Curitiba retoma tradição dos cinemas de rua. Saiba tudo sobre o Cine Passeio

A partir de 27 de março, Curitiba passa a contar com um novo complexo cultural. O Cine Passeio, na esquina das ruas Riachuelo e Carlos Cavalcanti, no Centro, tem a proposta de trazer de volta a concepção dos cinemas de rua e ser um espaço de formação audiovisual e de inovação na área da economia criativa. A inauguração, às 19h30, faz parte das comemorações do aniversário de 326 anos da cidade, e será marcada por uma série de atrações.

Foto: Cido Marques

“A ideia é fazer desse lugar um ponto de encontro das pessoas, a meio caminho entre a Universidade Federal, o Passeio Público, o Solar do Barão e o Centro Histórico”, destaca o prefeito Rafael Greca. “O velho quartel foi revitalizado para evocar os antigos cinemas de rua que fazem a lenda do século 20 e da Cinelândia curitibana. Pela cultura vamos renovar definitivamente a Rua Riachuelo para que sirva ao bom uso de todas as famílias de Curitiba”, diz.

O investimento no projeto, que levou aproximadamente dez anos para ser concluído, é de R$ 9,5 milhões, recurso captado pela Prefeitura por meio de comercialização de cotas de potencial construtivo. Com área de 2.597 m², o Cine Passeio ocupa uma edificação histórica, classificada como Unidade de Interesse Especial de Preservação (UIEP), que foi totalmente restaurada e adaptada para receber as atividades culturais dentro do programa Rosto da Cidade.

O Cine Passeio passa a ser uma nova unidade da Fundação Cultural de Curitiba dedicada à linguagem audiovisual, assim como a Cinemateca e o Cine Guarani. A administração do espaço está a cargo do Instituto Curitiba de Arte e Cultura (Icac).

“O Cine Passeio representa a vitalidade de Curitiba na área cultural. É fruto de um esforço conjunto para valorizar a nossa produção artística e oferecer um espaço agradável do qual todos os curitibanos podem se orgulhar. Não poderia existir presente melhor para a cidade”, diz a presidente da Fundação Cultural de Curitiba, Ana Cristina de Castro.

Segundo o diretor executivo do Icac, Marino Galvão Jr., o Cine Passeio terá, do ponto de vista da gestão, o mesmo tratamento de outros espaços administrados pelo instituto, como a Capela Santa Maria. “Os excelentes resultados de performance artística e de gestão cultural alcançados em outras áreas agora serão aplicados na linguagem audiovisual, possibilitando um retorno mais rápido à sociedade”, destaca o diretor.

________________________________________________________________________________________________________________________________________________________

Salas Luz e Ritz homenageiam antigos cinemas. No terraço, filmes a céu aberto

O complexo tem duas salas de cinema para exibição de filmes em sessões diárias. As salas Luz e Ritz foram assim denominadas em referência aos dois antigos cinemas mantidos pela Fundação Cultural – o Cine Luz, que funcionou na Praça Zacarias e depois na Praça Santos Andrade, e o Cine Ritz, que ficava na Rua XV de Novembro.

Com capacidade para 90 pessoas, as salas possuem os mais modernos equipamentos de projeção e sonorização existentes no mercado. São dotados de tecnologia para recepção de filmes em formato DCP (digital cinema package), com alta qualidade de desempenho, possibilitando inovação ao setor audiovisual.

Já a partir do dia 28 de março, as duas salas estarão em funcionamento. Com curadoria de dois especialistas, o crítico de cinema Marden Machado e o cineasta Marcos Jorge, a programação será montada com produções disponibilizadas pelas distribuidoras comerciais. As cinematografias clássica e contemporânea, além de mostras especiais, serão contempladas na programação.

O complexo tem no subsolo uma área dedicada às ações de formação, que recebeu o nome de Espaço Valêncio Xavier, homenagem ao escritor, cineasta e criador da Cinemateca de Curitiba, falecido em 2008. Conta com uma sala multiuso (Estúdio Valêncio Xavier), com 110 lugares, também dotada de modernos equipamentos, com projetor móvel e tela retrátil.

No mesmo ambiente funcionará a Sala Video On Demand (VOD), que se refere ao consumo de conteúdo digital com escolha do usuário, como por exemplo Netflix e Amazon. Com tela 4K de 86 polegadas, o local possibilitará o acesso a diversos conteúdos digitais.

