Complexo Turístico Itaipu é finalista em premiação internacional de turismo responsável

O Complexo Turístico Itaipu (CTI) é um dos finalistas da primeira edição do prêmio WTM Latin America Responsible Tourism Awards, a versão latinoamericana do prêmio mundial World Responsible Tourism Awards, que já acontece há 15 anos, em Londres.

O prêmio é uma das mais importantes referências em turismo responsável e sustentável para o mundo e reconhece os melhores esforços pelo desenvolvimento do setor.

 Crédito: Kiko Sierich/Complexo Turístico Itaipu.

O resultado da premiação será anunciado nesta quinta-feira (29), às 14h (de Brasília), com transmissão on-line na plataforma WTM Global Hub (https://www.wtm.com/latin-america/pt-br.html). A primeira edição do evento contou com 53 inscritos de todas a América Latina. Para a fase final foram selecionados 13 destinos.

Além do Complexo Turístico Itaipu, são finalistas nessa premiação: Awake Travel (Colômbia), Awamaki (Peru), Brasil Food Safaris (Brasil), Corredor Turístico Pájaros Pintados (Uruguai), Expediciones Sierra Norte, Pueblos Mancomunados (México), Fundación Teatro del Lago (Chile), Instituto Costarricense de Turismo (Costa Rica), La Mano del Mono (México), Puntacana Resort & Club (República Dominicana), Reserva Biológica Huilo Huilo (Chile), Sitios WAO (Venezuela) e Travolution (Chile).

Para a seleção dos finalistas do WTM Latin America Responsible Tourism Awards foram considerados vários critérios: ações do turismo para promover o desenvolvimento local sustentável; a capacidade de transformar os destinos em lugares melhores para as pessoas morarem e visitarem; atuar em prol da mudança, tornando o turista um agente de criação de empregos locais qualificados; e a contribuição para a preservação cultural e a sustentabilidade da indústria no longo prazo.

Segundo o general Eduardo Garrido, diretor-superintendente do Parque Tecnológico Itaipu (PTI-BR), responsável pela administração do CTI, é uma grande honra estar entre os 13 finalistas do prêmio da WTM Latin America.

“Estar na final é resultado do modelo de gestão que estamos operando no CTI, com foco no turismo responsável e sustentável”, afirma Garrido. “A receita obtida com nossos visitantes garante o pagamento do nosso custo operacional e permite ao Parque Tecnológico direcionar recursos para ciência, tecnologia, empreendedorismo e inovação. Esse reconhecimento internacional possibilita visibilidade ao nosso atrativo e contribuirá para a retomada dos empregos em Foz do Iguaçu, em níveis anteriores à pandemia que atingiu o mundo, desde o ano passado”, diz o diretor.

 Crédito: Kiko Sierich/Complexo Turístico Itaipu.

Investimentos e premiações

O CTI está sendo reestruturado desde o ano passado com investimento em obras de infraestrutura, como a revitalização do Mirante do Vertedouro, Mirante Central, Centro de Recepção de Visitantes e Ecomuseu, proporcionando melhorias em acessibilidade, conforto e embelezamento.

Também está investindo em um novo passeio da Visita Histórica. Trata-se de um novo circuito turístico que vai ligar o futuro Mercado Municipal de Foz do Iguaçu ao Gramadão da Vila A e à Usina, com paradas em pontos históricos que remetem à época da construção de Itaipu, como o Hospital Ministro Costa Cavalcanti e a Vila C.

Em 2020, o CTI recebeu o Selo Travellers’ Choice – TripAdvisor. Esse prêmio, baseado em milhões de avaliações de viajantes internacionais, reflete “o melhor dos melhores” em serviço, qualidade e satisfação do cliente para acomodações, destinos, atrações, restaurantes e experiências.

Também recebeu recertificação da ISO 9001:2015. O CTI foi o primeiro atrativo turístico do Brasil a obter a certificação ISO 9001, que comprova a implantação de um sistema para gerir e manter a qualidade do serviço prestado aos visitantes.

A Itaipu

Com 20 unidades geradoras e 14 mil MW de potência instalada, a Itaipu Binacional é líder mundial na geração de energia limpa e renovável, tendo produzido, desde 1984, 2,7 bilhões de MWh. A hidrelétrica é responsável pelo abastecimento de aproximadamente 15% de toda a energia consumida pelo Brasil e de 90% do Paraguai.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Usina hidrelétrica de Itaipu atinge marca de 50 milhões de MWh gerados em 2021

Em plena crise hídrica, a usina hidrelétrica binacional de Itaipu atingiu no último sábado (9), a marca de 50 milhões de megawatts-hora (MWh) gerados este ano. O volume de energia seria suficiente para abastecer o planeta Terra por 19 horas, o Brasil por um mês e sete dias e o Paraguai por dois anos e 11 meses, informou a usina.

O índice de produtividade média anual da Itaipu está, até o momento, em 1,0977 megawatt médio por metro cúbico por segundo (MWméd/m³/s), o melhor índice anual da história da usina. Em julho, a binacional tinha batido o recorde de produtividade mensal, com 1,1221 MWméd/m³/s.

“Em ano de seca histórica, Itaipu está operando com eficiência máxima”, disse em nota o diretor-geral brasileiro de Itaipu, general João Francisco Ferreira, que destacou o alto índice de produtividade de Itaipu.

A produtividade é um índice calculado pela relação entre a quantidade de energia gerada e a vazão turbinada (o volume de água que passou pelas unidades geradoras, medido em metros cúbicos por segundo). É diferente da produção, que significa a quantidade absoluta de energia gerada em um determinado período de tempo (por exemplo, os 50 milhões de MWh produzidos desde o início do ano até agora).

