Vereadores sugerem suspensão do EstaR na bandeira vermelha em Curitiba

A Câmara Municipal de Curitiba (CMC) aprovou, na sessão remota desta terça-feira (23), duas indicações ao Executivo referentes ao EstaR Digital. Uma das proposições, do Professor Euler (PSD), sugere à Prefeitura de Curitiba que não fiscalize e não multe, durante a bandeira vermelha ou a vigência de medidas ainda mais restritivas, os veículos estacionados irregularmente. A sugestão foi acatada em votação simbólica e unânime.

Para o autor, a justificativa para a implantação do Estacionamento Regulamentado (EstaR), de se permitir a rotatividade nas vagas, perde sentido com a circulação muito menor de veículos. “Se nos períodos de grandes restrições de atividades, como é o caso da bandeira vermelha pela pandemia, a circulação de veículos é menor, acabam sobrando vagas para quem precisa estacionar. Se sobram vagas, não há a necessidade de se zelar pela rotatividade”, declarou.

Outro argumento, pontuou Euler, é o risco a que são expostos os fiscais da Secretaria Municipal de Defesa Social e Trânsito. Apesar da digitalização do serviço no ano passado, salientou o vereador, a fiscalização não é eletrônica. “Esses fiscais estão colocando em risco a própria saúde e a de outras pessoas”, acrescentou.

No debate da indicação, Alexandre Leprevost (Solidariedade) defendeu mais dois motivos para a suspensão temporária do EstaR Digital. “Não é o momento da gente ficar punindo as pessoas. Acho que é momento da gente passar um pouco de tranquilidade. As ruas estão vazias, as pessoas estão passando por extremas dificuldades”, disse. Ele também considera que as multas podem prejudicar os empresários do setor de gastronomia na prestação do serviço de take away (retirada no balcão).

Segundo Denian Couto (Pode), “não é um vale-tudo” durante a pandemia, e sim que o poder público seja razoável e não “aplique multas no momento de excepcionalidade como vivemos agora”, oferecendo uma contrapartida à população. “Eu espero, como cidadão, que a prefeitura acolha esse pedido”, completou ele, contrário à “ânsia de arrecadação”.

Também em apoio à iniciativa, Herivelto Oliveira (Cidadania) sugeriu que os fiscais sejam treinados para desempenhar outras funções. Na avaliação de João da 5 Irmãos (PSL), o Executivo poderia “dar uma trégua, uma segurada” na fiscalização do EstaR. “Não é pra sempre. É um momento de excepcionalidade”, reforçou o Jornalista Márcio Barros (PSD).

Para Ezequias Barros (PMB), faltaria “bom-senso” na fiscalização do EstaR durante a bandeira vermelha. “Vale a pena lembrar também que só é multado quem está irregular”, ponderou o líder do prefeito, Pier Petruzziello (PTB), para quem a indicação poderia passar uma mensagem “populista”. “Desculpa, vai parecer sim que estamos fazendo um vale-tudo.”

Revisão de decreto

A outra indicação acatada sobre o Estacionamento Regulamentado, de Renato Freitas (PT), pede a revisão do decreto 418/2020, que regulamenta o EstaR Digital. “Se continuarmos desta forma, não levando o lockdown a sério, provavelmente esse lockdown retornará”, pontuou o autor. Em sua opinião, “a melhor saída” não é paralisar e retomar a cobrança conforme a bandeira restritiva, e sim alterar as regras vigentes, de forma permanente.

O vereador sugere, na proposição, a adoção de modelo híbrido para a aquisição de créditos (eletrônico e físico); a regularização facilitada de autuações; que as multas sejam enquadradas como infração leve, e não grave; a implantação do período de 15 minutos de tolerância; e a análise do valor cobrado por hora, 50% superior ao adotado até 2019. “A população reivindica isso”, defendeu. A aprovação também foi simbólica e unânime.

Informações Banda B

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Bailarinos do Teatro Guaíra oferecem oficinas on-line gratuitas

O Balé Teatro Guaíra inicia na próxima sexta-feira (23) oficinas virtuais abertas para profissionais e estudantes de dança. A atividade é gratuita e os interessados devem acessar o link da transmissão pela plataforma Zoom. As aulas acontecem às sextas-feiras, a partir das 13 horas, para até 100 pessoas. Não é necessário fazer inscrição prévia. 

A ação é uma parceria do Governo do Estado, via Secretaria da Comunicação Social e da Cultura, Centro Cultural Teatro Guaíra e PalcoParaná. Veja a programação. O projeto “Aulas como Unidade e Cooperação” é uma ideia dos próprios bailarinos, que realizaram em 2020 aulas abertas para todo o Estado.

A coordenadora da iniciativa em 2021 é a bailarina Juliana Rodrigues. “Esse projeto tem o objetivo de trocar experiências e criar novas conexões. O bailarino proponente irá compartilhar a sua vivência pessoal durante a aula, criando estímulos para que cada um possa descobrir e experimentar a arte sobre novos olhares e caminhos. No final de cada aula acontecerá um pequeno bate-papo para trocar curiosidades, perguntas, sensações”, afirma. 

No ano passado, as atividades com maior adesão do público foram as oficinas e aulas virtuais, que tiveram a participação de cerca de 10 mil pessoas. Em abril de 2020, começaram as aulas virtuais abertas à comunidade da dança em geral, além de oficinas com coreógrafos renomados. Em julho, um programa mais amplo ofertou oficinas virtuais de dança para crianças, jovens e melhor idade, de 30 municípios de todo o Paraná. 