No piso está instalada também a segunda unidade do Worktiba, primeiro coworking público do Brasil criado para atender a necessidade de pequenos e microempreendedores. Esta unidade terá como foco a economia criativa, o audiovisual e a inovação.

O segundo pavimento, onde também está a Sala Ritz, dispõe de uma área para cursos na área do audiovisual, que pode ser locada e utilizada por produtores independentes, parceiros estratégicos, como a Universidade Estadual do Paraná (Unespar), a Associação de Vídeo e Cinema do Paraná (Avec) e o Sindicato da Indústria do Audiovisual do Paraná, e também pelo público em geral.

Um cinema a céu aberto também faz parte do complexo do Cine Passeio e funcionará no terraço, que dispõe ainda de uma área para eventos. Esse local poderá ser utilizado para atender eventos ligados às áreas de economia criativa (design, moda autoral, gastronomia).

Junto à entrada do Cine Passeio, na Rua Riachuelo, e no mesmo no mesmo piso da Sala Luz, funcionará uma cafeteria, que trabalha com produtos selecionados da região de Curitiba (cafés, vinhos e cervejas artesanais).

________________________________________________________________________________________________________________________________________________________

Projeto preservou características do imóvel histórico

O prédio foi construído em meados da década de 1930 para abrigar setores administrativos do Exército e assim funcionou até aproximadamente o final da década de 1990. Ele é de propriedade do município desde 2010, ano em que foi transferido para a Fundação Cultural de Curitiba para que fosse desenvolvido ali um projeto de restauração em conjunto com Instituto de Pesquisa e Planejamento Urbano de Curitiba (Ippuc).

Por estar inserida no eixo histórico Barão-Riachuelo, a edificação do antigo quartel foi cadastrada como UIEP, quando então, em 2012, iniciou-se o processo de captação de recursos por meio de troca de potencial construtivo, a fim de viabilizar a proposta de criação da nova unidade cultural.

Paralelamente foram iniciados os estudos e projetos arquitetônicos para a revitalização do espaço, feitos pelos arquitetos Dóris Teixeira e Mauro Magnabosco, do Ippuc. O projeto preserva as características externas e a volumetria do imóvel. Aproveita grande parte da estrutura de alvenaria, as divisões internas e também portas e esquadrias, que foram recuperadas. Foram refeitos todos os sistemas elétrico, hidráulico, de lógica e de drenagem. O prédio está plenamente adequado em termos de acessibilidade e segurança.

________________________________________________________________________________________________________________________________________________________

Revitalização

O Cine Passeio, além de trazer de volta à cidade a proposta dos cinemas de rua como alternativa à profusão de salas em shopping centers, se insere em programas de revitalização do centro histórico da cidade, e atualmente no programa Rosto da Cidade, lançado pela Prefeitura para recuperação de prédios históricos.

O diretor de Ação Cultural da Fundação Cultural de Curitiba, Beto Lanza, chama atenção para o contexto mais abrangente da proposta do Cine Passeio. “É mais um exemplo de que Curitiba está na vanguarda das soluções urbanas”, diz. “O Cine Passeio traz qualidade de vida para aquela região, valoriza a paisagem, pensa no cidadão e no seu direito de acesso à cultura e ao patrimônio histórico. Além disso, cria um ambiente para o porvir, no estrito sentido da palavra, possibilitando que a atual geração, que não conheceu os cinemas de rua, possa aproveitar e experimentar esse ambiente, e também criar e produzir inovação a partir da linguagem do cinema”, afirma.

________________________________________________________________________________________________________________________________________________________

Na inauguração, fachada vira tela e homenageia a história do cinema

Para a inauguração, a Rua Riachuelo será interditada, pois a festividade começa do lado de fora do prédio. A própria fachada, totalmente branca, se transforma numa tela para a projeção de imagens que fazem referências à história do cinema mundial, incluindo cenas da cinematografia curitibana.

Este happening tem direção e roteiro de Edson Bueno e uma trilha sonora feita especialmente para o evento pelo produtor musical e sound designer Vadeco Schettini.

Após o descerramento da placa pelo prefeito Rafael Greca, os convidados serão levados a conhecer o prédio. Estão previstas exibições de trailers da programação, inauguração do Espaço Valêncio Xavier, abertura da exposição sobre os cinemas de rua de Curitiba e uma homenagem ao cinema italiano que inclui apresentação da Orquestra à Base de Corda.

