CONVERSARTE 2022 traz Geração Z para o centro dos holofotes

A terceira edição do projeto cultural CONVERSARTE traz a Geração Z – jovens nascidos entre 1995 e 2010 – para o centro das atenções a partir de uma exposição multimídia interativa e um ciclo de debates com nomes que dialogam com esse público. A exposição é gratuita e acontece de 7 de setembro a 5 de outubro, na Praça de Eventos do shopping Pátio Batel, em Curitiba. De 6 a 8 de outubro acontecem os debates. Os ingressos já estão à venda pelo site Disk Ingressos. 

DEBATES
Com mediação de Igor Cordeiro, consultor nas áreas de Políticas Públicas, Sustentabilidade e Cultura, os debates do CONVERSARTE acontecem em um cenário que simula uma gravação de podcast – formato de áudio que está entre os mais consumidos pela Geração Z –, com participação aberta ao público.

No dia 06/10, sobem ao palco do evento para falar dos temas experiência e diversão duas jovens mulheres feministas que se tornaram vozes de uma geração criando conteúdos autorais em formatos despojados, repletos de humor e profundidade. A cantora, compositora, atriz, humorista e roteirista Clarice Falcão se reúne com a escritora, jornalista e youtuber Jout Jout para mostrar que é possível conversar sobre temas densos de forma leve e transformar o mundo dando risada.

No dia 07/10, o tema é conexão e diversidade. A obstinação de um jovem que saiu da periferia e deu voz a ela construindo o maior canal de música da América Latina no YouTube, com bilhões de visualizações, encontra o dom ancestral de uma filha de sambista radicada em Curitiba e que usa sua voz iluminada como instrumento de emancipação. O empresário, diretor e produtor musical Konrad Dantas, mais conhecido como KondZilla, troca uma ideia sobre cultura e arte periférica com a cantora brasiliense e devota do samba Janine Mathias.

No dia 08/10 é a vez de falar sobre propósito e inclusão. Quebrando seus próprios recordes pessoais, eles provam que liberdade e obstinação andam lado a lado com a criatividade. Autodidatas que encontraram seus propósitos de vida ainda na infância, o artista e muralista Eduardo Kobra se une ao skatista profissional, criador de conteúdo e apresentador Lucas Xaparral para uma conversa sobre cultura urbana como elemento transformador de realidades.

Realizado pela Montenegro Produções o CONVERSARTE tem o patrocínio da Britânia, Philco, Sideral Linhas Aéreas e Rumo Logística. A Associação Amigos do HC é a instituição beneficiada pelo projeto e receberá integralmente o valor arrecadado com a venda de ingressos para os debates. 

De acordo com Carolina Montenegro, gestora da Montenegro Produções, a construção do projeto e a pesquisa foram conduzidas por seis valores: propósito, conexão, inclusão, diversidade, experiência e diversão. “A pesquisa aconteceu em 10 meses de trabalho e a terceira edição do projeto mapeia os hábitos, comportamentos e tendências da Geração Z. Essas leituras são representadas artisticamente por meio de uma mostra de arte multimídia, documentário e debates com referenciais dessa geração”, explica. 

EXPOSIÇÃO
O CONVERSARTE 2022 acontece em dois momentos distintos. No primeiro, uma exposição de artes visuais, que será composta por um labirinto de intervenções de arte e tecnologia, proporciona aos visitantes uma imersão nas leituras e olhares particulares da Geração Z. O graffiti foi uma das linguagens escolhidas para interpretar os referenciais desses jovens, que cresceram com liberdade e inspiração para serem diferentes. 

Intervenções em graffiti criadas por cinco artistas mulheres da Geração Z compõem as paredes do espaço expositivo. Com trajetórias já estabelecidas na street art, as artistas Erika Lourenço, Fernanda Rodrigues, Lala Luz, Luciana Gnoatto e Mariê Balbinot – selecionadas sob a curadoria da produtora cultural e designer multidisciplinar Giusy de Luca, fundadora da produtora cultural Mucha Tinta – revelam traços modernos e de fácil trânsito entre as redes sociais e os muros reais.

Telas de diferentes formatos completam a exposição, com materiais audiovisuais criados especialmente para a mostra. Um elenco de cinco jovens atores e atrizes de Curitiba – Loara Gonçalves, Nathalia Garcia, Nathan Milléo Gualda, Pedro Inoue e Renet Lyon – gravou breves monólogos escritos pelo ator, dramaturgo e diretor Nathan Milléo Gualda, que tratam de questões comuns aos jovens dessa geração de forma descomplicada e bem-humorada. Completando a exposição, está uma série de retratos de 15 jovens que representam essa geração feitos pelo fotojornalista curitibano Brunno Covello.

