Saúde orienta para cuidados preventivos contra o câncer

A Secretaria de Estado da Saúde (Sesa) alerta sobre a importância do diagnóstico precoce do câncer e de se adotar um estilo de vida saudável como forma de prevenção. A doença é hoje a segunda maior causa de morte em todo o mundo. Nesta quinta-feira (4) é marcado como Dia Mundial do Câncer.

Em média, 80 a 90% dos casos de câncer estão relacionados a fatores ambientais, como o cigarro, bebidas alcoólicas, exposição excessiva ao sol, alimentação não saudável, sedentarismo e agentes infecciosos, como HPV e vírus da hepatite B, por exemplo.

“Algumas alterações no estilo de vida podem contribuir significativamente para a redução dos casos de câncer, como, por exemplo, não fumar, evitar bebidas alcoólicas, evitar exposição ao sol entre 10h e 16h, adotar alimentação saudável e praticar atividades físicas”, diz o secretário Beto Preto.

Em conjunto com ações de autocuidado e mudança de comportamento, a realização de exames como o preventivo do colo do útero e a mamografia favorecem o rastreamento e a detecção precoce da doença, contribuindo para a redução da morbimortalidade. Além dessas estratégias, a vacinação contra a hepatite B e HPV também auxiliam na prevenção.

DADOS – De janeiro a dezembro de 2020 foram diagnosticados 18.631 casos pelo SUS no Paraná, sendo o câncer de mama o mais incidente. Em 2019 foram diagnosticados 43.796 casos. Os dados são do Painel Oncológico do Instituto Nacional do Câncer.

Em 2021 a estimativa é que o Estado do Paraná tenha 18.710 novos casos de câncer em pessoas do sexo masculino e 16.340 novos casos no sexo feminino.

Em 2020 houve uma queda de 43% (dados preliminares) no número de diagnósticos de câncer comparado ao mesmo período de 2019 no Paraná. O motivo seria a pandemia da Covid-19.

“Ressaltamos que toda a Rede de Atenção à Saúde continua disponível para o rastreamento ao diagnóstico e tratamento do câncer, seguindo todas as medidas de prevenção do coronavírus. É muito importante que a população esteja atenta aos sinais de alerta, bem como aos exames de rastreamento e procure atendimento para o correto encaminhamento e tratamento da doença”, afirma a chefe da Divisão de Prevenção e Controle de Doenças Crônicas e Tabagismo da Sesa, Rejane Cristina Teixeira Tabuti.

Com o objetivo de reorganização da Rede de Atenção à Saúde e ampliação da população-alvo, visando mitigar o impacto da pandemia, o Paraná recebeu mais de R$ 11 milhões para fortalecimento do acesso, detecção precoce e controle dos cânceres de mama e colo do útero que abrangerá ações em todos os municípios do estado.

Houve aumento nos valores de alguns procedimentos de oncologia, como citopatológicos, anátomos e imunohistoquímica, por meio da Portaria GM/MS nº 3426, de 14 de dezembro de 2020.

REDE – A Rede de Saúde do Estado conta com 28 estabelecimentos habilitados, como Unidades de Assistência de Alta Complexidade (Unacons) e Centros de Assistência de Alta Complexidade (Cacons) que oferecem atendimento especializado e integral ao paciente com câncer.

O atendimento inicial deve ser feito nas Unidades Básicas de Saúde do Estado, onde são feitas consultas, orientações, solicitação de exames para investigação diagnóstica do câncer e encaminhamentos necessários para a rede. “Enfatizamos que os exames de rastreamento do câncer do colo do útero e da mama estão disponíveis em todos os meses do ano e que podem ser aprazados na Carteira de Saúde da Mulher”, diz Rejane.

O Governo do Estado preconiza que o cuidado à saúde aconteça de forma regionalizada e em estabelecimentos habilitados e qualificados; no caso do câncer, os serviços abrangem diagnóstico, estadiamento e tratamento.

Em caso de sinais e sintomas suspeitos, como protuberância ou nódulo anormal, dor contínua, cansaço inexplicável, perda de apetite ou de peso não intencional, sangramento anormal, feridas que não cicatrizam ou febre ou sintomas inespecíficos que não melhoram, dirija-se a uma unidade de saúde.

Informações AEN.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Litoral registra mais de 34 mil casos de Covid-19; barreiras serão mantidas no feriado

As cidades do Litoral do Paraná somam mais de 34 mil casos de Covid-19 e 850 óbitos em decorrência da doença. Devido ao agravamento da pandemia e o decreto da bandeira vermelha em Curitiba, serão mantidas as barreiras sanitárias durante o feriado de Corpus Christi (3).

