Turismo da Itaipu recebe mais de 230 mil visitantes em 2020

Publicidade
Publicidade

Em um ano de pandemia mundial, o resultado é considerado bastante positivo para o setor

Mesmo em um ano de pandemia e com alguns de seus atrativos ainda fechados, o turismo da margem brasileira da Itaipu Binacional recebeu 233.408 visitantes em 2020. O número é 64% inferior ao de 2019, mas demonstra otimismo e segurança especialmente para os profissionais do setor. 2020 foi um ano foi um ano cheio de desafios e de superação. 

O turismo é a principal atividade econômica de Foz do Iguaçu, responde por mais de 50% do PIB do município, e sofreu forte impacto com as medidas restritivas para o enfrentamento do novo coronavírus. A principal estratégia da retomada do segmento foi a campanha Vem Pra Foz, lançada em junho pela Itaipu e parceiros do trade turístico, uma iniciativa para salvar o setor da estagnação. 

O foco foi a manutenção de empregos do setor, que direta e indiretamente emprega profissionais das mais variadas áreas, entre camareiras, taxistas, empresários, guias de turismo, garçons e outros. A estagnação do turismo, a partir de março, com o avanço da pandemia do covid-19, resultou em milhares de perdas de frentes de trabalho, mas a estratégia possibilitou o retorno de boa parte desses trabalhadores à atividade. Para isso, o destino adotou uma série de medidas sanitárias, como treinamento e capacitação de pessoal, ocupação restrita, uso obrigatório de máscaras, distanciamento social e distribuição de álcool e gel.

Fotos: Kiko Sierich/ PTI

“Mais uma vez Foz do Iguaçu saiu na frente e provou que o turismo seguro é a tendência para atrair visitantes do mundo inteiro, e turismo seguro é o que Foz do Iguaçu oferece”, destacou o diretor-geral brasileiro da Itaipu, general Joaquim Silva e Luna. E acrescenta: “foi um ano de superações e 2021 será ainda melhor”. 

Passeios oferecidos 

No momento, estão em funcionamento três passeios no Complexo Turístico Itaipu (CTI): a Itaipu Panorâmica, que recebeu o maior número de turistas em 2020, o Ecomuseu e o Refúgio Biológico Bela Vista. Em período normal, há também a Itaipu Especial, que permite que o visitante vá até o coração da usina. De acordo com o gerente do CTI, Yuri Benites, para 2021 os visitantes podem esperar muitas novidades.

Um novo CTI

“Aproveitamos o período de menor movimentação para promover reformas e melhorias que vão proporcionar uma experiência ainda mais inesquecível aos turistas e visitantes que moram em Foz do Iguaçu e região”, disse Benites. Entre as adequações, estão a reforma do Mirante do Vertedouro, um dos principais pontos no circuito turístico da usina, e do Centro de Recepção de Visitantes. 

A revitalização atende a uma demanda da Assessoria de Turismo da Itaipu, que também está trabalhando em outras opções de passeio que complementarão o circuito turístico Itaipu. Um deles é o Itaipu Memória, que vai percorrer um trecho entre o novo Mercado Municipal em construção e passar pelas vias A, B e C para contar como foi o período da construção, contextualizando com a história de Foz do Iguaçu. 

“É uma forma de homenagear os milhares de barrageiros que ergueram a usina e deixaram como legado para o Brasil e o Paraguai a maior hidrelétrica em produção de energia limpa e renovável do planeta”, ressaltou Silva e Luna. E finaliza: “e também de preservar a história da fronteira, para quem aqui vive e os nossos visitantes”.

um ano de pandemia mundial, o resultado é considerado bastante positivo para o setor

Mesmo em um ano de pandemia e com alguns de seus atrativos ainda fechados, o turismo da margem brasileira da Itaipu Binacional recebeu 233.408 visitantes em 2020. O número é 64% inferior ao de 2019, mas demonstra otimismo e segurança especialmente para os profissionais do setor. 2020 foi um ano foi um ano cheio de desafios e de superação. 

O turismo é a principal atividade econômica de Foz do Iguaçu, responde por mais de 50% do PIB do município, e sofreu forte impacto com as medidas restritivas para o enfrentamento do novo coronavírus. A principal estratégia da retomada do segmento foi a campanha Vem Pra Foz, lançada em junho pela Itaipu e parceiros do trade turístico, uma iniciativa para salvar o setor da estagnação. 

