Curitiba realiza audiência pública para analisar mudanças nas regras de geração distribuída de energia no Brasil

A Câmara Municipal de Curitiba realiza nesta segunda-feira (16), a partir das 14 horas, audiência pública para analisar as mudanças propostas pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) nas regras de geração distribuída no Brasil e o impacto dessas alterações no setor de energia solar. O encontro foi proposto pelo vereador Marcos Vieira e pelo deputado federal Gustavo Fruet, ambos do PDT, para que Curitiba não fique de fora da consulta pública nacional aberta pela Aneel em outubro passado para receber contribuições à proposta de revisão da Resolução Normativa 482/2012. A consulta pública encerra-se no próximo dia 30 de dezembro. A audiência contará com as presenças de diretores das Associações Brasileira e Paranaense de Energia Solar, além dos senadores paranaenses Flávio Arns e Oriovisto Guimarães, que já confirmaram participação.



A revisão da resolução 482/12 está prevista desde 2015, quando a resolução 678/15 foi publicada. Seu objetivo é aperfeiçoar o atual modelo do sistema de compensação de créditos, considerando os avanços da geração distribuída no Brasil a partir de 2012, quando o consumidor começou a poder gerar a sua própria energia. Segundo a Aneel, desde a regulamentação da resolução 482/12, já foram implantadas mais de 120 mil unidades consumidoras com micro ou minigeração de energia e houve redução de 43% no valor dos painéis solares vendidos no país. A fonte solar é a mais utilizada na modalidade, alcançando 98% das conexões.

“Neste momento, no qual, os recursos naturais estão se esgotando, incentivar a produção de energia solar é importante para garantir o crescimento da economia do Brasil, assim como, a geração de empregos e o desenvolvimento”, afirma o deputado Gustavo Fruet, um dos organizadores da audiência.


Segundo Alexandre André Rossi, secretário da recém-criada Associação Paranaense de Energia Solar (Apsolar), que reúne as empresas provedoras dessa solução de geração distribuída, a revisão da resolução 482/12 é “salutar, mas não agora”. “O crescimento da geração de energia para atender a sempre crescente demanda por consumo virá das fontes alternativas, que serão penalizadas pelas mudanças propostas pela Aneel com a cobrança de taxas para remunerar a transmissão”, argumenta Rossi. Ele afirma que a taxação nesse momento pode comprometer, inclusive, a crescente geração de empregos no setor, que deverá chegar a 650 mil vagas nos próximos anos, de acordo com projeções da Associação Brasileira de Energia Solar (Absolar).

“É preciso coerência. Não podemos matar um mercado emergente, que ainda não tem capacidade de caminhar com as próprias pernas. Se o ponto é remunerar as concessionárias pelo fio usado para transportar a energia, que seja então comprovado que de fato a geração distribuída gera este custo ou que seja cobrado pelo fio que vai até o vizinho apenas e não por toda a rede. Mas defendemos que a geração de energia na carga, ou seja, no próprio lugar de consumo, não deve sofrer qualquer alteração, por enquanto. Mas concordamos que a geração remota, que são as chamadas fazendas solares instaladas em locais longe do consumo, tenha a regra discutida e eventualmente alterada, desde que de forma suave. Defendemos segmentar as alterações ou esperar que a geração distribuída, que hoje responde por menos de 0,7% de toda a energia gerada no país, atinja a marca de 5% para que haja a alteração das regras”, explica Rossi.

O vereador Marcos Vieira destaca a importância da participação de representantes de todos os agentes do setor na audiência desta segunda-feira, especialmente os que já são prossumidores, que produzem a energia que consomem. “Esse é um assunto que precisa ser debatido pela sociedade pois terá grande impacto na forma como o Brasil produz e consome energia nos próximos anos. Curitiba tem que contribuir de forma consistente dessa consulta pública da Aneel”, convoca.

Com um a menos, Flamengo segura empate com o Racing


O Flamengo foi, nesta terça (24), ao estádio Presidente Perón para enfrentar o Racing (Argentina) na partida de ida das oitavas de final da Copa Libertadores. O objetivo era a vitória, mas o empate em 1 a 1 acabou sendo um bom resultado pelas circunstâncias, em especial a expulsão do zagueiro Thuler.

Gols no primeiro tempo

O jogo começou sob chuva intensa, que não atrapalhou em nada o confronto, realizado no ótimo gramado do El Cilindro de Avellaneda. Nos primeiros minutos o time argentino se postou de forma adiantada, pressionando a saída de bola da equipe brasileira.