________________________________________________________________________________________________________________________________________________________

Alexandre Nero e Maria Flor participam da abertura

O Cine Passeio estará aberto ao público a partir do 28 de março, às 19h. O filme de estreia da programação é Albatroz, com exibição simultânea, nas Salas Luz e Ritz.

Para comemorar o início das projeções, estarão presentes o diretor do filme, Daniel Augusto, e os atores Alexandre Nero e Maria Flor. O filme conta a história de um fotógrafo atormentado após registrar um atentado terrorista. No elenco estão também Camila Morgado, Andrea Beltrão e Andréia Horta. Os ingressos estarão à venda no local.

No dia 30 de março haverá um evento especial no Espaço Valêncio Xavier, sendo prestadas homenagens ao fundador da Cinemateca com a presença de seus familiares. Na ocasião será aberta uma mostra de filmes de Glauber Rocha.

No mesmo dia, será apresentado o projeto Cinco Sentidos, com a exibição do filme Estômago, de Marcos Jorge, no cinema a céu aberto localizado no terraço do Cine Passeio. As comemorações continuam até o fim da semana, com a realização da primeira sessão da meia-noite, na sexta-feira, dia 29, que acontecerá uma vez por mês, e com a matinê para crianças, no domingo, dia 31, às 10h30, que ocorrerá duas vezes por mês. Os filmes a serem exibidos nessas sessões estão em definição.

 

Via: Fundação Cultural de Curitiba

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Iniciativa da Itaipu e Polo Iguaçu vai beneficiar 2.250 profissionais do turismo

Itaipu investirá 4,7 milhões no projeto, que irá garantir bolsas de R$ 550 durante os três meses da capacitação

A Itaipu Binacional e o Instituto Polo Iguassu lançaram, nesta quinta-feira (22), o Capacita Foz, uma iniciativa de educação on-line, com atividades ao vivo e gravadas, e que deverá beneficiar 2.250 profissionais do turismo de Foz do Iguaçu, em áreas do trade turístico e afins. O projeto, com duração de dois anos e investimentos de R$ 4,7 milhões por parte da Itaipu, também fornecerá uma bolsa de R$ 550 reais por três meses a esses profissionais que foram impactados pelas limitações impostas pela pandemia de covid-19.

O Capacita Foz aprofunda as atividades de capacitação promovidas em duas edições do Capacita Guias pelo Instituto Polo Iguassu, com apoio da Itaipu. Juntamente com o lançamento, ocorreu a entrega de certificados da segunda turma, que formou mais 66 profissionais (além dos 147 da primeira). Eles foram capacitados sobre novas formas de apresentar os atrativos de Foz, além dos cuidados para promover uma experiência segura para os turistas.

Agora, com o Capacita Foz, a ideia é levar conhecimento para outras áreas que se beneficiam da atividade turística. Por meio de uma plataforma de ensino a distância, os participantes terão acesso a diversos conteúdos. Na primeira fase, que se inicia em agosto, será a capacitação em si, com atividades para recepcionistas, mensageiros, camareiras, garçons, motoristas de aplicativos, artesãos, produtores rurais, entre outros. Uma avaliação do perfil socioeconômico irá selecionar participantes para receber a bolsa de R$ 550 por três meses.

“Este é um projeto perfeitamente alinhado com a vocação de Foz do Iguaçu para o turismo e Itaipu, que tem como missão investir no desenvolvimento regional sustentável, não poderia ficar de fora de uma iniciativa como essa”, afirmou o diretor-geral brasileiro, general João Francisco Ferreira. “A gente se sente feliz em investir em algo assim porque são recursos bem empregados e que trarão retorno. Creio que Foz do Iguaçu vai sair dessa dificuldade da pandemia para voos muito mais altos.”

De acordo com a diretora executiva do Polo Iguassu, Fernanda Fedrigo, após a capacitação, os profissionais passarão por uma atividade de gamificação: os participantes ganham selos e pontuações que qualificam o profissional dentro da plataforma. Dessa forma, a plataforma funcionará, também, como vitrine de vendas e banco de talentos. “A educação está no DNA do Polo Iguassu e a educação é libertadora. Por meio dela, podemos oferecer condições para superar essa situação em que o setor foi impactado pela pandemia”, afirmou.