GERAÇÃO Z
Nascidos entre 1995 e 2010 – atualmente com idades entre 12 e 27 anos –, os jovens da Geração Z representam 24% dos brasileiros, com aproximadamente 51 milhões de pessoas. Conectados, inovadores, criativos e envolvidos com questões de sustentabilidade e diversidade, falam o que pensam, ouvem uns aos outros e diluem as barreiras entre consumo e criatividade. Essa geração não tem apego por instituições e cargos, e desejam autonomia para viver as próprias experiências, respeitando seu estilo de vida com propósito.  

PESQUISA
O processo de pesquisa para compor um retrato completo das expectativas, gostos, sonhos e receios desses jovens, conhecidos como nativos digitais, reuniu jornalistas, sociólogos e historiadores sob coordenação do jornalista Cristiano Luiz Freitas, que atua há mais de 20 anos na produção de conteúdo e projetos voltados ao público infantojuvenil. 

Moradores da comunidade Rio Verde, em Colombo, adolescentes da rede pública de ensino municipal e pacientes atendidos pela clínica AMI Terapia Cognitiva, apoiadora do projeto, participaram de oficinas de cinema, música, fotografia, literatura, pintura, literatura e dança e aprenderam na prática como criar dentro dessas linguagens culturais, em atividades norteadas por palavras-chave que definem a Geração Z. O resultado foi uma radiografia humanizada dessa geração em expressões artísticas, agora apresentadas nesta mostra multimídia gratuita. 

CONTRAPARTIDA SOCIAL
Como forma de aproximar idosos dos jovens da Geração Z, o projeto prevê a construção de uma cozinha experimental móvel, que irá circular por instituições sociais e abrigos de idosos durante 6 meses. O objetivo dessa ação é promover a troca de experiências entre os públicos por meio da gastronomia e de receitas tradicionais.

Durante o projeto serão realizadas 10 oficinas criativas de gastronomia, que terão a participação de mil idosos e 500 adolescentes. O resultado desse trabalho será publicado em um livro que ilustra os pontos de conexão dessa geração pela gastronomia.  

SERVIÇO:
CONVERSARTE GERAÇÃO Z
EXPOSIÇÃO GRATUITA DE ARTES VISUAIS

Data: De 7 de setembro a 5 de outubro de 2022
Local: Praça de Eventos do Pátio Batel (Av. do Batel, 1.868 – Curitiba, PR)
DEBATES COM CLARICE FALCÃO, JOUT JOUT, KONDZILLA, JANINE MATHIAS, EDUARDO KOBRA E LUCAS XAPARRAL
Data: De 5 a 8 de outubro de 2022
Local: Praça de Eventos do Pátio Batel (Av. do Batel, 1.868 – Curitiba, PR)
Ingressos: Lote promocional – R$ 20 (inteira) pelo Disk Ingressos.
https://www.diskingressos.com.br/event/3680
https://www.diskingressos.com.br/event/3681
https://www.diskingressos.com.br/event/3682
Informações: (41) 3315-0808
www.montenegroproducoes.com/projeto/conversarte-genz/

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Memória, história e identidade: por que o Patrimônio Histórico-Cultural é responsabilidade também dos jovens

Certa vez, a historiadora Emília Viotti da Costa disse que “um povo sem memória é um povo sem história. E um povo sem história está fadado a cometer, no presente e no futuro, os mesmos erros do passado”. A frase parece refletir uma tragédia constante da sociedade brasileira, mimetizada em episódios como o do incêndio no Museu Nacional, no Rio de Janeiro, ocorrido em 2018. Iniciativas voltadas ao Patrimônio Histórico são tentativas de incentivar a educação patrimonial e a preservação das riquezas materiais e imateriais da sociedade brasileira.

Quando se fala em patrimônio histórico, a imagem que chega imediatamente à mente é a das grandes e imponentes construções que fazem parte da paisagem de muitas cidades brasileiras, mas estão alheias à dinâmica da população em geral. No entanto, o próprio Instituto de Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) atualizou a nomenclatura para patrimônio cultural, o que engloba um conjunto de bens materiais e imateriais. “Esse conjunto inclui tradições, expressões artísticas, rituais, práticas, conhecimentos, obras de arte e construtivas, sítios arqueológicos, espaços paisagísticos, núcleos históricos de determinadas cidades, entre outros”, explica o professor de História e coordenador do Núcleo de Evolução de Conteúdo do Sistema Positivo de Ensino, Norton Frehse Nicolazzi Jr.

De acordo com o especialista, o frequente abandono do patrimônio se deve, em parte, à falta de investimentos na conscientização das novas gerações, mas não apenas. “Na prática, a coletividade não se identifica com o patrimônio quando ele é definido e imposto por órgãos específicos do poder público, sem que haja um diálogo com a sociedade como um todo”, destaca. Para ele, é preciso aproximar o público em geral desse tipo de decisão. Atualmente, no Brasil, quem decide o que deve ou não ser preservado são as agências de fomento cultural (fundações, associações, sociedades culturais, instituições, etc.). “O objetivo é construir uma visão do passado do país, o que pode causar distorções enviesadas da realidade”, salienta.

