Transporte Coletivo tem reforço para partida do Brasil contra Coreia do Sul

Transporte Coletivo tem reforço para partida do Brasil contra Coreia do Sul. Foto: Ricardo Marajó/SMCS-(Arquivo)

A partir das 14h desta segunda-feira (5/12), o transporte coletivo terá reforço por conta do jogo do Brasil contra Coreia do Sul pelas oitavas de final da Copa do Mundo do Catar. O jogo, marcado para as 16h, deve provocar aumento do fluxo de passageiros que se deslocam para ver a partida.

Todos os eixos com veículos expressos e ligeirões circularão com mais ônibus dos principais pontos no centro da cidade em direção aos terminais, segundo a Urbanização de Curitiba (Urbs), que gerencia o transporte coletivo na capital.

Também serão colocados mais veículos à disposição da fiscalização nos principais terminais da cidade para atender a demanda.

Linhas

A Urbs vai ampliar o número de veículos nas linhas 022 e 023 Inter 2 (em ambos os sentidos), 505 – Boqueirão / C. Cívico, 506 – Bairro Novo, X36 – Caiuá / Guadalupe, 902 – Sta. Felicidade, 040 – Interbairros IV e 050 – Interbairros V.

Linhas alimentadoras também terão reforço, como as que atendem a região do Tatuquara: 680 – Rurbana, 650 – Sta. Rita Pinheirinho, 674 – Rio Bonito e 690 – V. Juliana. Na região do Sítio Cercado contarão com mais veículos as linhas 541 – Bairro Novo A e Bairro Novo B.

A linha 216 – Cabral / Portão contará com apoio para atender a região do Portão, Prado Velho e Cabral.

Veja a matéria no site da Prefeitura de Curitiba

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Escolas já podem inscrever alunos para a Olimpíada de Matemática

Escolas públicas municipais, estaduais e federais e escolas particulares de todo o país têm até o dia 17 de março para inscrever alunos para a 18ª Olimpíada Brasileira de Matemática das Escolas Públicas (OBMEP).

Considerada a maior competição científica do Brasil, ela é promovida pelo Instituto de Matemática Pura e Aplicada (IMPA) e reúne, todos os anos, mais de 18 milhões de estudantes do 6º ano do ensino fundamental ao 3º ano do ensino médio. No ano passado, foram 18,1 milhões de alunos de 54 mil escolas, atingindo 99,78% dos municípios brasileiros.

Em entrevista hoje (2) à Agência Brasil, o diretor adjunto do IMPA e coordenador-geral da OBMEP, Claudio Landim, disse que a grande novidade do certame este ano é a criação de medalhas regionais.

“A gente sabe da importância dessas medalhas no estímulo ao ensino da matemática. Assim, resolvemos aumentar o número de medalhas concedidas aos estados”, revelou. Dessa forma, o aluno estará concorrendo a medalhas nacionais mas, ao mesmo tempo, vai participar de uma disputa interna no seu estado. Cada estado vai distribuir um certo número de medalhas de ouro, prata e bronze para os seus alunos.

Landim estimou que isso vai aumentar o número de medalhas distribuídas de cerca de 8,4 mil para perto de 30 mil, além de 51 mil menções honrosas. O objetivo da medida é estimular o ensino da matemática. “Com isso, a gente espera ter um número cada vez maior de alunos participando e tentando conquistar uma medalha”, afirmou.

Outra novidade é que o IMPA está duplicando o número de medalhas destinadas a escolas privadas. “Eram 75 medalhas de ouro e passarão a ser 150. Isso também visa aumentar o número de premiados para tentar estimular a participação”, informou.

Desafios

Segundo o diretor informou, uma coisa que ocorre apenas com as escolas privadas é que elas inscrevem somente estudantes interessados em matemática.

Ele deixou claro que a prova não mede conhecimento e que os problemas apresentados envolvem criatividade. “São desafios à inteligência”, contou.

Durante a prova, muitos alunos que não gostam de matemática acabam percebendo que a matéria consegue ser algo divertido e desafiador. Por isso, o diretor adjunto do IMPA reforçou que é uma pena que alunos que não têm boas notas ou que não manifestem interesse em matemática não sejam inscritos.