O lançamento ocorreu no Centro Executivo da Itaipu. E, além do diretor-geral brasileiro da Itaipu e da diretora executiva do Polo Iguassu, contou com a participação da diretora de Promoção, Marketing e Eventos da Secretaria Municipal de Turismo, Cristiane Santos, do presidente do Conselho Municipal de Turismo e gerente-geral do Complexo Turístico Itaipu, Yuri Benites, e da representante do Sebrae-Paraná, Camila Giacomeli.

A abertura das inscrições para o Capacita Foz será divulga nas redes sociais do Polo Iguassu (@poloiguassu) nas próximas semanas.

Formandos

Dos 66 formandos do Capacita Guias, cinco foram convidados a representar a turma na cerimônia de entrega dos certificados. Natural de Itabuna, Ana Maria Ferreira de Souza (46) falou em nome dos colegas. “Agradeço muito pelo curso, por essa oportunidade de estar aprendendo. Daqui para frente, é com os profissionais, o guia que cada um se tornará”, afirmou a guia, que trabalhou por 14 anos como gerente de operações na Loumar Turismo e atua como guia há seis anos, atendendo turistas que falam português, espanhol e inglês.

Arlete Fritzen tem 58 anos e é natural de Foz. Ela trabalha como guia há 22 anos, é formada em hotelaria e atua principalmente com turistas que falam inglês, especialmente da Austrália, Grã-Bretanha e Estados Unidos. “Antes, eu trabalhava só com whatsapp e achava que estava bem. O Capacita Guias veio para mostrar a importância de trabalhar em conjunto com as empresas de turismo para potencializar a imagem do Destino Iguaçu nas redes sociais, mostrando os passeios para quem está do outro lado do mundo. Então, aprendi a tirar fotografias e usar outros meios de comunicação. Foi maravilhoso”, afirmou.

Já Keiko Edna Kimura Kanno, 54 anos, atua principalmente com turistas de língua japonesa. “A gente acha que sabe de tudo, mas todo dia é dia de aprender. E esse curso trouxe muito conhecimento. Todo aprendizado vai me ajudar muito e já quero fazer o Capacita Foz também”, disse Keiko, que atua como guia desde 2007.

Musicoterapia avança para garantir tratamento em todo o País

A musicoterapeuta Gizely Delmonico Amin destacou nesta quinta-feira, 15, que a lei que institui o programa e Incentivo à utilização da musicoterapia como tratamento terapêutico no Paraná é um avanço para que a medida seja adotada em todo o País. A proposta, de autoria do deputado Luiz Claudio Romanelli (PSB), foi aprovada pela Assembleia Legislativa e seguiu para sanção do governador Ratinho Junior (PSD).

Ex-presidente da AMT (associação de musicoterapia) do Paraná, Gizely Amin disse que os profissionais do setor lutaram para incluir o tratamento como essencial para que seja assegurado o atendimento universal no Brasil. “Travamos uma luta juntos e o deputado Romanelli criou uma lei no Paraná para incluir a musicoterapia nos tratamentos complementares. A partir daí, esperamos que os planos de saúde comecem a cobrir esse tipo de tratamento em todo o Brasil”, explica.

Gizely é musicoterapeuta especialista em análise do comportamento aplicada com enfoque em autismo e em TEA. Ela presidiu a AMT até 2020, quando encampou a luta pela criação da lei, proposta por Romanelli. Ela explica ainda que algumas especialidades têm cobertura dos planos de saúde, que garantem atendimento ilimitado de sessões com psicólogos, terapeutas ocupacionais e fonoaudiólogos, o que se soma à cobertura ilimitada já assegurada para as sessões com fisioterapeutas.

“Vários estados brasileiros já adotaram a mesma medida aprovada no Paraná, o que fortalece nosso trabalho de incentivar a Agência Nacional de Saúde a garantir os mesmos direitos aos autistas, de receber tratamento com musicoterapia”, acrescenta.

Fundada em 1971, a Associação de Musicoterapia do Paraná promove o uso e desenvolvimento da musicoterapia no tratamento, educação, treinamento, reabilitação e demais objetivos terapêuticos e sociais de todos aqueles que necessitem desta modalidade, como é o caso dos autistas. A entidade reúne profissionais musicoterapeutas e instituições oficiais e particulares que estimulam a investigação e pesquisa em musicoterapia.