Patrimônio é identidade

Faz parte do patrimônio cultural de determinada sociedade tudo o que tem importância para a constituição de sua identidade e memória. Por isso é tão relevante trabalhar para que esse patrimônio seja sempre preservado. Assim como afirma Emília Viotti da Costa em sua frase mais famosa, não é possível guardar a história se não há preocupação com a memória.

De acordo com o Iphan, “a Educação Patrimonial constitui-se de todos os processos educativos formais e não formais que têm como foco o patrimônio cultural, apropriado socialmente como recurso para a compreensão sócio-histórica das referências culturais em todas as suas manifestações, a fim de colaborar para seu reconhecimento, sua valorização e preservação”. O órgão ainda destaca a importância de que esse processo de educação seja uma “construção coletiva e democrática do conhecimento”, sempre por meio de uma participação das comunidades que produzem as referências culturais. “O patrimônio cultural pode abarcar tudo o que consideramos que traz contribuições relevantes para a constituição da identidade e da memória da nossa sociedade”, finaliza Nicolazzi.

________________________ 

Sobre o Sistema Positivo de Ensino 

É o maior sistema voltado ao ensino particular no Brasil. Com um projeto sempre atual e inovador, ele oferece às escolas particulares diversos recursos que abrangem alunos, professores, gestores e também a família do aluno com conteúdo diferenciado. Para os estudantes, são ofertadas atividades integradas entre o livro didático e plataformas educacionais que o auxiliam na aprendizagem. Os professores recebem propostas de trabalho pedagógico focadas em diversos componentes, enquanto os gestores recebem recursos de apoio para a administração escolar, incluindo cursos e ferramentas que abordam temas voltados às áreas de pedagogia, marketing, finanças e questões jurídicas. A família participa do processo de aprendizagem do aluno recebendo conteúdo específico, que contempla revistas e webconferências voltadas à educação.

Planeta PUCPR retorna ao presencial em 2022

Depois de dois anos de atividades remotas em razão da pandemia de Covid-19, o Planeta PUCPR, tradicional feira de cursos e profissões da Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUCPR), retorna à presencialidade em 2022. Em Curitiba, o evento será realizado nos dias 23 e 24 de setembro, enquanto em Londrina e em Toledo o Planeta PUCPR está marcado para os dias 06 de outubro e 29 de setembro, respectivamente.

“Há mais de duas décadas o Planeta PUCPR vem ajudando vestibulandos a tomarem melhores decisões sobre o seu futuro. Com o passar dos anos, o evento foi se aprimorando e hoje busca mostrar aos futuros universitários que a PUCPR é um ambiente que fomenta a inovação e valoriza a pluralidade de ideias”, afirma Vidal Martins, vice-reitor da PUCPR.

A PUCPR conta com graduações nas modalidades presencial, semipresencial e EAD (Educação a Distância). A Universidade é considerada a melhor instituição de ensino superior privada do Paraná e uma das melhores do Brasil, de acordo com o ranking da Times Higher Education, revista inglesa referência em Educação.

No Planeta PUCPR, os participantes poderão tirar dúvidas sobre projetos de pesquisa, bolsas, financiamento e internacionalização. 

Multiversidade – A programação do evento inclui sessões de bate-papo com os professores dos cursos, tour pelos câmpus, jogos e atividades interativas, experiências imersivas, apresentações culturais e food trucks. Ainda, serão realizadas oficinas para vivenciar os cursos na prática – em Curitiba, serão mais de 100 oficinas.

“Dizemos que a PUCPR é mais do que uma Universidade: é multiversidade. E se preparar para um futuro multi demanda vivenciar experiências de aprendizagem interdisciplinares e inovadoras, capazes de impulsionar e desenvolver todas as versões dos acadêmicos”, acrescenta Vidal.

A participação no Planeta PUCPR é gratuita, mas é necessário se inscrever previamente pelo site oficial do evento (https://planetapuc.com.br/), onde também estão disponíveis mais informações sobre a feira.

Vestibular – As inscrições do vestibular presencial da PUCPR para ingresso no primeiro semestre de 2023 podem ser realizadas durante o evento com a isenção na taxa de inscrição para o vestibular tradicional e o de Medicina.

Confira os dias e horários:

Câmpus Curitiba

Dia 23 de setembro (sexta-feira), das 13h às 18h, e dia 24 de setembro (sábado), das 9h às 17h

Rua Imaculada Conceição, 1155 – Prado Velho

Câmpus Londrina

Dia 06 de outubro (quinta-feira), das 8h30 às 18h

Av. Jockei Club, 485 – Hípica

Câmpus Toledo

Dia 29 de setembro (quinta-feira), das 8h às 11h30, das 13h30 às 17h e das 19h às 22h

Av. União, 500 – Vila Becker