Conheça os atrativos e passeios da Estrada da Graciosa

A Estrada da Graciosa é considerada uma das mais bonitas do Brasil, e o título não é por acaso. A estrada passa por um trecho preservado de Mata Atlântica, com belíssimas paisagens naturais.

Com 40 km de extensão, a rota atravessa a Serra do Mar, interligando Curitiba às cidades de Morretes e Antonina, no Litoral do Paraná. A rodovia ainda utiliza a velha rota dos tropeiros e liga o litoral à parte alta da serra.

Como chegar à Estrada da Graciosa

O acesso a partir de Curitiba deve seguir 40 km pela BR-116, até chegar ao Portal da Graciosa. Enquanto percorre a estrada o visitante vai ver belas paisagens e muitas curvas sinuosas rodeadas por encostas floridas, cachoeiras, picos e montanhas.

História da Estrada da Graciosa

A construção da Estrada da Graciosa teve início em 1854, no ano da emancipação da Província do Paraná. Sua inauguração aconteceu anos depois, em 1873. A estrada foi a primeira via a servir para o trânsito de pessoas, veículos e animais do Paraná, sendo considerada, por muito tempo, uma das mais importantes estradas do país.

O que ver na Estrada da Graciosa

Em sua extensão, a estrada conta com mirantes, quedas d’água, lanchonetes com produtos típicos e outros pontos que são paradas obrigatórias para registrar belas fotos.

Passeio de trem

O trem parte de Curitiba e corta a Serra do Mar com destino a Morretes. Durante o passeio, os passageiros viverão uma aventura pela Ferrovia Paranaguá-Curitiba, que passa por mais de 70 km de paredões de pedra, túneis, montanhas, represas, pontes e cachoeiras. O passeio é feito pela Serra Verde Express.

Foto: Reprodução

Cachoeiras

Nos recantos da estrada há várias pequenas cachoeiras e, no fim da Serra da Graciosa, tem uma com bons lugares para banho. Ao longo do percurso há várias quedas d’água para aproveitar. Antes de visitá-las, pesquise como chegar em cada uma para não se perder nas trilhas. Todas as cachoeiras da região são gratuitas.

Portal da Graciosa

O portal fica logo na entrada da estrada, antes de descer a Serra da Graciosa, e é um dos cartões postais do local. A construção tem arquitetura característica das missões jesuítas e é ponto de parada da maioria dos visitantes.

Foto: Reprodução – Um casal e duas rodas

Caminho dos Jesuítas

O Caminho Colonial da Graciosa é mais conhecido como Caminho dos Jesuítas. A área liga o primeiro planalto do Paraná ao litoral e é o único trecho original da Estrada da Graciosa ainda preservado, mantendo sua pavimentação em pedras colocadas por escravos.

O caminho foi usado pelos indígenas desde o período pré-colonial e, mais tarde, também foi usado pelos portugueses. Uma de suas atrações é a Casa de Pedra, também conhecida como Casa do Guilherme, Casa do Rio do Corvo ou Casa do Alemão.

Além disso, há sete recantos ao longo da estrada com uma boa infraestrutura, com churrasqueiras, quiosques, lanchonetes e sanitários: Vista Lacerda, Bela Vista, Rio Cascata, Grota Funda, Curva da Ferradura, Mãe Catira e São João da Graciosa.

Mais informações acesse aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Café da manhã em parreiral e uma noite na carroça? Conheça opções de experiências memoráveis na RMC

Viajar, sair, ir. Verbos de conjugação tão aguardada durante a pandemia que deu água na boca. A espera foi igualmente longa na outra ponta dessa estrada, para quem recebe o visitante. E no meio desse caminho, reinventar: uma ação no presente que garantiu o futuro de muitos empreendimentos turísticos e fez nascer iniciativas com foco no turismo de experiência na região chamada Rotas do Pinhão, que compreende Curitiba e boa parte da Região Metropolitana.

