Turismo de Itaipu se prepara para reabertura da visitação pós-quarentena

Previsão é que isso ocorra depois da Semana Santa, mas atrativos só serão reabertos ao público depois de uma nova avaliação do cenário.

A reabertura da visitação aos atrativos turísticos da usina de Itaipu está prevista para depois da Semana Santa, mas só depois de uma reavaliação da situação de pandemia do novo coronavírus. Enquanto isso, obras de melhorias estão sendo tocadas dia e noite, para que os visitantes sejam ainda mais bem atendidos e levem a melhor experiência de visita que poderiam vivenciar.

Os atrativos estão fechados para o público desde 18 de março, atendendo a recomendações da Organização Mundial da Saúde (OMS), do Ministério da Saúde e aos decretos de isolamento social implementados pelo município de Foz do Iguaçu, onde está instalada a cidade-sede da usina. Em todo esse período, a usina não parou e tampouco as obras de melhorias do Complexo Turístico Itaipu.

Com os operários na lida, adotando os devidos cuidados para se proteger da contaminação do novo coronavírus, tudo está sendo preparado com carinho para a volta à normalidade, assim que a situação da pandemia da covid-19 estiver controlada. O turismo é uma vocação natural de Foz do Iguaçu e um dos setores mais importantes para a gestão do diretor-geral brasileiro de Itaipu, general Joaquim Silva e Luna. Faz parte da missão ampliada da usina o incentivo ao desenvolvimento da economia da região, onde o turismo é o maior empregador.

Tanto dentro quanto fora da usina, o diretor-geral brasileiro determinou que o segmento recebesse atenção especial. “Os investimentos nas obras estruturantes e na melhoria da logística e da qualidade de atendimento dos serviços buscam colocar o Destino Iguaçu num novo patamar. Quando a crise passar, estaremos em condições de igualdade de concorrer com outros roteiros importantes”, afirma Silva e Luna.

E complementa: “Foz é uma cidade linda, que reúne as Cataratas do Iguaçu, a maior usina em produção de energia do mundo e tantas outras belezas naturais, além de boa hotelaria e gastronomia. O passo que estamos dando hoje é essencial para a Foz que queremos do futuro”, completa.

Externamente, a lista de obras financiadas pela Itaipu inclui desde a nova ponte entre Brasil e Paraguai e a Perimetral Leste até a ampliação da pista de pouso e decolagem do Aeroporto Internacional de Foz do Iguaçu, passando pelo Mercado Municipal e, em breve, a duplicação da Rodovia das Cataratas, a BR-469, entre outras.

Internamente, todo o turismo será reestruturado. O cronograma começou este ano e deve ser concluído até 2022. O Mirante do Vertedouro, uma das principais atrações da usina, por exemplo, já está com cara nova. A primeira etapa, com a parte de terraplanagem, drenagem, pavimentação em paver e setorização dos jardins já está sendo executada. Tudo deve ser concluído até junho.

Já o pacote de projetos executivos e demais documentos para a segunda etapa, com o restante da estruturação prevista para o local, está em fase final de elaboração. A expectativa é que a licitação das obras seja lançada ainda no primeiro semestre, com andamento em setembro.

Em relação ao Mirante Central, que dá uma visão panorâmica da barragem, o pacote de projetos executivos e os demais documentos técnicos estão sendo elaborados. A previsão do início das obras é para novembro.

Já o Ecomuseu, que vai integrar também o Polo Astronômico, hoje dentro da usina, a 200 metros da entrada da Itaipu, passará por uma grande revitalização com adequações, melhorias e ampliações do espaço.

A ideia é promover a integração das iniciativas de turismo com a gestão ambiental da Itaipu e educação, incluindo a transferência das estruturas do Polo Astronômico para o Ecomuseu, o que deverá incrementar ainda mais as atividades turísticas do local. Essas obras devem começar em 2021.

O Centro de Recepção de Visitantes (CRV) também vem recebendo melhorias para a retomada das visitas. Os espaços administrativos e operacionais foram realocados e foi feita a revisão dos fluxos dos passeios, além de ajustes das escalas de trabalho e dos roteiros, tudo para reduzir as aglomerações.

Nesse período de suspensão das visitas e após a reabertura do turismo, o cuidado especial com os protocolos de saúde foi e permanecerá redobrado. A oferta de visitas técnicas continuará reduzida, para evitar circulação de grandes grupos na área industrial. A exibição do filme institucional continuará sendo feita em local aberto. A quantidade de kits de álcool em gel para colaboradores e turistas, em vários locais e nos ônibus, será aumentada, conforme a necessidade. O CTI também mantém um pronto atendimento em ambulatório para atendimento de visitantes.

Os meios de divulgação do Turismo Itaipu estão funcionando normalmente e disponíveis para atendimento e orientações.

Limite entre Curitiba e Fazenda Rio Grande pode mudar; entenda

O limite entre as cidades de Curitiba e Fazenda Rio Grande pode mudar, para corresponder oficialmente ao curso do rio Iguaçu, que teve seu canal retificado anos atrás, alterando seu traçado original. Os poderes Executivos dos dois municípios concordam com a alteração, que precisa do aval dos vereadores das duas cidades para ser submetida à ratificação dos deputados da Assembleia Legislativa do Paraná (Alep). Na Câmara Municipal de Curitiba (CMC), a proposta está sendo discutida nas comissões, para depois ser votada em plenário.

