Conheça os atrativos e passeios da Estrada da Graciosa

A Estrada da Graciosa é considerada uma das mais bonitas do Brasil, e o título não é por acaso. A estrada passa por um trecho preservado de Mata Atlântica, com belíssimas paisagens naturais.

Com 40 km de extensão, a rota atravessa a Serra do Mar, interligando Curitiba às cidades de Morretes e Antonina, no Litoral do Paraná. A rodovia ainda utiliza a velha rota dos tropeiros e liga o litoral à parte alta da serra.

Como chegar à Estrada da Graciosa

O acesso a partir de Curitiba deve seguir 40 km pela BR-116, até chegar ao Portal da Graciosa. Enquanto percorre a estrada o visitante vai ver belas paisagens e muitas curvas sinuosas rodeadas por encostas floridas, cachoeiras, picos e montanhas.

História da Estrada da Graciosa

A construção da Estrada da Graciosa teve início em 1854, no ano da emancipação da Província do Paraná. Sua inauguração aconteceu anos depois, em 1873. A estrada foi a primeira via a servir para o trânsito de pessoas, veículos e animais do Paraná, sendo considerada, por muito tempo, uma das mais importantes estradas do país.

O que ver na Estrada da Graciosa

Em sua extensão, a estrada conta com mirantes, quedas d’água, lanchonetes com produtos típicos e outros pontos que são paradas obrigatórias para registrar belas fotos.

Passeio de trem

O trem parte de Curitiba e corta a Serra do Mar com destino a Morretes. Durante o passeio, os passageiros viverão uma aventura pela Ferrovia Paranaguá-Curitiba, que passa por mais de 70 km de paredões de pedra, túneis, montanhas, represas, pontes e cachoeiras. O passeio é feito pela Serra Verde Express.

Foto: Reprodução

Cachoeiras

Nos recantos da estrada há várias pequenas cachoeiras e, no fim da Serra da Graciosa, tem uma com bons lugares para banho. Ao longo do percurso há várias quedas d’água para aproveitar. Antes de visitá-las, pesquise como chegar em cada uma para não se perder nas trilhas. Todas as cachoeiras da região são gratuitas.

Portal da Graciosa

O portal fica logo na entrada da estrada, antes de descer a Serra da Graciosa, e é um dos cartões postais do local. A construção tem arquitetura característica das missões jesuítas e é ponto de parada da maioria dos visitantes.

Foto: Reprodução – Um casal e duas rodas

Caminho dos Jesuítas

O Caminho Colonial da Graciosa é mais conhecido como Caminho dos Jesuítas. A área liga o primeiro planalto do Paraná ao litoral e é o único trecho original da Estrada da Graciosa ainda preservado, mantendo sua pavimentação em pedras colocadas por escravos.

O caminho foi usado pelos indígenas desde o período pré-colonial e, mais tarde, também foi usado pelos portugueses. Uma de suas atrações é a Casa de Pedra, também conhecida como Casa do Guilherme, Casa do Rio do Corvo ou Casa do Alemão.

Além disso, há sete recantos ao longo da estrada com uma boa infraestrutura, com churrasqueiras, quiosques, lanchonetes e sanitários: Vista Lacerda, Bela Vista, Rio Cascata, Grota Funda, Curva da Ferradura, Mãe Catira e São João da Graciosa.

Mais informações acesse aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Terceiro mais antigo do Brasil, Museu Paranaense comemora 145 anos com programação especial

Uma das instituições culturais mais importantes do Paraná e o terceiro mais antigo do Brasil, o Museu Paranaense (Mupa) completa 145 anos neste mês de setembro. É quase um centenário e meio de intensa pesquisa científica, cuidado, conservação e formação de um acervo que hoje possui aproximadamente 800 mil itens, constituindo um dos mais importantes da América Latina.

Ao longo de sua história, o Museu Paranaense já passou por diversas transformações: de instituição privada para pública; foi formado por áreas como geologia, mineralogia, botânica e paleontologia, e mudou de sede sete vezes.

Apesar de todas essas mudanças, sempre manteve seu compromisso em comunicar aos visitantes a diversidade e a riqueza dos povos, fauna e flora, bem como a história paranaense e brasileira. Atualmente, além dos eixos temáticos História, Arqueologia e Antropologia, o Mupa abre espaço para outras narrativas, criando conexão entre as ciências e a arte.

Em comemoração à data, o museu preparou uma programação ampla e diversificada para o público de todas as idades. Todas reforçam a proposta de valorização do seu acervo, que está em contínuo processo de atualização.

Confira a agenda:

Lançamento do Web Aplicativo do Jardim do Museu Paranaense

A área externa do Mupa é formada por um conjunto florístico e entomológico de grande interesse dos visitantes. O Web App será uma ferramenta para promoção da preservação das espécies vegetais e de insetos e contribuirá para uma experiência mais efetiva com a natureza. Lançamento dia 25 de setembro no site e redes sociais do museu.

