Saúde orienta isolamento de 7 dias para pacientes de Covid-19 assintomáticos

A Secretaria de Estado da Saúde divulgou, nesta quarta-feira (12), novas orientações para o isolamento de pacientes infectados com a Covid-19. Para aqueles que estão assintomáticos, o período é de sete dias, já nos casos em que o infectado apresenta sintomas leves e moderados, a recomendação é de dez dias. Os prazos passam a contar a partir da confirmação por meio de um teste PCR (padrão ouro) ou antígeno.

A orientação é diferente da indicada pelo Ministério da Saúde, que anunciou nesta segunda-feira (10) a redução de dez para cinco dias de isolamento nos casos de pessoas que estão sem sintomas respiratórios, sem febre há 24 horas e que tenham resultado negativo nos testes; e de sete dias nos casos em que o paciente tenha sintomas leves ou moderados. A regra prevista anteriormente pelo Ministério da Saúde era de 14 dias de isolamento ininterruptos.

A diferença entre os períodos se dá por conta da logística de testagem nos municípios paranaenses. A decisão foi encaminhada ao Conselho de Secretarias Municipais de Saúde do Paraná.

“Estamos cumprindo a nova determinação do Ministério, porém, deixando de fora a recomendação de cinco dias de isolamento para assintomáticos, já que é muito difícil para os municípios promoverem esse isolamento de cinco dias porque teríamos que testar duas vezes, e hoje, a rede tem dificuldade para testar duas vezes num período tão curto”, afirmou o secretário estadual de Saúde, Beto Preto.

Apesar da redução no isolamento, as medidas de prevenção contra a disseminação do vírus ainda estão mantidas. Entre as principais orientações estão o uso correto de máscara, distanciamento social, manter ambientes ventilados com livre circulação de ar, higienização das mãos e evitar contato próximo com pessoas que apresentem sintomas respiratórios. A vacina também é essencial para evitar a proliferação de casos graves da doença.

“A vacinação tem sido fundamental. Sem ela, não teríamos chegado até aqui”, disse o secretário. “Precisamos retomar os cuidados, caso contrário vamos ver nossos hospitais apresentarem grande lotação nos próximos dias”, complementou.

ÔMICRON — Nesta quarta-feira (12), a Secretaria de Saúde confirmou o primeiro caso da variante Ômicron no Paraná. Trata-se de um homem de 24 anos, morador de Curitiba, que apresentou os primeiros sintomas no dia 14 de dezembro de 2021, e teve o caso confirmado no dia 18. Segundo o Ministério da Saúde, 392 casos da variante Ômicron foram confirmados até a última segunda-feira (10) no Brasil, com uma morte. O País tem, até o momento, 708 casos em investigação.

De acordo com a Secretaria de Estado da Saúde, já existe transmissão comunitária da variante Ômicron no Paraná. Os dados podem ser constatados pela evolução de casos em janeiro. Somente nos primeiros onze dias, foram identificados 40.164 infectados. Como comparativo, em dezembro, o total foi de 9.165. O número de casos no começo deste ano se assemelha a janeiro de 2021, no início da vacinação, que registrou cerca de 44 mil casos (onze dias). A média móvel dos casos teve um salto de 1.914,5% em relação aos 14 dias anteriores, na casa de 4.175 por dia.

A principal estratégia para o enfrentamento da variante é a alta cobertura vacinal. Desde o início da campanha de vacinação, o Paraná já aplicou, no total, 17.802.050 doses de imunizantes contra a doença.

Até o momento, não há previsão de novas medidas restritivas para conter o avanço dos casos, mas Beto Preto fez um apelo à população para que adote os cuidados preventivos, a fim de evitar a transmissão desenfreada. “Todas as medidas estão no nosso radar, mas neste momento qualquer tipo de aglomeração fora do comum deve ser evitada”, disse.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Predominância da Ômicron passa de 85% no Paraná, aponta Fiocruz

A Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) Paraná confirmou na noite desta quarta-feira (19) à Secretaria de Estado da Saúde que o índice de predominância da variante Ômicron gira em torno de 85,3%. Agora, dentro de 190 novas amostragens analisadas, 162 positivaram para a cepa, e 28 para a Delta, que era predominante no Estado em 2021.

O Relatório de circulação de linhagens do vírus Sars-CoV-2, responsável pela Covid-19, do Instituto Carlos Chagas, já havia confirmado a predominância da variante no sequenciamento genômico de sábado (15). A análise considera testes coletados entre 3 e 9 de janeiro deste ano nas quatro macrorregiões do Estado em parceria com o Instituto de Biologia Molecular do Paraná (IBMP).

“A presença e a circulação acelerada da Ômicron no Paraná são fatos. Já estávamos esperando desde a confirmação da variante no Brasil. Nossa média móvel de casos em janeiro é muito maior do que a de dezembro, isso mostra claramente a predominância da Ômicron, ultrapassando a Delta no Estado”, afirmou o secretário de Estado da Saúde, Beto Preto. 

