Como Curitiba se tornou a cidade mais empreendedora do Brasil

Curitiba foi eleita, pelo Ranking Connected Smart Cities 2021, a cidade mais empreendedora do Brasil. Os resultados do estudo foram divulgados na manhã desta quarta-feira (1º/9) no evento Connected Smart Cities e Mobilidade, que acontece até sexta-feira, em São Paulo.

O ranking é o maior estudo de cidades do país e tem como objetivo definir os municípios com maior potencial de desenvolvimento do país e está em sua sétima edição.

Como Curitiba se tornou a cidade mais empreendedora do Brasil. Foto: Valdecir Galor/SMCS

O mapeamento, que está em sua sétima edição, avaliou 677 municípios com mais de 50 mil habitantes em todo o País, analisados em 70 indicadores, divididos em 11 eixos: mobilidade, urbanismo, meio ambiente, energia, tecnologia e inovação, economia, educação, saúde, segurança, empreendedorismo e governança.

No quesito “Empreendedorismo”, Curitiba subiu da quinta para a primeira posição em relação ao ranking do ano passado (2020) e ficou pelo terceiro ano consecutivo com o 1º lugar na categoria “Urbanismo”. Na avaliação geral do Ranking Connected Smart Cities, a capital paranaense foi eleita a 3ª cidade brasileira mais inteligente e conectada do país, também nesta posição pelo terceiro ano consecutivo.

Como Curitiba se tornou a cidade mais empreendedora do Brasil. Foto: Ricardo Marajó/SMCS

Programas

Conheça as principais ações da Prefeitura que contribuíram para Curitiba ser eleita a cidade mais empreendedora do Brasil.

