Tiago Leifert fala sobre piora da pandemia, após comentários de Sarah no BBB

No pior dia da pandemia, os participantes do Big Brother Brasil 21 receberam, pela primeira vez neste ano, informações sobre a situação do país. O Brasil registrou 3.158 mortes por covid-19, na terça-feira, 23.

Confinados desde janeiro, os brothers não sabiam como estava a realidade da doença. Então, após algumas falas polêmicas de Sarah Andrade, ironizando a pandemia, Tiago Leifert fez um comunicado a todos os participantes.

“A segunda onda veio realmente muito pesada. Se vocês acham que melhorou, que vocês vão sair daí e vai estar tudo bem, não é o caso. A gente ainda tá no meio da pandemia. Eu sei que vocês olham as festas, as provas, e acham que está tudo bem, mas não tá tudo bem”, disse.

“A gente continua trabalhando da mesma forma do ano passado, com várias restrições, com álcool, lavando a mão, máscara o tempo inteiro. Então, assim, tá igual, tá até um pouco pior do que quando vocês entraram.”

Os competidores ficaram assustados com a declaração e preocupados com o estado de saúde de seus familiares. O apresentador do reality show da Globo os tranquilizou afirmando que todas as famílias estão bem. “Fiquem bem, a gente vai passar por tudo isso. Aí dentro vocês estão em um privilégio danado.”

Depois de conversar com os brothers, Leifert explicou para os telespectadores a situação, mas não mencionou o nome de Sarah: “Eles precisam saber, tinham algumas pessoas lá dentro com a impressão de que estava tudo bem, que estava melhorando. Estavam até fazendo algumas brincadeiras. Então agora a gente já deixou claro para eles que tem muita gente sim, doente. E você que está nos assistindo, se você puder, fique em casa, se cuida”.

Falas de Sarah sobre covid-19

Na semana passada, uma “brincadeira” de Sarah causou revolta nas redes sociais. Ela contou para Arthur que, quando recebeu uma ligação do programa, antes de entrar no reality, estava em uma festa.

“Quando me ligou para a entrevista, falou para mim: ‘Pandemia não existe pra você? Ninguém tá morrendo pra você?’. Oxi… e eu: ‘Eu não tô sentindo nada'”, declarou Sarah, rindo, durante festa de Fiuk na noite de quarta-feira, 17.

Ontem, antes do comunicado de Tiago, a sister também comentou que, para ela, os protocolos de segurança da doença eram uma “frescura”. “Eu fui para réveillon esse ano, uma frescura da p***. Toda hora chegava polícia, falando para ficar nas mesas, esse negócio de distanciamento, tinha que fazer teste antes.”

Após as críticas nas redes sociais, a equipe de Sarah se posicionou sobre os comentários: “Sarah errou muito em declarações sobre um assunto tão delicado e que afeta tristemente todos nós. Nós, como equipe, acreditamos que aqui fora ela entenderia a gravidade do que estamos vivendo e sabemos que sua atitude também será de se desculpar! Lamentamos as falas e pedimos desculpas a todas as vítimas e familiares.”

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Curitiba flexibiliza regras e autoriza reabertura de casas noturnas e de shows; confira o decreto

Após quase três meses consecutivos de bandeira amarela e melhora contínua dos indicadores da pandemia de covid-19, Curitiba adota novas regras menos rígidas para o funcionamento do comércio e atividades. O Decreto Municipal 1650 será publicado nesta quarta-feira (6) e começa a valer a partir da publicação até 4 de novembro.  

O Comitê de Técnica e Ética Médica da Secretaria Municipal da Saúde (SMS) avaliou os indicadores epidemiológicos da semana de 28 de setembro a 5 de outubro. A nota da bandeira fechou em 1.7.

“Desde do início da pandemia nunca permanecemos um período tão longo de bandeira amarela e com continuidade na redução dos números. Isso mostra os benefícios da vacinação e nos dá liberdade de avançar um pouco mais na retomada do cotidiano, claro, sem deixar de lado os cuidados”, comemorou a secretária municipal da Saúde, Márcia Huçulak.

 

Principais mudanças

Podem voltar a funcionar as casas de shows e casas noturnas, mas com 70% de ocupação, cumprimento de protocolos e limitação máxima de mil pessoas. Também estão liberadas as saunas com 70% de ocupação. 

As regras de 70% de ocupação e limitação máxima de mil pessoas também passam a valer para casas de festas e de recepções, considerando a similaridade entre as atividades.

Pistas de danças poderão funcionar em área delimitada, com o uso de máscaras e sem consumo de bebidas e alimentos no espaço destinado para dançar. O consumo de bebidas e alimentos nos estabelecimentos segue restrito para clientes sentados. Continuam suspensos o consumo em tabacarias e de bebidas alcóolicas em vias públicas, com exceção em feiras livres e feiras de artesanato. 