O foco foi a manutenção de empregos do setor, que direta e indiretamente emprega profissionais das mais variadas áreas, entre camareiras, taxistas, empresários, guias de turismo, garçons e outros. A estagnação do turismo, a partir de março, com o avanço da pandemia do covid-19, resultou em milhares de perdas de frentes de trabalho, mas a estratégia possibilitou o retorno de boa parte desses trabalhadores à atividade. Para isso, o destino adotou uma série de medidas sanitárias, como treinamento e capacitação de pessoal, ocupação restrita, uso obrigatório de máscaras, distanciamento social e distribuição de álcool e gel.

“Mais uma vez Foz do Iguaçu saiu na frente e provou que o turismo seguro é a tendência para atrair visitantes do mundo inteiro, e turismo seguro é o que Foz do Iguaçu oferece”, destacou o diretor-geral brasileiro da Itaipu, general Joaquim Silva e Luna. E acrescenta: “foi um ano de superações e 2021 será ainda melhor”. 

Passeios oferecidos 

No momento, estão em funcionamento três passeios no Complexo Turístico Itaipu (CTI): a Itaipu Panorâmica, que recebeu o maior número de turistas em 2020, o Ecomuseu e o Refúgio Biológico Bela Vista. Em período normal, há também a Itaipu Especial, que permite que o visitante vá até o coração da usina. De acordo com o gerente do CTI, Yuri Benites, para 2021 os visitantes podem esperar muitas novidades.

Um novo CTI

“Aproveitamos o período de menor movimentação para promover reformas e melhorias que vão proporcionar uma experiência ainda mais inesquecível aos turistas e visitantes que moram em Foz do Iguaçu e região”, disse Benites. Entre as adequações, estão a reforma do Mirante do Vertedouro, um dos principais pontos no circuito turístico da usina, e do Centro de Recepção de Visitantes. 

A revitalização atende a uma demanda da Assessoria de Turismo da Itaipu, que também está trabalhando em outras opções de passeio que complementarão o circuito turístico Itaipu. Um deles é o Itaipu Memória, que vai percorrer um trecho entre o novo Mercado Municipal em construção e passar pelas vias A, B e C para contar como foi o período da construção, contextualizando com a história de Foz do Iguaçu. 

“É uma forma de homenagear os milhares de barrageiros que ergueram a usina e deixaram como legado para o Brasil e o Paraguai a maior hidrelétrica em produção de energia limpa e renovável do planeta”, ressaltou Silva e Luna. E finaliza: “e também de preservar a história da fronteira, para quem aqui vive e os nossos visitantes”.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Foz do Iguaçu atrai 33,6 mil turistas nos primeiros dias de 2021

Publicidade
Publicidade

O Parque Nacional do Iguaçu, o Marco das Três Fronteiras, a Usina de Itaipu Binacional e o Parque das Aves receberam 33,6 mil turistas nacionais e estrangeiros nos três primeiros dias de 2021. Essas atrações são os motores do turismo em Foz do Iguaçu, no Oeste do Paraná, um dos destinos mais procurados no País. As atividades do setor correspondem a mais de 50% da economia municipal.

Os números apontam para uma retomada gradual do turismo e do setor de serviços mesmo diante do cenário de cuidados com o novo coronavírus e circulação e horários restritos para evitar aglomerações. Os dados consideram ingressos comercializados e não CPFs, podendo considerar que uma mesma pessoa esteve em mais de um local.

O Parque Nacional do Iguaçu recebeu 15.270 visitantes no feriadão de Réveillon (1º a 3). O movimento representou uma redução de 44% no comparativo com o mesmo período do ano passado, quando foram registradas 27.286 visitas. O Marco das Três Fronteiras, símbolo da amizade com Argentina e Paraguai, recebeu 6.119 visitantes, diferença de 3.408 visitantes (-35%) em relação ao mesmo período de 2019.

FOTO: AEN PR

O Parque das Aves vendeu 8.274 tíquetes entre 31 de dezembro e 3 de janeiro, sendo que a grande maioria, 7.388 pessoas, conheceu a reserva nos três primeiros dias do ano. A visitação superou a expectativa inicial de 7 mil turistas nesse período e respeitou a regra de lotação máxima de até 3.500 pessoas por dia.

