Teste rápido de farmácia pode gerar resultado falso negativo, alerta prefeitura

O teste indicado para detectar a doença na fase ativa é o RT-PCR, por amostra respiratória

Os teste rápidos de “farmácia”, por amostra de sangue, não são recomendados para identificar positividade na fase ativa da covid-19, justamente o período em que as pessoas contaminadas devem ficar em isolamento para não propagarem a doença. O teste indicado para detectar a doença na fase ativa é o RT-PCR, por amostra respiratória.

Os testes sorológicos, como os de farmácia, são apropriados para saber se uma pessoa já teve contato com o vírus e não se ela está infectada no momento do teste.

“O ideal é que esses testes com amostras de sangue sejam feitos 14 dias após o início dos sintomas. Antes disso, pode gerar um falso negativo mesmo se a pessoa estiver contaminada e o risco dela sair transmitindo o vírus é muito grande”, alerta o diretor do Centro de Epidemiologia da Secretaria Municipal da Saúde, Alcides de Oliveira.

Veja a diferença entre teste sorológico e molecular

Atualmente existem dois tipos de testes para detectar se uma pessoa foi infectada pelo novo coronavírus: o molecular e o sorológico.

O teste molecular (RT-PCR), feito em uma amostra respiratória do nariz ou garganta do paciente e analisada em laboratório de biologia molecular, pode indicar ou descartar a presença do vírus no momento do teste. O PCR precisa ser coletado no tempo certo, entre o 3º e o 6º dia de sintomas da covid-19.

“O PCR é o mais indicado para pacientes que apresentam sinais clínicos da covid, como febre, dor de garganta, tosse seca, alteração de olfato e paladar nos sete primeiros dias de sintomas”, diz Alcides Oliveira.

Sorologia: IgM e IgG

O outro teste é o sorológico (que pode ser rápido), feito em amostras de sangue coletadas em clínicas, laboratórios e em farmácias. Esses testes detectam a presença de anticorpos para combater a covid-19.

Os testes sorológicos geralmente medem dois anticorpos, que são as defesas produzidas pelo organismo contra o vírus: o IgM e o IgG.

O IgM é o primeiro anticorpo que o organismo produz para combater o novo coronavírus. Como a chance de falso positivo para esse reagente é alta, o resultado só será computado nos dados estatísticos quando vierem acompanhado de quadro clínico associado (sintomas da doença), ou no caso de ter havido contato com pessoas com covid-19 confirmada.

O IgG é produzido a partir do 10º dia da doença, permanecendo no organismo por um longo período de tempo. O resultado reagente do IgG significa que a infecção provavelmente aconteceu há mais de duas semanas, portanto, será computado simultaneamente entre os casos confirmados e recuperados.

Informações Banda B.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Madalosso incentiva campanha de vacinação infantil e oferece descontos para crianças vacinadas

A partir da próxima quarta-feira (19.01), as crianças que apresentarem o comprovante de vacinação contra a COVID-19 ganham uma porção da famosa Polenta Kids – polenta palito servida em uma embalagem divertida e interativa. A promoção que já foi feita pelo restaurante para a população adulta, tem o objetivo de incentivar a campanha de vacinação infantil e será válida de segunda-feira a sexta-feira no Container Express – exceto as terças que o mesmo encontra-se fechado – para crianças de 5 a 11 anos, mediante fornecimento do CPF e disponível apenas para uma retirada por criança.

Foto: Divulgação
Foto: Divulgação

Curitiba deu início a vacinação contra a COVID-19 em crianças de 5 a 11 anos nessa segunda-feira (17.01), começando pelos grupos prioritários – que acometem crianças acamadas, institucionalizadas e indígenas. Após a vacinação do primeiro grupo, a capital terá no total dez unidades de Saúde disponíveis para a vacinação dos pequenos curitibanos. A campanha serve como um lembrete e um incentivo às famílias a levarem suas crianças para realizar a imunização adequada, além de demonstrar o total apoio do restaurante em relação a importância da vacinação na população infantil.


Serviço:
Família Madalosso
Av. Manoel Ribas 5875, Santa Felicidade
(41) 3372-2121

95% da população vacinável de Curitiba recebeu pelo menos uma dose da vacina anticovid

A Secretaria Municipal da Saúde (SMS) de Curitiba vacinou, até a última sexta-feira (14/1), 1.582.431 pessoas com a primeira dose ou a dose única (Janssen) da vacina anticovid, o que corresponde a 81,2% de toda a população da cidade. Considerando o recorte de pessoas com 12 anos completos ou mais, esse percentual sobe para 95%.

A partir desta segunda-feira (17/1), a cidade passa a contar com um novo público elegível para receber os imunizantes contra o coronavírus: as crianças de 5 a 11 anos começaram a receber a primeira dose da vacina pediátrica da Pfizer, começando pelos públicos prioritários (crianças acamadas, institucionalizadas e indígenas).    

Em relação à população completamente imunizada (com duas doses ou dose única), a cobertura chegou a 76,3% na população em geral. Considerando o recorte de pessoas com 12 anos completos ou mais, o percentual sobe para 89,3%. Assim, a cidade está próxima de ter 9 entre cada dez curitibanos com 12 anos ou mais já completamente imunizados. 

Ao todo, Curitiba já aplicou 3.516.330 unidades do imunizante, sendo 1.544.104 primeiras doses e 1.449.307 segundas doses; 38.327 doses únicas; e 484.592doses de reforço.

Vacinados com 18 anos ou mais

Entre a população com 18 anos ou mais, 1.422.176 receberam a primeira dose; 1.366.791 receberam a segunda dose e 38.327 pessoas receberam a vacina em dose única.

Curitiba também está aplicando as doses de reforço para quem já completou o ciclo de imunização. Até sexta-feira (14/1), 484.592 pessoas receberam a dose complementar.

Adolescentes de 12 a 17 anos

Até o momento, a SMS vacinou 121.928 adolescentes entre 12 e 17 anos. Destes, 82.516 já receberam também a segunda dose.

Doses recebidas

Curitiba recebeu do Ministério da Saúde, repassadas pelo Governo do Paraná, 3.762.953 unidades do imunizante, sendo 1.667.812 primeiras doses (incluindo 9.870 doses pediátricas);  1.541.643 segundas doses; 38.290 doses únicas; e 515.208  doses de reforço. Nesse montante já estão contabilizados os 5% de reserva técnica.

A reserva técnica é uma medida de segurança, faz parte dos protocolos da logística e é necessária para evitar problemas no fluxo de imunização que possam ser causados por imprevistos eventuais, como a quebra acidental de frascos.

O município tem capacidade para vacinar mais de 30 mil pessoas por dia, já tendo aplicado 45,6 mil doses em um único dia, e o avanço do cronograma de imunização ocorre à medida que as doses são enviadas pelo Ministério da Saúde ao governo estadual, responsável por distribuir os lotes do imunizante aos municípios.

Confira detalhes da vacinação contra a covid-19 no Painel Covid-19 Curitiba.