Em apenas um ano, 30% das obras da Ponte da Integração estão concluídos

Publicidade
Publicidade

Construção é financiada pela margem brasileira da Itaipu Binacional. Ritmo é considerado avançado para qualquer país de primeiro mundo.

Prestes a completar um ano, as obra da Ponte da Integração Brasil-Paraguai, na fronteira entre Foz do Iguaçu, no Paraná, e Puerto Presidente Franco, no departamento de Alto Paraná, atingiram 30% do cronograma, 20% em território brasileiro e 10% no lado paraguaio. Os trabalhos começaram em 7 de agosto de 2019 e devem avançar sobre o Rio Paraná, para conectar fisicamente as margens brasileira e paraguaia, em abril de 2021. A expectativa é que a ponte esteja concluída em meados de 2022.

Mesmo em meio a contratempos burocráticos e à pandemia da covid-19 e seus impactos econômicos e logísticos, o andamento da segunda ponte, sobre o Rio Paraná, é considerado um grande sucesso quando comparado até a países de primeiro mundo. Em regime de três turnos, a ponte ganha novos contornos dia a dia. Diretamente, a construção garante emprego para 470 trabalhadores.

“Agilidade com responsabilidade e transparência. É esse o ritmo que queremos dar sempre ao que anunciamos com os nossos parceiros, em especial com o governo federal, que tem dado todas as condições para que possamos remanejar recursos e imprimir esforços conjuntos para fazer as entregas que tanto a nossa gente espera”, diz o diretor-geral brasileiro de Itaipu, general Joaquim Silva e Luna.

Estrutura importante para desafogar o tráfego na Ponte da Amizade, na fronteira entre Foz e Ciudad del Este, a segunda ponte vai trazer mais segurança, benefícios socioeconômicos e mais conforto para os diferentes públicos – do transporte pesado a quem trabalha ou precisa acessar um dos países-irmãos, por via terrestre.

A Ponte da Integração fortalecerá a conectividade regional, hoje restrita, no caso de Brasil e Paraguai, à Ponte da Amizade, construída há 55 anos. Reivindicação antiga da população local, trará benefícios para toda a economia do Mercosul.

A ideia é possibilitar um novo impulso para o desenvolvimento de toda a área fronteiriça (Brasil, Paraguai e também Argentina) para permitir, no futuro, a conexão com o Chile e a Bolívia.

Passo a passo da construção

As obras no canteiro de obra estão em ritmo acelerado. As sapatas já estão concluídas e agora a montagem da grua está sendo preparada para a execução do pilar. Duas das sete transversinas já estão no canteiro de obras.

Na margem esquerda, os apoios 6, 7, 8, 9 e 10 estão prontos. Na prática, isso significa que as duas aduelas de arranque já foram posicionadas sobre a caixa de equilíbrio (apoio 10) e sobre elas estão sendo montadas as vigas transversinas. Na margem direita, no Paraguai, estão sendo concretados os apoios 1 (caixa de equilíbrio) e 5. A terraplanagem dos apoios 2, 3 e 4 já foi concluída.

Com linguagem menos técnica e de forma mais leiga, significa que, na margem brasileira, a parte da ponte que ainda fica apoiada em solo, ou seja, que liga a região do Marco das Três Fronteiras, onde está localizada, até a parte estaiada – está concluída. Os chamados pilares de apoios 6, 7 8 e 9.

O consórcio Construbase-Cidade-Paulitec, responsável pela obra trabalha agora na construção das partes metálicas que farão a ligação destes grandes pilares.

Na margem paraguaia, a fundação dos pilares menores (de 4 a 2) está sendo feita, assim como a concretagem do pilar/torre maior, que é o 5, e a caixa de equilíbrio, que é a parte de concreto que sustenta toda a parte estaiada com o seu peso próprio. Trata-se de uma grande caixa de concreto. A estimativa é que a instalação das duas vigas em suas posições definitivas aconteça em até dois meses.

Como será

A futura ponte internacional terá 760 metros de comprimento e será do tipo estaiada, com vão-livre de 470 metros. Contará com pista de 3,7 metros de largura em cada faixa, acostamento de 3 metros e calçada de 1,70 metro.

Parcerias

A nova ponte entre Brasil e Paraguai é uma obra do governo federal, com gestão do governo do Estado (por meio do Departamento de Estradas de Rodagem – DER) e recursos da Itaipu Binacional. Estão sendo investidos na construção aproximadamente R$ 463 milhões, considerando a estrutura, as desapropriações e a criação de uma perimetral no lado brasileiro.

