Serviços de cadeiras anfíbias e passarelas tornam as praias paranaenses mais acessíveis

Pessoas com mobilidade reduzida podem usufruir com mais conforto das praias no litoral paranaense. O projeto Praia Acessível disponibiliza cadeiras anfíbias e passarelas que facilitam a caminhada na areia, em cinco pontos das praias de Guaratuba, Matinhos e Pontal do Paraná. O serviço é feito em parceria entre a Companhia de Saneamento do Paraná (Sanepar) e a Secretaria da Justiça, Família e Trabalho (Sejuf) e a Superintendência de Esporte.

As cadeiras anfíbias funcionam de terça a domingo, das 9 horas ao meio-dia e das 15 às 18 horas, com ajuda de agentes capacitados. Não é necessário agendar previamente, mas os usuários ou seus responsáveis legais devem preencher um cadastro no momento do uso das cadeiras.

Por questões de segurança, em dias chuvosos, o serviço fica suspenso. Os equipamentos são apropriados para entrar na água, possibilitando que pessoas com deficiência ou baixa mobilidade tenham um banho de mar seguro e confortável.

Em pontos próximos às cadeiras anfíbias, foram instalados 190 metros de passarelas de acessibilidade que facilitam a locomoção de pessoas desde as calçadas até a beira-mar. As passarelas estão sendo utilizadas não apenas por pessoas que usam cadeiras de rodas, mas por toda a população, especialmente por idosos, crianças ou pessoas com carrinhos de bebês.

As passarelas agradaram as pessoas que já utilizavam as cadeiras anfíbias. A moradora de Curitiba Loeide Sutil Gabriel Teodoro, de 57 anos, e o filho Emanuel Gabriel Teodoro usaram os serviços em Praia de Leste, nesta temporada.

“Conhecemos esse trabalho por acaso, em 2019, visitando Pontal do Paraná. Vimos a plaquinha do Praia Acessível e descobrimos as cadeiras anfíbias, inclusive na Praia de Leste, onde a gente vai frequentemente. Desde então, minha mãe usa a cadeira sempre que pode. Neste ano, melhorou muito porque foi instalada uma passarela até a beira-mar, que é como um tapete sobre a areia fofa, essencial para acessar a praia com a cadeira. Só no primeiro dia nesse verão, minha mãe quis tomar banho de mar três vezes na cadeira. Sem a cadeira não tem como entrar no mar, até a mobilidade na praia é bem dificultada”, diz Emanuel.

OUTROS SERVIÇOS – A Sanepar também disponibiliza duchas ecológicas para rápidos e confortáveis banhos de água tratada com cloro e baixo teor de sal, ainda na areia da praia. Isso contribui para a economia de água, uma vez que as duchas utilizam água do lençol freático e o banho na areia ajuda a reduzir o uso de água tratada do sistema público de abastecimento da Sanepar. As duchas ficam nos mesmos locais onde estão as cadeiras anfíbias e as passarelas.

A empresa também está levando totens do atendimento comercial para contêineres na beira da praia, fazendo a limpeza diária de 48 km de extensão das areias e participando das atividades nas arenas de recreação educativa na orla de Guaratuba, Matinhos e Pontal do Paraná, sempre divulgando em seus materiais a importância do uso racional da água, da separação de resíduos e da preservação ambiental.

Pontos das cadeiras anfíbias, passarelas e duchas ecológicas:

Guaratuba: Morro do Cristo (Avenida Atlântica, em frente à Avenida Brejatuba)

Matinhos: Avenida Atlântica, em frente à Rua Londrina

Pontal do Paraná: Balneário de Praia de Leste (Avenida Deputado Aníbal Khury, em frente à Rua Baronesa do Cerro Azul)

– Balneário de Ipanema (Avenida Deputado Aníbal Khury, em frente à Rua São Luís)

– Balneário de Shangrilá (Avenida Deputado Aníbal Khury, em frente à Avenida Paranaguá)

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Chuvas causam desabamentos, quedas de árvores e deixam pessoas desabrigadas em Curitiba e Litoral

As fortes chuvas que atingiram a Curitiba na noite desta quarta-feira (5) formaram pontos de alagamento e provocaram pelo menos três desabamentos, conforme boletim da Defesa Civil do Município. No litoral, a cidade de Matinhos registrou 123 mm de água até às 23 horas da noite desta quarta e pelo oito famílias tiveram de deixar as suas casas no litoral.

