5 dicas para curtir o Dia dos Namorados

O Dia dos Namorados está chegando e o Busão separou algumas dicas para você curtir um clima romântico e deixar o coração quentinho no próximo sábado (12). Confira! 

1. Fim de semana em um hotel

Que tal passar o fim de semana com a (o) namorada (o) em um hotel super tranquilo e com um clima romântico? Separamos algumas opções de lugares que ficam próximos de Curitiba: 

2. Voar de balão

Esse é para os casais que gostam de aventura! Não é preciso ir muito longe para fazer um passeio de balão. Logo ali, em Campo Largo está a Snap Voos Turísticos. A empresa oferece passeios exclusivos para casais. Imagina só, sobrevoar a cidade e viver essa experiência com quem você gosta.

Foto: Divulgação

3. Passear de trem

Para quem quer algo menos radical, tem os passeios de trem que ligam Curitiba ao Litoral. A Serra Verde Express tem diversas opções de valores e passeios.  Uma novidade recente é o trem de luxo, super romântico! 

Serra Verde Express: www.serraverdeexpress.com.br

Foto: Serra Verde Express

4. Passeio no Caminho do Vinho

Outro passeio que combina com o Dia dos Namorados é o Caminho do Vinho, em São José dos Pinhais. O casal pode ir almoçar, depois passar a tarde relaxando num pesk-pague ou apenas fazer o roteiro degustando salames, queijos, pães e vinhos. E terminar a tarde em um café colonial, experimentando inúmeras delícias. E o mais legal é que você pode fazer o passeio por conta própria, de carro, ou com a linha turismo especial.

Caminho do Vinho: www.caminhodovinho.tur.br

Foto: Divulgação

5. Gastronomia

O tradicional Restaurante Família Madalosso promove a campanha “Toda forma de Amor”, de Dia dos Namorados, investindo na inclusão dos casais homoafetivos. Além da ótima gastronomia, o restaurante terá música ao vivo, cenário para fotos, ambiente romântico e degustação de vinho. 

O bar Quermesse também preparou uma pedida especial para o jantar dos namorados. Para aplacar o frio e curtir juntinhos, os casais podem aproveitar o Fondue de Mignon no pão italiano com creme de queijo. O menu completo sai por R$ 60 por casal. O ambiente do bar remete às festas do interior, ideal para quem sente falta de uma festa junina em tempos de pandemia. Para harmonizar, o Quermesse tem carta de vinhos e de cervejas especiais. Reservas precisam ser feitas com antecedência no (41) 3026-6676. 

Foto: Divulgação

É sempre bom lembrar que ainda estamos em período de pandemia, então independente do rolê, usem máscara, álcool em gel e mantenham o distanciamento. Divirta-se com responsabilidade!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Calçadão da XV foi a primeira rua exclusiva para pedestres do Brasil

Em 1972, a Prefeitura de Curitiba fez história ao implantar o primeiro calçadão do Brasil na região central, em plena Rua XV de Novembro, uma das mais movimentadas da cidade. O planejamento inicial previa seis meses para completar a obra. Depois de muitos estudos e uma logística especial, o calçadão virou realidade durante um único fim de semana, com o início das obras numa sexta-feira à noite.

A pressa era justificada. Afinal, a ideia de criar uma rua exclusiva para pedestres estava na contramão do panorama brasileiro. As montadoras de veículos consolidavam a presença no país. Os carros de passeio tornavam-se objetos de desejo para as famílias de classe média e alta. As ruas das grandes cidades eram alargadas para contemplar mais veículos. Viadutos, túneis e elevados eram projetados para garantir velocidade e fluidez no trânsito. As cidades passaram a ser pensadas para os carros.

Em 1972, a Prefeitura de Curitiba fez história ao implantar o primeiro calçadão do Brasil na região central, em plena Rua XV de Novembro, uma das mais movimentadas da cidade. – Na imagem, Rua XV e construção 1972. Foto: Arquivo/SMCS

Diante daquele contexto, poderia haver reclamações. O que, de fato, ocorreu. As principais reações contrárias vinham dos comerciantes que alegavam que o calçadão espantaria a clientela e levaria à queda nas vendas. Porém, o planejamento urbano de Curitiba apontava para a humanização dos espaços públicos e a prefeitura resolveu bancar a aposta. Formado por cinco quadras da Rua XV de Novembro e pela quadra única da Avenida Luiz Xavier – que, com pouco mais de 100 metros de extensão, ganhou o apelido de “menor avenida do mundo” –, o calçadão uniu-se à Praça Osório formando um passeio único.

