Vida deve voltar ao normal no fim de 2021, diz criador de vacina com 90% de eficácia

Cerca de 43 mil pessoas fazem parte dos estudos da vacina das duas empresas, que ainda estão em andamento

O impacto das vacinas contra a covid-19 vai crescer rapidamente no meio de 2021, e a vida deve voltar ao normal até o próximo inverno no hemisfério norte, no fim do ano que vem. A projeção é feita por um dos criadores de uma das candidatas a vacina mais promissoras contra o novo coronavírus.

Ugur Sahin, co-fundador da companhia alemã BioNTech, também disse que o imunizante criado por sua empresa em parceria com a Pfizer pode também evitar infecções, resultando em uma “redução dramática dos casos”.

Na semana passada, a BioNTech e a Pfizer anunciaram que os resultados preliminares da vacina poderia prevenir que mais de 90% das pessoas sejam infectadas por covid-19.

Cerca de 43 mil pessoas fazem parte dos estudos da vacina das duas empresas, que ainda estão em andamento. O imunizante ainda não recebeu autorização para ser distribuído em nenhum país.

Em entrevista ao programa Andrew Marr Show, da BBC, Sahin afirmou esperar que novas análises dos resultados dessa vacina BioNTech/Pfizer apresentem tanto uma redução da transmissão do vírus entre as pessoas quanto um bloqueio ao desenvolvimento dos sintomas por quem for infectado.

“Estou muito confiante de que a transmissão entre as pessoas será reduzida por uma vacina tão eficaz. Talvez não 90%, mas talvez 50%. Não devemos, entretanto, esquecer que mesmo isso pode resultar em uma redução dramática da propagação da pandemia”, disse.

O Reino Unido deverá receber 10 milhões de doses da vacina BioNTech/Pfizer até o final de 2020, com mais 30 milhões de doses já encomendadas. O imunizante, que foi testado em seis países, é dado em duas doses, com três semanas de intervalo entre eles.

Após o anúncio da primeira vacina eficaz do mundo na semana passada, John Bell, professor de medicina da Universidade de Oxford, sugeriu que a vida poderia voltar ao normal na primavera.

“Provavelmente sou o primeiro a dizer isso, mas direi com alguma confiança”, disse Bell.

Para Sahin, que é professor na Universidade de Mainz, isso deve demorar mais.

Se tudo correr bem, disse, a vacina começaria a ser entregue no “final deste ano, início do próximo ano”.

informações via Banda B. Para ler a matéria completa na BBC Brasil clique aqui.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Bolsonaro testa negativo para Covid após viagem a Nova York

Após ter sido submetido a um teste, neste domingo (26), para detectar se havia sido reinfectado pela Covid-19, o resultado do exame do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) deu negativo para a doença. O presidente teve que realizar o teste após alguns membros da sua comitiva para Nova York terem testado positivo para doença. A informação foi confirmada ao Metrópoles.

O ministro da Justiça, Anderson Torres, também testou negativo para a doença. O mandatário da pasta realizou o exame, nesse sábado (25). Neste domingo (26), ele esteve no Palácio da Alvorada para se encontrar com Jair Bolsonaro (sem partido).

Para ler a matéria completa do Portal Metrópoles, parceiro da Banda B, clique aqui

Curitiba chega a 61% da população com imunização completa

Curitiba ultrapassou, nesta quinta-feira (23/9), a marca de 60% de pessoas com 18 anos ou mais com a imunização completa contra a covid-19. Até quinta, 849.681 curitibanos da população adulta haviam recebido a segunda dose da vacina e outras 38.082 pessoas receberam a vacina em dose única, totalizando 61% da população adulta.

Desde o início da campanha de vacinação contra o novo coronavírus, a Secretaria Municipal da Saúde (SMS) de Curitiba imunizou, até quinta-feira (23/9), um total de 1.424.260 pessoas com a primeira dose da vacina anticovid ou com o imunizante de dose única (Janssen).

Já são 1.386.178 curitibanos que receberam a primeira dose da vacina contra o novo coronavírus. Desse total, foram vacinados: 864.232 pessoas da população entre 18 e 64 anos (convocadas por idade); 213.576 idosos com 65 anos ou mais; 117.890 pessoas com comorbidades; 13.390 gestantes e puérperas; 8.710 pessoas com deficiência; 82 indígenas; 1.141 pessoas em situação de rua; 7.017 moradores, funcionários e cuidadores de instituições de longa permanência; 97.903 profissionais dos serviços de saúde da cidade (incluindo as equipes de vacinação); 16.360 trabalhadores das forças de segurança; 42.593 educadores (entre professores e trabalhadores da Educação Básica e Ensino Superior) e 1.252 trabalhadores da limpeza pública.

Total de aplicações

O município também está aplicando as doses de reforço para idosos de 70 anos ou mais que já completaram o ciclo de imunização e pessoas imunossuprimidas com o esquema vacinal anticovid completo. Até esta quinta-feira (23/9), 17.894 pessoas receberam a dose de reforço. 

A cidade já aplicou 2.291.835 unidades da vacina anticovid – primeira, segunda doses, dose única e dose de reforço. Ao todo, 98% da população de Curitiba acima de 18 anos já recebeu ao menos uma dose e 61% da população acima de 18 anos de idade foram vacinadas com as duas doses ou a vacina de dose única, concluindo o esquema de imunização contra o novo coronavírus.

Doses recebidas

Até o momento, Curitiba recebeu do Ministério da Saúde, repassadas pelo Governo do Paraná, 2.593.864 doses de vacinas, sendo 1.529.218 para primeira dose, 1.025.671 para segunda dose e 38.975 doses de aplicação única. Nesse montante já estão contabilizados os 5% de reserva técnica.

A reserva técnica é uma medida de segurança, faz parte dos protocolos da logística e é necessária para evitar problemas no fluxo de imunização que possam ser causados por imprevistos eventuais, como por exemplo, quebra acidental de frascos.

O município tem capacidade para vacinar até 30 mil pessoas por dia e o avanço do cronograma de imunização ocorre à medida que as doses são enviadas pelo Ministério da Saúde ao governo estadual, responsável por distribuir os lotes do imunizante aos municípios.