A cepa é considerada como “variante de preocupação” (VOC) pela Organização Mundial da Saúde (OMS). A VOC tende a induzir casos mais graves e aumentar a transmissibilidade da doença. 

“Precisamos que a população se conscientize e continue utilizando máscaras, lavando as mãos, usando álcool em gel e deixando a vacinação contra a Covid-19 em dia, seja com a primeira dose nas crianças, segunda dose em adultos e adolescentes e dose de reforço”, disse o secretário. 

A Sesa havia confirmado oito novos casos da variante nesta quarta após o Relatório de Sequenciamento Genômico da Fiocruz Rio de Janeiro, somando 100 registros da variante. Com o sequenciamento da Fiocruz Paraná, o Estado passa a ter 262 confirmações da Ômicron, sem óbitos registrados. 

Os casos identificados serão inseridos no monitoramento oficial do Estado nos próximos dias, após investigação epidemiológica para identificação do perfil, município de residência e evolução dos infectados.

Curitiba convoca o primeiro grupo de crianças sem comorbidades para a vacinação

Nesta quinta-feira (20/1), Curitiba completa um ano do início da campanha de vacinação contra a covid-19 e começa imunizar as crianças sem comordidades. Devido à limitação de doses, a convocação acontecerá de forma escalonada por data de nascimento. 

Nesta quinta, receberão a primeira dose anticovid as crianças nascidas entre 1º de janeiro e 30 de junho de 2010. Na sexta-feira (21/1), a vacinação será para as nascidas entre 1º de julho e 31 de dezembro de 2010.

“Em 20 de janeiro de 2021 eu abria as portas do Pavilhão da Cura para vacinar os profissionais da Saúde. Um ano depois já estamos colhendo os bons resultados da vacina e agora recebemos com alegria os primeiros curitibinhas sem comorbidades”, disse o prefeito Rafael Greca.  

O atendimento para as crianças será feito em dez unidades de saúde exclusivas, das 8h às 17h. Confira os endereços no site Imuniza Já, na aba “Locais de vacinação”.

Segundo estimativas da Secretaria Municipal da Saúde (SMS) há cerca de 20 mil crianças nessa faixa etária. A ampliação para novo grupo depende da avaliação de estoque e da chegada de mais imunizantes pediátricos.

Greca pede que os pais não tenham medo da vacina e que levem os filhos para vacinar.

“A humanidade conhece as vacinas desde o século 18, desde a vacina de varíola. Então, não tem cabimento a humanidade não gostar de vacina ou não vacinar. Levem seus filhos”, pede o prefeito.

Também poderão receber a primeira aplicação as crianças que já foram convocadas e não puderam comparecer na data. 

O novo chamamento será possível devido às 10.400 doses de imunizantes pediátricos que a SMS recebeu da Secretaria Estadual da Saúde do Paraná (Sesa).

Orientação para a vacinação 

A SMS orienta para que os responsáveis façam o cadastro prévio da criança no Aplicativo Saúde Já. Essa ação agiliza o fluxo da vacinação. Crianças acompanhadas pelo SUS de Curitiba já estão cadastradas. 

No dia da vacinação é necessário que a criança esteja acompanhada de um familiar ou responsável para a assinatura do termo de consentimento.

Também devem ser apresentados os documentos pessoais da criança, documento de identificação com foto e comprovante de residência em nome do responsável pela criança. 

As orientações detalhadas e a relação das comorbidades pode ser conferida no Pequeno Manual para vacinação das crianças de 5 a 11 anos em Curitiba.

Crianças acamadas

Equipes volantes de vacinadores continuam imunizando as crianças acamadas, mediante agendamento. As crianças acamadas em leitos atendidas pelo SUS Curitibano terão sua dose agendada a partir de um contato telefônico das equipes da SMS com os familiares. 

Aquelas que são atendidas pela rede privada devem fazer o cadastro, disponível desde o dia 13 de janeiro, via Aplicativo Saúde Já Curitiba – é necessário atualizar a versão do aplicativo nas lojas virtuais para plataformas Android ou iOS – ou pelo site.

Após baixar a atualização nas lojas de aplicativos para Android ou iOS – ou pelo site https://saudeja.curitiba.pr.gov.br/, escolhendo a opção “Paciente Acamado”.  

Recomendações

A vacina contra a covid-19 para crianças não deve ser aplicada de forma simultânea com imunizantes para outras doenças, a recomendação é de seja dado um intervalo de 15 dias.

Crianças que testaram positivo para a doença devem aguardar o intervalo necessário para receber o imunizante, que neste caso é de 30 dias após a data de início dos sintomas.

Cronograma de vacinação das crianças

•    20/1 (quinta-feira) – nascidas entre 1º de janeiro e 30 de junho de 2010;

•    21/1 (sexta-feira) – nascidas entre 1º de julho e 31 de dezembro.