Ebanx doa 2,2 mil máscaras N95 para profissionais da Saúde da Prefeitura

A startup curitibana Ebanx fez a doação, na segunda-feira (4/5), de 2,2 mil máscaras N95 para a Secretaria Municipal de Saúde. Os equipamentos de proteção individual (EPI), importados da China,  serão usados pelas equipes dos postos de saúde, UPAs e hospitais da Prefeitura que estão à frente do combate à covid-19 em Curitiba. 

A secretária municipal de Saúde, Marcia Huçulak, agradeceu à doação das máscaras N95, em nome de todos os profissionais do órgão da Prefeitura. “Os equipamentos vão ser muito bem utilizados nos serviços de saúde do município”, reforçou ela. 

Mais eficiente que a máscara cirúrgica, a N95 tem um filtro de ar que bloqueia pelo menos 95% das partículas em suspensão e ajuda na proteção contra doenças por transmissão aérea, como o  novo coronavírus.

O modelo é considerado semidescartável, já que pode ser utilizado mais de uma vez, desde que pela mesma pessoa. 

Além das 2,2 mil máscaras para a Secretária Municipal da Saúde, o Ebanx doou mais 8,8 mil máscaras para o Hospital das Clínicas, para o Hospital Evangélico Mackenzie e para instituições de saúde de São José dos Pinhais, Foz do Iguaçu e São Paulo. 

Mobilização 

A doação das máscaras N95 pelo Ebanx  é mais um exemplo da mobilização do ecossistema de inovação do Vale do Pinhão no combate à pandemia. “Primeiro unicórnio do Paraná e do Sul do País, a startup curitibana reforça com esta doação que também está comprometida com a solidariedade social”, destacou Cris Alessi, presidente da Agência Curitiba de Desenvolvimento e Inovação. 

Em 2019, o Ebanx entrou na lista das empresas de tecnologia avaliadas em mais de US$ 1 bilhão, chamadas de unicórnios. 

Cris lembra ainda que, desde o início da pandemia, outras empresas do Vale do Pinhão se uniram ao município para reduzir os efeitos no novo coronavírus na saúde e economia da capital.

“Curitiba foi a primeira capital a oferecer a videoconsulta para a população, graças a uma parceria com a Doctoralia, que doou a plataforma. Também temos a inteligência artificial do Robô Laura fazendo a triagem dos possíveis casos. As startups Maha 3D, Prin3D e Boa Impressão 3D são parceiras do FabLab para produção de máscaras-escudo. Já a Olist criou uma vitrine virtual para que artesãos e empreendedores de Curitiba possam comercializar seus produtos on-line”, exemplificou ela.

Deixar animais soltos em ruas e praças pode gerar multa de até R$ 2 mil em Curitiba

Projeto de lei que reforça punição à maus-tratos foi aprovado em 1º turno na Câmara Municipal.

Os vereadores de Curitiba aprovaram nesta quarta-feira (16), por unanimidade e em 1ª discussão, o projeto de lei que, entre outras coisas, estabelece multa de R$ 200 a R$ 2 mil para quem abandonar animais em ruas e espaços públicos. O projeto modifica  modifica lei já existente e amplia as práticas consideradas como crime de maus-tratos a animais.

A proposta da vereadora Katia Dittrich (Solidariedade) lista 24 ações ou omissões como maus-tratos, o dobro do que previa a lei de 2011. Entre os novos comportamentos que caracterizam o crime, o mais significativo é o de abandono.

“Deixar o animal solto em vias e logradouros públicos” como diz o texto do projeto, vai passar a doer no bolso, com multas de até R$ 2 mil no caso de flagrante ou denúncia comprovada. As medidas seguem a linha de projeto semelhante porém ainda mais rigoroso e que prevê responsabilização criminal, aprovado no Senado Federal na semana.

Outros dois pontos polêmicos do projeto são a proibição expressa de ‘passeios’ desacompanhados e abandono de animais idosos ou doentes. No primeiro caso está prevista responsabilização dos tutores com multa, pelo risco do animal sofrer ou causar acidentes, além de permitir uma possível cria indesejada” e no segundo uma característica de agravante ao crime de maus-tratos, pela vulnerabilidade dos bichos.

Para entrar em vigor, o projeto precisa ser aprovado em 2ª discussão para depois ser sancionado ou não pelo prefeito.  Caso seja sancionada, a lei então terá um prazo para regulamentação.

Informações Banda B.

Sérgio Moro recebe carteira da OAB e abre escritório em Curitiba

Antes de começar a advogar, no entanto, Moro deverá acabar de cumprir a quarentena de seis meses determinada pela Comissão de Ética da Presidência.

O ex-juiz federal que conduziu a Lava Jato e colecionou desafetos entre alguns criminalistas vai atender sua futura clientela em um endereço de Curitiba, base e origem da maior operação já desencadeada no País contra a corrupção.

Antes de começar a advogar, no entanto, Moro deverá acabar de cumprir a quarentena de seis meses determinada pela Comissão de Ética da Presidência. Levando em consideração a data em que anunciou sua renúncia e acusou o presidente de suposta tentativa de interferência na Polícia Federal, 24 de abril, a quarentena do ex-juiz terminará no fim de outubro.

Informações Banda B.