Em Curitiba, entre os locais com alagamentos, os registros aconteceram na região da Praça Osório (Rua Visconde de Nacar e Avenida Vicente Machado), da Rodoferroviária (ala estadual) e nas proximidades da trincheira da Rua General Mário Tourinho. Também houve registro de alagamentos nas ruas Adinar dos Santos Ribeiro (Fazendinha), José João Ferreira de Lima e Fausto Scorsim (CIC), Dionísio Ribeiro Baptista (Novo Mundo) e Guilherme Ihlenfeldt (Bacacheri).

Segundo o boletim, equipes da Defesa Civil, da Arborização (Meio Ambiente), da Guarda Municipal, da Superintendência de Trânsito (Setran) e da Coordenadoria de Segurança de Edificações e Imóveis (Cosedi) atuaram em atendimento às ocorrências.

Imagens enviadas à Banda B mostram um trecho da rua Brigadeiro Franco, no bairro Parolin, na capital, completamente alagado. O rio Vila Guaíra teria transbordado e provocado o transtorno.

Desabamentos

No Bigorrilho, a parede do subsolo de um prédio residencial desabou. No Santa Cândida, houve desabamento do muro de um condomínio. Equipe da Cosedi foi deslocada para avaliação emergencial da estrutura nos dois casos. Ainda, no bairro Batel, foi registrada a queda de parte do telhado de um restaurante.

Quedas de árvore e fornecimento de lona

Pela Central 156 de Atendimento ao Cidadão houve registro de 10 solicitações de quedas de árvore e galhos grandes em via pública. Em Santa Felicidade, a Guarda Municipal forneceu lona emergencial para uma residência. Não há registro de pessoas que precisaram deixar suas casas (desabrigadas ou desalojadas).

Curitiba teve rajadas de vento de 29,9 km/h registradas pelo Simepar e precipitação acumulada de 74,4 mm registrados na estação pluviométrica do Cemadem (Vista Alegre).

A Coordenadoria Municipal de Proteção e Defesa Civil de Curitiba continua monitorando as situações para eventual intervenção e acionamento dos órgãos competentes.

Central 156

O cidadão que precisar comunicar a Prefeitura sobre estragos provocados pelo vendaval deve utilizar o telefone 156 da Central de Atendimento ao Cidadão, pelo site (www.central156.org.br) ou pelo aplicativo do serviço. O atendimento é feito por ordem de chamada e também de acordo com a gravidade da situação relatada.

A Defesa Civil registra as ocorrências que chegam ao município pelo telefone de emergência 199 (alagamentos) e, também, pelo 156 (Central de Atendimento ao Cidadão, que registra as solicitações para retiradas de árvore) e pelo 153 (Centro de Operações da Guarda Municipal – fornecimento de lona).

Outras situações decorrentes de chuvas ou temporais podem ser atendidas pelo Corpo de Bombeiros (193 – resgate) e pela Copel (falta de luz).

Estragos no litoral

No litoral do Paraná, 127 ocorrências foram atendidas. Os locais mais atingidos foram os bairros Tabuleiro, Sertãozinho e o Balneário de Caiobá.

Em Guaratuba e Matinhos, os acumulados de precipitação registrados estão acima dos 100 mm. Até as 20h30, o Simepar registrava acumulados de chuva entre 10 e 20 mm na Grande Curitiba.

Informações Banda B

Sanepar retira mais de 23 toneladas de lixo das praias na virada do ano

Na virada do ano, coletores contratados pela Sanepar retiraram 23.510 quilos de resíduos da orla das cidades de Guaratuba, Matinhos e Pontal do Paraná. Esse foi o maior volume diário de lixo coletado da praia pela Companhia nesta temporada. Desde que a atividade foi iniciada, em 17 de dezembro de 2021, foram quase 250 toneladas, uma média de 15.577 quilos por dia.

Os coletores da Sanepar têm distribuído sacolinhas plásticas para que os próprios banhistas recolham o lixo que produzem enquanto estão na praia. A Companhia também deixou 400 tambores nas calçadas próximas à orla nos municípios de Guaraqueçaba, Guaratuba, Matinhos, Morretes e Pontal do Paraná para receber os resíduos gerados na beira-mar.

Os serviços da Sanepar incluem limpeza, varrição e separação de resíduos e são feitos diariamente, incluindo sábados, domingos e feriados, num trecho de cerca de 48 km. Na limpeza das areias são utilizados 10 quadriciclos e 10 carretinhas, com atuação de cerca de 130 trabalhadores, entre coletores, motoristas e supervisores, a maioria moradores do Litoral.

A coleta de resíduos na orla vai até o início de março de 2022.