Secretário da Saúde alerta para alta dos números da Covid-19 nos últimos 3 dias no Paraná: “A pandemia não acabou”

O boletim da Covid-19 desta quarta-feira (21) mostrou que o estado passou de 200 mil infectados e que o número de mortes se aproxima de 5 mil

O secretário de Saúde do Paraná, Beto Preto, afirmou nesta quarta-feira (21) que um aumento no número de casos e mortes por coronavírus foi registrado nos últimos três dias no estado. Ele ressaltou a importância da população continuar com as medidas de prevenção contra o vírus.

“Nos últimos três dias, começamos a detectar uma nova alta no número de casos confirmados e também de óbitos de paranaenses que estão internados nos hospitais. Quero chamar a atenção para isso: a pandemia não acabou”, disse Beto Preto.

O boletim da Covid-19 desta quarta-feira mostrou que o estado passou de 200 mil infectados e que o número de mortes se aproxima de 5 mil.

De acordo com o secretário, o Paraná ficou dois meses com a curva de casos de Covid-19 em um patamar “muito elevado”, mas ela vem baixando. Em comparação há 15 dias atrás, o número de casos e mortes pela doença teria caído em até 30%.

Beto Preto destacou ainda que o Paraná é o segundo estado, entre todos do país, que mais aplicou testes RT-PCR. “São 220 dias da pandemia do coronavírus aqui no Paraná. Em 220 dias, já chegamos a quase 800 mil testes RT-PCR realizados. Chegamos aqui com menos perdas de vidas humanas do que outros estados, mas mesmo assim existem cidades inteiras enlutadas pela perda de muitos paranaenses. Para que essa dor não aumente ainda mais, vamos continuar nos cuidando”, concluiu o secretário.

Boletim

A Secretaria de Estado da Saúde divulgou nesta quarta-feira mais 1.168 casos confirmados e 35 mortes em decorrência da infecção causada pelo novo coronavírus. As novas vítimas são 17 mulheres e 18 homens, com idades que variam de 40 a 113 anos.

Os dados acumulados do monitoramento da Covid-19 mostram que o Paraná soma 200.952 casos e 4.986 mortos em decorrência da doença.

Informações Banda B.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Segundo a Fiocruz, Curitiba está entre as capitais com tendência de avanço da covid-19

O boletim semanal Infogripe divulgado pela Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) revela que 97,7% das ocorrências de Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG) reportadas no país em 2020 e com exame positivo para alguma infecção viral se deram em decorrência da covid-19. De acordo com os pesquisadores envolvidos no levantamento, os dados divulgados nesta quinta-feira (3) também mostram um avanço da doença.

“O registro de crescimento que vem se observando em todo o território nacional durante o mês de novembro sugere a necessidade de cuidado redobrado ao longo do mês de dezembro. Ações de conscientização e prevenção devem ser tomadas para evitar que as tradicionais aglomerações no comércio e nas celebrações de fim de ano agravem o quadro atual”, alerta o boletim.

O levantamento traz uma análise para as próximas três semanas (curto prazo) e para as próximas seis semanas (longo prazo). Das 27 capitais, 13 registram  sinal moderado ou forte de crescimento na tendência de longo prazo: Campo Grande, Curitiba, Goiânia, Maceió, Palmas , Salvador, Belo Horizonte, Cuiabá, Manaus, Brasília, Rio de Janeiro, São Luís e São Paulo.

Em apenas quatro estados, as tendências de curto e longo prazo apresentam sinal de queda ou estabilização em todas as suas macrorregiões de saúde: Acre, Amapá, Roraima e Sergipe. Essa situação também ocorre no Distrito Federal.

Todas as regiões do país foram classificadas em zona de risco e com ocorrência de casos muito altos na semana epidemiológica entre 22 e 28 de novembro. A íntegra do boletim está disponibilizada no portal da Fiocruz.

Síndrome respiratória

O Infogripe leva em conta as notificações de SRAG registradas no Sivep-gripe, sistema de informação mantido pelo Ministério de Saúde e alimentado por estados e municípios. A nova edição se baseia nos dados inseridos até  segunda-feira (30).

A SRAG é uma complicação respiratória associada muitas vezes ao agravamento de alguma infecção viral. O paciente pode apresentar desconforto respiratório e queda no nível de saturação de oxigênio, entre outros sintomas.

As notificações de SRAG em 2020 aumentaram em decorrência da pandemia do novo coronavírus (covid-19), Sars-CoV-2.

No ano passado, foram reportados 39,4 mil casos. Neste ano, já são 584.176, dos quais 54,8% tiveram resultado laboratorial indicando presença de algum vírus respiratório.

Entre as ocorrências com exame positivo para infecção viral, foram identificados quadros de SRAG associados não apenas ao novo coronavírus (97,7%), como também ao vírus influenza A (0,4%), ao vírus sincicial respiratório (0,4%) e ao vírus influenza b (0,2%). Quando analisados os casos que evoluíram à óbito, 99,3% estão vinculados ao novo coronavírus.

Este ano já são 141.351 mortes por SRAG. Em 2019, foram 3.811.

Senado aprova PL sobre prioridade de vacinação da covid-19

O Senado aprovou nesta quinta-feira (3) um Projeto de Lei (PL) que define a priorização, dentro da população brasileira, para a vacinação contra a covid-19. Segundo o projeto, os grupos mais vulneráveis ao vírus devem ser priorizados na vacinação contra a doença, de acordo com parâmetros científicos estabelecidos. O projeto segue para a Câmara.

De acordo com o PL, a vacina será oferecida de maneira gratuita à população. Segundo informado pelo Ministério da Saúde, estão mais vulneráveis à covid-19 pessoas idosas e pessoas com condições médicas preexistentes como pressão alta, doenças cardíacas e doenças pulmonares.

Segundo o relator do projeto, Nelsinho Trad (PSD-MS), existe uma lei que confere ao Ministério da Saúde a responsabilidade sobre a vacinação. por meio do Programa Nacional de Imunizações (PNI). O PNI deve definir as vacinações, inclusive aquelas de caráter obrigatório.

O autor do projeto, Alessandro Vieira,  disse que o projeto não obriga a população a se vacinar. “É muito claro que vamos conseguir vacina gratuita, efetiva e funcional para os brasileiros que desejarem se vacinar. O projeto não torna a vacina obrigatória para nenhum cidadão. Torna, apenas, garantida sua disponibilidade para aqueles que desejarem, dentro dos critérios técnicos e aprovados”.