Cliente vira sensação ao continuar comendo durante briga generalizada em restaurante

O nome dele é Chris Hill, de 52 anos, e sua calma correu o mundo. Tudo porque Chris se manteve impávido durante uma briga generalizada que eclodiu em um restaurante de kekab em Portsmouth (Inglaterra) na última sexta-feira (10/1).

O episódio de violência que reuniu clientes e um funcionário não impediu Chris de continuar fazendo sua refeição tranquilamente. Com fones de ouvido, Chris chegou a olhar para o lado, acompanhando a troca de socos, mas não se abalou e voltou a se concentrar na comida – carne e batata frita.

Em entrevista ao “Daily Mail”, Chris disse que chegou a cogitar mudar de lugar, mas não foi em frente.

Um vídeo registrando a cena já teve mais de 20 milhões de visualizações. Muitos se perguntam o que o inabalável Chris ouvia durante a confusão.

Assista abaixo:

Via: Page Not Found (Extra)

No Limite: reality show estreia nesta terça-feira

Uma semana após a final do Big Brother Brasil 21, os fãs de reality show vão poder reviver as emoções da primeira produção brasileira do gênero: No Limite estreia nesta terça-feira (11) na TV Globo.

Desta vez, os telespectadores irão conferir André Marques como apresentador e Tiago Leifert desejou boa sorte ao colega, depois de trabalhar cem dias no comando do BBB 21.

“Alô, Big Boss, Boninho. Alô, André Marques. Estaremos de olho. Boa temporada”, escreveu Leifert, em um story no Instagram, com uma foto de uma cabra. A imagem faz referência às provas icônicas de comida, nos anos 2000, onde os competidores tinham que comer olho de cabra, cérebro de boi, etc.

No fim do mês passado, o diretor da atração confirmou que esses desafios estarão presentes na nova edição. Além disso, o Boninho e André também comemoraram a estreia do programa hoje, nas redes sociais.

O diretor compartilhou um vídeo com algumas imagens exclusivas de provas e escreveu: “Hoje, depois da novela Império. No Limite, na TV Globo”. Já o apresentador publicou uma foto na Praia Brava, nome fictício do local onde acontece a competição, no Ceará.

“Testando um dos primeiros desafios que os participantes do No Limite terão que enfrentar. Meu Deus! Eu e o Boninho sofremos. É hoje a estreia”, disse ele na legenda do post.

Museu Paranaense reabre neste sábado com quatro mostras inéditas

Depois de mais de um ano de portas fechadas ao público em decorrência da pandemia da Covid-19, o Museu Paranaense (Mupa) reabre neste sábado (8) com quatro novas exposições: “Agrocorpus”, “Curitiba: Símbolos em Questão”, “Eu Memória, Eu Floresta: História Oculta” e “Educação pela Pedra”. Seguindo todos os protocolos de segurança, o museu estará repleto de novidades para quem está com saudades do contato direto com a cultura. Visitas aos finais de semana e feriados, mais sujeitos à aglomeração, deverão ser agendadas no site do museu.

Museu Paranaense reabre neste sábado com quatro mostras inéditas – Curitioba, 06/05/2021 – Foto: Marcelo Almeida

Dando início à parceria com a Fundação Joaquim Nabuco, do Recife (PE), o Mupa apresenta “Educação pela Pedra”, mostra com curadoria de Moacir dos Anjos e que tem como eixo temático o centenário de nascimento do escritor e poeta recifense João Cabral de Melo Neto. As obras investigam os afetos canalizados pelos versos do poema que dá nome à exposição, escritos em 1966.

“O poema nos apresenta a pedagogia da pedra e a sua capacidade de nos ensinar por ela própria, uma cartilha muda, mas que nos educa. Pode ser entendida como a metáfora de nossa relação com a arte: a capacidade que a arte tem de nos emancipar e educar por ela própria, nos fazer ver o mundo de outra maneira”, afirma o curador, que inaugurou a ponte aérea do projeto no final de novembro de 2020 para a montagem da mostra.

Participam da exposição os artistas Oriana Duarte, Marcelo Moscheta, Jonathas de Andrade, Jimmie Durham, Cinthia Marcelle, Traplev, Agrippina Manhattan, Louise Botkay e Randolpho Lamonier, além de Caetano Veloso, que só entrou na montagem curitibana. A canção do músico baiano “If you hold stone”, que permeia a mostra, foi composta no exílio em homenagem à artista brasileira Lygia Clark e descreve a experiência de interagir com o trabalho da artista, sugerindo que o contato com a pedra gera conhecimento.

As obras reunidas no espaço expositivo do Museu, no Centro Histórico da Capital, têm ou não a pedra como referência direta, mas de alguma forma remetem às lições do poema de João Cabral: a resistência, a concretude, a concisão e a impessoalidade. São audiovisuais, instalações e fotografias que desafiam o espectador na capacidade de articular a arte com a sua própria bagagem e aspirações.

