Curitiba irá ganhar novo bosque

Um fundo de vale que estava degradado foi recuperado pela Companhia de Habitação Popular de Curitiba (Cohab) e vai se tornar um novo bosque da cidade. No local conhecido como Vila Nori, no Pilarzinho, 156 famílias habitavam irregularmente as margens de um córrego. Elas foram transferidas para novas casas e o local degradado passou por completa recuperação ambiental.

“Este projeto representa a maneira global como a Prefeitura trabalha. Transferimos famílias que viviam de forma insalubre, sem esgoto, deteriorando o meio ambiente, e as reassentamos em um novo conjunto dotado de completa infraestrutura”, diz o prefeito Rafael Greca. “O local que trazia transtorno ao bairro deu lugar a uma opção de lazer e respeito à natureza”, completa.

Com os últimos detalhes sendo finalizados, o novo espaço será inaugurado nas próximas semanas, para alegria da população local.

“Estamos felizes porque a transformação saiu da promessa que muitos fizeram e agora aconteceu de verdade. Está ficando lindo, nem parece o mesmo lugar”, ressalta a dona de casa Marilete Ribeiro, moradora local há 20 anos.

A ocupação irregular na Vila Nori surgiu no final da década de 1980. Moradias precárias foram construídas nas margens de um córrego e na encosta de um morro, o que devastou a mata ciliar e trouxe alto risco de enchentes e deslizamentos. O serviço social da Cohab cadastrou 300 famílias no local, das quais 156 viviam de forma muito adensada em área de preservação permanente.

“Construímos um novo conjunto para receber as famílias que estavam em local impróprio e os moradores que não tinham restrições puderam permanecer e receberam um novo sistema viário, redes de drenagem, esgoto e a revitalização do bosque”, explica o presidente da Cohab José Lupion Neto.

Obras

Para atender as 143 famílias que permaneceram na Vila Nori, a Cohab abriu um novo sistema viário. “A vila era composta de becos e vielas de difícil acesso, o que impossibilitava a entrada de ambulâncias e caminhões de coleta de lixo, por exemplo. Além disso, o esgoto era despejado direto no córrego, problema que também solucionamos”, destaca o diretor técnico da Cohab Mauro Kugler.

Foram implantados 2km de novas vias, 1,7km de redes de drenagem e 4,2km de redes de esgoto.

A recuperação ambiental incluiu ciclovias, escadarias devido à grande inclinação do terreno, área de passeio em CBUQ com bancos de eucalipto, playground de eucalipto com escorregador, gangorra, labirinto, brinquedo de tronco, paisagismo com plantio de grama, árvores e iluminação.

As 156 famílias reassentadas estão vivendo no Moradias Maringá, no bairro Cachoeira. Deixaram para trás o passado de enchentes e alagamentos para viver em segurança.

Projeto completo

Além de transformar o cenário da Vila Nori e assegurar moradia digna para as famílias que foram transferidas, o projeto contou com outros componentes.

“Os moradores participaram de ações de educação ambiental com plantio de hortas, os desempregados foram encaminhados para vagas de emprego, fizemos reuniões na comunidade com policiais militares para tratar de segurança, entre outras ações”, conta Lupion.

O investimento total para realizar o projeto ultrapassa os R$11 milhões – recursos do governo federal, Prefeitura e Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID). A intervenção conquistou em 2019 o prêmio Selo de Mérito, promovido pela Associação Brasileira de Cohabs e Agentes Públicos de Habitação (ABC), na categoria Grandes Intervenções Urbanas com Impactos Regionais.

Primeira Feira da Agroindústria acontecerá em dezembro em Curitiba

A Secretaria de Estado da Agricultura e do Abastecimento promove a Agrifamiliar Paraná 2020 – 1ª Feira de Produtos e Serviços da Agricultura Familiar, que acontecerá em Curitiba entre os dias 3 a 6 de dezembro. As pré-inscrições para as agroindústrias interessadas em expor seus produtos encerram 30 em setembro.