“Exercitando a criatividade, a composição do corpo com o espaço e de ambos em relação à câmera, a proposta busca ampliar o olhar do artista para as possibilidades audiovisuais utilizando os equipamentos que são acessíveis a cada um. Os encontros são abertos a artistas da dança e interessados em criações audiovisuais”, conta Paula Sousa, uma das bailarinas participantes.  

Sobre os bailarinos:

Clarissa Cappellari é bailarina profissional, formada pela Escola de Danças do Teatro Guaíra (Curitiba). Dançou no Balé Teatro Guaíra entre 2004 e 2007. É graduada em dança (licenciatura e bacharelado) pela Faculdade de Artes do Paraná e pós-graduada em Ensino de Artes pelo instituto Itecne. Entre 2013 e 2017, fez parte do elenco da Curitiba Cia de Dança. Em 2017, voltou a integrar o elenco do Balé Teatro Guaíra onde atua até hoje. Neste projeto, irá propor aulas de alongamento para que os alunos possam buscar uma amplitude maior do movimento e aumentar a flexibilidade.

João Luiz Bicalho nasceu em Vitória (ES). É formado em Qualificação/Técnico Profissional em Dança Contemporânea pela FAFI – Escola de Teatro, Dança e Música (ES). Integrou profissionalmente a companhia de dança Mitzi Marzzuti (ES) – 2012, na qual pôde trabalhar com uma gama de bons profissionais da dança contemporânea. Em 2015, integrou a companhia Divinadança (SP), dirigida por Andrea Pivatto, e trabalhou como intérprete/criador no Coletivo dos Sonhos (SP), dirigido por João Pirahy. Em 2016, integrou a companhia Mercearia de Ideias + Bongiovanni (SP), dirigida pelo coreógrafo Luiz Fernando Bongiovanni. Desde 2017 atua na companhia Balé Teatro Guaíra. Em 2019, dirigiu e coreografou Peixe Solúvel para o Balé Teatro Guaíra, na plataforma Novos Criadores. Vem praticando e pesquisando técnicas voltadas para a improvisação na dança contemporânea e para o desenvolvimento do potencial criador individual.

Juliana Rodrigues é bailarina do Balé Teatro Guaíra. Mineira, natural de Caxambu, é formada pelo Centro de Formação Artística – Cefar em Belo Horizonte/MG. Trabalhou nas companhias de dança Ballet de Londrina e Curitiba Cia de Dança. Especialista em Artes Híbridas e bacharel em Dança, desenvolve trabalhos de criação própria por meio de improvisos explorando novos caminhos através da edição de vídeo. Juliana criou o projeto Aulas como Unidade e Cooperação e irá compartilhar aulas de improviso trabalhando a dança em uma linguagem híbrida, em que as conexões para construir novos caminhos experimentam a força interior como guia para acessar outras linguagens.

Luana Nery fez parte do Corpo de Baile Jovem na Escola Municipal de Bailados, atual Escola de Dança de São Paulo, sob a direção de Esmeralda Penha Gazal. Iniciou sua carreira profissional no Balé da Cidade de São Paulo, na direção de Lara Pinheiro e Iracity Cardoso, onde teve a oportunidade de trabalhar com vários profissionais da área da dança do Brasil e do Exterior. Fez parte do Núcleo de Pesquisas Mercearia de ideias sob a direção de Luiz Fernando Bongiovanni. Foi convidada pela XII Mostra de Teatro do Colégio Santa Cruz como professora e preparadora corporal. Atualmente faz parte do elenco do Balé Teatro Guaíra como bailarina, interprete/criadora, no qual vem desenvolvendo papeis como solista e corpo de baile no repertório da companhia.

Paula Sousa é bailarina, graduada como Major in Dance pela SEAD na Áustria e formada em dança contemporânea pela Escola do Teatro Bolshoi no Brasil. Integra, desde agosto de 2017, o Balé do Teatro Guaíra. Integrou e colaborou com as companhias Projeto Mov_ola com a direção de Alex Soares, Plataforma Shop Sui de Fernando Martins, em São Paulo, Arsenalle della Danza da Bienal de Veneza e Balé Jovem do Palácio das Artes. Desenvolveu em 2020 o projeto autoral “Pequenas danças”, com vídeos de arte que podem ser acompanhados no Instagram @sousapaula.

Serviço

Aulas como Unidade e Cooperação

De 23 de abril a 9 de julho, às sextas-feiras, das 13h às 14h30. 
Plataforma Zoom: https://us02web.zoom.us/j/87160315382
A atividade é gratuita e aberta a até 100 participantes por dia, por ordem de chegada. Não é preciso fazer inscrição prévia

Dois Corações: a tradicional coxinha curitibana em seis endereços e no Ifood

A coxinha de frango com requeijão cremoso da Dois Corações já pode ser considerada uma iguaria curitibana. Moradores da capital ou visitantes, todos aprovam. E não é por menos, a coxinha já foi eleita duas vezes a melhor de Curitiba. E não para por aí, o empadão vendido pela confeitaria também é de dar água na boca. Difícil escolher um favorito, todos são uma delícia!

Divulgação

E você, já experimentou? O Busão preparou uma lista com os endereços das 6 unidades da confeitaria que estão espalhadas pelo centro da cidade pra você não ficar de fora e saborear uma boa coxinha ou empadão! Confira:

Onde encontrar

  • Rua Senador Alencar Guimarães, 186
  • Rua XV de Novembro, 80
  • Alameda Dr. Muricy, 622
  • Praça Tiradentes, 510
  • Av. Vicente Machado, 218
  • R. Barão do Rio Branco, 61

Ifood: A Dois Corações também está disponível no Ifood, então já sabe né, quando bater aquela fome só pedir seu salgado favorito pelo delivery e receber aí na sua casa.