Atividades comerciais e serviços, que já podiam funcionar com 50% da capacidade, agora podem atender com até 70% da capacidade de ocupação. Igrejas e templos também.

Os eventos esportivos com público externo e as apresentações teatrais e musicais em espaços abertos, que também já estavam liberados, poderão acontecer agora com 50% da ocupação, com a testagem prévia do público pela metodologia RT-PCR ou antígeno e a proibição da comercialização e consumo de alimentos e bebidas alcóolicas.

Os estabelecimentos destinados à hospedagem, como pousadas, hotéis, resorts e hostels, podem atuar com a capacidade total de ocupação (antes era 70%).

Eventos coorporativos de interesse profissional também poderão ser realizados, sem limitação máxima de público, desde que respeitada a regra de 70% de ocupação do espaço, não havendo mais a necessidade de realização de testagem prévia. 

A regra da testagem para esse tipo de evento mudou devido ao entendimento de que o público deva permanecer sentado, com uso de máscara facial e o distanciamento entre os participantes.

“Vale ressaltar que embora o momento seja otimista ainda não é hora de abandonarmos o uso da máscara, que se mostrou muito eficaz na prevenção da contaminação. Os indicadores ainda não permitem esse avanço, mas estamos no caminho”, alertou o diretor do Centro de Epidemiologia, Alcides Oliveira.

 

Indicadores em queda

Além da bandeira em 1.7, a avaliação dos indicadores de forma isolada vem apresentando melhora significativa nos últimos 14 dias, o que sustenta as flexibilizações para a retomada econômica da cidade, desde que sejam cumpridos os protocolos e medidas preventivas.

O número diário de casos novos apresentou queda de 46,7% nos últimos 14 dias. O número de óbitos por data de ocorrência também vem caindo, a redução foi de 43% no mesmo período. Também teve queda de 37,7% o número de casos ativos.

A taxa de retransmissão do vírus, que indica o número de novos contaminados por cada pessoa que estiver na fase ativa da doença, segue em queda, está em 0,81 e na última estava em 0,86. O indicador abaixo de 1 demonstra desaceleração da pandemia.

Mesmo com a retomada de outros atendimentos eletivos e emergenciais eletivos, as taxas de ocupação dos leitos exclusivos para covid-19 seguem baixas. Nesta quarta-feira (6/10) as UTIs estão com 61% de ocupação, enquanto os leitos clínicos estão com 45%, menos da metade da capacidade.

 

Veja como ficam as principais atividades

Atividades suspensas

– Consumo no local em tabacarias;

– Consumo de bebidas alcoólicas em vias públicas, salvo em feiras livres e de artesanato.

Atividades liberadas com 70% de ocupação e protocolos 

– Atividades comerciais de rua não essenciais, galerias, centros comerciais e shopping centers; 

– Atividades de prestação de serviços não essenciais, tais como escritórios em geral, salões de beleza, barbearias, atividades de estética, saunas, serviços de banho, tosa e estética de animais, floriculturas e imobiliárias; 

– Academias de ginástica e demais espaços para práticas esportivas individuais e coletivas; 

– Restaurantes, lanchonetes, panificadoras, padarias, confeitarias e bares;

– Lojas de conveniência em postos de combustíveis;

– Comércio varejista de hortifrutigranjeiros, quitandas, mercearias, sacolões, distribuidoras de bebidas, peixarias, açougues, e comércio de produtos e alimentos para animais;

– Mercados, supermercados, hipermercados e lojas de material de construção;

– Feiras livres;

– Parques infantis e temáticos: sendo permitida apenas a utilização de equipamentos/brinquedos e espaços lúdicos, desde que realizada a assepsia após o uso de cada pessoa ou grupo de pessoas; 

– Feiras de artesanato, cinemas, museus, circos e teatros para apresentação musical ou teatral; 

– Casas de festas e de recepções, incluídas aquelas com serviços de buffet, salões de festas em clubes sociais e condomínios e estabelecimentos destinados ao entretenimento, tais como casas de shows, casas noturnas e atividades correlatas: autorizadas até 1.000 (mil) convidados;

– Permitidos a disponibilização de música ao vivo e o funcionamento de pista de dança em espaço delimitado, com uso de máscara facial, vedado o consumo de alimentos e bebidas.

– Eventos corporativos, de interesse profissional, técnico e/ou científico, como jornadas, seminários, simpósios, workshops, cursos, convenções, fóruns e rodadas de negócios; 

– Mostras comerciais, feirões e feiras de varejo; 

– Serviços de call center e telemarketing: exceto aqueles vinculados aos serviços de saúde ou executados em home office;

– As igrejas e os templos de qualquer culto deverão observar a Resolução n.º 705, de 30 de julho de 2021, da Secretaria de Estado da Saúde do Paraná, com a ressalva de 70% de ocupação.