A feira será em frente ao Mercado Municipal de Curitiba. Trata-se de uma iniciativa para aproximar o campo e a cidade, o rural e o urbano, a produção e o consumo.

O evento é promovido em parceria com a Federação dos Trabalhadores Rurais Agricultores Familiares do Estado do Paraná (Fetaep), Prefeitura de Curitiba/Secretaria Municipal de Segurança Alimentar e Nutricional, Instituto de Desenvolvimento Rural do Paraná – Iapar-Emater (IDR-Paraná)  e Agência de Defesa Agropecuária do Paraná (Adapar).

Para efetivar a pré-inscrição, a agroindústria deve ter o registro do estabelecimento no Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, apresentar a DAP (Declaração de Aptidão do Pronaf) ativa e documentos pessoais do responsável pelo estabelecimento. As agroindústrias familiares que manipulam produtos de origem animal precisam estar inscritas no serviço de inspeção sanitária municipal, estadual ou federal.

Aquelas que manipulam produtos de origem vegetal, bebidas e polpas devem ter licença e alvará sanitário emitido pela Secretaria da Saúde e registro no Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Para quem pretendem apresentar produtos como plantas e flores, é necessário preencher o formulário de autorização da Adapar. 

SERVIÇO – A Agrifamiliar acontecerá de 3 e 6  de dezembro. Na quinta e na sexta-feira o horário será das 10h às 20h; no sábado das 9h ás 20 e no domingo das 9h ás 13h.

As pré-inscrições podem ser feitas no núcleo da Seab de Curitiba, no IDR-PR, na Adapar ou diretamente no site da Fetaep (http://www.fetaep.org.br) e deve ser encaminhada para o e-mail agrifamiliar@fetaep.org.br.

Informações AEN.

Polícia cumpre 53 mandados contra o tráfico de drogas em Curitiba e RMC

A Polícia Civil e a Polícia Militar do Paraná estão nas ruas, desde as primeiras horas da manhã desta terça-feira (22), para desmantelar associação criminosa que comanda o tráfico de drogas no Centro e no bairro Cajuru, na capital, e em Pinhais, na Região Metropolitana de Curitiba.

Batizada de Lisboa, a operação visa cumprir 37 mandados de busca e apreensão em endereços relacionados aos alvos e 16 mandados de prisão preventiva contra líderes, gerentes, fornecedores e distribuidores de drogas naquelas regiões. 

Durante as investigações, que duraram cerca de 6 meses, a PCPR e a PMPR observaram que houve pouca ou nenhuma alternância na liderança do bando. É como se a associação criminosa fosse composta por líderes gerais, gerentes operacionais e revendedores finais – conhecidos como “pistas”, esses substituídos com frequência. 

CENTRO – As drogas que abasteciam o tráfico no Centro de Curitiba eram fornecidas por líderes distintos que comandavam o crime em Pinhais e no bairro Cajuru. Nesta região, a PCPR e PMPR cumprem 17 mandados de busca e apreensão e sete mandados de prisão preventiva. 

CAJURU – O gerente operacional que atuava no bairro também distribuía drogas para revendedores finais do município de São José dos Pinhais, na RMC. Seis pessoas são alvos de prisão preventiva e 15 mandados de busca e apreensão serão cumpridos na região. 

PINHAIS – O tráfico era comandado por um indivíduo com antecedentes por tráfico de drogas. Ele foi preso em 2016, com 73 quilos de crack, e estava em liberdade atuando no município e no Centro de Curitiba.  Aqui a PCPR e PMPR miram oito alvos. Três com mandados de prisão preventiva e cinco com mandados de busca e apreensão. 

INVESTIGAÇÕES – No decorrer das investigações foram presas em flagrante 17 pessoas ligadas ao bando, cumpridos quatro mandados de prisão preventiva, uma apreensão de adolescente, apreensão de duas armas de fogo, 173 gramas de cocaína, 2,3 quilos de crack e 4,8 quilos de maconha.

Informações AEN.