Unidade de Saúde do Fátima será referência no atendimento de sintomáticos respiratórios em Colombo

Alteração no atendimento visa dar mais agilidade aos serviços e acolhimento aos pacientes

A Unidade de Saúde do Jardim Fátima que já atende em horário estendido os moradores da região, agora será referência no atendimento de sintomáticos respiratórios leves. A mudança acontece a partir desta sexta-feira, dia 04, com horário das 7 as 19h de segunda a segunda.

Os pacientes da abrangência da Unidade do Fátima serão atendidos nas unidades mais próximas como a Alexandre Nadolny, Caic, Maracanã e São Gabriel para os serviços de acolhimento, vacinas, farmácia, insulina, curativos, entre outros.

Os atendimentos vão acontecer conforme a necessidade que cada morador tiver, ou seja, de acordo com os sintomas leves apresentados. Tais sintomas são caracterizados como coriza, febre acima de 37,8C, mal estar. Já os sintomáticos respiratórios moderados e graves serão priorizados na UPA do Maracanã.

A Unidade de Saúde do Jardim Fátima fica na Travessa Ana Neri, 61. Vale lembrar que as demais Unidades de Saúde do município mantém o atendimento normal aos pacientes e que esta iniciativa visa dar mais agilidade nos serviços de saúde em tempos de pandemia do Coronavírus.

Informações Banda B.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Geada começa a afetar lavouras da RMC e aumento de preços na feira é imediato

A região de Curitiba registrou as temperaturas mais baixas do ano nesta terça-feira (29) e quarta-feira (30), com sensação térmica chegando a -3ºC, e a queda nos termômetros neste início de inverno já começa a afetar as plantações. Por consequência da geada que se formou, alguns produtos passam a ficar mais escassos no mercado e os preços mais elevados ao consumidor.

O repasse costuma ser imediato, porque os produtores não fazem muitos estoques, afirmou o técnico e orientador de mercado da Ceasa/PR, Evandro Pilati, em entrevista para a Banda B. Alguns produtos já tiveram oscilação de preço para cima.

“Abobrinha, que é mais frágil, teve aumento um pouco maior. Vinha subindo no começo da semana, de ontem [terça] pra hoje [quarta] teve uma alta de 20%, com tendência de subir mais amanhã [quinta] e até o fim de semana”, diz.

Segundo Pilati, a alface sofreu alta de preço por conta das chuvas dos últimos dias e são previstos ainda aumentos nos preços do pepino e do chuchu.

É só o começo

Pilati chama a atenção do consumidor, ao alertar que este é somente o começo do inverno. A previsão é que continue a ter elevação de preços dos legumes, não somente por conta das temperaturas baixas, revela.

“Temos uma previsão de período um pouco mais seco. Isso contribui bastante e repercute no mercado. Esses legumes, de modo geral, temos produção de quase nada no sul e passamos a depender de fora.”

Outra justificativa, diz ele, é o momento de pandemia que vivemos. “Os produtores nossos estão reduzindo um pouco o plantio, até que se defina essa situação. Não adianta o produtor plantar bastante, se não sabe se o mercado vai absorver ou não. Por isso, a produção está, de certa forma, reduzida”, explica.

A receita para não gastar mais com os alimentos nesta época é estar atento aos preços elevados e procurar alternativas. Há produtos com valores mais acessíveis e são opções para substituir à mesa, sugere Pilati. Segundo o técnico, estão com preço bom: batata, cebola, cenoura, beterraba, batata-salsa e batata-doce.

“Estes não têm tendência de alta. São produtos de época e que a oferta e a qualidade são muito boas”, diz. Há grandes ofertas de repolho, couve-flor e agrião também. “Opções não faltam.”

Pior época

Independentemente de quanto cai a temperatura, o inverno é tipicamente a pior época de produção, pois afeta diretamente na cultura dos legumes.

“Enquanto não tem ocorrência de geada, o pessoal vai produzindo. Esses produtos quase que zeram na região. Aqui dependemos de São Paulo, Espírito Santo e um pouco do nosso litoral, mas ele não é autossuficiente para abastecer toda a região”, afirma o técnico.

O tomate, por sua vez, tem produção o ano todo e em todos os lugares. Mas mesmo ele dá um pouco de trabalho, conta Pilati.

“Com o frio da nossa região, ele demora mais para amadurecer e as pessoas querem tomate maduro, mais colorido. Com esses dias de temperatura muito baixa, ele demora para pegar cor e acaba subindo o preço no mercado.”

Informações Banda B

Piraquara é a primeira cidade do Estado a vacinar trabalhadores da limpeza

Piraquara começou a vacinar os trabalhadores da limpeza contra a Covid-19, nesta sexta-feira (11), se tornando o primeiro município do estado a imunizar servidores do ramo. Já pela manhã, os funcionários fizeram fila para receber a primeira dose do imunizante. A vacinação segue o cronograma do Ministério da Saúde. Durante a pandemia, o setor não parou. O município conta com 96 trabalhadores.

O presidente do Siemaco, Manassés de Oliveira, ressaltou que, para os trabalhadores do setor, a felicidade do início da vacinação contra a Covid-19 e que, em nenhum momento, os trabalhadores pararam, servindo a população durante todo tempo.

“Realmente, hoje para nós, os trabalhadores da limpeza, que tiveram o tempo todo presente na casa da população, não foram em home office nem nada, fazendo a coleta diurna e noturna, todos os dias, correndo o risco dobrado. O município de Piraquara, por meio da Secretaria Municipal de Saúde, inicia hoje a vacinação da Covid-19 para nosso trabalhadores”, disse em entrevista à Banda B na manhã desta sexta-feira (11).


Manassés celebra o momento que ele descreveu como histórica, já que vacinas salvam vidas.


“Para nós, é uma data histórica, nós que esperávamos ansiosos por essa vacina, este momento, e finalmente chegou”.

Disse à Banda B.


Agora, de acordo com o presidente do Siemaco, os funcionários da limpeza poderão trabalhar mais tranquilos.


“Satisfação por estar tomando a vacina e estar trabalhando mais tranquilo, indo e vindo para Piraquara. Esperamos que todos os municípios da região metropolitana e Curitiba definam uma data para a vacinação”.
Primeiro vacinado

Celebrou.

Primeiro vacinado

O trabalhador Antônio Neto, de 53 anos, foi o primeiro a vacinar entre os trabalhadores da limpeza de Piraquara a ser vacinado. Com isso, também, se tornou o primeiro receber a dose no Paraná.

“Estamos dando o primeiro passo, primeira dose mesmo. Estamos feliz da vida mesmo. Primeira etapa. Que todo mundo tenha um bom dia, mais uma equipe feliz da vida”.

Descreveu o trabalhador.


Wesley dos Santos, de 24 anos, também pode receber a dose nesta sexta-feira.


“Acredito que todos os trabalhadores estão muito felizes, primeiramente agradecendo a Deus. (…) Ficamos muito expostos, estamos direto na rua”.

Celebrou Wesley.

Informações Banda B