O Brasil passa pela maior crise hídrica dos últimos 91 anos, com o nível dos seus principais reservatórios de hidrelétrica operando em níveis reduzidos, principalmente no subsistema Sudeste/Centro-Oeste, responsável por 70% da geração hidrelétrica do País.

Nesta segunda, 10, o subsistema Sudeste/Centro-Oeste operava com armazenamento de 16,6%, enquanto o subsistema Sul, onde está localizada Itaipu, registrava armazenamento de 32,8% no final do dia.

Com investimento da Itaipu, Projeto Trilha Jovem terá 300 participantes em 2022

Número de alunos será o dobro do atual. Anúncio foi feito em cerimônia de encerramento da turma de 2021, nesta terça-feira (14)

O Projeto Trilha Jovem terá 300 participantes na edição do ano que vem, o dobro de alunos que participaram este ano. O anúncio foi feito na tarde de terça-feira (14), durante a cerimônia de encerramento da turma de 2021. No evento, o 1º Workshop de Empregabilidade Jovem, 12 participantes puderam apresentar o que aprenderam ao longo de cinco meses de qualificação profissional. A Itaipu é apoiadora do projeto.

A cerimônia aconteceu na sede da Associação Comercial e Empresarial de Foz do Iguaçu (Acifi) com transmissão pela internet para cerca de 50 pessoas, entre participantes do Trilha, profissionais de entidades parceiras, gestores de RH e empresários. Representaram Itaipu o gerente da Divisão de Iniciativas de Responsabilidade Social (RSIR.GB), Adriano Hamerschmidt, e o gestor do convênio com o Trilha Jovem, Rodrigo Cupelli, da Divisão de Educação Ambiental (MAPE.CD).

“Itaipu está sempre disposta a investir em projetos que trazem resultados para a população. E este, com certeza, traz muitos resultados”, resumiu Hamerschmidt, que falou em nome do diretor-geral brasileiro, general João Francisco Ferreira. “O Trilha tem essa característica de trazer ao jovem a oportunidade de crescimento pessoal e profissional. Ele deixa um legado à cidade, o legado da educação”, complementou Cupelli.

Participaram da 12ª edição do Trilha Jovem 150 estudantes de 16 a 24 anos em quatro áreas de formação: turismo e atendimento, hospedagem, eventos e comércio. Desde que o projeto foi criado, 1.670 jovens foram capacitados para ingressar no mercado de trabalho – 60% conseguiram uma inserção profissional e, para muitos deles, o primeiro emprego.

“Eu tive a sorte de ser contratado por minha própria professora do Trilha”, lembra o presidente do Conselho Municipal do Turismo (Comtur) e do Complexo Turístico Itaipu (CTI), Yuri Benites, que participou da primeira turma, em 2006. “Vocês precisam aproveitar essa oportunidade para criar um futuro melhor para vocês, suas famílias, seus filhos e netos.”

Segundo Fernanda Fedrigo, presidente do Instituto Polo Internacional Iguassu, entidade promotora do Trilha Jovem, o sucesso do projeto se deve, principalmente, ao esforço dos participantes, mas também ao patrocínio das empresas. “A Itaipu apoia o projeto desde o início, porque ela percebeu seu potencial e seus resultados”, afirmou.

Ao final das apresentações, o coordenador geral do Capacita Foz, Lee Chih Li, fez um resumo sobre o projeto, patrocinado pela Itaipu Binacional, que tem o objetivo de apoiar os profissionais do turismo de Foz do Iguaçu por meio de treinamentos e com o fornecimento de uma bolsa mensal de R$ 550 durante os três meses do curso. O objetivo é capacitar 2.250 pessoas nos próximos dois anos.

Participantes

Gabriel Garcia Rocha, 17 anos, estava se sentindo perdido quando chegou a Foz do Iguaçu, há sete meses, vindo de Viamão (RS) com a família. Foi quando ele viu num jornal da cidade a propaganda do Trilha Jovem. “Eu precisava começar uma carreira e, hoje, posso dizer que o projeto mudou a minha vida. Sei que vai mudar a vida de muitos outros jovens”, contou Gabriel, participante da turma de Eventos.

Já Higor Josue Almeida Chagas, 19, buscou orientação na figura paterna do coordenador do Programa de Iniciação e Incentivo ao Trabalho (PIIT) da Itaipu, Vinícius Ortiz, quando participou do programa, em 2018. “Ele tinha me sugerido participar do Trilha e, de início, não dei muita bola. Depois avaliei com calma e fiz a inscrição. Entrar no Trilha Jovem foi, com certeza, a melhor escolha que fiz na vida”, afirmou Higor, que participou da turma de Turismo e Atendimento.

Para sua colega de turma, Franciele Gobi, 21, o treinamento ajudou muitos jovens, especialmente, a vencer a timidez. “No início, a gente tinha muita vergonha de se expressar, o professor perguntava algo e a gente não respondia, por timidez. Graças ao Trilha, nós ganhamos confiança para manifestar nossa opinião, eu não conseguiria estar aqui agora, fazendo essa apresentação, se não tivesse feito o curso”, disse.

Ter confiança para interagir com o público facilita a entrada dos jovens no mercado de trabalho, mas não é a única qualidade procurada pelas empresas. “O mais importante é o comprometimento com o trabalho. Nós buscamos saber quais são os valores dos jovens, se eles batem com os nossos. Então, chamamos para a entrevista”, explica a analista de RH do Grupo Muffato, Cassia Macente, que acompanhou o workshop presencialmente. Só em Foz do Iguaçu, a rede de supermercados tem sete lojas, com cerca de 190 funcionários cada.