Atividades liberadas com 50% de ocupação e protocolos

– Eventos esportivos profissionais com público externo e de apresentação teatral ou musical em espaços abertos com controle de acesso: autorizados desde que seja observada a ocupação de 50% (cinquenta por cento) da capacidade de público prevista no Certificado de Licenciamento do Corpo de Bombeiros – CLCB, com acesso restrito ao público com teste RT-PCR ou Pesquisa de Antígeno para detecção do vírus SARS-COV-2 negativo, coletado em até 48 horas antes da data do início do evento, realizado por laboratório de análises clínicas ou unidades de prestação de serviços de saúde devidamente autorizados pelas autoridades sanitárias, proibida a comercialização e o consumo no local de alimentos e bebidas alcóolicas; 

Atividades com protocolos específicos

– Parques e praças, serviços funerários e congêneres fica condicionado ao cumprimento de protocolo específico, conforme determinado pela Secretaria Municipal do Meio Ambiente;

– Feiras livres ficam condicionado ao cumprimento de protocolo específico, conforme determinado pela Secretaria Municipal de Segurança Alimentar e Nutricional – SMSAN, permitido o consumo no local de alimentos e bebidas;

– Feiras de artesanato fica condicionado ao cumprimento de protocolo específico, conforme determinado pelo Instituto Municipal de Turismo – CURITIBA TURISMO, permitido o consumo no local de alimentos e bebidas;

– Comércio ambulante de rua fica condicionado ao cumprimento de protocolo específico, conforme determinado pela Secretaria Municipal do Urbanismo – SMU. 
 

Governo renova decreto de medidas de enfrentamento à Covid-19 por mais 15 dias

O Governo do Estado renovou as orientações indicadas no último decreto sobre a pandemia por mais 15 dias no Paraná. A normativa foi assinada nesta quinta-feira (30) pelo governador Carlos Massa Ratinho Junior.

De acordo com o documento, podem ser realizados eventos em espaços abertos, para público exclusivamente sentado ou delimitado, com capacidade máxima de lotação de 60% do previsto para o local, desde que não exceda 5 mil pessoas. Em ambientes fechados, também com público exclusivamente sentado ou delimitado, a regra delimita capacidade máxima de lotação de 50% do previsto para o local, desde que não ultrapasse 2 mil pessoas.

Há exigência para que organizadores dos eventos exijam o comprovante de vacinação ou um teste negativo para Covid-19 dos participantes, com no máximo 48 horas de antecedência.

Permanece proibida a realização presencial dos eventos, de qualquer tipo, que possuam uma ou mais das seguintes características: em local fechado que não tenha sistema de climatização com renovação do ar e Plano de Manutenção, Operação e Controle atualizados; que demandem a permanência do público em pé durante sua realização; com duração superior a 6 horas; que não consigam garantir o controle de público no local ou que possam atrair presença de público superior àquele determinado nesta norma, como exposições e festivais; de caráter internacional; realizados em locais não autorizados para esse fim; e que não atendam os critérios previstos nesta legislação e demais normativas vigentes.

VACINAÇÃO – O cenário mais positivo da condição do Estado está atrelada ao avanço da vacinação no Paraná. Para dar seguimento à aplicação das doses no Paraná, o Ministério da Saúde enviará mais 176.670 vacinas contra a Covid-19 da Pfizer/BioNTech nesta semana. Serão 146.250 para dose reforço de trabalhadores da saúde que tenham tomado a segunda dose (D2) ou dose única (DU) até 31 de março e 30.420 para DR de idosos acima de 60 anos que tenham finalizado o esquema vacinal também até 31 de março.

Os imunizantes fazem parte da 55ª pauta de distribuição do Ministério da Saúde, que deve incluir, ainda, 137.200 vacinas da AstraZeneca/Fiocruz para completar 100% da D2 da 30ª pauta e 59% de D2 da 31ª pauta. Ao todo, o Paraná receberá 313.870 vacinas. As doses ainda não têm data confirmada para envio, mas devem chegar ao Estado ainda nesta semana.

Até o momento, o Paraná já aplicou 13.348.280 vacinas contra a Covid-19, sendo 8.093.515 D1, 323.286 doses únicas (DU), 4.890.510 D2, 30.930 doses de reforço (DR) e 10.167 doses adicionais (DA) em imunossuprimidos.

CENÁRIO – De acordo com o boletim epidemiológico divulgado pela Sesa nesta quinta-feira (30), o Paraná soma 1.505.437 casos e 38.879 óbitos pela Covid-19. 629 pacientes com diagnóstico confirmado de Covid-19 estão internados. São 493 em leitos SUS (303 em UTIs e 190 em clínicos/enfermarias) e 136 em leitos da rede particular (83 em UTIs e 53 em clínicos/enfermarias).