1º Festival de IPAs acontece em Curitiba

Publicidade
Publicidade

Nos últimos anos, o mercado de cervejas artesanais cresceu expressivamente no Brasil. Consolidado em todo país, o segmento ganhou notoriedade oferecendo ao público produtos de altíssima qualidade, que seguem os mais variados estilos. Ao analisar esse sucesso, é indispensável destacar a importância das cervejas do estilo India Pale Ale (IPA), que contribuíram diretamente para a formação e fidelização de um grande público consumidor.

Pensando neste estilo cervejeiro que conquistou o Brasil, O Barba, um dos principais endereços gastronômicos da capital paranaense, vai promover o 1º Festival de IPAs de Curitiba. O evento, que será realizado entre os dias 01 e 09 de fevereiro, vai reunir vários rótulos (copos de 475ml), que serão comercializados por preços fixos de R$ 12 e R$ 15. Entre os destaques do festival estarão as cervejas English IPA (Pagan), Belgian IPA (Ignorus), IPA (Buddy), American IPA (Ignorus), Sour IPA (Ignorus) e Kweik IPA (Ol Beer).

Sobre as cervejas IPAs

A história do estilo India Pale Ale teve início nas longas viagens de navios que seguiam o caminho entre a Inglaterra e as Índias. Para preservar o sabor das Pale Ales tradicionais, os ingleses elevaram o teor alcoólico e adicionaram mais lúpulo, que além do amargor também é bacteriostático, dificultando a propagação de bactérias. Com o passar os anos, as IPAs ganharam novas releituras e, principalmente, novos lúpulos, e se consolidaram no mercado mundial com seu amargor tradicional, além de serem cervejas aromáticas, refrescantes e fáceis de beber. 

O Barba fica na Avenida Vicente Machado (nº 578), uma das principais vias de acesso da capital paranaense. O 1º Festival de IPAs de Curitiba acontece entre os dias 01 e 09 de fevereiro, a partir das 18h. Mais informações na página oficial do empreendimento no Facebook (www.facebook.com/barba.hamburgueria) ou no perfil no Instagram (@o_barba).

Centenas de fiéis se reuniram nesta quinta-feira em um megaculto no Boqueirão

Publicidade
Publicidade

Centenas de fiéis se reuniram  na noite desta quinta-feira (25), em um megaculto da na Assembleia de Deus Vitória em Cristo, no bairro Boqueirão, em Curitiba. A cerimônia, chamada de  “Culto da Vitória” , foi comandada pela filha do pastor Silas Malafaia, a cantora Rachel Malafaia. A notícia foi divulgada pela revista Época, com repercussão nacional.

Um dia antes (24), no bairro Batel, a Polícia Militar havia fechado um culto ainda maior, na Igreja Mundial do Poder de Deus, por desrespeitar regras contra a pandemia.

Já no culto da família Malafaia, testemunhas informaram que a PM chegou a ir até o local, mas nada foi feito e o culto continuou normalmente. A Banda B espera a confirmação da assessoria da PM sobre a informação.

Enquanto isso, Curitiba sofre com a falta de leitos e está na bandeira laranja. Nesta quinta-feira, ambulâncias ficaram na porta de hospitais a espera de vagas para pacientes.

Malafaia respondeu

O pastor Silas Malafaia se justificou no Twitter, afirmando que 1.200 pessoas participaram do culto, mas que o local tem capacidade para 3 mil. Segundo Silas Malafaia, todos respeitaram o distanciamento social e os procedimentos obrigatórios, como o uso de máscara. Ele atacou a Revista Época.

Informações Banda B.

Redução no estoque de sangue preocupa Hemepar

Publicidade
Publicidade

O estoque de sangue disponível nesta quinta-feira (25) no Centro de Hematologia e Hemoterapia do Paraná (Hemepar) para atender Curitiba e a Região Metropolitana é suficiente apenas para atender a demanda diária da instituição.

“A informação é muito preocupante pois em uma situação de urgência e emergência não teríamos como atender os hospitais”, disse o secretário de Estado da Saúde, Beto Preto. “Por isso destacamos a importância da doação de sangue como ato de amor ao próximo e cidadania”, ressaltou.

Segundo ele, a pandemia não deve afastar os doadores, pois todas as medidas de prevenção e segurança são tomadas durante o processo.

A diretora do Hemepar, Liana Labres de Souza, disse que o estoque nea manhã de quinta-feira (25) tinha cerca de 200 bolsas entre todos os tipos sanguíneos. “Este quantitativo supre um dia de atendimento nos 42 hospitais da Capital e da Região Metropolitana, entre eles os hospitais de porta aberta ao trauma como Hospital Evangélico Mackenzie, Hospital do Trabalhador, Hospital do Rocio, em Campo Largo, e Hospital Angelina Caron, em Campina Grande do Sul”.

“Infelizmente os doadores não têm comparecido em nossas unidades e com isso muitas solicitações de transfusão não estão sendo atendidas em sua totalidade”, afirmou.

VACINA – Ela lembrou ainda que pessoas imunizadas contra a Covid-19 podem fazer a doação de sangue e para isso basta aguardar o período estipulado para cada tipo de vacina.

“A vacina Coranovac/ Butantan estabelece um prazo de 48 horas após o recebimento para que o cidadão possa fazer doação de sangue; já a vacina AstraZeneca/Fiocruz pede o intervalo de 7 dias para a doação”.

O Hemepar segue protocolos de segurança para a Covid-19, como o agendamento e recepção de 8 pessoas a cada 30 minutos para evitar aglomeração, utilização de álcool gel 70% e profissionais que atuam no atendimento devidamente paramentados.

O agendamento para doação de sangue pode ser feito pela internet (saúde.pr.gov.br). São aptos a doar sangue pessoas que tenham entre 16 a 69 anos, que pesem mais de 51 quilos e que estejam bem de saúde.

Informações AEN PR.