“O turismo de experiência já estava no mapa de tendências desde 2018, a pandemia acelerou o processo porque despertou no consumidor a busca por bem-estar”, conta a coordenadora estadual de Turismo do Sebrae/PR, Patrícia Albanez. “Se você vai circular, que seja para se sentir bem”.

Viver experiências memoráveis, conviver com a natureza, conhecer histórias e pessoas são pontos integrantes desse roteiro. E dois aspectos são essenciais, conforme a consultora, para que um serviço seja oferecido como turismo de experiência.

O primeiro é impactar os sentidos. “A gente chega no lugar e já tem um aroma, uma decoração, um conforto auditivo que nos transporta para lembranças. O serviço precisa impactar para que sejam despertadas as boas memórias”, destaca. O segundo, ser inusitado. “É aquela sensação de que você saiu melhor, agregou um conhecimento e tem algo a contar”, explica.

Guiados por essas dicas e todos os cuidados que a pandemia ainda exige, a Agência Estadual de Notícias buscou experiências perto da Capital. Do café da manhã servido sob o parreiral até a hospedagem em uma carroça, não é preciso ir muito longe de Curitiba para se surpreender.

As opções podem ser sazonais, como o piquenique entre os campos de girassol e de camomila, ou estão de portas abertas o ano todo, como a degustação de queijo no local de produção; o passeio pode ser ecológico e urbano, ou ainda noturno para quem puder ir um pouco mais longe até a Lapa. Em comum: em vez de serem criados artificialmente para o turista, nasceram de histórias vividas, contadas de um jeito autêntico e recontadas pelo próprio viajante.

CONHEÇA AS EXPERIÊNCIAS:

CAFÉ NO PARREIRAL

O roteiro começa com um café da manhã debaixo do parreiral. A 35 km do marco zero de Curitiba (Praça Tiradentes), o café rural na Colônia Campina do Taquaral acontece aos domingos dos meses da safra de uva, entre dezembro e fevereiro, ou até que os cachos sejam colhidos na Cantina Zanchetta. Sim, o turismo de experiência vai no ritmo da natureza. A chuva, por exemplo, impediu que o café fosse servido num domingo do começo de janeiro, quando completou o aniversário de 144 anos que Beniamino Zanchetta, da Itália, fincou raízes em São José dos Pinhais.

“A primeira coisa que ele fez foi plantar um parreiral. Então vieram os quatorze filhos e um deles, o José, veio aqui para a colônia em 1902”, conta José Augusto Zanchetta, da quinta geração.

A história da família sempre foi de recomeços sob o parreiral. Fizeram vinho e viram o fim das plantas sugadas pela praga pérola-da-terra e hoje, em um parreiral até pequeno – 700 plantas em 3 mil metros quadrados, colhem vivências memoráveis. “Meu sonho era levar o nome da família no rótulo das garrafas de vinho, optei pela gastronomia e agora usamos a uva como turismo”, resume José Augusto, que abandonou 20 anos na contabilidade para continuar essa história do jeito que ele gosta de resgatar: “Gosto de fazer de um jeito diferente”.

E a ideia que surgiu numa conversa com a esposa Raquel tomando um café exatamente no parreiral se transformou em café farto de produtos dali das colônias servido ao som de gaita e violão; e está previsto pelos próximos sábados e domingos até o início de fevereiro.

Caso não dê tempo de chegar, a família oferece “polenqueta” (receita do nono) aos sábados e almoços italianos aos domingos. Ao longo do ano, mais experiências devem acontecer: após a colheita, o “amassar uva com o pé” e o retorno previsto do “merendim”, espécie de lanche sob o parreiral; de maio a julho, o empreendedor divide com o público dará início ao projeto “Meu pé de parreira”, que permite ao cidadão cuidar da sua própria safra de uva.