Foz do Iguaçu – Parque das Aves. Foto: José Fernando Ogura/ANPr

A Itaipu Binacional atraiu em 2021 um total de 4.885 visitantes. A maior parte proveniente do Paraná, fruto da política do Governo do Estado, de estímulo ao turismo regionalizado. Também visitaram a Itaipu turistas do Rio Grande do Sul e São Paulo. A visita panorâmica, a mais disputada, foi a mais movimentada. Na sexta-feira, registrou 1.107 visitantes. O dia de maior visitação foi no sábado, com 1.389 visitas. No domingo foram 1.191 turistas.

OBRAS EM FOZ – Para impulsionar ainda mais o turismo na cidade e ajudar a recuperar as perdas de 2020, o Governo do Estado, o governo federal, a Itaipu Binacional, a prefeitura e o setor privado estão tirando do papel algumas das principais obras de infraestrutura da cidade, como a Ponte da Integração Brasil – Paraguai, a ampliação da pista do Aeroporto Internacional de Foz do Iguaçu e a duplicação da Rodovia das Cataratas.

A nova ponte está se aproximando de 50% de execução e as obras no aeroporto já ultrapassaram 65%, com previsão de inauguração em abril. A licitação da Rodovia das Cataratas será publicada no começo deste ano, com expectativa de início das obras também em 2021. A intervenção inclui vias marginais, ciclovia, um viaduto na entrada do aeroporto, três trincheiras, ponte, uma passarela para pedestres, dois passa-faunas e uma rotatória da entrada do Parque Nacional do Iguaçu.

As obras em infraestrutura são parte do programa Acelera Foz, lançado em 2020. Ele reúne 40 iniciativas em sete eixos para que o município alcance e ultrapasse os patamares de pouco antes do início da pandemia. Os eixos são infraestrutura, divulgação, retomada econômica do turismo, empreendedorismo, inovação e atração de investimentos, apoio à produção e comercialização, e fomento de políticas públicas.

BALANÇO DE 2020 – O Parque Nacional do Iguaçu fechou 2020 com 658.367 visitantes, o que representou redução de 67% em relação a 2019, quando passaram pelos portões da reserva 2.020.358 pessoas, o maior número de visitação da história. Os números de 2020 se equiparam aos índices de 2002, um baque de 18 anos.

O parque fechou pela primeira vez em 18 de março e reabriu no dia 10 de junho, aniversário de Foz do Iguaçu. No dia 1º de julho, a unidade de conservação foi fechada novamente e retomou as atividades apenas em 4 de agosto. Nesse período foram 123 dias sem receber turistas, algo inédito desde que ele foi criado, em 1939. Em três meses (abril, maio e julho) não houve visitação.

O Parque Nacional do Iguaçu é uma das Sete Maravilhas Naturais do mundo. Ele está aberto todos os dias na alta temporada, com funcionamento das 8h às 16h, seguindo um rigoroso controle de proteção sanitária e de orientação aos visitantes. Os ingressos são limitados e vendidos exclusivamente on-line, com agendamento de data e horário para a visita.

O turismo da margem brasileira da Itaipu Binacional recebeu 233.408 visitantes em 2020. O número é 77% inferior ao de 2019, quando ingressaram nos portões da binacional 1.028.225 turistas, maior resultado da história. Desde 1976, quando foi aberta para visitação, a Itaipu já recebeu quase 24 milhões de turistas em ambas as margens.

No momento, estão em funcionamento três passeios no Complexo Turístico Itaipu (CTI): a Itaipu Panorâmica, que recebeu o maior número de turistas em 2020, o Ecomuseu e o Refúgio Biológico Bela Vista. Em período normal, há ainda a Itaipu Especial, que permite que o visitante vá até o coração da usina.

Também houve redução no Parque das Aves, frustrando a expectativa de alcançar, pela primeira vez na história, a marca de 1 milhão de turistas. Em 2020 foram 290.122 pessoas, contra 936.673 visitantes durante 2019, ano mais expressivo no reduto de mais de 1,3 mil aves, maior parque dessa natureza na América Latina.

O Parque das Aves também passou por um grande processo de reconstrução em 2020. Ele ficou fechado por quase seis meses e chegou a demitir 130 funcionários, mantendo somente pessoal indispensável para o tratamento e cuidados dos animais, mas em dezembro já anunciou a recontratação dos primeiros 28 servidores. A expectativa é de manter esse ritmo conforme a evolução das visitações.

