Um mês após decreto de bandeira vermelha, casos ativos e novos de Covid-19 caem pela metade em Curitiba

Pouco mais de um mês após o decreto de bandeira vermelha ser assinado pelo prefeito Rafael Greca, Curitiba vê os casos ativos e novos de Covid-19 caírem pela metade na cidade. Em 12 de março, segundo informações divulgadas pelo próprio prefeito, a taxa de transmissão chegou a bater a marca de 1,41, número bastante superior ao 0,87 divulgado na semana passada. Vale lembrar que, de acordo com especialistas, quando a taxa de reprodução é inferior a 1, a tendência é de queda nos casos de coronavírus.

Com base em análise feita nos boletins da Secretaria Municipal da Saúde, o número de novos casos de Covid-19 caiu 49% entre 13 de março e 13 de abril, enquanto o número de casos ativos caiu 48%. A capital paranaense retornou para a bandeira laranja no último dia 5.

Segundo o boletim divulgado um dia após o decreto de bandeira vermelha, por exemplo, Curitiba confirmou 1.262 novos casos e 12.655 casos ativos. Nesta terça-feira (13), o número de novos casos caiu para 646 e o de casos ativos para 7.168.

Números semelhantes são vistos apenas na ocupação dos leitos de UTI, mas neste mês de abril Curitiba tem 58 leitos adicionais abertos na cidade.

Mortes

Outro número que segue alto, é o de mortes, mas a tendência é oposta. Enquanto 31 mortes foram confirmadas em 13 de março, a tendência era de alta e, por isso, foi necessário interromper a cadeia de transmissão. Agora, com 39 óbitos confirmados na terça-feira (13), a tendência é de redução com o menor número de casos.

Nesse um mês, Curitiba viu o número de mortes subir de 3.207 para 4.277. São mais de mil mortes em 31 dias, o que confirma a condição de pior mês da pandemia.

Informações Banda B

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

New York Cafe anuncia o fechamento de sua última loja física em Curitiba, a unidade do Batel

A marca que revolucionou o consumo de cafés especiais na cidade, contribuindo diretamente para o fortalecimento do mercado gastronômico, vai focar sua atuação no serviço de entrega e encomendas personalizadas

Se hoje Curitiba é conhecida nacionalmente como a cidade dos cafés especiais e das cafeterias, muito se deve ao New York Cafe (NYC). Empreendimento gastronômico que surgiu em 2012, no bairro Alto da XV, com o objetivo de disseminar o consumo da bebida no Paraná, além de oferecer o melhor da cozinha e da cultura nova-iorquina. Comandado pelo chef Luiz Santo, a marca conquistou o mercado com um cardápio que atende todos os públicos, como vegetarianos, veganos e intolerantes a lactose, e revolucionou um mercado até então pouco difundido na capital paranaense.

Mesmo com toda essa história de sucesso, o New York Cafe é mais um empreendimento gastronômico atingido diretamente pela pandemia do coronavírus, que há mais de 1 ano tira o sono dos empresários de todo o mundo. Nesta segunda-feira (10), a marca anunciou o fechamento de sua última unidade franqueada em Curitiba, no bairro Batel, e vai focar sua atuação no projetoNew York Cafe ‘at home’, com entrega em domicílio.

“O New York Cafe existe no coração de cada um que enfrentou filas de horas e horas para sentar-se no Alto da XV. Ele existe no seu amigo que veio de outra cidade que você levou lá para conhecer. Ele existe nas 500 pessoas que enfrentaram a fila da inauguração do NYC Batel. O NYC está em muitos romances e pedidos de casamento. Nas surpresas, nos encontros, nos sorrisos, no copinho que você levou para casa e usa há anos com tanto carinho”, comenta Luiz Santo.

Segundo o empresário, com a necessidade do fechamento durante a pandemia, a marca precisou se reinventar, se reencontrando ao adotar soluções para levar seus produtos até os clientes, mostrando que todo o conceito construído ao longo dos anos era tão forte que existia além de um endereço físico. “O serviço de encomendas nos fez voltar à essência daquilo que mais amamos fazer: servir, do início ao fim. A sensação era como se estivéssemos lá em 2012, no início do NYC. Da escolha do cliente até a entrega”, destaca o chef e empresário.

Com o projetoNew York Cafe ‘at home’, o público fiel da marca poderá saborear em casa, com entregas em Curitiba e região, os preparos clássicos do NYC, entre eles Bagels, bialys, panquecas, a sagrada Challah e a incrível cheesecake, todos eles com produção artesanal e insumos de altíssima qualidade. A marca está em fase final de testes para o lançamento de novos produtos que poderão ser enviados para todo Brasil.  “São clássicos nova-iorquinos que demoramos anos para firmar no mercado curitibano. Agora, eles estão disponíveis para consumo em casa, com todo o conforto e segurança”, detalha o chef.

Como lançamento do New York Café ‘at home’, neste sábado, dia 15 de maio, a marca começa a receber pedidos agendados do clássico American Breakfast. “Quem não quer acordar pela manhã se sentindo em NY, com bagels, ovos, bacon e aquela pilha de panquecas que só o NYC sabe fazer?”, completa Santo.

As encomendas do New York Cafe ‘at home’ podem ser feitas diretamente pelo WhatsApp (41) 98766-3886. Para mais informações, acesse o site www.newyorkcafe.com.br ou o perfil oficial da marca no Instagram (@newyorkcafebr).

Vacinados contra a covid-19 no Brasil chegam a 35,9 milhões; 17% da população

O Brasil vacinou até esta segunda-feira (10) 35.909.617 pessoas com ao menos a primeira dose da vacina contra a covid-19. Os números são obtidos diariamente pelo consórcio de veículos de imprensa junto às secretarias estaduais de Saúde. A quantidade de pessoas imunizadas representa até aqui 16,96% da população.

Balanço divulgado ontem às 20h pelo consórcio com dados obtidos junto a 25 Estados mostra que 581.772 pessoas receberam a primeira dose. Entre os 35,9 milhões de vacinados, 18.073.591 receberam a segunda dose, o que representa 8,5% da população com a imunização completa; 326.608 pessoas receberam a segunda dose nesta segunda-feira.

No total, os Estados aplicaram 908.380 doses, entre aqueles que foram vacinados pela primeira vez e os que receberam o reforço do imunizante. As autoridades de saúde destacam a importância de os cidadãos retornarem ao posto na data marcada para completar a vacinação e assegurar a proteção contra a covid-19.

Levando em consideração dados relativos à primeira dose, o Rio Grande do Sul tem a vacinação mais avançada do País até esta segunda-feira. O Estado imunizou 21,94% da sua população contra o novo coronavírus. O que tem a menor porcentagem é Roraima, com 10,91% da população vacinada. Em números absolutos, São Paulo lidera com 8,7 milhões de pessoas vacinadas com a primeira dose