Museu Paranaense reabre neste sábado com quatro mostras inéditas – Curitiba, 06/05/2021 – Foto: Museu Paranaense

ERVA-MATE 

Também em cartaz, “Eu Memória, Eu Floresta: História Oculta” propõe diferentes olhares sobre a erva-mate por meio de obras, objetos e documentos históricos provenientes do acervo do Mupa. A mostra faz parte do Circuito Ampliado – Acervos em Circulação, que contará com exposições em dois locais. Além do Museu Paranaense, o Palacete dos Leões, sede do Espaço Cultural do BRDE no Paraná, receberá em breve a mostra “Narrativas e Poéticas do Mate”. O circuito conta com a parceria do Museu Oscar Niemeyer e terá vigência até 2022.

A exposição montada no Mupa apresenta a erva-mate a partir de alguns eixos: os usos e saberes dos povos indígenas do Sul ligados à planta, bem como seus primeiros locais de cultivo: as florestas; o beneficiamento artesanal da erva-mate por pequenos produtores; e aspectos relacionados à representação científica e artística da natureza feitos por viajantes estrangeiros e pesquisadores.

Fazem parte da exposição um amplo conjunto de fotografias, peças tridimensionais, reproduções do álbum Voyage pittoresque et historique au Brésil, de Jean Baptist Debret, além da emblemática fotopintura Família Kanhgág no Museu Paranaense, de 1903, especialmente restaurada para fazer parte da exposição.

Dentre as dezenas de peças do acervo do Mupa, a exposição conta ainda com uma obra do artista indígena wapichana Gustavo Caboco. De maneira poética, ela propõe uma atualização da história indígena ligada à erva-mate, questionando o lugar dos saberes dos povos originários em contraposição à história “oficializada”. A obra comissionada faz parte do acervo da instituição.

“Entendemos que dessa forma reforçamos o diálogo com as comunidades que representam os temas abordados, trazendo uma reflexão sobre o papel do museu na sociedade”, afirma a diretora do Museu, Gabriela Bettega.

VIDEOPERFORMANCE 

A instalação “Agrocorpus”, em exposição no Espaço Vitrine, traz a videoperformance do artista Rodrigo PC. A proposta expositiva foi uma das selecionadas no I Edital de Ocupação do Espaço Vitrine, lançado pelo Mupa em 2020. Além de Agrocorpus, foram selecionadas mais duas propostas expositivas: “Como fazer um buraco em uma pedra com uma colher”, de Érica Storer de Araújo, e “Finalmente Museu!”, do escritório de arquitetura CLUBE.

Com 23 minutos de exibição, a obra estabelece uma conexão entre o corpo negro, o solo e as forças da natureza, explorando a resistência do artista em estado estático. “Rodrigo PC traz à tona em suas performances as entranhas de uma história escrita às custas da pele negra e indígena, que, assim como ele, tem os pés fincados no chão do Brasil, feito raiz que brota e rompe o solo seco da narrativa”, reflete a artista e pesquisadora Roberta Stubs no texto curatorial. 

SÍMBOLOS 

Em tempos proibitivos para viagens transterritoriais, o Mupa propõe uma jornada histórica entre o passado e o presente da Capital com a mostra “Curitiba: Símbolos em Questão”. Entre os objetos que fazem parte da exposição, peças importantes que ajudam a compor a iconografia da cidade, tais como a escultura do século XVII “Nossa Senhora da Luz dos Pinhais” e a pintura “Cidade Adormecida”, do artista norueguês radicado no Paraná, Alfredo Andersen.

Três registros fotográficos do artista Fernando Zanoni, que fazem um contraste com os objetos históricos presentes na exposição, foram adquiridos para a mostra e passam a integrar o acervo do museu. “Uma experiência interessante que a exposição pode trazer é poder olhar para o passado e o presente em um único espaço. Por meio de um grande contraste entre histórias e memórias das diferentes épocas é possível perceber o grande desenvolvimento da cidade nos últimos tempos”, indica Gabriela Bettega.

MUSEU PARANAENSE 

Idealizado por Agostinho Ermelino de Leão e José Candido Murici, o Museu Paranaense foi inaugurado no dia 25 de setembro de 1876, no Largo da Fonte, hoje Praça Zacarias, em Curitiba. Com um acervo de 600 peças, entre objetos, artefatos indígenas, moedas, pedras, insetos, pássaros e borboletas, era então o primeiro no Paraná e o terceiro no Brasil.

Museu Paranaense reabre neste sábado com quatro mostras inéditas – Curitiba, 06/05/2021 – Foto: José Fernando Ogura/AEN

Em 1882 transformou-se em órgão oficial de Governo do Estado, passando a receber contínuas doações. Desde a sua inauguração, ocupou seis sedes, até fixar-se na atual, o Palácio São Francisco. Segmentado entre Antropologia, Arqueologia e História, o espaço está estruturado para a realização de projetos e atividades culturais, atingindo os diversos segmentos sociais.

Serviço

Museu Paranaense – Rua Kellers, 289 – Alto São Francisco – Curitiba
De terça a domingo, das 10h às 17h30
Para visitar o local aos finais de semana é preciso agendar a visita previamente pelo Sympla.
Nos demais dias, não é necessário agendamento.
Entrada gratuita