No Marco das Três Fronteiras houve uma redução de 258.496 visitantes em 2020, queda de 57% na visitação turística, no comparativo com 2019. Foram 194.947 no ano passado, contra 453.443 do ano anterior. O ponto turístico abre todos os dias, das 15h às 21h.

Visitação nos atrativos de Foz do Iguaçu nos primeiros dias de 2021

Parque Nacional do Iguaçu – 15.270

Itaipu Binacional – 4.885

Parque das Aves – 7.388

Marco das Três Fronteiras – 6.119

Total: 33.662

Comparativo de visitação nos atrativos de Foz do Iguaçu entre 2019 e 2020

Parque Nacional do Iguaçu

2019 – 2.020.358

2020 – 658.367

Itaipu Binacional

2019 – 1.028.225

2020 – 233.408

Parque das Aves

2019 – 936.673

2020 – 290.122

Marco das Três Fronteiras

2019 – 453.443

2020 – 194.947

Saiba mais informações sobre os atrativos

Parque Nacional do Iguaçu – https://cataratasdoiguacu.com.br/

Itaipu Binacional – https://www.itaipu.gov.br/turismo/como-visitar-itaipu

Parque das Aves – https://www.parquedasaves.com.br/

Marco das Três Fronteiras – https://marcodastresfronteiras.com.br/

Informações AEN.

Cinco dicas de como viajar sem dinheiro

Publicidade
Publicidade

Depois do confinamento, já pensou na próxima trip? Veja dicas do aventureiro e jornalista Filipe Masetti de como viajar economizando ao máximo

O ano de 2020 não foi nada fácil diante de tantas famílias que perderam pessoas queridas devido à pandemia com o novo coronavírus. Um estudo realizado pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro mostrou que neste ano houve um aumento de quase 50% no número de casos de depressão no Brasil, o que foi impulsionado pela chegada da pandemia e do isolamento social.

Apesar de ainda não existir uma data oficial para a vacinação começar no país, os planos para a próxima viagem e elaboração de roteiro já podem começar. Afinal, é preciso sempre guardar com antecedência dinheiro para viajar, né? Veja abaixo dicas de Filipe Masetti, escritor e jornalista que acaba de lançar a obra “Cavaleiro das Américas: Rumo ao Fim do Mundo”:

1. Planeje a viagem com antecedência: Quanto mais cedo começar a planejar, mais barata a viagem ficará. Comece a fazer pesquisas na internet e escreva o seu roteiro. Faça várias simulações e verifique quais trechos de ida e volta são mais baratos para voos. Tenha preferência por viajar em períodos fora da temporada. Na hora de comprar passagens de trem ou ônibus, prefira viajar na madrugada, assim economiza também uma diária no hotel.

2. Procure por hospedagem gratuita: O site CouchSurfing, por exemplo, é uma plataforma que conecta viajantes em busca de hospedagem gratuita e pessoas dispostas a recebê-las. Antes de escolher o local em que irá se hospedar, pesquise sobre o anfitrião, veja avaliações ou tente conversar com pessoas que já ficaram hospedadas no local. Tire todas as dúvidas com o dono do local sobre a hospedagem e as regras que devem ser seguidas. Caso prefira se hospedar em outro local e também economizar, procure hostels com preços em conta e que caibam no seu orçamento, além de opções que ofereçam café da manhã incluso no preço.

3. Locomoção: Evite gastos com transporte público ou táxi caso as distâncias percorridas dentro das cidades for próxima. Prefira ir caminhando ou de bicicleta. Somando os gastos diários, a economia pode ser grande.

4. Faça trabalho voluntário: Caso planeje fazer um mochilão e viajar por vários meses, essa é uma excelente opção para economizar. Algumas instituições oferecem hospedagem grátis em troca de voluntariado.

5. Não tenha vergonha de pedir ajuda: A verdade é que deixamos de economizar muito por receio de pedir ajuda a algum conhecido. Se conhece alguém que mora na cidade para onde vai viajar, não hesite em perguntar se a pessoa pode te hospedar. É possível economizar uma boa grana se não gastar com hospedagens. Ofereça ajuda em troca, seja comprando comida ou organizando a casa. Quem sabe, além de lugar para dormir, também não arranja companhia para turistar?