“Porque é uma oportunidade única que eles têm de descobrir que a matemática é bem diferente do que é ensinado em sala de aula. Isso desperta vocações. O meu apelo às escolas privadas é que inscrevam todos os seus alunos” externou. É cobrada na inscrição uma taxa simbólica de R$ 4 por aluno.

Um dos desafios da prova da olimpíada é despertar o interesse pela matéria. “E a gente consegue isso”, disse. Ele relatou casos de alguns alunos que eram péssimos em matemática e, após participarem da Olimpíada, despertaram o interesse pela matéria e seguiram carreira na área de exatas, como engenharia, entre outras, onde se usa bastante matemática.

A nível nacional, serão distribuídas 650 medalhas de ouro, 1.950 de prata e 5.850 bronzes aos participantes de unidades públicas e particulares. Os alunos que conquistarem medalhas nacionais são convidados a participar do Programa de Iniciação Científica Jr. (PIC) como incentivo e promoção do desenvolvimento acadêmico. Já a premiação regional será de responsabilidade de cada coordenação e não permite acesso ao PIC.

Inscrições

A inscrição é feita pelas escolas, que devem preencher a ficha disponível no site da OBMEP, informar o código no Ministério da Educação e no Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (MEC/INEP) e criar uma senha.

No regulamento, os representantes das escolas vão encontrar informações sobre condições, prazos, datas e regras previstas para participação na olimpíada. O regulamento pode ser encontrado aqui.

A primeira fase da olimpíada é composta por uma prova objetiva de 20 questões e, a segunda, por uma prova discursiva de seis questões. A primeira fase será no dia 30 de maio. A divulgação dos aprovados para a segunda etapa será feita em 2 de agosto, com a prova ocorrendo no dia 7 de outubro.

As provas são preparadas de acordo com o grau de escolaridade do aluno: nível 1 (6º e 7º anos), nível 2 (8º e 9º anos) e nível 3 (ensino médio). A divulgação dos premiados está prevista para 20 de dezembro.

Landim disse, ainda, que os pais que quiserem que seus filhos participem da olimpíada precisam pedir à direção das escolas que sejam feitas as inscrições e que não deixem para o último dia, porque as inscrições são feitas pela internet “e, muitas vezes, as condições não são boas”.

Fonte: Veja a matéria no site da Agência Brasil

Opção vegana faz sucesso em sorveteria curitibana

As sobremesas costumam ter atenção especial de pessoas com restrições alimentares. Diferentes de pratos salgados, nos quais é mais fácil perceber que levam carne ou algum tipo de alimento de origem animal, os doces precisam de mais informações para garantir que são veganos. Uma pedida para pessoas veganas que não leva leite ou qualquer outro insumo de origem animal é a linha da SOFT Ice Cream.

A rede apresenta sorvetes artesanais, com dedicação a cada etapa da produção de suas sobremesas. E as opções veganas da marca também estão entre as mais pedidas, até por quem não tem restrição quanto ao que consome. Mantendo muito sabor, os sorvetes veganos são feitos com as frutas, água e açúcar, não levando nenhum tipo de ingrediente de origem animal, nem conservante, emulsificante, corante ou aromatizante. O de frutas vermelhas é feito com morango, framboesa, amora e mirtilo, enquanto o de frutas amarelas leva manga e maracujá.

São três lojas SOFT em Curitiba, e casa uma tem sua opção. As unidades Batel e Palladium servem frutas vermelhas, enquanto a do MON tem frutas amarelas.

A SOFT conta com três lojas em Curitiba: Shopping Palladium (Av. Presidente Kennedy, 4121 – Piso L1 – Portão), Batel (Al. Dr. Carlos de Carvalho, 665) e Museu Oscar Niemeyer – MON (R. Manoel Eufrásio, 1550 – Centro Cívico). Mais informações no perfil oficial da rede no Instagram (@soft.icecream.co).

WP Twitter Auto Publish Powered By : XYZScripts.com