Os opositores do projeto decidiram protestar: planejaram avançar com seus carros sobre o calçadão recém-construído, na manhã do sábado seguinte, com o intuito de fazer a administração municipal voltar atrás.

Foi então que surgiu a ideia que iria salvar o calçadão: Quando a caravana de veículos chegou ao local, lá encontrou centenas de crianças pintando e desenhando sobre folhas de papel espalhadas pelo chão. Eram alunos das escolas municipais numa atividade extraclasse, acompanhadas por professores e monitores.

Diante daquela cena, os motoristas não tiveram outra saída a não ser dar meia-volta com seus carros. Sem saber, as crianças garantiram a perpetuação do espaço que acabou batizado de Rua da Flores. Dali em diante, durante muitos anos, os sábados pela manhã foram marcados pela presença de crianças pintando, desenhando e brincando.

Na imagem, a Rua XV no ano de 2004 – Foto: SMCS

Além do passeio desenhado em pedras portuguesas (petit pavé), o calçadão ganhou um mobiliário especial com floreiras, bancos, luminárias e as coberturas dos equipamentos públicos feitas por domus, em acrílico roxo, que passaram a identificar a cidade de Curitiba. Não demorou muito para que o calçadão se transformasse em um dos locais preferidos dos curitibanos, além de concorrido ponto turístico, com seus cafés, confeitarias, bares, livrarias e lojas de todo tipo. O comércio local foi aquecido, o trânsito do centro da cidade melhorou e a iniciativa foi copiada por dezenas de cidades Brasil afora.

Informações Prefeitura de Curitiba

Netflix: ‘Lucifer’ está de volta e seu pai aparece para pôr ordem na casa – ou não

A espera foi longa, mas ele está de volta. Sim, Tom Ellis retorna nesta sexta-feira (28) emprestando novamente seu charme e sensualidade ao protagonista da série Lucifer. O diabo retorna para a segunda parte da quinta temporada da produção, que está disponível na Netflix, com todos episódios anteriores, desde a primeira fase.

Para refrescar a memória (aí vem SPOILER), a primeira parte terminou com uma luta entre os irmãos Lucifer (Ellis), Amenadiel (D. B. Woodside) e Michael, ou Miguel, que também é vivido pelo britânico Tom Ellis. Como a luta entre os três parece que caminha para um fim trágico, eis que surge o pai deles para apaziguar os ânimos. Sim, Deus (Dennis Haysbert) chega para fazer as ‘crianças’ pararem de brigar.

No trailer da nova temporada, Deus e se mostra um pai como outro qualquer, ou quase, claro. Tenta se aproximar de Lucifer, para quem diz “eu não posso te consertar” e solta uma bomba, ao afirmar que acredita que tenha chegado a hora de sua aposentadoria. E será aí que começará uma disputa entre Lucifer e Miguel pelo posto que estará vago em algum tempo.

Vai rolar até sessão de terapia entre pai e filho, algo que dará um nó na cabeça da psicanalista Linda Martin (Rachael Harris). Além disso, ainda no trailer, haverá uma performance musical em dos episódios. Enfim, o dia chegou, agora é conferir o que Lucifer reservou para os pobres mortais.

A série

Criada por Tom Kapinos e baseada em personagem que integra os quadrinhos The Sandman, de Neil Gaiman, a série conta a história do diabo que, não aguentando mais ficar tomando conta do inferno, decide largar o posto e fixar residência em Los Angeles Na Terra, passa a se chamar Lucifer Morningstar e inicia uma nova vida como dono de uma boate, onde toca piano, bebendo, brigando e seduzindo todos com seu charme infernal.

Aqui entre os humanos, o diabo vai integrar uma divisão da polícia, como um consultor, que ajudará a resolver os mais variados crimes. E é aí que conhece a detetive Chloe Decker (Lauren German), responsável por colocar sentimentos nesse anjo caído, que complicará a estada dele por aqui.