CPM 22 anuncia saída do baterista Japinha

A banda CPM 22 anunciou ainda há pouco o desligamento oficial do baterista Japinha.

Em junho, o agora ex-membro teve conversa vazada com menina que disse ter 16 anos. A banda conversou e decidiu pelo desligamento de Japinha, que já estava afastado.

Confira na íntegra:

Ver essa foto no Instagram

BOM DIA FÃS E AMIGOS!!! Por favor, leiam atentamente como se eu tivesse falando e olhando no olho de cada um de vocês!! Em 1995 o Wally me chamou pra montar o CPM que depois se tornaria CPM22. Desde então, isso passou a ser a minha razão de viver, assim como a oportunidade de poder expôr meus ideais, o que acredito, o que me incomoda, o que me deixa feliz, as frustrações, o amor… A banda se tornou profissional, caímos na estrada, foi e está sendo a realização de um sonho, mas com isso, mesmo sendo algo sensacional, vem o desgaste, a convivência e as divergências. Isso é normal, desde que não ponha em risco o principal motivo de estarmos aqui, o CPM22. Cada integrante que saiu da banda, saiu por alguma razão e estamos passando de novo pela mesma situação. Depois de sermos surpreendidos com o teor das questões relacionadas ao nosso baterista Ricardo Japinha, tentamos entender realmente o que significava isso tudo e chegamos à conclusão que esse tipo de conduta NÃO condiz com o que acreditamos e com o que a banda defende. Dito isto, venho aqui comunicar que, após uma conversa franca, entre nós, olho no olho, o Japinha está sendo desligado do CPM22. Nossas decisões sempre foram e sempre serão tomadas para o melhor da banda, como instituição. Todos cometemos erros, mas alguns, infelizmente comprometem uma relação!! Agradecemos de coração e o desejamos sorte!! Quem quiser seguir com o CPM22, vamo com tudo!! Eu amo essa porra, essa banda faz parte de mais da metade da minha vida e às vezes temos que tomar decisões difíceis. Se não tivéssemos enfrentado cada situação, boa ou ruim, com seriedade, não estaríamos completando 1/4 de século de existência!! Bom, é isso, aguardem as novidades!!! Fiquem em paz!! Beijos e abraços!! Badaui

Uma publicação compartilhada por CPM 22 (@cpm22) em

/Foto da matéria: Arquivo Pessoal

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Pokazideia, grupo de rap de Foz do Iguaçu, lança nova música no Spotify

Os fãs de rap têm uma nova música para curtir e escutar quantas vezes quiser, nas plataformas digitais. Formado pelos rappers Sika e Stênio, grupo hip-hop experimental Pokazideia, de Foz do Iguaçu, lançou recentemente no Spotify a música chamada Exú, Jesus & Buda, com a participação especial do também músico Austero.

“O conceito da música vem para trazer um lado de espiritualidade para o momento crítico que estamos vivenciando no mundo. Uma forma de conversar com o nosso público, renovar nossos votos de esperança e sonhos. A proposta é de ser um conforto para as famílias, independente de religião. A faixa é amor e espiritualidade, por isso o nome”, explica o grupo, através de nota oficial.

A música foi gravada no Estúdio O Verbo, em Foz do Iguaçu e contou com a produção, mixagem e masterização do conceituado produtor Faustino Beats, de Salvador-BA. A distribuição digital é da Grave Crew e a arte do artista plástico de Foz do Iguaçu, Pedro Preve.

Você encontra a música Exú, Jesus & Buda no Spotify no link https://open.spotify.com/artist/4H3CVZqxElY4btN2k981aj?si=HEmmE_GSTbKLvdXFxMkYwA. Eles também estão no YouTube e Deezer.

Nas redes sociais como Instagram, Twitter e Facebook você pode seguir o @pkzoficial.

Quando toda essa pandemia do coronavírus passar, você entrar em contato com eles para contratar os shows através do e-mail pkzoficial@gmail.com ou pelo telefone (45) 3526-5213.

Emicida apresenta seu novo show, AmarElo, no Festival de Curitiba

Para um mundo em decomposição, Emicida optou por escrever como quem manda cartas de amor. O resultado desse exercício é o novo projeto de estúdio do rapper paulista, AmarElo, em que ele propõe um olhar sobre a grandeza da humanidade. O público da 29.ª edição do Festival de Curitiba terá o privilégio de ver o artista e sua obra no palco Guairão, dentro da Mostra 2020, no dia 02 de abril.  No repertório estarão as novas canções, como a faixa-título e “Eminência Parda”, além de músicas que marcaram a sua carreira.

Desde que começou a dar os primeiros passos no rap, nas batalhas de freestyle, lá pelo ano de 2006, Leandro Roque de Oliveira, o Emicida, sabia que queria ter uma carreira sólida. Talvez ele não soubesse que construiria alicerces consistentes o suficiente para ir além da sua própria trajetória. Assim, se tornou a principal referência da sua geração no rap, criou, ao lado do irmão, Evandro Fióti, uma empresa – a Laboratório Fantasma -, que é responsável por outros artistas, mas também cuida de merch, tem estúdio, selo, etc. Um negócio tido como case de sucesso e inspiração no mercado da música.  Mas mais do que sucesso, Emicida tem a vontade de tocar a vida das pessoas. E a sua trilha sonora de artista nascido na Zona Norte foi perfeita para contar essa história. Com o lançamento da primeira mixtape, Pra Quem Já Mordeu um Cachorro por Comida Até que Eu Cheguei Longe (2009), Emicida chamou a atenção do público, da imprensa e dos contratantes. O trabalho produzido de forma artesanal e vendido (por ele) a dois reais nas ruas o levou aos principais festivais do Brasil e do mundo, incluindo Rock in Rio, Roskilde (Dinamarca) e Coachella (EUA). Após duas mixtapes e dois EPs, o rapper paulista ganhou notoriedade para além do nicho do rap com o seu primeiro disco de estúdio, O Glorioso Retorno de Quem Nunca Esteve Aqui (2013), que teve participação de Pitty, Wilson das Neves, Tulipa Ruiz, entre outros.