Onde: Colônia Campina do Taquaral, São José dos Pinhais

Quando: dezembro a fevereiro (sob consulta)

Ao redor: paisagem rural, cicloturismo, atrativos do Circuito Ecoturístico Taquaral

Contato: (41) 99965-5494 – @cantinazanchetta (Instagram)

Foto: Divulgação

DEGUSTAÇÃO DE QUEIJOS

Seguindo em direção a outra rota de colônias de São José dos Pinhais, o Caminho do Vinho, o protagonista da experiência é o queijo. Na Queijaria Sapori Italiani, a degustação orientada surgiu do incentivo de falar sobre a história do casal Carla e Antônio, a herança italiana de produzir queijos artesanais, visitando a área externa e saboreando alguns dos onze tipos de queijo que fabricam. Afeto e conhecimento unidos.

“A degustação surgiu como um incentivo na jornada que participamos. Queremos representar nossa região turística rural e sua bacia leiteira levando qualidade de vida em forma de queijo”, afirma a proprietária Carla Gualano. A queijaria fica aberta ao público para vendas e visitas de rotina.

Onde: Colônia Mergulhão, São José dos Pinhais

Quando: quintas e sextas, 19h (com reserva)

Ao redor: paisagem rural e todos os atrativos do Caminho do Vinho

Contato: (41) 99784-8684 – @queijariasaporiitaliani (Instagram)

PIQUENIQUE ENTRE CAMOMILAS OU GIRASSÓIS

De carro, caminhando ou de bicicleta, a rota de acesso à Colônia Marcelino, em São José dos Pinhais, é de contemplação e bem “instagramável”. Ali campos de girassol e de camomila foram além da agricultura e de belas fotos e se tornaram o cenário de uma experiência aromática cheia de delícias produzidas na colônia e oferecidas em toalha xadrez pela família Ienkot.

O “novo olhar para a contemplação”, como define Patricia Albanez, do Sebrae, tem foco em explorar a vivência do espaço rural. “As pessoas querem ter algo a contar e a experiência do piquenique une o aspecto da produção e do turismo sem ser conflitante”, destaca.

A iniciativa partiu das filhas de Martinho Ienkot, que são a quinta geração da família de origem polonesa que há 30 anos se dedica a plantar e colher camomilas. “A ideia surgiu em decorrência da pandemia, quando um cliente se interessou em fazer um piquenique em meio ao campo de camomilas. Começamos a amadurecer a ideia para remodelar o nosso café colonial e trabalhar com o turismo de experiência”, conta Mônica Ienkot.

As camomilas estarão floridas de agosto a setembro e dão nome ao Circuito da Camomila ou Caminho das Camomilas, que une os maiores produtores de camomila do ranking nacional: Mandirituba e São José dos Pinhais. Mas não é mais preciso esperar tanto para um piquenique florido. Neste ano, um campo de girassóis é o cenário até fevereiro. Você pode levar seu lanche ou optar pela experiência completa em cestas que, só para dar mais vontade, incluem produtos que levam a camomila ou o girassol como ingrediente. 

Onde: Colônia Marcelino, em São José dos Pinhais

Quando: florada de girassol, de janeiro a fevereiro; camomila, agosto a setembro

Ao redor: paisagem rural e demais circuitos da Rota das Colônias

Contato: (41) 98759-6704 – @familia.ienkot (Instagram)

HOSPEDAGEM NA CARROÇA

A 35 km de Curitiba, indo pela PR-090 ou Rodovia do Cerne, está Bateias, distrito de Campo Largo que leva o nome das peneiras usadas na exploração do ouro, para encontrar uma hospedagem carregada de história. A própria estrada, entre curvas e beleza bucólica, iniciou por caminhos abertos pelo ouro em meados do século XVI e, inaugurada em 1940, permitiu o escoamento do café do Norte paranaense para o Porto de Paranaguá e não mais para o de Santos, unindo o Norte e o Sul do Estado.

