotecnologia, garante às empresas evolução e competitividade de mercado.

A Confederação Nacional da Indústria (CNI) mostra que as empresas brasileiras vêm buscando cada vez mais a profissionalização tecnológica. Em 2016, menos da metade dos mil empresários sondados fazia uso de alguma das tecnologias digitais sugeridas pelo documento; em 2021, o número saltou para 69%.

“Essa modernização da indústria envolve o que há de mais avançado neste momento em recursos tecnológicos, tanto a nível de hardware quanto de software. Falamos aqui de IoT [internet das coisas], machine learningdata lake”, aponta Alan Araya, sócio da empresa paranaense Regazzo Soluções em Tecnologia, fábrica de softwares que atende empresas dos setores industriais, financeiro, educacional, logística, dentre outros.

Contudo, segundo o especialista, é preciso ter em mente que, o que é top de linha agora, será usual daqui dez anos ou menos. Então, se uma empresa tem uma malha de sistemas MES e SCADA (sistemas responsáveis pelo controle da produção industrial) com uma média de 10 a 15 anos, por exemplo, está aquém dos padrões tecnológicos atuais, mesmo que neste período ela tenha sido atualizada. “Essa lacuna impossibilita a evolução e distancia a empresa da manufatura inteligente”, diz Araya.

Alan Araya e André Regazzo, sócios da Regazzo

Para ele, a indústria moderna precisa se preocupar em atualizar seu parque de software – como faz com seus equipamentos e maquinário – com novos recursos que permitem uma integração entre setores produtivos e tomada de decisão estratégica, pois o novo padrão de sistemas nasce com os conceitos da Indústria 4.0, elevando muito a maturidade da indústria em geral.

Um exemplo de atualização e transformação de software no setor de gestão da produção é o novo projeto que a Regazzo tem à frente: a construção – do zero – de uma Suíte Inteligente de Produção para uma das maiores empresas do mundo no setor de papéis e celulose. Conforme os sócios, André Regazzo e Alan Araya, o projeto deve ser iniciado no próximo mês e terá duração de aproximadamente três anos. A meta, garantem, é melhorar a eficiência da gestão industrial, estar de acordo com os padrões e as melhores práticas da indústria e, em consequência, atender aos objetivos estratégicos e de negócios da empresa.

Uma das grandes ambições da proposta é enxergar além. Embora comece a ser trabalhada agora, as métricas focam 2030. Por isso, deve ser recrutado, em breve, um time de profissionais de grande capacidade e conhecimento. “É urgente que as indústrias operem com sistemas mais modernos, apostando, se possível, em plataformas e integrações com sistema de manufatura inteligente, capaz de orquestrar todo o site, do planejamento à operação. Ali, vamos usar todos os recursos disponíveis no universo da Indústria 4.0 e, também, tendências de outros segmentos para a construção de uma verdadeira Suíte Inteligente de sistemas produtivos”, garante Alan.

Alan, que também é membro sênior da ISA (International Society of Automation) – entidade que define os padrões para melhorar a gestão, a segurança, a automação e os sistemas de controle utilizados na indústria e infraestrutura crítica –, explica que a reconstrução da Suíte preenche outra lacuna. “As instruções normativas da indústria, como a ISA ou a MESA, definem alguns padrões para sistemas. O novo projeto se caracteriza na camada 3 da ISA e tem todas as suas competências, como a gestão da operação, integração com sensoriamento industrial, planejamento, qualidade, controle de materiais auxiliares para produção e interfaces com sistemas ERP. É nesse conglomerado que a Regazzo vai trabalhar”.

Para a cliente da Regazzo, o megaprojeto será agregador, integrando não somente a produção de papel, mas unindo todo o ecossistema. “Vamos trabalhar para oferecer uma plataforma composta por um conjunto de módulos e integrações com sistema de manufatura inteligente, responsável pela orquestração do planejamento, da execução e da gestão da operação na produção industrial”, finaliza André.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Tecnologia paranaense busca documentos em 30 mil cartórios pelo Brasil e auxilia na hora de adquirir imóveis

Para que o sonho do imóvel próprio não se torne um pesadelo, há uma série de etapas burocráticas, as quais todas as pessoas têm que passar, garantindo, assim, a segurança e a integridade dos envolvidos no processo: comprador, vendedor e empresas que realizam a comercialização dos imóveis. Entre essas fases, é obrigação de quem vende comprovar que não possui dívidas tributárias ou trabalhistas, não está sendo processado e que não está passando por nenhuma interdição judicial, informações que só são adquiridas por meio das certidões.