  • Curitiba tem 527 atividades enquadradas na Lei de Liberdade Econômica, que desde 2020 dispensa alvarás e licenças para abertura de empresas. É a capital com maior número de atividades incluídas na lei, mais que o dobro da média do Paraná (254). Ao incluir mais atividades na Lei de Liberdade Econômica, Curitiba beneficiou, principalmente, os MEIs atendidos nos Espaços Empreendedor.
  • 70% das aberturas de empresas de janeiro a maio de 2021 na cidade são de microempreendedores individuais (MEI) curitibanos. O número de empresas abertas no período triplicou. A dispensa de alvarás e licenças torna o processo de abertura de empresas mais rápido.
  • 29 horas (1 dia e 5 horas) é o tempo necessário para abertura de uma empresa em Curitiba. A cidade foi a capital com o3º menor tempo de abertura de empresas no país no primeiro quadrimestre de 2021, com a implantação de sistema on-line e integrado.
  • Com a integração dos serviços para emissão do alvará, 70% dos alvarás de negócios de baixo risco – que não necessitam de vistoria – passaram a ser emitidos em tempo recorde pela Prefeitura de Curitiba após o registro na Junta Comercial.
  • Fundo de Aval de Curitiba foi criado pela Prefeitura com R$ 10 milhões aportados na Garantisul, Sociedade de Garantia de Crédito (SGC), contratada pela Agência Curitiba, para emitir cartas de aval para empréstimos junto a cooperativas de crédito parceiras (Coopesf, Sicoob, Sicredi, Fomento Paraná, Credisol e Viacredi), em apoio aos empreendedores que precisam de um empréstimo a juros baixos para capital de giro ou ampliar o negócio, mas não tem garantia.
  • 51.968 atendimentos presenciais e on-line foram realizados nos Espaços Empreendedor apenas no primeiro semestre de 2021. Localizados nas Ruas da Cidadania da Prefeitura, os espaços são porte de entrada para quem quer abrir ou regularizar seu negócio, além de ser porta de entrada para solicitar empréstimos com o Fundo de Aval de Curitiba.
  • Curitiba tem hoje 168,7 mil MEIs. A cidade oferece programas gratuitos da Prefeitura para quem pretende abrir ou ampliar um negócio na cidade, como Bom Negócio, Empreendedora Curitibana e Worktiba- os primeiros coworkings públicos do país, além eventos de capacitação do Vale do Pinhão, como cursos (atualmente on-line devido à pandemia) em gestão empresarial do município voltadas ao fomento da inovação em áreas como gestão, finanças, inovação, marketing digital e ecommerce.
  •  Curitiba criou, em 2017, os Worktibas, os primeiros coworkings públicos do país. São três unidades que oferecem serviços gratuitos no Parque Barigui, Cine Passeio (Centro) e Rua da Cidadania do Boqueirão. 129 startups, empreendedores da economia criativa e movimentos de impacto social já passaram pelos Worktibas, que têm a missão de dar suporte a empreendedores e empresas em estágio inicial. Atualmente, 43 projetos ocupam por dez meses os Worktibas.
  •  Mesmo com a pandemia, o programa Tecnoparque da Prefeitura já garantiu apenas em 2021 ano R$ 30,4 milhões em recursos para investimentos de startups e empresas de Curitiba. O valor é referente à desoneração oferecida pelo município às empresas inscritas, entre janeiro e maio deste ano, com a redução de 5% para 2% no Imposto Sobre Serviços (ISS). Desde 2018, quando o programa foi relançado pelo município, R$ 162,4 milhões ficaram nos caixas das 104empresas beneficiadas pelo Tecnoparque, que reinvestem nos próprios negóciose geram 15,7 mil empregos e faturam R$ 5,7 bilhões.
  • Cerca de 3 mil mulheres foram capacitadas em evento presenciais e on-line do Programa Empreendedora Curitibana, entre 2018 e 2021, com o objetivo de auxiliá-las no desenvolvimento dos seus negócios e estimular a economia local. O curso é modular, com mentoria e oferece oportunidades de conexões e negócios. O programa também as prepara para o Prêmio Empreendedora Curitibana, que é bianual. Este ano, em sua 4ª edição, o prêmio também abrange iniciativas de empreendedoras de todos os 29 municípios da Grande Curitiba.
  • Os setores de Eventos e Turismo – entre os mais afetados pela pandemia- estão recebendo apoio do ecossistema da cidade. Desde o segundo semestre de 2020, pelo menos 3.634 empresas de eventos e turismo, bem como para artesãos e outros empreendedores que trabalham com economia criativa receberam mais de 6,6 mil horas de consultoria gratuita em gestão, marketing, finanças e presença digital, resultado da parceria entre Prefeitura de Curitiba, Agência Curitiba, Instituto Municipal de Turismo e Sebrae/PR.
  • Parcerias da cidade com as startups Olist e Ebanx permitiram que artesãos, feirantes e pequenos comércios abrissem, logo após o início da pandemia, lojas virtuais de seus produtos, fundamentais para manter as vendas durante os momentos de maior isolamento social.
  • A campanha Compre no Bairro!, lançada no ano passado, incentiva os curitibanos a valorizar o comércio local, comprando perto de casa ou do trabalho, das feiras ao ar livre da Prefeitura ou nos sacolões, apoiando sua recuperação econômica dos impactos sofridos com a pandemia do coronavÍrus.
  • Mais de 31 mil empreendedores participaram dos mais de 200 eventos presenciais de capacitação e conexões promovidos pelo ecossistema de inovação de Curitiba, entre 2017 e 2020, entre fóruns, palestras, seminários e workshops – todos gratuitos. Com a pandemia, rapidamente a programação de eventos foi para as plataformas digitais, com cerca de 150 lives com especialistas convidados, incluindo as aulas do programa Bom Negócio, oficinas do Empreendedora Curitibana, Mutirão MEI e Business Round. Também foi lançada a inédita competição de startups Pitch Live, evento on-line que terá sua edição em 2021.
  • Curitiba criou o primeiro FabLab público do país, laboratório de fabricação por prototipagem para estudantes e empreendedores que tem a chancela do Instituto de Arquitetura Avançada da Catalunha (IAAC) e do Center for Bits and Atoms do Instituto de Tecnologia de Massachusetts (MIT).
  • O programa 1º Empregotech (Primeiro Emprego em Tecnologia, que capacita para jovens disputarem vagas em empresas e startups de base tecnológica, cursos gratuitos de programação de computação para quem tem entre 16 e 22 anos, resultado da parceria entre a Agência Curitiba, Fundação de Ação Social (FAS) e Assespro/PR que já contempou1.191 jovens. 
  • Criada em 2019, Lei de Inovação fez com que Curitiba desse um salto ainda maior como cidade inteligente, empreendedora e sustentável. Com a lei, foi criado Conselho de Ciência, Tecnologia e Inovação, que estabelece as diretrizes para diminuir a burocracia e incentivar o relacionamento entre todo o ecossistema de inovação.
  • Curitiba tem os dois primeiros unicórnios do Sul do Brasil (avaliadas e US$ 1 bilhão), as startups curitibanas Ebanx e MadeiraMadeira, que nasceram e mantêm sede na capital. Com a Lei de Inovação, a cidade se abre para que outras startups e empresas que já estão ou estudam se instalar na capital sejam ainda mais estimuladas a investir e gerar empregos locais.
  • A cidadade registrou número recorde de 30.244 novos empregos com carteira assinada de janeiro a julho de 2021, segundo dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged). É a maior geração de vagas para o período desde 2003, início da série histórica, consolidando a recuperação que teve início no segundo semestre de 2020 com o Plano de Recuperação de Curitiba.
  • Curitiba conquistou o título de cidade com a maior produtividade e eficiência do setor de tecnologia do Brasil em 2020. A liderança folgada da capital paranaense, em relação a São Paulo, Rio de Janeiro, Belo Horizonte, Florianópolis e Recife, é apontada pelo relatório anual Tech Report 2020, divulgado pela Associação Catarinense de Tecnologia (Acate), um dos órgãos mais respeitados do segmento no país. 
  • Curitiba subiu para o 5º lugar no ranking brasileiro Cidades Amigas da Internet em 2020, subindo 20 posições nesse ranking, graças a iniciativas como o decreto municipal de implantação das Estações de Transmissão de Radiocomunicação (ETRs) e instalação de antenas de telefonia e telecomunicações em propriedades particulares, fundamental para a chegada da futura tecnologia 5G na capital.
  • A capital lidera a geração de empregos de TI no Paraná e a arrecadação de ISS cresceu 20% nos últimos anos.

LEIA MAIS

Curitiba é eleita cidade mais empreendedora do Brasil

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.