Por mais de vinte anos, caminhões e carroças coexistiam em um trânsito vigoroso. Hoje as carroças estão guardadas nas lembranças ou em alguns quintais, mas uma delas virou quarto com cama queen size, teto com vista para as araucárias, porta para o Morro das Endoenças e com trilha sonora composta pelo canto dos pássaros e pelo barulhinho da água.

A Il Carrello é uma adaptação contemporânea no estilo glamping (camping com conforto). “A carroça é o elo entre dois elementos: a paisagem e a história dos imigrantes de Bateias, porque todas as etnias a usavam. Pensei em como deixar ela mais funcional do que meramente decorativa. Pesquisando sobre a imigração local, vi que os colonos do Paraná no Sul utilizavam a carroça coberta”, diz o empreendedor Rogério Oliveira.

Filho, neto e bisneto de professoras, ele conta que voltou do Equador, onde atuava na área de direitos humanos, assim que a pandemia da Covid-19 foi anunciada e passou a reescrever sua própria história. Ali na propriedade a mãe e a avó ensinaram muitos membros das famílias pioneiras na casa que funcionava como escola isolada. O que ficou da casa, como móveis, fotografias e até os livros de chamada, vai recarregar de significado os novos espaços que vão, aos poucos, dar forma ao projeto “Ravi”, com três cabanas temáticas (italiana, portuguesa e polonesa) e uma casa do Império brasileiro.

A ligação com a comunidade é a força motriz da hospedagem. “A ideia é que o turista passe o dia aproveitando o que a região oferece de turismo rural e ecológico. Que eu seja só um agente para trazer o turista. Que esse investimento inicial, mesmo que pequeno, tenha um efeito multiplicador criando uma rede de contatos com o comércio, o artesanato, os produtores, restaurantes e cafés locais”, destaca Oliveira.

Onde: Distrito de Bateias, Campo Largo

Quando: em construção, previsão de hospedagem para este inverno

Ao redor: morros e trilhas, Estância Ouro Fino, cafés e restaurantes, Vinícola Legado; ligação com Campo Magro

Contato: (41) 99115-2549

Hospedagem na carroça – Beteias, Campo Largo –

ARQUITETURAS DA LAPA

Se a opção for urbana e puder ir mais longe, a 70 km da Capital ficam as fachadas da cidade histórica da Lapa. Uma viagem no tempo que pode ficar mais memorável conhecendo de perto seus detalhes por meio do projeto “Arquiteturas da Lapa”.

O designer e historiador Leônidas Bueno propõe uma aula a pé a céu aberto diurno ou noturno. “O tour noturno ganha um ar mais bucólico com as luzes amareladas da cidade. A ideia não inclui os museus, é um passeio pelas ruas e pela arquitetura, onde vou contando sobre a formação e construção da cidade por meio da arte da arquitetura”, explica.

O público-alvo é formado por pequenos grupos familiares, de estudantes de Arquitetura e Urbanismo e cursos afins. O tour pode incluir pousada e uma pausa em restaurante ou confeitaria da cidade.

Onde: Lapa

Quando: ano todo, sob consulta

Ao redor: museus e demais atrativos do município histórico

Contato: (41) 99663-0952 – https://leondbueno.wixsite.com/website

Foto: Divulgação

ECOLOGIA URBANA

Se a opção for passear pela Capital, o roteiro pode ser ecológico e urbano ao mesmo tempo. Entre as “ekovivências” desenvolvidas pela turismóloga Amanda Selivon, o projeto “Cidade Sustentável” acontece em Curitiba e pode incluir visita a cooperativa de reciclagem, ao parque com práticas sustentáveis, almoço ecogastronômico, visita ao Museu de História Natural, a hortas urbanas e até pontos de compras com foco no consumo consciente.

“O roteiro é vivo. Ele pode ser desenhado conforme o desejo do grupo”, explica a empreendedora da Ekoways, que costuma atender escolas e turistas internacionais e deseja despertar o interesse de quem mora em Curitiba e região ou vem passar uns dias por aqui.