Neste sentido, destaque para um dos documentos mais importantes nas transações imobiliárias: a certidão do imóvel. Por conter todo o histórico do imóvel e dos ex-proprietários, este é o comprovativo do registro do imóvel, e que comprova que o ato foi efetuado. Elaborada em cartório, ela declara de fato quem é o verdadeiro proprietário, se há indício ou evidências de uma rede de relacionamento [como a confirmação de um matrimônio, por exemplo], bem como se a propriedade foi ou está sendo transmitida de uma pessoa para outra. Através da certidão de ônus reais, com a matrícula do imóvel, é possível saber ainda a real situação do patrimônio e se há dívidas que podem vir a cair sobre o comprador.

Portanto, advogados, consultores e entidades de defesa do consumidor alertam: existem diversos fatores de risco na compra de qualquer imóvel, mas se esse estiver na planta os cuidados têm que ser redobrados. “Antes da aquisição, é recomendável se prevenir contra imprevistos e práticas abusivas para proteger ao máximo o patrimônio financeiro, contando com a ajuda de especialistas no assunto, de preferência”, comenta Marlon Godoy, diretor comercial e de marketing da Leme Inteligência Forense, lembrando o caso da PDG, uma das maiores construtoras e incorporadoras do País, que deixou, em 2017, muitos compradores de imóveis em apuros. “Comprar uma casa ou apartamento na planta, em geral, é mais barato do que adquirir uma unidade pronta, entretanto, o tiro pode sair pela culatra se a pessoa não se cercar de todos os pormenores”, garante Marlon.

Marlon Godoy, diretor da Leme Inteligência Forense (Foto: Bryan Poncio)

Empreendimento traz novidades estruturais para criar ambientes amplos e fluidos

A Região Sul de Londrina, nos arredores do bairro Terra Bonita, recebe mais moradores a cada nova entrega de um empreendimento. Em meio ao verde das diversas áreas de preservação ambiental, os skylines estão dividindo a vista, que já reúne uma ampla rede de serviços. Um deles é o Enjoy, localizado ao lado do Catuaí Shopping, a ser entregue em poucos dias pela Yticon, construtora do Grupo A.Yoshii. Três dias antes da entrega, o prédio estará iluminado com LED e a luz do moving head que poderá ser vista por toda a região.

O Enjoy é baseado no “conceito aberto” de arquitetura e construção civil, que vem marcando forte presença nas construções residenciais ao criar amplitude no ambiente, com a máxima integração possível dos cômodos e, de quebra, garantir uma identidade moderna ao projeto, independentemente do design adotado na decoração. “Esse tem sido o foco da construtora: oferecer soluções de moradia com conforto e modernidade”, pontua o gerente da Yticon unidade Londrina, Bruno Catarino.

Os apartamentos do Enjoy possuem dois ou três dormitórios, com 54 ou 70 metros quadrados de área privativa, e trazem como novidade estrutural as lajes planas protendidas, um  processo que praticamente elimina o uso de vigas na construção, proporcionando vãos maiores e fluidez aos ambientes, segundo a engenheira responsável pela obra, Luciana Kaiser. “Com isso, ao entrar no apartamento, o morador tem a sensação de amplitude do espaço, inclusive nas unidades mais compactas.”

Com a utilização das lajes, conforme ela, houve também a redução pela metade do número de pilares na obra, que, associadas às paredes em drywall, possibilitam maior flexibilidade ao morador, caso ele queira reformar os ambientes. “Se o morador desejar retirar uma parede, por exemplo, ele consegue realizar o serviço sem o acúmulo de entulho, porque a parede é de gesso acartonado e não está acoplada a nenhuma viga”, explica.

Outra novidade na construção desse empreendimento foi a impermeabilização e pintura da quadra e garagem com tinta PU, à base de resinas de poliuretano. Esta tinta possui ótima resistência a intempéries, boa consistência e flexibilidade, e é muito utilizada em alvenaria, cimentados, tanques, tubulações e estruturas metálicas. “A tinta PU tem qualidade superior às tintas convencionais e proporciona a criação de ambientes mais modernos e charmosos”, diz a engenheira.

Nos quartos, o empreendimento apresenta o uso inédito de venezianas integradas, que garantem ambientes muito iluminados ou totalmente escuros, conforme a necessidade do morador. Esta é, também, a primeira obra da Yticon a ter piso porcelanato na cozinha e nos banheiros, além de torneira monocomando na cozinha. O imóvel será entregue com área gourmet com churrasqueira e decorado.

Infraestrutura para toda a família

O empreendimento tem bicicletário, brinquedoteca equipada com brinquedos educativos e piso vinílico, PetCare, lavanderia e lavanderia profissional. A área de lazer é completa, com quadra esportiva, área fitness, churrasqueira, piscinas adulto e infantil (cercadas com guarda-corpo para maior segurança das crianças) e Game Space, local com vídeo game interativo e playground com brinquedos certificados pelo Inmetro. Para quem precisa de um local para trabalhar em casa, há também um espaço de coworking.