 “Não se trata de um disco simplesmente dedo-na-cara, de cenas cuspidas na cara do ouvinte. Há lucidez, música, e, principalmente, poesia”, afirmou o jornal O Globo na época do lançamento. O mesmo se deu com o sucessor Sobre Crianças, Quadris, Pesadelos e Lições de Casa (2015). Inspirado em uma viagem por Angola e Cabo Verde, trouxe participações de nomes do calibre de Caetano Veloso e Vanessa da Mata. Este foi indicado ao Grammy Latino – a outra indicação de Emicida à premiação foi com a música “A Chapa É Quente”, do projeto Língua Franca (2017), parceria em que ele, Rael e os rappers portugueses Capicua e Valete celebram a língua comum entre os dois países.

Em paralelo, a Laboratório Fantasma deu um passo crucial para a consolidação da marca LAB. Em 2016, estreou na São Paulo Fashion Week, maior evento de moda da América Latina, com um desfile histórico. “Felizmente, o desfile da LAB em nada se parece com o que se vê na SPFW. Só pela seleção de modelões, 90% formada por negros e alguns do mercado plus size, a marca já se destaca”, afirmou o jornal O Estado de S. Paulo sobre a estreia. “Entende-se a beleza de uma maneira pobre, a gente quis enriquecer isso, colocar pessoas que encontro nas calçadas todos os dias. A gente perde quando não reconhece essa beleza”, disse Emicida àquela altura.

A discografia do rapper ganhou um novo episódio em 2018, quando lançou o seu primeiro DVD ao vivo. O registro foi feito no ano anterior, no dia 20 de novembro, Dia da Consciência Negra, e teve como mote os 10 anos do single “Triunfo”. Outros frutos de 2018 foram: o single “Hacia El Amor”, com o duo franco-cubano Ibeyi; e o seu primeiro livro infantil, intitulado Amoras. Em 2019, ano em que a LAB completou 10 anos, Emicida conseguiu olhar pra trás com êxito, mas ainda mira o futuro. Hoje, tem o entendimento do todo que foi feito até aqui: um experimento social que ainda está em construção.

Acompanhe todas as novidades e informações da Mostra 2020 do Festival de Curitiba pelo site www.festivaldecuritiba.com.br, pelas redes sociais disponíveis, no Facebook @fest.curitiba, pelo Instagram @festivaldecuritiba e pelo Twitter @fest_curitiba

Apresentadores, patrocinadores e apoiadores

O Festival de Teatro de Curitiba tem parceiros fundamentais para sua realização e é patrocinado pelo Ebanx, Vivo, Uninter, Renault do Brasil, Electrolux, Banco RCI Brasil, Junto Seguros, Copel – Pura Energia, Sanepar, Governo do Estado e GRASP. O Programa Guritiba é apresentado por New Holland, com patrocínio de Novozymes e Fibracem. O MishMash é apresentado pela Unimed Curitiba e Thales Group, com o apoio da Ritmo Logística. Quem apresenta o Risorama é a Potencial Petróleo, com o patrocínio de Previsul Seguradora, tendo como a cerveja oficial a Cacildis e o apoio de FH Consultoria e Grupo Barigui. As bilheterias do Festival de Curitiba são uma parceria com o ParkShoppingBarigüi e o Shopping Mueller.

FICHA TÉCNICA:

Direção Geral: Emicida e Evandro Fióti
Direção Musical: Julio Fejuca
Cenografia: Zé Carratu
Conteúdo: Studio Curva
Coordenação de Produção: Raissa Fumagalli
Produção Executiva: Lohana Schalken
Produção Técnica: BillSaramiolo
Técnico de PA: Nivaldo Costa
Técnico de Monitor: Flávio Brandão
Iluminador: Dalmir Vianna
Roadie: Gabriel Izidoro
VJ: Leonardo Patrevita.

Banda: Baixo, cavaco e violão – Julio Fejuca. Guitarra, violão baixo e backvocal – Michelle Lemos. Bateria, bateria eletrônica e percussões – Silvanny Sivuca. Toca-discos e backing vocal – Dj Nyack.

Serviço:

O que: Emicida no Festival de Curitiba 2020

Quando: 02/04 às 21h

Onde: Guairão (Praça Santos Andrade)

Valores:  R$ 80,00 (inteira)

Ingressos: www.festivaldecuritiba.com.br, pelo aplicativo “Festival de Curitiba 2020”, e nas bilheterias físicas do ParkShoppingBarigui (Piso térreo próximo à praça de eventos), de segunda a sexta-feira, das 11h às 23h; sábado das 10h às 22h e domingos das 14h às 20h; e no Shopping Mueller (piso L3), de segunda-feira a sábado, das 10h às 22h; domingos e feriados, das 14h às 20h.

Classificação: LIVRE
Duração: 90´