Onde: Curitiba

Quando: ano todo, sob consulta

Ao redor: roteiro personalizado com guia e locomoção

Contato: (41) 99996-9772 – @ekowaysturismo (Instagram)

ROTAS DO PINHÃO – As experiências foram inseridas no mapa ou aprimoradas durante a primeira edição da Jornada Experiências Rotas do Pinhão, promovida pelo Sebrae/PR para o Programa de Desenvolvimento Produtivo Integrado da Região Metropolitana de Curitiba – Pró-Metrópole e ofertada gratuitamente aos empresários do setor. A região chamada Rotas do Pinhão é uma das quinze em que o Estado é organizado e compreende Curitiba e grande parte da Região Metropolitana (RMC) com vocação para o turismo cultural, rural e o ecoturismo numa convivência do ritmo da metrópole com o bucolismo ao redor.

O contato com a natureza pode acontecer pertinho de casa e foi o que, durante a pandemia, atraiu muita gente a passeios pelos municípios da RMC. De acordo com o secretário do Estado do Desenvolvimento Sustentável e do Turismo, Márcio Nunes, a pandemia mudou o formato da procura pelo turismo pelas pessoas. “A pandemia nos mostrou uma outra forma de promoção do turismo. O setor que mais vai crescer no país e no mundo é o de grandes negócios ligados à natureza e o Paraná tem muito potencial nessa área”, diz.

Somente em Unidades de Conservação, são 1,2 milhão de hectares cobertos por opções de lazer. “Ao redor dos principais atrativos, existem as comunidades que ofertam o turismo rural, com pousadas e café colonial, além do contato com tudo o que a natureza oferta, como os pássaros, por exemplo”, afirma.

O trabalho em favor do turismo regionalizado é tripartite: poder público, iniciativa privada e sociedade organizada. O presidente da Agência de Desenvolvimento Turístico (Adetur) da região Rotas do Pinhão, Eros Consentino Tozetto, frisa a importância do mapeamento do turismo por região. “Cada cidade tem um produto ou uma vocação turística a oferecer, mas o olhar deve ser integrado. A política do turismo é regionalizada, não trabalha em cidades de modo isolado”, afirma.

Você pode conferir mais opções de turismo de experiência no caderno da Jornada de Experiências, lançado em novembro de 2021.  

Shopping inaugura pista de patinação no gelo em Curitiba

Verão com pista de patinação no gelo em Curitiba! O Jockey Plaza Shopping inaugura o Vikings no Gelo, a maior pista de patinação no gelo já instalada na capital

Os interessados podem escolher entre patins e trenó. O ingressos estão à venda na bilheteria do local a partir de R$ 28 de acordo com a modalidade escolhida.

A pista de patinação é direcionada para todos acima de 5 anos, mas o espaço oferece opções para todas as idades.  Os pequenos de 2 a 5 anos podem aproveitar o passeio de trenó, guiado pelos instrutores que os leva num divertido circuito pela pista de gelo.

Além disso, a partir do dia 5 de fevereiro a pista irá receber shows de patinação toda sexta-feira às 19h com duração de 10 minutos.

O espaço ainda conta com aulas de patinação aos sábados. Os interessados devem fazer a inscrição com antecedência através do e-mail marketing@jockeyplaza.com.br ou WhatsApp (41) 3216-1642.

Serviço:

Endereço:Jockey Plaza Shopping – Rua Konrad Adenauer, 370, no Tarumã

Data: até dia 21 de março – de segunda a sexta, das 11h às 23h; sábados, das 10h às 23h; domingos e feriados, das 11h às 22h.

Ingressos: 30 minutos: R$ 48; 1 hora: R$ 60; Trenó 5 minutos: R$ 28; Tempo adicional: R$ 35, com duração de 30 minutos – válido antes da retirada do kit de segurança.