Com 49 mil contratações, Agências do Trabalhador do Paraná lideram ranking nacional no 1º semestre

melhor resultado do emprego para o primeiro semestre desde 2011 foi alcançado com ajuda das Agências do Trabalhador. De acordo com o relatório nacional de desempenho da intermediação de mão de obra da Rede SINE, divulgado pelo Ministério do Trabalho, as unidades do Paraná, vinculadas ao Governo do Estado, lideraram o ranking nacional na categoria trabalhadores efetivamente contratados, com 49.114 novos empregos.

O Estado ficou à frente de Ceará (20.739), São Paulo (13.535) e Mato Grosso do Sul (10.223), com mais do que o dobro dos encaixes efetivos do que o segundo colocado. Os melhores meses foram abril (10.317), março (9.583), maio (8.878) e junho (8.214).

O resultado indica que as Agências do Trabalhador foram responsáveis por 6,5% das 752.694 admissões do primeiro semestre no Paraná e quase 30% das colocações de todo o País (o relatório leva em consideração sistemas estaduais e municipais de encaminhamento para o mercado de trabalho).

“Vemos pelas movimentações nas Agências do Trabalhador de todo o Estado que o clima é de otimismo com a retomada da economia e o avanço da vacinação contra a Covid-19. Há muitas vagas abertas, o que indica crescimento do emprego e mais segurança nos investimentos”, disse o secretário de Estado da Justiça, Família e Trabalho, Ney Leprevost.

O sistema do Paraná, que conta com 216 agências, também foi o que mais encaminhou candidatos a vagas durante os seis primeiros meses do ano. Neste primeiro semestre foram 202.754 pessoas apresentadas às vagas de emprego. Esse indicador mede as pessoas que efetivamente tiveram uma conversa com um potencial empregador.

Agências do Trabalhador do Paraná lideram ranking nacional na oferta, encaminhamento e colocação de profissionais no mercado de trabalho. Foto: Ari Dias/AEN

O Paraná ficou à frente de São Paulo (146.214), Minas Gerais (118.898) e Ceará (63.975). No Sul, bateu Rio Grande do Sul (74.537) e Santa Catarina (48.949). O Estado também representou 15% do total nacional (1.350.384). Os melhores meses foram janeiro (37.246), fevereiro (36.943) e maio (35.605).

Suelen Glinski, chefe do Departamento do Trabalho e Geração de Renda da Secretaria de Justiça, Família e Trabalho, destaca o treinamento e a capacitação contínua do pessoal que recebe os trabalhadores nas agências e postos avançados como um dos fatores. Ela também elencou programas como Emprega Mais Paraná e a criação de postos avançados de atendimento em municípios menores como plataformas que darão continuidade a esse bom momento.

“O Paraná tem um trabalho consolidado na intermediação de empregos e assistimos uma recuperação contínua em 2021, mesmo com as dificuldades da segunda onda da pandemia no começo do ano. Conseguimos manter a agilidade com o atendimento virtual e a confiança do setor produtivo, que aposta nas Agências do Trabalhador para buscar novos funcionários”, disse.

EMPREGO NO SEMESTRE 

O Paraná foi o quarto estado brasileiro que mais gerou empregos no primeiro semestre de 2021, com um saldo de 118.316 vagas abertas entre janeiro e junho. É o melhor desempenho do Estado para o período desde 2011, e também a primeira vez que o saldo nos primeiros seis meses do ano ultrapassa a marca de 100 mil vagas formais.

O saldo do semestre se refere à diferença entre as 752.694 admissões e 634.378 desligamentos no período. Já no mês passado, 117.295 pessoas foram contratadas do Paraná, enquanto 101.437 foram demitidas, com saldo de 15.858 postos de trabalho. No acumulado dos últimos 12 meses, o saldo de empregos formais no Estado é de 219.370 vagas.

Confira o relatório completo AQUI.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Assaí oferece mais de 44O vagas de emprego para novas lojas em Curitiba (PR)

Assaí Atacadista está com mais de 440 vagas de emprego abertas para as futuras inaugurações de suas 4ª e 5ª unidades em Curitiba. As oportunidades são para compor o time das novas lojas que estão sendo convertidas a partir dos antigos hipermercados localizados na Av. Presidente Kennedy e no bairro Alto da XV. As inaugurações devem ocorrer nos próximos meses. Todas as posições de trabalho são efetivas, elegíveis a pessoas com deficiência e abrangem diferentes áreas e níveis de experiência, com funções técnicas, operacionais e de lideranças. Entre elas, estão:  

– Chefe de Seção;

– Fiscal de Prevenção de Perdas;

– Repositor de mercadorias;

– Operador de Caixa;

– Fiscal de Caixa;

– Auxiliar de Manutenção;

– Operador de Empilhadeira;

– Auxiliar de Cozinha;

– Açougueiro;

– Auxiliar de Açougue 

Os(as) interessados(as) devem se cadastrar exclusivamente nos sites de cada região até o dia 25 de julho. Para iniciar a participação no processo seletivo, é necessário ter em mãos RG, CPF, número de telefone e endereço de e-mail.  O processo seletivo será realizado de maneira presencial após a convocação por meio do cadastro realizado online.  