Histórico

O presidente do Brasil, Jair Bolsonaro, e do Paraguai, Mario Abdo Benítez, participaram da solenidade de lançamento da pedra fundamental da segunda ponte entre os dois países, no dia 10 de maio de 2019. Na solenidade, ela foi batizada de Ponte da Integração Brasil-Paraguai. Os dois países são sócios da usina de Itaipu, maior hidrelétrica em produção de energia acumulada do mundo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Pequenos negócios do Paraná já podem se inscrever no projeto Agentes Locais de Inovação

Publicidade
Publicidade

Neste ciclo, o foco será o atendimento de micro e pequenas empresas inovadoras que desejam se tornar mais competitivas e promover melhorias rápidas para crescer

Trinta e cinco Agentes Locais de Inovação (ALI) estão preparados para atender, gratuitamente, micro e pequenos negócios de todo o Paraná que desejam inovar em seus produtos, serviços e processos e aumentar os lucros por meio dos ganhos de performance. Para se inscrever no projeto que, neste ano, integra o programa Brasil Mais, basta acessar o site: www.gov.br/brasilmais.

O Brasil Mais é o novo programa do Governo Federal, Sebrae, Senai e Agência Brasileira de Desenvolvimento Industrial (ABDI), que tem como principal objetivo tornar milhares de negócios mais produtivos até 2022. As empresas selecionadas para atendimento do Sebrae receberão acompanhamento por quatro meses dos ALI, que inclui visitas individuais e encontros coletivos, que serão realizados virtualmente.

No Paraná, a expectativa é atender 3.850 empreendimentos das áreas de serviços, indústria e comércio durante os cinco ciclos do projeto. São 35 agentes locais de inovação, capacitados pelo Sebrae/PR para elevar o nível de produtividade e competitividade dos pequenos negócios participantes por meio da promoção de melhorias rápidas e de impacto em um cenário de transformação digital.

A coordenadora do projeto ALI no Paraná, Danubia Milani, explica que a metodologia do projeto foi reformulada. Nos dois próximos anos, a atuação dos ALI será dividida em cinco ciclos de quatro meses cada. Isso significa que a cada quatro meses as empresas atendidas se renovam. Outra novidade, segundo ela, é que serão selecionadas aquelas que já possuem uma cultura de inovação e de transformação digital.

No primeiro ciclo serão atendidos 770 negócios em todo o Paraná. Os empresários interessados em receber o apoio do programa devem fazer a inscrição e um autodiagnóstico no portal do programa Brasil Mais.

“O Sebrae/PR entrará em contato para marcar a primeira visita, checar se a empresa se encaixa no perfil do projeto e começar a trabalhar”, conta Danubia.

Serão seis encontros individuais – em que os agentes irão até a sede da empresa – e três coletivos virtuais, para a troca de experiências entre os participantes. Entre as vantagens de participar do projeto ALI, a consultora cita os ganhos de produtividade, competitividade e também o networking.

“Nos encontros coletivos há muita troca de informações e ideias. As empresas têm a chance de encontrar parceiros, fornecedores e clientes e criar novas oportunidades de negócios”, destaca.

O empresário londrinense Leonardo Rodrigues Benni, diz que apesar de já criar produtos inovadores para a odontologia, a empresa usou a metodologia trazida pelo projeto ALI para ampliar a visão de inovação em processos internos. Para ele, que participou do último ciclo, a experiência foi muito positiva, já que ajudou a indústria a ter uma visão mais estratégica do negócio e do relacionamento com o cliente.

“A inovação é uma jornada, não tem receita. O projeto é importante porque mostra o caminho e as fases dessa jornada e é muito interessante criar essa cultura na empresa”, afirma.

O projeto

O projeto ALI, que existe desde 2008 e possui abrangência nacional, tornou-se uma ação de referência no mercado como um diferencial de estratégia e competitividade para os pequenos negócios. Os novos agentes foram capacitados pelo Sebrae/PR para prospectar, analisar, avaliar e acompanhar pequenas empresas, apresentando soluções para gerar impactos positivos em gestão, na melhoria de produtos e processos e identificação de novos mercados.

Justiça determina bloqueio de R$ 330 mil em bens de policiais e dois advogados investigados pelo MP

Publicidade
Publicidade

A Justiça determinou o bloqueio de bens de seis policiais civis e de dois advogados investigados por atos de improbidades administrativa no valor de até R$ 330 mil. A decisão, em caráter liminar, é da 2ª Vara da Fazenda Pública de Londrina, no norte do Paraná.

O Ministério Público do Paraná investiga o grupo pela suspeita deles integrarem uma associação criminosa que, supostamente, exigia vantagem indevida por meio dos advogados investigados. Leia mais no G1 Paraná.