Descubra a história dos bairros de Curitiba

Curitiba conta com 75 bairros e muitos deles têm histórias interessantes por trás de seus nomes. Conheça a história que originou o nome de alguns deles: 

Hauer

A família Hauer foi muito importante na história da capital. Na metade do século XIX, a Alemanha passava por um processo de transformações econômicas, políticas e sociais, e José Hauer Senior decidiu deixar o país rumo ao sul do Brasil. Em 1863, chegou à colônia Dona Francisca (futura Joinville), e poucos meses depois decidiu se estabelecer em Curitiba. Na época, a cidade estava começando a se desenvolver de forma independente.

Na capital, abriu uma oficina de seleiro, se casou e logo conquistou prestígio entre os moradores. No final do século, convenceu alguns irmãos a se mudarem para Curitiba, e assim a Família Hauer conquistava ainda mais importância pela região. Hoje, são várias referências na cidade que remetem a Família Hauer.

Os bairros Hauer e Fanny, por exemplo, homenageiam os nomes da família e da esposa de Arthur Hauer, respectivamente. Era nessa região, junto com o bairro Lindóia, que a família se estabeleceu por vários anos.

Rebouças 

Antes de se chamar Rebouças, o primeiro bairro industrial de Curitiba se chamava Campo da Cruz e era uma região pouco habitada. Mas no final do século 19 começaram a construir a Estrada de Ferro, ligando Curitiba ao litoral do Paraná. O local escolhido para receber a principal estação ferroviária do estado foi justamente o bairro de Campo da Cruz. A estação gerou um crescimento enorme da região nos anos seguintes, sendo rodeada por várias indústrias e grandes empresas. A mudança do nome para Rebouças aconteceu devido a uma homenagem do município aos irmãos Rebouças, os principais responsáveis pela construção da ferrovia.

Sítio Cercado

O bairro tem um nome autoexplicativo: era onde ficava o sítio de Laurindo Ferreira de Andrade, cercado pelos rios Padilha, Cercado e Boa Vista. Daí surgiu o nome, “Sítio Cercado”. Hoje, é o segundo maior bairro do município, perdendo em número de população para a Cidade Industrial de Curitiba (CIC).

Boqueirão

Onde hoje está o bairro Boqueirão estava situada a Fazenda Boqueirão, da família do Major Theolindo Ferreira Ribas, com cerca de mil alqueires. Com o passar dos anos, os filhos e demais descendentes de Theolindo dividiram as terras em pequenos terrenos, os venderam e, com o desenvolvimento da região, se transformou em um dos principais bairros de Curitiba.

Bacacheri 

Esse nome tem uma origem bem curiosa: quando o bairro ainda era uma importante região rural de Curitiba, um fazendeiro francês saiu perguntando de porta em porta onde estava sua “querida vaca” – ou, como ele falava, “baca cherry”. O “baca”, no caso, era uma tentativa dele falar “vaca” em português. Já “cherry” é uma palavra francês que significa “querida”.

Xaxim

No início da história da cidade, esse bairro era povoado por índios caigangues e por caboclos. Com o decorrer do tempo, imigrantes europeus, entre eles italianos e poloneses, começaram a migrar para o bairro. Nessa época, haviam muitos troncos de samambaias espalhados pela região. Esses troncos, na língua caigangue, eram chamados de Xaxim.

Portão 

A origem do nome do bairro data da época do tropeirismo. Para facilitar o transporte e comércio de gado no século 18, as autoridades da capital instalaram cercas e portões em um posto de fiscalização nessa região, dando origem ao nome do bairro.

Água Verde

A inspiração para esse nome veio das massas de algas que davam uma coloração verde a um rio de água doce, que cruza o bairro e deságua no Rio Belém, no Prado Velho.

Bigorrilho

Também chamado de Champagnat, o Bigorrilho já teve outro nome. No final do século 19, quando era povoada praticamente por imigrantes alemães, ucranianos e poloneses, a região era conhecida como Campo da Galícia. A mudança para Bigorrilho tem uma origem incerta: há quem diga que deriva da dona de um bordel na região chamada Bigorrilha; mas também dizem que fez uma homenagem a uma benzedeira que vivia no bairro.

