Abrigos da Prefeitura têm recorde de acolhimentos no fim de semana

Os abrigos da Prefeitura bateram recorde de acolhimento neste fim de semana. Nos três dias, (de sexta a domingo), foram feitos 2.245 atendimentos a pessoas em situação de rua nas unidades do município, locais onde podem dormir em camas com cobertores, tomar banho quente, receber roupas limpas e se alimentar.

Foi o maior número de acolhimento registrado nas ações de inverno Curitiba que Acolhe, desde o ano passado, quando a Fundação de Ação Social (FAS) intensifica o trabalho de resgate nas ruas. O trabalho é ampliado sempre que a temperatura é igual ou menor a 9 graus, principalmente no período das 18h às 24h, para garantir que as pessoas estejam acolhidas antes da madrugada, quando normalmente o frio é mais intenso.

Recorde

A maior procura pelos serviços aconteceu na noite deste domingo (28/6), quando 780 pessoas foram abrigadas. O número é 43,12% maior do que o registrado em 19 de agosto de 2019, quando 545 pessoas foram acolhidas nas unidades da FAS, o recorde daquele ano. 

Em dias em que a temperatura é normal, 350 pessoas, em média, usam o serviço.

“O aumento de pessoas acolhidas nos abrigos é fruto do trabalho desenvolvido pela Fundação para proteger as pessoas que vivem em situação de rua do frio intenso e também do risco de contaminação pelo novo coronavírus”, explica o presidente da FAS, Fabiano Vilaruel.

Orientação

Neste domingo (28/6), uma equipe da FAS fez um mutirão com pessoas que estavam nas casas de passagem Jardim Botânico e Plínio Tourinho, na Praça Solidariedade, para orientar sobre os riscos da covid-19 e a importância do isolamento social.

“De 150 pessoas que participaram das orientações, 57 foram encaminhadas para hotel social e dez decidiram ficar em acolhimento, sem voltar às ruas”, conta Vilaruel.  

Procura espontânea

A maioria das pessoas atendidas durante o fim de semana (637) procurou espontaneamente os abrigos. Outras 208 foram encontradas pelas equipes da FAS, que percorrem toda a cidade para oferecer acolhimento, e aceitaram ser levadas para os abrigos.

Das 18h de sexta-feira (26/6) até as 7h desta segunda-feira (29/6), os educadores sociais fizeram 395 abordagens nas ruas, sendo que 226 delas foram solicitadas por meio da Central 156 e pelo aplicativo Curitiba 156. Em 62 pedidos, as equipes se deslocaram até o endereço indicado, mas não encontraram ninguém no local.

Apesar do frio, 160 pessoas se recusaram a seguir com as equipes para as unidades de acolhimento e preferiram ficar nas ruas. Outras quatro foram encontradas debilitadas e foram encaminhadas para unidades de pronto atendimento.

Com sintomas gripais, duas pessoas foram levadas para unidades de isolamento e nove foram acolhidas nos abrigos onde existem canis, por estarem com cães de estimação. O Conselho Tutelar foi acionado para atender dois jovens menores de idade.

Do total de atendimento feitos no fim de semana, 1.400 foram a pessoas que são atendidas permanentemente nas unidades de acolhimento institucional e hotéis sociais do município, onde moram até que consigam a autonomia necessária para deixar as ruas.

Deixar animais soltos em ruas e praças pode gerar multa de até R$ 2 mil em Curitiba

Projeto de lei que reforça punição à maus-tratos foi aprovado em 1º turno na Câmara Municipal.

Os vereadores de Curitiba aprovaram nesta quarta-feira (16), por unanimidade e em 1ª discussão, o projeto de lei que, entre outras coisas, estabelece multa de R$ 200 a R$ 2 mil para quem abandonar animais em ruas e espaços públicos. O projeto modifica  modifica lei já existente e amplia as práticas consideradas como crime de maus-tratos a animais.

A proposta da vereadora Katia Dittrich (Solidariedade) lista 24 ações ou omissões como maus-tratos, o dobro do que previa a lei de 2011. Entre os novos comportamentos que caracterizam o crime, o mais significativo é o de abandono.

“Deixar o animal solto em vias e logradouros públicos” como diz o texto do projeto, vai passar a doer no bolso, com multas de até R$ 2 mil no caso de flagrante ou denúncia comprovada. As medidas seguem a linha de projeto semelhante porém ainda mais rigoroso e que prevê responsabilização criminal, aprovado no Senado Federal na semana.

Outros dois pontos polêmicos do projeto são a proibição expressa de ‘passeios’ desacompanhados e abandono de animais idosos ou doentes. No primeiro caso está prevista responsabilização dos tutores com multa, pelo risco do animal sofrer ou causar acidentes, além de permitir uma possível cria indesejada” e no segundo uma característica de agravante ao crime de maus-tratos, pela vulnerabilidade dos bichos.

Para entrar em vigor, o projeto precisa ser aprovado em 2ª discussão para depois ser sancionado ou não pelo prefeito.  Caso seja sancionada, a lei então terá um prazo para regulamentação.

Informações Banda B.

Sérgio Moro recebe carteira da OAB e abre escritório em Curitiba

Antes de começar a advogar, no entanto, Moro deverá acabar de cumprir a quarentena de seis meses determinada pela Comissão de Ética da Presidência.

O ex-juiz federal que conduziu a Lava Jato e colecionou desafetos entre alguns criminalistas vai atender sua futura clientela em um endereço de Curitiba, base e origem da maior operação já desencadeada no País contra a corrupção.

Antes de começar a advogar, no entanto, Moro deverá acabar de cumprir a quarentena de seis meses determinada pela Comissão de Ética da Presidência. Levando em consideração a data em que anunciou sua renúncia e acusou o presidente de suposta tentativa de interferência na Polícia Federal, 24 de abril, a quarentena do ex-juiz terminará no fim de outubro.

Informações Banda B.