Palestras sobre representatividade negra em museus etnográficos e históricos

A primeira mesa-redonda será “Acervos Afro-Diaspóricos, Decolonialidade e Museus histórico-antropológicos: restituição, exposição e outras discussões”, com as pesquisadoras Bruna Amaro, Renata da Silva Cardoso e Yumei Morales Labañino. Ainda sobre a questão relacionada à representatividade em museus, o encontro tem por objetivo pensar as culturas materiais e as representações sobre o afro-brasileiro em museus tanto no Brasil como no Exterior. A mesa será no dia 30 de setembro, às 19h.

A segunda mesa abordará “Representatividade negra nos museus: silenciamentos, questionamentos e reinvenções”, contará com a participação de duas importantes curadoras brasileiras, Keyna Eleison e Diane Lima. As convidadas farão análises críticas da relação entre museus e a racialização de seus espaços e acervos. A atividade ocorrerá em outubro.

Visitas mediadas à exposição Ephemera/Perpétua

De 20 a 30 de setembro, o público é convidado a conhecer mais de perto a história do Museu Paranaense, seu acervo e pesquisadores históricos, em visitas mediadas à exposição Ephemera/Perpétua, mostra de longa duração inaugurada em 2019.

Interdisciplinar, Ephemera/Perpétua estrutura-se por uma miríade de narrativas relacionadas à pesquisa científica, culturas, tempo e memória. Formada por um conjunto de mais de 180 objetos do acervo do Mupa e de outras coleções, a exposição permite que o brilhantismo de pesquisadores como Frederico Lange de Morretes, Günther Tessmann, Jesus Moure, Per Karl Dusén, Reinhard Maack, Vladimir Kozák e Wanda Hanke se destaque na mesma sintonia contemporânea da arte de Paulo Vivacqua, artista convidado que preparou uma obra especial e exclusiva para a exposição.

As visitas contarão com atividades especiais e serão realizadas com pequenos grupos. Será necessário agendamento prévio para a participação.

25/09 – mediação com ação educativa, mesas e cadeiras no espaço coberto. Crianças de até 12 anos acompanhadas por adultos. Das 10h às 11h30.

25/09 – mediação com jogos, faixa etária livre. Das 14h30 às 16h.

28/09 – mediação com jogos, faixa etária livre. Das 10h às 11h30.

30/09 – mediação com ação educativa, mesas e cadeiras no espaço coberto. Crianças de até 12 anos acompanhadas por adultos. Das 14h às 15h30.

Quantidade máxima de participantes: 12 pessoas.

Apresentação do Quinteto de Sopro da Orquestra Sinfônica do Paraná no jardim do Mupa

No mês de outubro, as celebrações de aniversário do Mupa continuam com um evento especial. O jardim do museu receberá o Quinteto de Sopro da Orquestra Sinfônica do Paraná para uma apresentação ao ar livre, aberta ao público. Continue acompanhando o site e redes sociais do Mupa para saber mais detalhes.

Acompanhe a agenda completa no site e redes sociais do museu:

Instagram: @museuparanaense

Facebook: / Museu Paranaense

www.museuparanaense.pr.gov.br

3 lugares para acampar perto de Curitiba

O Busão preparou uma lista com três sugestões de lugares para acampar que ficam próximos de Curitiba. Os locais são ideias para quem quer descansar e se divertir em meio a natureza. Confira a lista:

1 – Recanto dos Papagaios (Palmeira)

Em Palmeira, cidade localizada a 50km de Curitiba, há um parque totalmente gratuito que oferece diversas atividades na natureza. No Recanto dos Papagaios é possível tomar banho de rio, piscina natural, fazer trilha, pescar, conhecer cachoeiras e relaxar! No recanto há churrasqueiras e banheiros que podem ser utilizados pelos frequentadores. No local também fica a Ponte dos Papagaios, construída no século XIX, quando o Imperador Dom Pedro II visitou as terras paranaenses.

*(Foto: Rede Clima)

2 – Ilha de Superagui (Guaraqueçaba)

No litoral norte paranaense, fica localizada a linda e preservada Ilha de Superagui. Na ilha, há uma pequena vila de pescadores nativos. A partir da vila, o visitante pode conhecer a A Trilha da Lagoa, de 3km de extensão, onde é possível encontrar inúmeras espécies de aves e outros animais, que são ameaçados de extinção ou que só existem na Mata Atlântica. A praia deserta de Superagui, pode ser inteiramente percorrida a pé ou de bicicleta. A Ilha contém diversos lugares para se conhecer, todos ligados à natureza. Na região, há vários campings e o visitante também pode  acampar em meio a natureza.

Foto: Viaje Paraná

3 – Recanto Saltinho

Localizado em Tijucas do Sul, a 75 km da capital, o Recanto Saltinho é uma ótima opção para quem deseja descansar! O local também é ideal para passeios em meio a natureza e um delicioso mergulho na cachoeira. Dica para aproveitar os dias de calor! 

Reprodução site Me Leva Viajar