E essa pressão dá resultado aos 12 minutos, quando Fabricio Domínguez domina a bola no meio campo e arranca pela direita. O lateral direito chega à linha de fundo e cruza rasteiro para Fértoli, que escora para vencer o goleiro Diego Alves.

O Flamengo nem dá tempo de o Racing se acostumar com a vantagem, e empata dois minutos depois. Bruno Henrique recebe lançamento na ponta esquerda, se livra da marcação e cruza, de três dedos, para Gabriel deixar tudo igual.

Aos 33 minutos o time brasileiro ficou muito perto da virada, quando Bruno Henrique recebe novamente na esquerda, corta o marcador, mas, ao invés de tocar novamente para o camisa 9, bate com categoria. Mas a bola, por capricho, explode no travessão. Grande lance do atacante. Assim, a igualdade permanece até o intervalo.

Expulsão de Thuler

Quem inicia melhor a etapa final é o Racing, que aos 4 minutos chega a balançar a rede da meta defendida por Diego Alves, mas o gol é anulado por falta no decorrer da jogada.

Aos 11 minutos Gabriel deixa o gramado para entrada de Vitinho. Quatro minutos depois o camisa 11 faz um lindo lance, quando, após receber lançamento, dá um balão em um zagueiro e toca para Arrascaeta marcar. Porém, o lance é anulado pelo árbitro, que assinala impedimento do atacante do Rubro-Negro.

A partir daí o Flamengo começa a valorizar a posse de bola, aumentando seu volume de jogo. E aos 27 minutos o time da Gávea chega novamente com perigo, quando, após boa troca de passes, Filipe Luís recebe na esquerda e cruza para Everton Ribeiro chegar cabeceando.

Três minutos depois a equipe brasileira cria chance clara, quando Vitinho toca para Arrascaeta, que devolve para o camisa 11 chutar, mas a bola vai para fora.

Aos 36 minutos a situação do Flamengo muda completamente, quando o zagueiro Thuler é expulso ao receber cartão vermelho direto após entrar de carrinho em um jogador do Racing. A marcação foi confimada com auxílio do VAR (árbitro de vídeo).

Com um homem a mais, o Racing cresce na partida, mas não consegue transformar a maior posse de bola em oportunidades claras. Assim, o empate perdura até o apito final do árbitro.

Jogo de volta

Agora, a vaga para as quartas de final será definida na próxima terça-feira (1), quando o Flamengo recebe o Racing no estádio do Maracanã.

Veja a tabela atualizada da Copa Libertadores.


Eduardo Matysiak, fotojornalista paranaense, ganha o “oscar da fotografia”

fotojornalista Eduardo Matysiak foi o vencedor da categoria especial ‘Lockdown’, do Brasília Photo Show, neste domingo (22). O paranaense levou a estatueta do maior festival de fotografia da América Latina com a imagem ‘fique em casa’.

Natural de Guarapuava, no centro-oeste do estado, e atualmente morando na capital, Matysiak acredita que sua fotografia ganhou o primeiro lugar porque é uma imagem de certa forma chocante e que faz as pessoas refletirem.

“Primeiro, não é uma fotografia montada, é um retrato da vida real, da vida de uma pessoa que não tem casa e vive na rua. O que já é absurdo em qualquer época, mas o fato da foto ter sido tirada durante a fase mais intensa de isolamento no Paraná, quando quase todas as pessoas estavam em casa isoladas e protegidas da covid-19, torna a situação ainda mais cruel. Acho que esse tipo de abordagem é importante porque faz as pessoas se questionarem sobre o mundo que elas querem e sobre o que fazer para mudar”, diz o fotojornalista.

Apelidado de o ”Oscar da Fotografia”, a 6 ª edição do evento ocorreu neste final de semana entre os dias 21 e 22 de novembro e contou com 46 mil fotos participantes, entre fotógrafos brasileiros e estrangeiros.

Matysiak ficou conhecido com sua cobertura fotográfica da Operação Lava Jato em Curitiba. Como poucos, ele registrou o dia a dia dos movimentos de direita e esquerda que permaneceram acampados em frente à sede da Polícia Federal.

Para ver todas as fotos do Eduardo que concorreram no festival ‘Brasília Photo Show’ e conhecer um pouco mais da história do fotojornalista clique aqui.

Via RICMAIS