,

Uma lição que aprendi com um logista do centro de Curitiba

Você confia nos outros? Esse logista confiou em mim, e me inspirou!

 

No último sábado fui até uma loja de equipamentos fotográficos aqui em Curitiba para comprar um carregador da câmera D80 da Nikon. Não encontrei, mas saí de lá com a promessa de que o logista encomendaria e chegaria até quarta (hoje). Saindo do trabalho fui até a loja com aquela alegria no peito, o alívio por finalmente poder voltar a fotografar. Mas o carregador ainda não tinha chegado, a nova perspectiva é que ele chegará somente na semana que vem!

O meu grande problema é que me comprometi a fotografar o aniversário do meu sobrinho que acontecerá nesse sábado. Quando falei ao logista o motivo da minha pressa ele automaticamente abaixou, pegou um carregador meio que universal – segundo ele, aquele carregador carrega vários tipos de baterias – e me entregou. “Toma, carrega sua bateria, depois você me devolve”, me disse o homem. Eu olhei pra ele sem saber o que dizer. Eu não estava acreditando que alguém estava confiando em mim mesmo sem me conhecer.

Aquele homem nunca tinha me visto, não sabia meu nome, meu endereço, nada de mim. A loja fica no centro, quantas pessoas devem passar por ali diariamente? Eu respondi que então levaria a minha bateria até a loja para carregar, e ele sem pensar duas vezes me respondeu que era pra eu levar pra casa, pois não iria roubá-lo. A pergunta que fica é: como ele sabia disso? Como poderia alguém ter a audácia de confiar em outro alguém mesmo sem o conhecer?

Me lembro de todas as vezes em que confiei em alguém e fui passado pra trás. Todas as vezes em que me iludiram, enganaram e até mesmo roubaram (inclusive meus equipamentos). Pensei mais um pouco, sorri, agradeci e disse que devolveria depois do feriado. Pensei que esse simples gesto é uma maneira da vida me lembrar que mesmo que exista no mundo pessoas que não pensam nas outras é preciso que foquemos naquelas que fazem valer a pena. Mesmo que existam pessoas de má fé, sempre existirá aquelas de boa índole que nos recompensarão dos tombos que tomamos.

Precisamos confiar um pouco mais nas pessoas. Atitudes simples assim podem fazer toda diferença na vida dos outros e na nossa. Não estou falando para acreditarmos cegamente em tudo e todos, mas que possamos estar sempre atentos ao nosso instinto e de vez em quando, escolher alguém pra quem dar um pouco de crédito. Isso faz bem pra alma.

Written by Erick Mota

Erick Mota é apresentador e produtor de TV, criador do site Regra dos Terços e fomentador cultural.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Uma festa para os curitibanos que eram EMOS, alguém aí?

Sobre largar os bets