Whatsapp é o principal meio de comunicação do eleitor conectado

O whatsapp é o principal meio de comunicação do eleitor brasileiro e parte das informações é trocada em grupos de aplicativo. É o que releva a pesquisa da Gerp em parceria com a Presença Online e a Vitorino&Mendonça. O levantamento, em sua quarta edição, traz o perfil eleitor conectado e busca compreender o que chama de “formação discursiva e simbólica dos eleitores conectados às plataformas tecnológicas de comunicação”.

Foram feitas 3.955 entrevistas entre 1º de março e 14 de junho. A pesquisa completa, análise e comentários constam no livro “Quem é o eleitor conectado”.

Na internet, aponta a pesquisa, o celular (48% no pós-pago e 43% pré-pago) representa 84% do acesso diário às redes sociais e demais plataformas de comunicação e pelo computador, são 16%.

 
Redes sociais – Para acompanhar as notícias da cidade, 55% dos entrevistados afirmam usar as redes sociais como o principal canal de informação, 38% as acompanham de forma compartilhada pelo whatsapp e 37% buscam informações em sites ou blogs. O meio mais utilizado diariamente é o whatsapp, representando 83%.

O facebook também não fica atrás: 71% afirmam usar a rede, o Instagram é usado por 46%, o twitter (14%), likendin (6%) e Tik Tok (4%). Os porcentuais são de uso diário. “Essas informações são primordiais para o planejamento da campanha municipal deste ano. A maior utilização dos meios de comunicação on-line será o diferencial entre uma figura política e outra”, diz o professor Marcelo Vitorino, especialista em marketing e comunicação política.

“Por conta do alto índice de contágio do coronavírus, mas com toda certeza esse será o marco. Daqui em diante os meios on-line serão cada vez mais usados”, completa Vitorino.   

Consumo – 
A pesquisa apresenta o perfil do eleitor, identifica como acessa a internet e os comportamentos de consumo de conteúdo, incluindo interesse em diferentes meios e canais, além de formatos e informações que busca de candidatos políticos. Os conteúdos mais consumidos são vídeos (39%), textos (37%), gráficos ou desenhos (23%), fotos (20%) e áudios (14%). Esses percentuais significam muito interesse.

A utilização dos recursos da internet em campanhas eleitorais, adianta Vitorino, tem adquirido uma relevância crescente. “A formação de cenários políticos emblemáticos ocorridos em diversos contextos eleitorais têm reconfigurado estratégias não apenas entre candidatos e partidos, mas entre todos os atores políticos envolvidos no processo eleitoral”.

O consumo de conteúdos sobre os candidatos se dá majoritariamente pelas redes socais  (52%), conversas com amigos (35%), sites e blogs de notícias (34%), televisão (31%), horário eleitoral gratuito (15%), rádio (13%), jornais ou revistas impressos (11%).

Múltiplas –
 O professor argumenta que a compreensão e conhecimento sobre o uso das múltiplas plataformas de comunicação serão muito utilizados na campanha municipal. “O planejamento de campanhas eleitorais em meios digitais e demais ações de comunicação governamentais serão imprescindíveis neste contexto atual, de pandemia”.

Todas as formas anteriores de fazer campanha serão reavaliadas, “a começar pelas convenções partidárias, que neste ano será somente de forma on-line”. Na importância para definir o voto, os entrevistados apontaram o histórico e trajetória política (77%), propostas (73%), notícias em jornais, TV, revistas e internet (43%), presença e participação em redes sociais (25%), atitudes partidárias (24%), relacionamento pessoal (17%), comentários de terceiros em rede social (14%), relacionamento virtual (13%), afinidade religiosa (13%) e indicação de amigos (8%).

O uso das novas plataformas de comunicação têm possibilitado novas experiências políticas que podem levar a ampliação do debate até a participação política nas questões públicas. A pesquisa revela que os homens representam 59% dos eleitores conectados, 40% são mulheres. Cerca de 43% desse público possui nível superior e faixa etária entre 45 e 59 anos representa 32%. Entre 18 a 24 anos (17%), de 25 a 34 anos (22%) e de 35 a 44 anos (21%).

“Saber quais os canais cada eleitor consome conteúdo e com que frequência permite que candidatos e suas equipes planejem a comunicação com eleitor com mais assertividade. Além disso, compreender o tipo de informação e quais os formatos mais interessantes para esse público aumenta o resultado das ações, ao mesmo tempo que reduz os custos de campanha”, afirma Vitorino. 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Brasil registra maior queda na média móvel de óbitos por covid-19

O Brasil registrou ontem (9) uma redução de 31,24% na média móvel de óbitos por covid-19 em relação aos 14 dias anteriores, o maior recuo desde o início da pandemia. Se a comparação for feita com o registrado no pico da pandemia, em 19 de abril, a diminuição da média móvel de óbitos é de 91,62%. Os dados são do Ministério da Saúde. 

A pasta destacou que ontem (8) foi o terceiro dia consecutivo em que o Brasil obteve a menor média móvel de óbitos pela doença em todo o ano de 2021. Nove estados e o Distrito Federal não registraram óbitos por covid-19.

Segundo o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, o cenário de diminuição das contaminações se deve à Campanha de Vacinação, que atingiu nesta terça-feira a marca de mais de 279 milhões de doses aplicadas e quase 88,8% da população-alvo vacinada com a primeira dose.

“Hoje, temos um grande número de brasileiros com a primeira dose e estamos prestes a ultrapassar mais de 70% da população-alvo completamente vacinada. Avançamos com quase 10 milhões nas doses de reforço. E o resultado é isso: vários estados e municípios sem nenhum registro de óbito”, disse o ministro.

De acordo com o ministério, a vacinação contra a covid-19 atinge 69,5% da população com as duas doses ou dose única do imunizante. Além disso, cerca de 10 milhões de pessoas acima de 60 anos, profissionais de saúde e imunossuprimidos receberam a dose adicional ou de reforço. A partir desta terça-feira, o Ministério da Saúde vai distribuir mais 1,2 milhão de vacinas para o reforço. Os imunizantes serão entregues aos estados e ao Distrito Federal nas próximas 48 horas.

A pasta destacou ainda que o país aplicou mais de 13 milhões de doses em crianças e adolescentes entre 12 e 17 anos de idade. Nesse público, a recomendação é que o imunizante da Pfizer seja utilizado, pois é a única vacina autorizada pela Agência Nacional de Vigilância em Saúde (Anvisa) para essa faixa etária.

Balanço

Até o momento, segundo o governo federal, foram distribuídas mais de 344 milhões de doses de vacinas contra a covid-19. Dessas, mais de 279 milhões foram aplicadas.

Para a Campanha da Vacinação de 2022, o governo federal informou que garantiu mais de 354 milhões de doses: 100 milhões da Pfizer e 120 milhões da AstraZeneca e mais 134 milhões de vacinas, remanescentes da campanha de 2021, que serão utilizadas no próximo ano.

Marília Mendonça morre em acidente aéreo em Minas Gerais

A cantora Marília Mendonça e mais quatro pessoas morreram na queda de um avião de pequeno porte perto de uma cachoeira na serra da cidade de Piedade de Caratinga, no interior de Minas Gerais, na tarde desta sexta (5). A informação foi confirmada Corpo de Bombeiros.