INSCREVA-SE:

As novas lojas irão gerar até 50% mais postos de trabalho em relação aos antigos estabelecimentos. Ainda, todos(as) os(as) colaboradores(as) que trabalhavam nos locais e manifestaram interesse em trabalhar no Assaí terão prioridade no processo seletivo e poderão sinalizar a experiência profissional no estabelecimento anterior no link de inscrição. A empresa oferece remuneração e pacote de benefícios compatíveis com o mercado e possui, também, um plano estruturado de carreira, com investimentos constantes em capacitação e no desenvolvimento profissional de seus(suas) colaboradores(as) em todo o país. 

Estado quer implantar auxílio-alimentação de R$ 600 para polícias Civil, Militar, Científica e Penal

O Governo do Estado encaminhou nesta terça-feira (7) para a Assembleia Legislativa o Projeto de Lei que institui o pagamento de auxílio-alimentação para os servidores dos quadros da Polícia Civil, Polícia Militar, Polícia Científica e Polícia Penal. O valor mensal da contribuição é de R$ 600, com impacto financeiro anual estimado em mais de R$ 150 milhões.

A proposta integra um grande pacote de valorização dos servidores públicos estaduais. Ele destacou que nos últimos dias o governo enviou ao Poder Legislativo mensagens que concedem aumento de 3% no vencimento de todo o funcionalismo; que estabelece o piso mínimo de R$ 5.545 para os professores da rede pública de ensino, equiparando os trabalhadores temporários, do Processo Seletivo Simplificado (PSS), ao do Quadro Próprio do Magistério (QPM); e que cria a gratificação mensal para diretores (entre R$ 108 a R$ 2.430) e auxiliares (de R$ 92 a R$ 2.070) das instituições de ensino da Rede de Educação Básica do Paraná.

Além disso, o governo antecipou o pagamento do 13º e dos salários de dezembro para antes da celebração do Natal, medida adotada a partir de 2019. “Com esse projeto pensado para as forças de segurança do Estado, de criar o auxílio-alimentação, completamos um ciclo importante de valorização dos servidores. Todo o funcionalismo foi contemplado de alguma maneira, melhorando as condições para quem exerce cargos tão importantes para o Paraná”, afirmou Ratinho Junior.

“Mesmo com as limitações financeiras do Estado neste momento de pandemia, é um gesto de reconhecimento pelo trabalho das nossas forças de segurança, essencial nesta queda brusca dos índices de criminalidade em todo o Paraná. É mais segurança para a população”, acrescentou.

De acordo com o projeto de lei, o benefício será concedido mesmo em caso de férias, licença para tratamento de saúde, por motivo de acidente em serviço ou doença profissional; participação em programa de treinamento regularmente instituído; serviços obrigatórios por lei e licenças legais. Ele deve impactar cerca de 24 mil servidores.

Para um soldado de 2ª classe da Polícia Militar, por exemplo, o benefício representa 30% do salário (atualmente em R$ 1.933,63). Na carreira da Polícia Científica, será quase 20% do que ganha um Auxiliar de Perícia Oficial (R$ 3.226,64).

A medida, contudo, não contempla aposentados, inativos e pensionistas; servidor civil e militar em disposição, cessão funcional, designados e mobilizados a outros entes federativos; que esteja cumprindo pena de suspensão; que estiver preso, qualquer que seja o motivo, pelo tempo que durar a prisão; que se encontre afastado do exercício da função em virtude de licença, decisão judicial ou administrativa, exceto quando expressamente autorizada a prestação de serviços administrativos internos; ao militar agregado para exercer função de natureza civil em qualquer órgão da administração direta ou indireta, federal, estadual ou municipal, ou por ter sido nomeado para qualquer cargo público; ao militar em situação de deserção e ao servidor civil em situação de abandono de cargo; e aos militares do Corpo de Militares Estaduais Inativos Voluntários.

“A atividade policial é extremamente desgastante e muitas vezes exercida longe da residência dos servidores e militares, de modo que se mostra imperiosa a concessão de uma vantagem pecuniária para que o agente público possa ter em seu lar condições adequadas para sua estabilidade física e mental”, destacou o Governo do Estado no texto que justifica o projeto.