Batel

O nome Batel também tem uma origem incerta. Mas duas principais teorias se difundiram entre os moradores do bairro. A primeira diz que na região vivia uma família abastada de nome Batel, dona de muitas terras na região. Já a segunda teoria diz que Batel se refere a origem do nome, que significa “pequena embarcação”, e seria uma homenagem a um barco que naufragou em um rio em São José dos Pinhais.

Santas e Santos

A religião também foi muito importante na hora de criar nomes para diversos bairros de Curitiba. Por isso, a população decidiu homenagear alguns santos e santas, colocando seus nomes em bairros da cidade. São Francisco homenageia Francisco de Assis; São Lourenço, o romano Lourenço de Huesca; São João, o apóstolo João; Santo Inácio, o bispo sírio Inácio de Antioquia, discípulo de João; e São Miguel, uma referência ao arcanjo Miguel. Já as santas Quitéria e Cândida ganharam homenagens nos bairros Santa Quitéria e Santa Cândida, respectivamente. Somente Santa Felicidade não tem origem em uma santa católica: o nome é uma referência a Dona Felicidade Borges, uma italiana dona de terras na região.

Fonte: Estúdio C via Curta Curitiba

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Pista Municipal de BMX recebe novas bicicletas para aulas gratuitas

A Pista Municipal de BMX da Prefeitura, no Parque Olímpico do Cajuru, recebeu novas bicicletas e equipamentos para serem usados nas aulas gratuitas de BMX do projeto Escola+Esporte=10 (EE10). Foram entregues, nesta quinta-feira (21/10), 31 novas bicicletas e 20 capacetes.

Os equipamentos foram comprados com recursos do Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente (Comtiba) da Fundação de Ação Social (FAS). 

A pista com padrões internacionais foi inaugurada em junho e desde o início de agosto oferece aulas gratuitas para crianças e adolescentes do projeto EE10 e para a comunidade aos fins de semana. 

Para participar, os interessados devem conferir turmas e horários disponíveis no portal Curitiba em Movimento e também disponível no Curitiba App. Informações sobre horários de aulas também podem ser conseguidos pelo telefone do Núcleo Regional do Cajuru da Smelj, no 3221-2353, ou pelo 3221-2484.

A entrega das novas bicicletas foi acompanhada pelo vice-prefeito Eduardo Pimentel, e pelo secretário municipal do Esporte, Lazer e Juventude, Emilio Trautwein. 

Parque Olímpico do Cajuru

O endereço do Parque Olímpico do Cajuru é Rua Rivadávia Fonseca de Macedo, 510, Cajuru. Além da Pista Municipal de BMX, o complexo esportivo conta com campos de futebol de areia, de rua e americano, quadra de futebol de salão, academia ao ar livre, área de treinamento de atletismo, um estádio municipal de beisebol e softbol, pista de caminhada e canchas de voleibol.

Nissei vai aplicar vacinas contra a H1N1 gratuitamente a partir dessa quinta-feira (21)

Nessa quinta-feira (21), a Rede de Farmácias Nissei inaugura mais uma sala de Serviços Avançados Nissei (SAN). A unidade está localizada no Ventura Shopping. Para marcar a data, a Nissei vai aplicar gratuitamente 1.674 doses de vacinas tetra contra a gripe H1N1. Além da nova sala do Ventura, a aplicação também poderá ser feita nas farmácias 24h dos bairros Bacacheri, Hauer, Portão e Seminário

Os interessados devem se cadastrar e agendar um horário no site da Nissei (https://www.farmaciasnissei.com.br/influenza-tetra-gripe-influvac-tetra), escolhendo a loja onde será realizada a imunização. 

A vacina tetraviral do vírus Influenza tem indicação de aplicação anual, pois o imunizante passa por atualização constante, realizada por conta das cepas variantes. Pessoas acima dos seis meses de idade, sem restrição, podem receber a vacina.