A medida busca fiscalizar e impedir a entrada de turistas nas praias. Em Paranaguá, Pontal do Paraná e Matinhos as barreiras foram instaladas na manhã desta quarta-feira (2). A prefeitura de Guaratuba anunciou que também fará barreiras restritivas e vai restringir as atividades não essenciais.

Requisitos de passagem pelas barreiras:

-Pessoa com residência na cidade mediante a apresentação dos seguintes documentos em seu nome, ou se do esposo (a) apresentar certidão de casamento, ou identidade do filho comum: Fatura de água, luz, telefone, internet, IPTU, matrícula de imóvel, título de eleitor em Guaratuba, documento do veículo registrado em Guaratuba acompanhado de documento com foto.

– Comprovação de vínculo de trabalho no município com Carteira de Trabalho assinada, Ordem de serviço, Chamado para atenção de ocorrências.

Pelo menos três cidades da RMC seguem bandeira vermelha de Curitiba

As cidades, da Região Metropolitana de Curitiba (RMC), Almirante Tamandaré, Rio Branco do Sul e Campo Magro publicaram novos decretos de combate à Covid-19 com restrições que se assemelham às regras da bandeira vermelha em Curitiba. A expectativa é que ainda outras cidades acompanhem a capital com medidas mais rígidas.

Os três municípios citados determinaram toque de recolher das 21h até as 5h da manhã do dia seguinte. O comércio está autorizado a funcionar de segunda a sábado, mas não de forma presencial.

Restaurantes também podem funcionar, porém apenas na modalidade delivery, drive-thru e retirada no balcão. Os mercados estão proibidos de abrir aos domingos.

Pinhais e Balsa Nova

As cidades de Pinhais e Balsa Nova também publicaram novos decretos, no entanto com medidas mais flexíveis.

Em Pinhais, o toque de recolher acontece das 21h às 5h, mas as atividades de rua não essenciais e prestação de serviços continuam presencialmente de segunda a sábado, das 9h às 18h, sendo suspensas apenas no domingo.

Já restaurantes, pizzarias, lanchonetes e bares, podem funcionar com limitação de 50% de ocupação. Aos domingos, o atendimento é apenas por meio das modalidades de entrega, ficando vedado o consumo no local.

Balsa Nova também manteve o comércio e mercados abertos, com 50% da capacidade do local, de segunda a sábado. Restaurante funcionam com metada da ocupação e no domingo somente na modalidade delivery, drive-thru e retirada no balcão. Bares ficam abertos de segunda a sábado. O toque de recolher vale a partir das 20h e vai até as 5h.

Os municípios de Araucária, Campina Grande do Sul, Colombo, Campo Largo, Fazenda Rio Grande, Piraquara, Pinhais, Quatro Barras e São José dos Pinhais ainda não apresentaram oficialmente novas definições de medidas restritivas.

Reunião

Representantes da Prefeitura de Curitiba se reuniram, nesta segunda-feira (31), com lideranças de municípios da Região Metropolitana, em mais um esforço para promover medidas conjuntas de combate à expansão da pandemia da covid-19. Segundo a gestão municipal, a falta de adesão das cidades vizinhas compromete os resultados necessários para redução da expansão da doença, além de manter a pressão da rede de saúde da capital.

Na reunião por videoconferência, a Associação dos Municípios da Região Metropolitana de Curitiba (Assomec) discutiu a minuta de decreto que busca servir de base para cidades da Grande Curitiba ampliarem as restrições neste momento de agravamento da covid-19.

A base do documento é o decreto municipal nº 940/2021, que estabeleceu a bandeira vermelha em Curitiba e entrou em vigor no último sábado (29/5). A expectativa é a de que os municípios façam os ajustes necessários de acordo com a realidade de cada um.

O vice-prefeito Eduardo Pimentel, representando o prefeito Rafael Greca, que também é presidente da Assomec, reiterou a importância dos municípios da Grande Curitiba adotarem as medidas de ampliação das restrições de circulação.  

“Quanto mais alinhadas estiverem as ações da Região Metropolitana melhores serão os resultados no combate à pandemia. Não tem sentido uma cidade restringir atividades e outras deixarem livre. Aí o vírus vai continuar circulando”, argumentou Pimentel, que é coordenador municipal de Ações Integradas com a Região Metropolitana de Curitiba.

A secretária municipal da Saúde, Márcia Huçulak, também pediu durante o encontro que os municípios metropolitanos adotem as restrições previstas na bandeira vermelha de Curitiba.

Informações Banda B