O projeto de lei do Executivo foi recebido pela CMC no dia 8 de novembro e possui apenas dois artigos, referendando o novo limite entre os municípios (005.00297.2021). Na justificativa, assinada pelo prefeito Rafael Greca, a gestão explica que o acordo é resultado de um estudo interinstitucional liderado pela Comec (Coordenação da Região Metropolitana de Curitiba), com a participação do IAT (Instituto Água e Terra), que são órgãos do Governo do Paraná.

O novo limite, conforme o documento anexado à proposição, começaria “no eixo do Rio Iguaçu retificado, na foz do Rio Mauricio, no ponto com coordenadas no sistema de projeção UTM, Datum Horizontal SIRGAS2000, meridiano central 51ºWGr N = 7.162.826,62 e E = 664.667,17, tríplice fronteira entre os Municípios de Fazenda Rio Grande, Curitiba e Araucária. Segue deste ponto a montante pelo eixo do Rio Iguaçu retificado até a foz do Rio Despique, no ponto com coordenadas N = 7.166.515,42 e E = 673.166,28, que representa a tríplice fronteira entre os Municípios de Fazenda Rio Grande, Curitiba e São José dos Pinhais”.

Curitiba e São José dos Pinhais

Há dois anos, a CMC avalizou a mudança de limite entre a capital e São José dos Pinhais, gerando a lei municipal 15.743/2020. Com o ajuste, o Parque São José, que possuía grande parte de sua área dentro de Curitiba, passou a pertencer integralmente a São José dos Pinhais. E a capital incorporou à Reserva do Cambuí, que já fica em seu território, uma área adjacente localizada entre o antigo leito do Rio Iguaçu e o Canal Extravasor (paralelo ao rio).

Carretas do Conhecimento vão abrir 1.884 vagas para cursos profissionalizantes em 30 cidades

As Carretas do Conhecimento, projeto do Governo do Estado em parceria com a Volkswagen e o Senai-PR, vão oferecer 1.884 vagas para cursos profissionalizantes em 30 municípios do Paraná nos quatro primeiros meses deste ano.

O primeiro curso de 2022 já está em andamento. Uma turma de 54 alunos está cursando “Instalação e Manutenção de Aparelhos de Ar Condicionado” no bairro do Tatuquara, em Curitiba. Em 2022 as aulas serão presenciais, substituindo o formato híbrido adotado em 2021 em função da pandemia, com parte dos alunos fazendo o acompanhamento on-line.

No total, serão 102 turmas com uma carga horária de 2.270 horas. As inscrições devem ser feitas diretamente nas Agências do Trabalhador e não mais serão aceitas pelo site.

A programação prevê que Curitiba e mais 11 municípios receberão cursos ainda no mês de janeiro. A formação em Eletricidade Automotiva será oferecida em Rolândia e Quintadinha; Mecânica de Automóveis em Campina Grande do Sul e Santa Izabel do Oeste; Mecânica de Motocicletas em Maria Helena, Lapa e Sertaneja; Mecânica Industrial em Palmas; Hidráulica e Pneumática Industrial em São José dos Pinhais; Eletricidade Predial em São Sebastião da Amoreira; e Panificação Básica em Nova Prata do Iguaçu.

FEVEREIRO – No mês de fevereiro serão atendidos os municípios de Clevelândia (Corte e Costura), São Jorge do Patrocínio (Eletricidade Predial), Matinhos (Manutenção de Ar Condicionado), Leópolis (Panificação), Guaíra (Mecânica de Motocicletas), Icaraíma (Manutenção de Ar Condicionado), Alto Piquiri (Eletricidade de Automóveis), Mallet (Corte e Costura), Mandirituba (Eletricidade Predial), Piraquara (Mecânica de Motocicletas) e Tijucas do Sul (Mecânica Industrial).

Curitiba ainda terá duas etapas, com o curso de Mecânica de Automóveis, no bairro Fazendinha, e Eletricidade Automotiva, em Santa Felicidade.

MARÇO – Estão programados cursos em março nas cidades de Araucária (Mecânica de Automóveis), Guaratuba (Manutenção de Ar Condicionado), Bituruna (Corte e Costura), Centenário do Sul (Eletricidade Industrial), Almirante Tamandaré (Panificação), Terra Boa (Manutenção de Ar Condicionado) e Pinhalão (Mecânica de Motocicletas). Curitiba terá outros dois cursos: Panificação, no Bairro Alto, e Corte e Costura, no Boqueirão.

CURSOS EM 2021 – O programa Carretas do Conhecimento ofereceu, ao longo de 2021, 1.782 vagas em cursos profissionalizantes em 35 municípios, com investimentos de R$ 2,8 milhões. Foram 104 turmas nas habilitações de elétrica automotiva, informática básica, refrigeração, mecânica industrial, corte e costura industrial, instalações elétricas, manutenção de motocicletas e panificação.

PARCERIA – O projeto Carreta do Conhecimento é uma parceria lançada na gestão do governador Carlos Massa Ratinho Junior, por meio da Secretaria da Justiça, Família e Trabalho, com a Fundação Grupo Volkswagen, a Volkswagen e o Senai-PR.